Uso de drones para aplicar agrotóxicos é aprovado em Marechal Rondon

//Uso de drones para aplicar agrotóxicos é aprovado em Marechal Rondon

 

O Poder Legislativo de Marechal Cândido Rondon aprovou nesta segunda-feira (29), em segunda e última votação, o projeto de lei 03/2021. De autoria do vereador Vanderlei Sauer, o texto autoriza o uso de drones para aplicar defensivos agrícolas na área rural de Marechal Cândido Rondon. De acordo com o portal O Presente a proposta acrescenta parágrafo único em artigo da lei municipal 3.226/1999. A matéria aprovada mantém a proibição do uso de aviões para a pulverização com agrotóxicos. Mas, autoriza o uso de drones, desde que o equipamento esteja registrado e homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e Ministério da Agricultura. O operador também precisa ser certificado para aplicação de agroquímicos. Conforme Sauer, na agricultura moderna passou-se a utilizar o “sistema de precisão”, que exige avanços no tratamento e cultivo das plantas, buscando sempre maior eficiência e produtividade, respeitando o meio ambiente. Nesse sentido, o uso de drones na atividade agrícola é uma solução segura, eficiente e econômica, afirma o vereador. Entre as principais vantagens dessa tecnologia estão a redução do risco de contaminação do operador; diminuição do volume de agroquímicos lançados no meio ambiente devido ao uso pontual na lavoura; não amassamento da plantação, como na aplicação tradicional; e custo reduzido por ser um equipamento pequeno, elétrico e de fácil transporte e manuseio. Ressalta-se ainda que a deriva é mínima, pois opera dentro dos limites da propriedade e a uma altura máxima de 1 metro. Além disso, o drone pode ser utilizado quando o solo está encharcado, o que não é possível com o uso de maquinários. “Considerando que nosso município tem na agricultura seu carro chefe e é formado por pequenas propriedades, a utilização de drones na agricultura pode se mostrar de grande proveito, como já acontece pelo Brasil afora”, afirmou o vereador na justificativa do projeto de lei, que agora será enviado para sanção do Poder Executivo Municipal.

Brasil tem terceira piloto agrícola de turboélice

A empresária e piloto agrícola Joelize Friedrichs se tornou no final de semana a terceira brasileira capacitada a comandar aeronaves turboélice agrícolas, destacou o portal AgroLink nesta quarta-feira (31). Foi quando ela concluiu o curso de transição de aeronaves de motor a pistão para turboélice, da DP Aviação em parceria com a Pachu Aviação Agrícola, em Olímpia, no interior paulista. O curso ali é o único na América Latina que onde a parte prática ocorre em uma aeronave de duplo comando (no caso, um Air Tractor modelo AT-504). A instrução prática fica a cargo do empresário e instrutor Marcelo Amaral (China), da Pachu. Mas para chegar ali é preciso primeiro ser aprovado na etapa teórica – a cargo do empresário e representante da Air Tractor Diego Preuss, onde o piloto passa a entender todo o sistema das aeronaves turbo, principalmente o funcionamento do motor, que é o grande diferencial dessa categoria. No geral, o currículo abrange desde os procedimentos normais de operação até os procedimentos de emergência. Tudo para que os pilotos possam tirar o máximo dos aviões, em segurança e produtividade. Joelize é uma das nove mulheres atualmente com licença de piloto agrícola no Brasil. Foi também a primeira brasileira a dar instrução de voo agrícola para outra mulher, em outubro de 2020. Antes de Joelize, as mineiras Laura Ramos de Lima e Juliana Torchetti Coppick haviam feito a transição para turbo. Laura no curso da Pachu e da DP Aviação e Juliana na fábrica da Thrush Aircraft, em Albany, no Estado norte-americano da Georgia. Com isso, Juliana também se tornou a primeira piloto brasileira a voar agrícola nos Estados Unidos.

Cai urgência de ICMS dos combustíveis

O presidente Jair Bolsonaro retirou nesta terça-feira (30) o requerimento de urgência para o projeto que muda a forma de cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) dos combustíveis, como gasolina e diesel. Segundo o Valor Econômico a proposta passaria a trancar a pauta de votações da Câmara dos Deputados a partir de hoje, o que impediria a análise de outros projetos de lei até que fosse votada, mas o texto ainda não tinha nem relator de plenário indicado oficialmente e saiu de pauta. Os deputados decidiram, desde a semana passada, votar apenas projetos relacionados a pandemia da covid-19 por 15 dias, diante do crescimento das mortes no país. O projeto do ICMS, contudo, impediria esse plano. Segundo o líder do governo, deputado Ricardo Barros (PP-PR), a proposta ainda não tem acordo para ir a votação no plenário. O texto para mudar a forma de cálculo do ICMS foi enviado ao Congresso em fevereiro, em meio a tentativa do presidente de culpar os governadores pelo aumento no preço dos combustíveis, como a gasolina e o diesel, que levou também a troca do presidente da Petrobras. Com a decisão de retirar a urgência, publicada ontem numa edição extra do Diário Oficial da União após a reunião dos líderes partidários, não há prazo previsto para votação do projeto. O tema deve ser debatido na Comissão de Finanças e Tributação, onde o deputado Júlio César (PSD-PI), coordenador da bancada do Nordeste e presidente da comissão, se autonomeou relator.

Execução do Código Florestal agora é responsabilidade dos Estados 

Em artigo publicado no jornal O Estado de S.Paulo nesta quarta-feira (31), Pedro Luiz Passos e Luis Fernando G. Pinto, respectivamente, presidente e diretor de conhecimento da Fundação SOS Mata Atlântica, destacaram que, o Código Florestal é uma situação difícil de explicar. A lei não é cumprida e para é preciso voltar no tempo. A lei existe desde 1934, sendo atualizada em 1965. Desde sempre, foi descumprida por parte dos imóveis rurais no Brasil. O que não significa que não é cumprida por ninguém ou que fosse impossível de ser cumprida. Pelo contrário. O requisito de Reserva Legal é cumprido por 96% dos imóveis do Brasil, segundo estudo publicado em 2019. Os 4% que não cumpriam eram apenas 148 mil imóveis que acumulavam uma dívida de restaurar ou compensar 9 milhões de hectares, quase uma Santa Catarina. Mas o não cumprimento do Código de 1965 passou a ser um problema a partir de 2008, com a Lei de Crimes Ambientais. Pois não cumprir com o Código Florestal significa ter havido desmatamento ilegal, o que passou a ser um crime. Assim, não cumprir a lei passou a ser um problema, com consequências para os irregulares: Além da imagem de ilegalidade de um setor importante para o País, o fim do acesso ao crédito rural.  Havia dois caminhos: cumprir ou mudar a lei. Depois de longas negociações, chegamos a uma nova versão em 2012. Esta reconheceu o não cumprimento da anterior e criou regras de transição para os irregulares. Antes disso, perdoou uma dívida de 41 milhões de hectares de desmatamentos ilegais, sendo 10 milhões na Mata Atlântica. Ficou a conta de restaurar outros 19 milhões de hectares. Destes, ao menos 4 milhões são Áreas de Preservação Permanente da Mata Atlântica ou áreas de entorno de nascentes e de rios da região do País que abriga a maior parte da economia e da população e que sofre com a falta de água em cidades como São Paulo e Curitiba. Além de ser o bioma mais ameaçado do País, é aquele cuja restauração pode dar grande contribuição para enfrentarmos as mudanças climáticas. Assim, a expectativa era de que a implementação da lei fosse agilizada e finamente cumprida, com o plantio das florestas.

NA IMPRENSA

Governo Federal – Produção sustentável tem crescimento no país

Jota – ICMS na importação de bens por não contribuinte

Folha de S.Paulo – Congresso está aberto a negociar eventuais correções ao Orçamento, diz Pacheco

O Estado de S.Paulo – Execução do Código Florestal agora é responsabilidade dos Estados

O Estado de S.Paulo – Corrupção e mudanças climáticas: por que precisamos de uma geração de novos líderes

O Estado de S.Paulo – Impasse entre Câmara e Senado trava corte de emendas parlamentares do Orçamento

Valor Econômico – Cai urgência de ICMS dos combustíveis

Valor Econômico – Brasil pressiona UE na OMC sobre programa francês de incentivo à produção de soja

Valor Econômico – Copersucar acerta compra de ações da Cargill na Alvean

Valor Econômico – Setor agropecuário teve em fevereiro o maior saldo na geração de empregos para o mês desde 2011

Valor Econômico – Syngenta Ag registrou lucro de US$ 1,4 bilhão em 2020

Valor Econômico – Cecafé afirma que agências marítimas estão impondo custos abusivos nas exportações

Valor Econômico – Copersucar acerta a compra de fatia da Cargill na Alvean

Valor Econômico – Agro amplia embarques, mas preços médios caem

Mapa – Cursos de formação do Programa Titula Brasil já têm mais de 7,8 mil inscritos

Embrapa – Prorrogado o prazo para submissão de trabalhos para congresso de ILPF

Embrapa – Artigo – Desempenho da agricultura brasileira durante o primeiro ano da Covid-19

Embrapa – Pesquisador da Embrapa ministra treinamento em curso da ADERR para emissão de certificado fitossanitário de Origem

CNA – Agropecuária teve melhor saldo de empregos para fevereiro desde 2011

CNA – Integrantes do Sistema CNA/Senar participam de palestra virtual sobre os cenários econômicos

CNA – Boas práticas dão sustentação ambiental, econômica e social para atividade florestal

CNA – Antes e depois mostra o sucesso do ATeG Café em Bom Jesus da Penha

O Presente – Uso de drones para aplicar agrotóxicos é aprovado em Marechal Rondon

SBA – Preço do algodão recua 4,6% no mês de março

SBA – Cecafé reclama cobranças indevidas na exportação de café

SBA – Projeto irá mapear sistemas agroflorestais e cultivos perenes da Amazônia

SBA – Bioinsumo à base de algas pode melhorar crescimento e defesa das plantas

SBA – Silvana Covatti assume Secretaria da Agricultura do RS

SBA – Preços do etanol desvalorizaram 16% neste final de safra 2020/21

AgroLink – Brasil tem terceira piloto agrícola de turboélice

AgroLink – SOJA: oferta de grãos pressiona cotações

AgroLink – AL: criadores de animais terão nova remessa de mil toneladas de milho para compra

AgroLink – Cotações do arroz seguem firmes

AgroLink – Brasileira pode comandar cafeicultura mundial

AgroLink – SC: cursos gratuitos do Senar contemplam 11 municípios da região em abril

AgroLink – Dólar alto encarece insumos

AgroLink – Própolis Vermelha age mais que medicamento contra doença

AgroLink – UFSCar oferta curso gratuito de agentes populares de Agroecologia

AgroLink – ANTT vai conceder BR-163 entre Mato Grosso e Pará

AgroLink – Brasil importa 50% a mais de fertilizantes

AgroLink – Russell Bedford oferece evento gratuito sobre ESG no Agronegócio

Canal Rural – Capal vai investir R$ 88 milhões nos próximos dois anos

Canal Rural – Paraná consegue se adiantar e colheita da soja chega a 88%

Canal Rural – Anec revisa previsão de exportação de soja e recorde está próximo

Canal Rural – Problemas logísticos colocam em risco produção de agricultores familiares em MT

Notícias Agrícolas – SLC Agrícola informa que não vai fazer a abertura de novas áreas para a produção agrícola

Notícias Agrícolas – Setor agropecuário gera mais de 1,4 mil novos postos de trabalho em Goiás, em fevereiro

Notícias Agrícolas – Agronegócio impulsionou a balança comercial brasileira em 2020

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »