Startup brasileira de serviços aeroagrícolas é destaque  

//Startup brasileira de serviços aeroagrícolas é destaque  
Focada na intermediação de serviços entre operadores aeroagrícolas e produtores rurais, a AirAgro, de Goiânia, é uma das 100 startups do mundo selecionadas para o Congresso do Fórum Mundial de Investidores Anjos (WBAF, na sigla em inglês), que começa no próximo dia 17, em Istambul, na Turquia, destacou o portal AgroLink nesta quarta-feira (5). Aprimorada a partir de sua participação no Congresso da Aviação Agrícola do ano passado (entre julho e agosto), em novembro a startup foi incluída no programa da incubadora tecnológica FasterCapital, de Dubai, nos Emirados Árabes. A seleção ocorreu na terceira rodada de financiamentos entre iniciativas brasileiras e deve viabilizar um investimento de US$ 500 mil na plataforma. A ferramenta, que também conecta fornecedores de insumos, equipamentos e outros serviços para as lavouras, tem como pontos fortes otimizar a logística, gerar economia e atestar a boa reputação do operador aeroagrícola, além e gerar créditos para benefícios sociais. Na prática, o sistema funciona como uma espécie de Uber misturado com Waze, onde o tomador de serviços busca as empresas disponíveis na área, contrata o serviço via aplicativo e pode acompanhá-lo em tempo real (através de um hardware instalado nos equipamentos dos fornecedores) e ter o relatório imediato. Além da rapidez e funcionalidade, a segurança: o operador cadastro terá sua legalidade (desde a documentação da a empresa até a manutenção em dia das aeronaves e as licenças dos pilotos) auditada pela plataforma. Conforme a CEO e uma das fundadoras da startup, Fabiana Oliveira, além de melhorar a reputação do setor aeroagrícola pela garantia de qualidade, a ideia é gerar confiança do público pela responsabilidade socioambiental. O que também deve ocorrer de duas maneiras: pela boa qualidade da aplicação como reflexo de boas práticas e por um sistema de pontos (cashback) que repassa parte do valor da operação para entidades ou ações sociais da comunidade local. O fornecedor se cadastra e é auditado e o produtor rural se inscreve sem custo. Se há contratação e serviço ou compra de produto, a startup ganha uma comissão do fornecedor. “Se não há negócio, não há despesa. É uma relação de ganha-ganha”, explica Fabiana.  “A participação no congresso do Sindag foi decisiva para nós. Conversamos com vários fornecedores, produtores e fizemos esse refinamento da iniciativa”, explica a dirigente.

Exportações agrícolas à China continuam normais apesar do coronavírus, diz ministra

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, afirmou nesta terça-feira (4), a jornalistas que as relações comerciais agrícolas brasileiras com a China “vão continuar tranquilamente, sem nenhum sobressalto”, apesar da proliferação do coronavírus no país asiático. Segundo o Valor Econômico a declaração foi dada após reunião pela manhã, em Brasília, com o embaixador chinês no Brasil, Yang Wanming. Segundo a ministra, até o momento não houve relatos de cancelamento de embarques de produtos destinados à China, principal destino da soja e das carnes brasileiras. “Tratamos das nossas relações comerciais. Até onde nós dois pudemos conversar, elas vão continuar tranquilamente, sem nenhum sobressalto, porque o Brasil é um grande parceiro da China na área de produtos agrícolas”, afirmou. De acordo com a ministra, os meses de janeiro tradicionalmente registram queda das exportações ao país asiático em função do feriado do ano novo chinês, e por isso ainda não é possível identificar anormalidades no ritmo de embarques. Ela lembrou que uma missão chinesa esteve em dezembro no Brasil para dar continuidade ao processo de habilitação de novos frigoríficos para exportar para seu mercado, e que não há novidades no processo. A ministra afirmou, ainda, que terá início o processo de certificação sanitária que tornará viável a exportação de uva brasileira para a China. “É a próxima fruta que queremos exportar”, disse. Recentemente, a China autorizou a importação do melão brasileiro, primeira fruta fresca a ser enviada aos asiáticos.

‘Passaram uma versão falsa do agronegócio brasileiro no exterior’

O ex-ministro da Agricultura Roberto Rodrigues, coordenador do Centro de Agronegócio da FGV, conhece o assunto como poucos. Engenheiro agrônomo formado pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq), da USP, e ele próprio empresário rural, Rodrigues, de 77 anos, fala nesta entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo, nesta terça-feira (4), sobre o impacto negativo da liberação de agrotóxicos e das queimadas na imagem do Brasil lá fora. Fala, também, sobre o renascimento do setor de açúcar e álcool, depois da crise que o abalou no governo Dilma, o aumento do preço da carne e a liberação do uso de armas no campo. Sobre o governo Bolsonaro ter sido muito criticado no Brasil e no exterior por ter liberado cerca de 500 agrotóxicos em apenas um ano, Roberto Rodrigues destaca que, “é um pouco diferente entre o fato e a versão. A verdade é que, até o governo Temer, liberar um defensivo agrícola no Brasil demorava em média oito anos. Nos países desenvolvidos, leva entre um e dois anos. Toda empresa que faz um investimento numa nova molécula está buscando mais sustentabilidade. Ninguém é louco de fazer um negócio mais agressivo ao meio ambiente num cenário em que a questão ambiental é uma preocupação da maioria da população mundial, sobretudo a juventude. Portanto, licenciar novas moléculas é um avanço na direção da sustentabilidade ambiental. Nós ficamos muito tempo amarrados no mercado por causa de uma idiotice burocrática, meio ideológica. No meu tempo no governo (2003-2006), isso aconteceu com os transgênicos, que estavam liberados nos Estados Unidos, na Argentina, e nós aqui estávamos ficando para trás. Aí, fizeram a lei de biossegurança e o problema foi equacionado”. Sobre o renascimento do setor de açúcar e álcool, Rodrigues destacou que, “dizer que a crise ficou para trás é um otimismo demais. Mas acho que está passando. Tivemos um problema sério no governo da presidente Dilma Rousseff, porque toda a estratégia de combate à inflação passava pelo congelamento dos preços dos combustíveis. Os países asiáticos, especialmente a Índia, iniciaram um processo muito grande de subsídio à produção de cana. A produção de açúcar cresceu demais na Índia, que passou a ser um grande produtor mundial, enchendo o mercado de açúcar, e os preços despencaram, porque o consumo não cresceu tanto quanto a produção. Com isso, o setor, que já vinha combalido por causa do problema criado no governo Dilma, acabou se arrebentando todo”.

França ratifica proibição de exportação de pesticidas

Conforme publicou o portal AgroLink nesta quarta-feira (5), o Conselho Constitucional da França ratificou o veto legal sobre a produção, armazenamento, circulação e exportação de produtos que contenham substâncias ativas que não foram aprovadas pela União Europeia (UE). A decisão resultou de uma ação da associação de produtores e da União Francesa de Sementes, que alegou que a proibição de exportar seus produtos teve sérias consequências para as empresas e violou a liberdade de comércio. O Conselho lembrou que a lei em vigor proíbe a produção, armazenamento, circulação e exportação de produtos como herbicidas, fungicidas, inseticidas ou matadores de ácaros que não foram aprovados pela UE, devido a seus efeitos nocivos à saúde humana e animal, e o ambiente. Considerou também que, de acordo com os princípios da República Francesa, “a proteção do meio ambiente, patrimônio comum dos seres humanos, é um objetivo de valor constitucional” e também “a proteção da saúde”. As exigências sanitárias da França são rigorosas e fizeram com que produtores agrícolas e ecologistas protestassem contra o acorda da União Europeia com o Mercosul, porque, segundo eles o Brasil não obedece a tais regras. Na visão deles, além da “concorrência desleal” por conta disso, os consumidores do bloco também seriam “enganados” ao comprar produtos agrícolas do Mercosul, afirmam. No entanto, sobre esse assunto, os ministros franceses declararam não saber se o país dará apoio ao acordo comercial. “O acordo só será ratificado se o Brasil respeitar seus engajamentos. Nós vamos esmiuçar o texto”, afirmou François de Rugy, ministro da Transição Ecológica.

NA IMPRENSA
Agência Câmara – Projeto cria política nacional para incentivar agroextrativismo familiar na Amazônia

Folha de S.Paulo – Quase mil projetos de lei propõem retrocesso ambiental, diz deputado

O Estado de S.Paulo – ‘Passaram uma versão falsa do agronegócio brasileiro no exterior’

Valor Econômico – Desembolso de crédito rural continua em alta

Valor Econômico – China venderá milho dos estoques oficiais

Valor Econômico – Índice Ceagesp registrou queda de 1,08% em janeiro

Valor Econômico – Pátria adquire distribuidora de insumos Central Agrícola

Valor Econômico – Exportações agrícolas à China continuam normais apesar do coronavírus, diz ministra

Valor Econômico – Clima favorável embala colheita recorde de soja

G1 – Fiscais apreendem defensivos agrícolas em fábrica clandestina após anúncio nas redes sociais

G1 – Estandes gigantes e máquinas agrícolas potentes chamam atenção no Show Rural

Mapa – Ministra e embaixador da China debatem relação comercial entre países

Embrapa – Abelhas escolhem flores de melão pelo cheiro

Embrapa – Cientistas desenvolvem mandioca para a indústria com 51% a mais de amido

Agro Link – Secretaria entrega implementos para assentamentos em Nova Mutum

Agro Link – Açúcar: preços em NY fecham em baixa

Agro Link – Fórum Técnico aborda sustentabilidade, manejo e certificação

Agro Link – New Holland mostra novas versões da linha T7

Agro Link – Startup brasileira de serviços aeroagrícolas é destaque

Agro Link – Segundo dia de Show Rural supera 75 mil visitantes

Agro Link – Governador visita Show Rural nesta quarta-feira

Agro Link – SC: Secretaria da Agricultura monitora os efeitos da estiagem

Agro Link – França ratifica proibição de exportação de pesticidas
_______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »