Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) deve ajudar Mapa e governo do Rio Grande do Sul em estratégia contra gafanhotos

//Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) deve ajudar Mapa e governo do Rio Grande do Sul em estratégia contra gafanhotos
O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) participará do esforço para elaboração e uma estratégia para combate a gafanhotos no Sul do País, junto com o Ministério da Agricultura e a Secretaria de Agricultura do RS. A informação foi confirmada nesta terça-feira (23) pelo diretor-executivo do Sindag, Gabriel Colle, após uma conversa, com o titular da Secretaria Estadual, Covatti Filho. O secretário havia conversado pouco antes com a ministra Tereza Cristina, que por sua vez já havia ventilado a intenção à coordenadora de Aviação Agrícola do órgão, Uéllen Colatto. Ainda a manhã desta terça-feira (23), o sindicato aeroagrícola havia encaminhado ofícios a Covatti e Tereza Cristina. Os documentos alertavam sobre o risco das nuvens de gafanhotos que avançam pela Argentina e ofereciam ajuda da entidade aeroagrícola. A comunicação foi reiterada pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP/RS), que apoiou a oferta do Sindag. “A aviação agrícola é considerada mundialmente uma das principais armas no combate a nuvens de gafanhotos”, ressalta Colle. A ferramenta é utilizada nesse tipo de operação inclusive em ações da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) na África. Não por acaso, foi determinante para o surgimento do setor no Brasil, em 1947, no Rio Grande do Sul. O primeiro voo agrícola brasileiro foi em 19 de agosto daquele ano, contra gafanhotos que dizimavam lavouras na região de Pelotas. Hoje, o Rio Grande do Sul tem a segunda maior frota aeroagrícola do Brasil, com 426 aviões. Por sua vez, o Brasil possui a segunda maior e uma das melhores aviações agrícolas do mundo, com 2.280 aeronaves.

Índia fará pulverização aérea contra gafanhotos

Enquanto aguarda uma máquina de pulverização do Reino Unido, a Índia fabricou e montou uma que pode ser instalada em um helicóptero para pulverizar pesticidas e inseticidas para matar gafanhotos, informou o portal AgroLink nesta quarta-feira (24). Kailash Choudhary, Ministro de Estado da Agricultura informou que, dentro de cinco a sete dias, o estado limítrofe do Rajastão verá a pulverização eficaz de inseticidas através de helicóptero que permanecerá localizado na fronteira. “Fico feliz em informar que desenvolvemos uma máquina que está sendo montada junto com um helicóptero que pulverizará a solução para matar gafanhotos. Isso daria um grande alívio aos agricultores. Além disso, solicitamos uma máquina do Reino Unido que pode ser equipado com um helicóptero e chegará em breve. O governo já recebeu 20 máquinas para pulverizar gafanhotos com inseticidas do Reino Unido e espera-se que mais 40 venham, mas essas máquinas devem ser usadas no solo e não para pulverização aérea”, comenta o ministro. Na reunião de todos os partidos, o ministro disse que é importante e o Congresso também obteria as respostas necessárias. “Rahul Gandhi agora deve crescer. Ele deve permanecer na nação e não dar a outras nações uma razão para apontar o dedo para nós. Rahul deu ao Paquistão uma razão para questionar a Índia sobre ataques cirúrgicos quando questionou a ação”, disse Choudhary enquanto replicava comentários feitos pelo líder do Congresso contra o Primeiro Ministro. “Ter um olhar local deve ser o nosso foco. Precisamos nos concentrar em ser autossuficientes; os chineses nos esfaquearam pelas costas. O mundo inteiro é contra a China e a China se arrependeria de fazer esse ato covarde”, disse o ministro.

Frente da Agropecuária discute implementação da Lei do Agro

A Frente Parlamentar da Agropecuária realiza um debate virtual na quinta-feira (25) sobre o patrimônio de afetação e a Cédula Imobiliária Rural. Segundo a Agência Câmara em fevereiro, a Câmara dos Deputados aprovou uma medida provisória (MP 897/19) que permite ao proprietário rural oferecer parte de seu imóvel como garantia nos empréstimos rurais, vinculando a área a um título (Cédula de Produto Rural – CPR ou Cédula Imobiliária Rural – CIR). Esse mecanismo é conhecido como regime de afetação, com registro do fato no cartório de registro de imóveis. Poderão fazer parte do regime o terreno e as benfeitorias existentes nele, exceto as lavouras, os bens móveis e o gado. A MP foi convertida na Lei 13.986/20, conhecida como Lei do Agro. A norma também estabelece algumas proibições. Por exemplo, não poderão sofrer a afetação o imóvel já hipotecado, a pequena propriedade rural de até 4 módulos fiscais, área do imóvel inferior a 1 módulo fiscal e o único bem de família. O imóvel também não poderá ser oferecido como garantia em outras transações; e a Justiça não poderá retê-lo para o pagamento de outras obrigações, além de não poder fazer parte da massa falida no caso de falência. Além disso, quando ocorrer a emissão da CIR ou da CPR vinculados à área da propriedade rural dada como garantia, o não pagamento do valor desses títulos, que representam o empréstimo concedido, implicará a transferência da propriedade ao credor. Se a área rural vinculada ao título for desapropriada ou danificada por terceiro, o credor é que terá direito a indenização. A norma prevê ainda que o vencimento da CIR será antecipado se o proprietário deixar de pagar as obrigações fiscais, trabalhistas e previdenciárias, abrir falência ou recuperação judicial ou desviar bens e praticar administração para arruinar a área sob afetação. Foram convidados para discutir o assunto, entre outros, o relator da MP 897, deputado Pedro Lupion (DEM-PR); e o secretário-adjunto de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Ângelo Mazzillo. O debate da Frente da Agropecuária será realizado pela página do colegiado no Facebook e no YouTube, a partir das 14h30.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) destaca importância do Plano de Investimentos Verdes para Agricultura no Brasil

O plano “Destravando o Potencial de Investimentos Verdes para a Agricultura no Brasil”, elaborado pela Climate Bonds Initiative (CBI), em parceria com o Subcomitê de Agricultura da Iniciativa Brasileira de Finanças Verdes, foi lançado nessa terça-feira (23), durante um webinar. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil integra o Subcomitê. Para a CNA, o Plano de Investimentos abre um canal de diálogo entre a agropecuária brasileira, os investidores e a sociedade, ao apresentar por meio de dados, como o setor tem atingido alta produtividade com uso de tecnologia. “A Confederação tem trabalhado para modernizar o modelo de financiamento para o agro e as alternativas verdes se mostram convergentes ao potencial de atração de investimentos no setor”, afirmou a assessora técnica do Núcleo Econômico da CNA, Gabriela Coser. O evento online foi moderado pela representante-executiva da CBI na América Latina, Thatyanne Gasparotto, e contou com a participação dos ministros da Agricultura, Tereza Cristina, e da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, da vice-CEO da CBI, Justine Leigh-Bell, do presidente do Banco Central do Brasil, Roberto Campo Neto, da presidente da UBS Brasil, Sylvia Coutinho, e do diretor de Investimentos da PGGM, Jeroen Verleun. Os títulos verdes (green bonds) são instrumentos de dívida emitidos por entidades privadas financeiras ou não, ou públicas, em que os recursos captados são usados para financiar projetos e ativos 100% sustentáveis. Na abertura do webinar, Justine Leigh-Bell afirmou que o Plano de Investimentos para Agricultura Sustentável é fundamental para dar maior visibilidade sobre o cenário de oportunidades de finanças verdes no setor agropecuário brasileiro. Em novembro de 2019, o Ministério da Agricultura e a CBI assinaram um memorando de entendimento para desenvolver o mercado de títulos verdes no agro brasileiro. Com este ato, o Mapa busca estimular novas fontes de financiamento para o setor, promovendo práticas e tecnologias sustentáveis. Em sua fala, Tereza Cristina destacou que o país tem a capacidade de colher até três safras anuais em uma mesma área, com gestão adequada de recursos hídricos. Para o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, o Brasil possui o Código Florestal mais rigoroso do mundo e precisa se colocar na posição de potência agroambiental. Durante o webinar, o presidente do Banco Central, Roberto Campos, falou sobre como os temas meio ambiente e clima têm despertado interesse dos bancos. Em sua exposição, a presidente da UBS Brasil, Sylvia Coutinho, afirmou que o Brasil possui um arcabouço legal único, se comparado a outros países. Para o diretor de Investimentos da PGGM, Jeroen Verleun, a emissão de títulos verdes está avançando cada vez mais, bem como as regras para esses investimentos.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Frente da Agropecuária discute implementação da Lei do Agro

Folha de S.Paulo – Nuvem de gafanhotos ameaça plantações no Sul do Brasil

O Estado de S.Paulo – Desafios à liderança do agronegócio

Valor Econômico – Bancos alertam para fragilidade ambiental do país

Valor Econômico – Secretaria da Agricultura monitora nuvem de gafanhotos que pode atingir lavouras do RS

Valor Econômico – Produção de açúcar cresceu 36% no Centro-Sul do país na 1ª quinzena de junho

Valor Econômico – Governo argentino muda plano de resgate da processadora Vicentin

Valor Econômico – Cofco International nomeia nova executiva como diretora financeira

Valor Econômico – Usina Revati, da Renuka, será leiloada

Valor Econômico – XP e Vert lançam plataforma de crédito para agronegócio

Valor Econômico – Commodities: Com queda do dólar, preço do café sobe em NY

CNA – CNA e Cepea realizam pesquisa sobre impactos da pandemia nos setores de frutas e hortaliças

CNA – Levantamento de custos de produção revela boa produtividade de arroz no RS

CNA – CNA destaca importância do Plano de Investimentos Verdes para Agricultura no Brasil

Mapa – Cadastro vai reconhecer empresas e cooperativas comprometidas com ética e integridade no agro

Mapa – Mapa monitora na fronteira nuvem de gafanhotos que invadiu Argentina

Mapa – Governo anuncia liberação de orçamento recorde para o Programa de Seguro Rural em 2020

Mapa – Mapa lança primeiro edital de Residência Profissional Agrícola

Mapa – Mapa atualiza lista de produtos vegetais sujeitos a controle na importação

G1 – Cooperativismo agrícola cresce e desponta como principal suporte ao produtor

G1 – Ação conjunta entre polícias prende grupo suspeito de receptação e adulteração de veículos e maquinários agrícolas em Uberlândia

Embrapa – Microgeo e Embrapa anunciam parceria para diagnóstico de qualidade biológica de solos do Brasil

AgroLink – Governo anuncia liberação do Seguro Rural

AgroLink – Levantamento aponta boa produtividade do arroz no RS

AgroLink – Iniciativa estuda práticas amigáveis de incentivo à coexistência entre agricultura e apicultura

AgroLink – Bayer fecha acordo de até US$10,9 bi para encerrar processos ligados ao Roundup

AgroLink – “O campo vai recuperar empregos do país” diz Heinze

AgroLink – Doença da macieira é de difícil controle

AgroLink – AgroBrasília terá presença maior de máquinas e insumos

AgroLink – Índia fará pulverização aérea contra gafanhotos

AgroLink – Transporte de insumos exigiu adequação

AgroLink – Fungo reduz necessidade de fertilizante na soja

AgroLink – “Estamos preparados”, diz ministra

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »