Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em 13 estados

//Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em 13 estados

 

A segunda etapa da campanha de vacinação contra a febre aftosa, que inicialmente terminaria no dia 30 de novembro, foi prorrogada em 13 unidades federativas do Brasil. A ampliação do prazo, principalmente em função da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), foi avaliada e autorizada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa). Nesta etapa, são vacinados bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade, na maioria dos estados brasileiros, conforme o Calendário Nacional de vacinação 2020. Para os pecuaristas de Sergipe e do Distrito Federal, a prorrogação vale até a próxima sexta-feira (4). No estado de Mato Grosso, o novo prazo será até o dia 10 de dezembro e no Maranhão, até o dia 14. Já os estados de Piauí, Pernambuco, Espírito Santo, Alagoas, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte a ampliação do prazo vai até o dia 15 de dezembro. No estado do Ceará, a prorrogação vai até o dia 19. Por fim, produtores do Amapá e Paraíba terão até o dia 31 de dezembro para realizar a imunização. As vacinas devem ser adquiridas nas revendas autorizadas e mantidas entre 2°C e 8°C, desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda. Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina. Além da vacinação, o produtor deve fazer a comprovação junto ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado. A declaração da vacina pode ser entregue de forma online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados. Em caso de dúvidas, a orientação é para que procurem o órgão de defesa sanitária animal de seu estado.

Empresa desenvolve vacina contra botulismo

O botulismo em bovinos é uma intoxicação e infecção alimentar que se dá quando o animal ingere alimento ou água contaminada com a bactéria Clostridium botulinum, presente no ambiente ou ainda como consequência da baixa ou nenhuma mineralização, da falta de correção do solo, e da carência de nutrientes na dieta. A doença causa paralisia motora progressiva por isso também é conhecida como doença da vaca caída, destacou o portal AgroLink nesta quinta-feira (3). O Clostridium botulinum pode permanecer no solo e em matéria orgânica por longos períodos, sem causar doença. Porém, quando encontra um ambiente favorável de anaerobiose, ou seja, sem oxigênio, os esporos germinam e produzem neurotoxinas. As taxas de mortalidade são grandes e, por isso, os prejuízos no Brasil chegam a cerca de R$ 500 milhões por ano. Bovinos confinados também podem adquirir a intoxicação de forma esporádica quando alimentados com silagem, feno ou ração mal conservados, que possam conter matéria orgânica em decomposição ou carcaças de pequenos mamíferos e aves, que por acidente, possam ter sido incorporados ao alimento no momento da preparação. A multinacional argentina Biogénesis Bagó, anunciou uma vacina contra o botulismo a ser comercializada ainda a partir deste mês. Com o nome comercial Botulinogen é uma vacina bivalente e específica para proteger contra a doença, disponibilizada em apresentações de 20 doses e de 50 doses. Considerando que o tratamento dos animais enfermos é geralmente ineficaz e economicamente impraticável, o controle do botulismo bovino consiste na adoção de medidas preventivas relacionadas à melhoria das condições ambientais e sanitárias como eliminação de fontes de contaminação nas pastagens através da remoção e incineração de carcaças; manejo nutricional adequado, como a correção da deficiência de fósforo nas pastagens e suplementação mineral permanente dos animais. Para o Gerente de Produtos da Biogénesis Bagó Brasil, Pedro Hespanha, a vacinação é um dos meios profiláticos mais eficazes para prevenir a doença. “A vacinação deve ser feita anualmente, antes do período das chuvas, sendo que a primeira imunização deve ser seguida de reforço quatro a seis semanas após a primeira dose. Em algumas situações, como no confinamento, esta é a principal medida de controle do botulismo”, orienta Hespanha.

Notificações online contribuem para o controle sanitário dos rebanhos mineiro

Nesta quinta-feira (3) o Portal do Agronegócio divulgou que, são essenciais para o atendimento de medidas sanitárias preventivas nos rebanhos do estado, as notificações online de doenças infectocontagiosas que acometem animais de produção foram enviadas durante todo o ano para o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), vinculado à Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa). Até nesta segunda-feira (30) foram apurados 1.059 registros pela Coordenação de Informação e Epidemiologia do IMA, que trabalha em conjunto com os programas sanitários da Defesa Sanitária Animal orientando os fiscais do campo. Desde janeiro de 2020, cidadãos, produtores rurais e médicos veterinários de Minas Gerais podem notificar, de forma online e integrada, casos suspeitos de doenças e alta mortalidade em bovinos, bubalinos, equinos, caprinos, ovinos, suínos e aves. O Sistema Brasileiro de Vigilância e Emergências Veterinárias (Sisbravet), uma plataforma digital do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), engloba os órgãos de defesa agropecuária do país agilizando os atendimentos e reduzindo os custos com perdas e tratamentos de animais para os pecuaristas. Já na ponta da cadeia produtiva, favorece a qualidade dos produtos aos consumidores estimulando acordos comerciais para o estado. A plataforma permite que os servidores alimentem rapidamente o software com dados sobre o atendimento de doenças dos rebanhos evitando dispersão de informações. A notificação digital das suspeitas de doenças reduz a emissão dos formulários de papel e otimiza o gerenciamento da vigilância passiva e ativa com agilidade, celeridade e menos burocracia. A coordenadora de Informação e Epidemiologia do IMA, a médica veterinária Graciene Maciel, lembra sobre a importância das notificações de suspeitas de doenças infectocontagiosas. “É a melhor forma de conter possíveis focos de doenças que podem causar grandes prejuízos aos produtores e à economia do estado”, ressalta. O atendimento do IMA investiga as causas, além de tomar as medidas sanitárias necessárias para a contenção de eventuais enfermidades. Entre as ações está a coleta de material dos animais para diagnóstico laboratorial. Maciel explica que para registrar as notificações existem dois cenários: a de suspeita de doenças ou de alta mortalidade de animais. A primeira é feita por médicos veterinários, cidadãos e produtores rurais que já têm um conhecimento prévio sobre os sintomas das diversas doenças de notificação obrigatória no país. “Já as de altas mortalidades de animais, geralmente sem aparecimento de outros sintomas, são registradas por produtores rurais ao IMA para que seja feita uma investigação das diferentes doenças”, detalha.

Nova plataforma digital amplia transparência do programa ‘Boi na Linha’

O programa Boi na Linha, desenvolvido pelo Instituto de Manejo e Certificação Florestal e Agrícola (Imaflora) em parceria com a 4ª Câmara de Meio Ambiente e Patrimônio Cultural do Ministério Público Federal, acaba de ganhar uma plataforma digital para dar transparência ao compromisso dos frigoríficos que atuam na Amazônia Legal de só comprar gado oriundo de áreas livres de desmatamento ilegal, trabalho escravo e embargos ambientais, informou o Valor Econômico nesta quinta-feira (3). A ideia é facilitar o acesso à informação no país e no exterior por parte de redes de varejo e consumidores, além de estimular e pressionar a cadeia para que assine ou avance em seus acordos com o MPF. Rafael Rocha, coordenador do Grupo de Trabalho Amazônia Legal do MPF e procurador no Amazonas, vê valor na centralização dos dados, porque facilita a consulta. Agora, a busca pode ser realizada por municípios de cinco Estados (Amazonas, Acre, Rondônia, Mato Grosso e Pará), dos nove que compõem a Amazônia Legal (formada ainda por Roraima, Maranhão, Amapá e Tocantins), que deverão ser inseridos aos poucos no sistema unificado. “Esse acompanhamento do status é muito importante, porque o compromisso dos frigoríficos não pode ficar na gaveta”, diz Rocha. Para ele, a transparência incentiva a regularização de toda a cadeia ao criar também um observatório da concorrência. O frigorífico garante que o vizinho não compra do produtor irregular e a roda gira, segundo ele. Das 132 plantas que já estão na plataforma de dados do Boi na Linha, 100 assinaram compromissos com o MPF e têm o dever de implementar ações de controle junto aos fornecedores, mas um terço ainda não foi auditada. As 32 restantes sequer assumiram obrigações.

NA IMPRENSA

Agência Senado – Lasier Martins questiona suposto acordo para reeleição de presidentes da Câmara e do Senado

Agência Senado – Girão pede que sociedade pressione STF contra reeleição para mesas do Congresso

Agência Câmara – Primeira-secretária apresenta plataforma que vai facilitar atuação de lideranças

Governo Federal – Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em 13 estados

Folha de S.Paulo – Gigantes da pecuária do Brasil compram gado direto de fazendas ilegais, diz investigação de ONG

Folha de S.Paulo – PIB do Brasil tem crescimento recorde de 7,7% no 3º tri, abaixo das projeções

O Estado de S.Paulo – Websérie aproxima consumidores ao dia a dia da pecuária no Brasil

G1 – A norma do Parlamento Europeu que pode aumentar a pressão contra o desmatamento no Brasil

G1 – Pato ameaçado de extinção: a descoberta de ovos que dá esperança para ave rara no Brasil

G1 – Amazônia: Senado fará sessão para debater desmatamento e queimadas; Mourão é convidado

G1 – Filhotes de arara-canindé são abandonados em caixa de papelão no trevo de acesso a Teodoro Sampaio

G1 – Evento de adoção de animais será realizado neste sábado em Limeira

G1 – Dois mil animais soltos em rodovias são resgatados neste ano em MG; em caso de acidente, donos podem ser punidos por lei

G1 – Após ser flagrado maltratando animais em Santarém, homem é multado em R$ 3 mil

G1 – Campanha ‘Dezembro Verde- Diga não ao abandono de animais’ é realizada em Caruaru

G1 – Onça-pintada de 180 kg é encontrada morta após ser atropelada em MT

G1 – Singapura autoriza venda de carne de frango artificial

Valor Econômico – JBS, Marfrig e Minerva compraram gado de fazendas em áreas de desmatamento ilegal, diz ONG

Valor Econômico – Nova plataforma digital amplia transparência do programa ‘Boi na Linha’

Mapa – Segunda etapa de vacinação contra a febre aftosa é prorrogada em 13 estados

Mapa – Secretaria de Pesca divulga edital para concessão do Terminal Pesqueiro Público de Cabedelo

CNA – Agronordeste: bovinocultores de leite de Major Izidoro aumentam lucro mensal em até 650%

AgroLink – Preço do boi gordo segue enfraquecido

AgroLink – Boi gordo: aumento da oferta e queda nos preços da arroba

AgroLink – Chuva causa transtornos

AgroLink – Vacinação contra a febre aftosa é prorrogada

AgroLink – Empresa desenvolve vacina contra botulismo

Canal Rural – Morre touro girolando Imperador Baxter, referência da pecuária leiteira

Canal Rural – Vacas morrem eletrocutadas após queda de poste e produtor lamenta: ‘É uma tristeza’

Canal Rural – Agonia: pecuaristas do Pantanal correm contra o tempo para salvar rebanho da seca

Canal Rural – Boi gordo está mais caro em Minas Gerais; em São Paulo, valor tem queda

Canal Rural – Pico de preços do boi gordo pode ter passado, aponta Agrifatto

Globo Rural – ONG acusa gigantes da carne no Brasil de comprarem gado de áreas de desmatamento ilegal na Amazônia

Globo Rural – Governo cria programa para acelerar regularização fundiária no Brasil

SBA – Exportações de carne suína sobem 32,4% na comparação anual

Portal do Agronegócio – ABHB e Embrapa divulgam resultado da sexta pesagem oficial da PAC

Portal do Agronegócio – Preços de boi e vaca em Mato Grosso sobem mais de 1,5%

Portal do Agronegócio – Notificações online contribuem para o controle sanitário dos rebanhos mineiros

Portal do Agronegócio – Suínos: exportações seguem aumentando, mas preços recuam no Brasil

Noticias Agrícolas – Reunião da ABRALEITE com ministra Tereza Cristina e Diretoria da FPA logo após eleições desta Frente

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »