Santa Catarina completa o cadastro dos serviços de inspeção no e-Sisbi

Home/Informativo/Santa Catarina completa o cadastro dos serviços de inspeção no e-Sisbi

 

Todos os serviços de inspeção do estado de Santa Catarina, estadual e municipais, já efetivaram seus cadastros e os tornaram ativos no e-Sisbi, que é o sistema eletrônico do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A utilização do sistema é uma exigência para adesão e sua manutenção no Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Sisbi-Poa). Ele também proporciona maior integração dos serviços de inspeção estaduais e municipais com o Mapa, além de maior transparência na atuação desses serviços, valorizando o trabalho de todos. O estado de Santa Catarina tem 295 municípios e conta com 235 serviços de inspeção municipais instituídos, sendo 128 deles vinculados a oito consórcios públicos. No e-Sisbi, estão cadastrados o serviço de inspeção estadual, executado pela Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc); os oito consórcios públicos de municípios aos quais estão vinculados os 128 serviços de inspeção municipais e mais 107 serviços de inspeção municipais cadastrados individualmente. Todos estão com seus cadastros ativos no e-Sisbi e podem ser consultados no sistema através do link https://sistemasweb.agricultura.gov.br/sgsi. Para consultar as informações do e-Sisbi, o interessado deve clicar em “Acesso Público”, na tela principal do sistema, e navegar pelas áreas disponíveis. Nelas, o usuário encontrará informações sobre cada serviço de inspeção estadual e municipal, os estabelecimentos e produtos, além de diretrizes para registro de produtos não regulamentados, cadastrados até o momento. O trabalho de inclusão dos serviços no Sistema foi coordenado pelo Departamento de Suporte e Normas do Mapa, articulado com a Divisão de Defesa Agropecuária da Superintendência Federal de Agricultura do estado e a Cidasc. Também contou com o apoio dos consórcios públicos de municípios e dos próprios municípios, que atenderam os chamados e preencheram seus cadastros no sistema do Mapa. O e-Sisbi é um sistema eletrônico disponibilizado pelo Mapa em 2020, para auxiliar na gestão dos serviços de inspeção estaduais, distrital, municipais e vinculados ao consórcio público de Municípios. O sistema contempla o Cadastro Geral desses serviços de inspeção, dos estabelecimentos e produtos por eles registrados, além de outras informações de interesse direto dos envolvidos e do público em geral. Os estabelecimentos que ainda não estão cadastrados devem procurar o serviço de inspeção onde esteja registrado, para que providencie seu cadastro inicial, a ser finalizado pelo próprio estabelecimento. Mais informações estão disponíveis no portal do Mapa.

Em 10 anos, 2.973 animais já foram mortos no campo por raios no Brasil, aponta Inpe

No Brasil, 2.973 animais já foram mortos por raios nos últimos 10 anos, segundo um estudo inédito do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), informou a Revista Globo Rural neste domingo (21). No país, os líderes do ranking são Mato Grosso, com 437 mortes por esse motivo, seguido de São Paulo, Mato Grosso do Sul e Tocantins, com 361, 358 e 249 perdas, respectivamente. De acordo com a pesquisa, desde 2010, o prejuízo gerado por esse tipo de incidente já bateu os R$ 15 milhões. Em muitos casos, mais de um animal morre por causa dos raios. Segundo o Inpe, isso acontece porque as tempestades despertam o instinto de defesa nos gados, o que os faz se reunirem próximos a um lugar disponível, seja uma árvore ou uma cerca, que são os pontos mais atingidos por raios. Em 2018, em Cacoal, Rondônia, 103 animais foram mortos por um único raio. Para evitar este tipo de problema, o recomendado aos criadores é colocar um metal a cada cem metros para servir como para-raios.

Pasto com altura adequada mitiga gases de efeito estufa, diz Embrapa 

Segundo uma pesquisa da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), realizar o manejo correto do pasto proporciona a redução da emissão de gases de efeito estufa (GEE), destacou o Canal Rural neste domingo (21). Além disso, ainda garante ao pecuarista resultados produtivos satisfatórios, equilibrando a estabilidade de boas forrageiras e o bom desempenho animal. Os estudos conduzidos pela Embrapa em área de integração lavoura-pecuária, com pasto em altura adequada, segundo recomendações técnicas, mostrou que o gado emitiu 30% menos metano em comparação aos índices preconizados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da Organização das Nações Unidas, o IPCC. De acordo com a Cristina Genro, pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul, quando os pastos são manejados segundo recomendações técnicas, os animais emitem menos metano e o solo acumula mais carbono. Com isso, quando é feito o balanço do que foi emitido de carbono com o que foi fixado pelas plantas, a pecuária é considerada de baixa emissão do elemento ou apresenta resultado neutro, ou seja, reabsorve todo o carbono que ela mesma emite. A pesquisadora da Embrapa Márcia Silveira, revela que é fundamental o monitoramento da altura da pastagem rotineiramente. No caso de pastagens naturais sugere-se medir a altura dos pastos uma vez ao mês, no outono e inverno, e a cada 15 dias na primavera e no verão. No caso de pastagens nativas melhoradas por fertilização e sobressemeadas com espécies cultivadas de inverno, a recomendação é que a medição seja feita pelo menos quinzenalmente durante todo o ano. Silveira ainda relata que é necessário controlar a quantidade de animais por hectare para manter a altura do pasto dentro do recomendado. Se a lotação de animais for acima do esperado, o gado perde desempenho e emite mais metano por área, além do pasto diminuir a capacidade de fixação do carbono no solo. Segundo o produtor e engenheiro-agrônomo Marcelo Fett Pinto, as medições da altura do pasto podem ser realizadas com o uso de ferramentas simples como uma régua ou um bastão medidor de altura de pasto. O manejo correto da pastagem pode ter resultados expressivos no ganho animal.

Carne de laboratório: será o fim da pecuária como a conhecemos? 

A carne cultivada em laboratório tem gerado gigantescas promessas. Segundo a Embrapa a carne cultivada é produzida a partir de células-tronco de músculo retirado por biópsia, portanto de um animal vivo, usando o soro fetal bovino como meio de cultura. As células-tronco podem se transformar em vários tipos de células e, neste caso, se diferenciam em células musculares. Estas células se ligam a uma armação que é colocada em biorreatores: tanques estéreis que fornecem calor, nutrientes e fatores para o crescimento para a produção de carne cultivada. Ela seria uma fonte de proteína animal produzida mais eficientemente, evitando os impactos ambientais da produção convencional e atendendo consumidores contrários ao abate de animais. As células podem provir de qualquer espécie animal. Com origem na década de 1970, a tecnologia da produção de carne cultivada em laboratório foi recentemente capturada por investidores que já apostaram milhões de dólares em startups que prometem colocar rapidamente carne cultivada no mercado. A consultoria Kearney projeta para 2050 que a demanda mundial seria atendida em 35%pela carne cultivada, 25% pelas “carnes” baseadas em vegetais e 40% com as carnes convencionais. Apesar das empresas prometerem produtos para comercialização em 1 a 5anos, analistas acreditam que a oferta firme no varejo ocorrerá mesmo daqui a 30 a 50anos. Pesquisador da Universidade de Newcastle ressalta que seria necessária a produção na ordem do septilhão de células por ano, contra uma capacidade instalada de um bilionésimo dessa demanda global. Há, portanto, considerável distância entre as promessas e a realidade, principalmente quando consideramos os desafios à frente. Veja os principais desafios para a produção da carne cultivada, clique aqui.

NA IMPRENSA

Agência Senado – Prazo para apresentação de emendas ao Orçamento termina em 1º de março

Agência Senado – PEC Emergencial será votada na quinta com cláusula de Orçamento de Guerra

Folha de S.Paulo – Homem toma multa de R$ 14 mil por transportar aves silvestres

Folha de S.Paulo – Cachorro cuida de irmão atropelado até chegada de resgate; conheça Caju e Castanha

Folha de S.Paulo – Número de animais domésticos abandonados no país dispara 70%

O Estado de S.Paulo – A covid-19 manteve os turistas afastados. Por que essas aves marinhas sentiram falta deles?

O Estado de S.Paulo – Pintura de porco pode ser a obra de arte rupestre mais antiga do mundo, afirmam arqueólogos

O Estado de S.Paulo – Pet na cama pode?

O Estado de S.Paulo – Sem Congresso ativo, STF faz ‘reforma tributária’ silenciosa

G1 – Conheça a variedade de pássaros que vivem no Instituto Butantan em SP

G1 – Em 10 anos, 2.973 animais já foram mortos no campo por raios no Brasil, aponta Inpe

G1 – Estância do Pampa gaúcho investe em alta tecnologia na criação de gado e produção de vinhos

G1 – Procura por peixes durante a quaresma aquece setor de piscicultura

G1 – Rússia reporta caso de gripe aviária em humanos para a OMS

G1 – Os incríveis animais capazes de ‘fazer’ fotossíntese

G1 – Em tempos de pandemia, animais também sofrem de ansiedade

G1 – Homem é preso suspeito de maus-tratos a animais em Careaçu, MG

Mapa – Santa Catarina completa o cadastro dos serviços de inspeção no e-Sisbi

Embrapa – Prosa Rural – Limpeza de ovos nos galinheiros caipiras

Embrapa – Produtores dos Inhamuns conhecerão experiências de frigoríficos e produção coletiva de ovinos de Pernambuco e Piauí

Embrapa – Carne de laboratório: será o fim da pecuária como a conhecemos?

CNA – Pecuaristas mineiros ampliam em seis vezes produção leiteira

SBA – Adubação biológica combate pragas no Pantanal

AgroLink – Insumos derrubam margem do produtor de leite em 50%

AgroLink – Desempenho do ovo, na granja, na 7ª semana de 2021

AgroLink – Covid-19 impacta avicultura de modo inédito 

AgroLink – Desempenho do frango (vivo e abatido) na 7ª semana de 2021, terceira de fevereiro

AgroLink – Oferta curta de boiadas, mas escoamento lento de carne bovina

AgroLink – Tocantins registra crescimento de 43% na produção de aves comerciais em 2020

AgroLink – Pecuaristas mineiros ampliam em seis vezes produção leiteira

AgroLink – Na década, Brasil e EUA perderam espaço nas exportações mundiais de carne de frango

AgroLink – Ação no mercado árabe promove carne brasileira

AgroLink – Ovos: evolução diária alcança 30% no decorrer de fevereiro

AgroLink – Livro registra aves do campus da USP em Piracicaba

Anda – Homem é indiciado por crime ambiental após pescar peixes ameaçados de extinção

Anda – Tribunal de SP proíbe prova de laço por submeter bezerros à crueldade

Portal do Agronegócio – Biomin traz ao Brasil solução para a saúde e produtividade dos camarões

Portal do Agronegócio – Programa de acasalamento otimiza melhoramento genético em fazenda paranaense

Canal Rural – SC: serviços de inspeção de produtos de origem animal dão passo importante

Canal Rural – Produção de carne suína vai continuar crescendo em 2021, prevê ABCS

Canal Rural – Pasto com altura adequada mitiga gases de efeito estufa, diz Embrapa

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »