REGRA PARA DEFENSIVO AGRÍCOLA DIVIDE AMBIENTALISTAS, INDÚSTRIA, CHEFS E AGRICULTORES

//REGRA PARA DEFENSIVO AGRÍCOLA DIVIDE AMBIENTALISTAS, INDÚSTRIA, CHEFS E AGRICULTORES

Folha de S.Paulo destacou que o debate em torno do projeto de lei que pode alterar regras do uso de agrotóxicos opõe empresas que dizem buscar mais competitividade no exterior e chefs, ambientalistas e ativistas que temem contaminação de alimentos. Parte defende, como alternativa no controle de pragas, a expansão do cultivo orgânico, que nunca foi tão grande. Os chefs entrevistados na reportagem destacam a preocupação em trabalhar com alimentos sobre os quais conhecem a procedência. Por outro lado, há “um consenso entre acadêmicos que estudam modelos de plantio e distribuição de alimentos é que não é possível se livrar completamente dos agrotóxicos, especialmente em grandes culturas, e sim minimizar e controlar o uso”, ressalta a publicação. O o projeto de lei 6299 —proposto em 2002 pelo então senador Blairo Maggi (hoje ministro da Agricultura) — sugere mudar o sistema de aprovação dos pesticidas. “O diretor-executivo da Associação Nacional de Defesa Vegetal, Mário Von Zuben, diz que o desenvolvimento de um produto leva quase 11 anos e cerca de US$ 300 milhões de dólares (quase R$ 1,2 bilhão). O tempo médio de espera do registro para que o produto chegue ao mercado gira em torno de oito anos. Em outros países grandes produtores de soja, como Argentina e Estados Unidos, cai para dois”, enfatiza.

 

Não há consenso sobre impacto dos defensivos na saúde

 

Quando se trata de segurança alimentar, uma sigla controversa divide a ciência: IDA, que significa Ingestão Diária Aceitável. Determinado por pesquisas toxicológicas, o índice usado no país se baseia em padrões americanos e europeus. É o que informa a Folha de S.Paulo. Sobre a determinação de um índice seguro para o consumo de defensivos agrícolas, o patologista da USP e membro da Agência Internacional de Pesquisa em Câncer, Paulo Saldiva, diz que “ainda não existe toxicologia em quantidade suficiente para formar evidências”. Para comprovar possíveis consequências da exposição cumulativa a doses baixas de agrotóxicos, como as encontradas nos alimentos, seria necessário iniciar a investigação na gestação, e acompanhar os indivíduos por anos. A maioria das pesquisas é realizada em animais, que, segundo a Associação Brasileira de Saúde Coletiva, indicam danos em regulagens hormonais, ciclos reprodutivos e formação de células cancerosas. “Mas em humanos dependem de variáveis como doenças adquiridas, hábitos e repertório genético, além da combinação do impacto de substâncias usadas em conjunto e da poluição do ar, por exemplo”, afirma a nota.

 

IMAmt e Evogene firmam acordo de pesquisa para prospecção de genes de resistência a pragas

 

O Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e a empresa israelense Evogene anunciaram nesta terça-feira (17) a assinatura de um novo acordo de pesquisa para prospecção de genes de resistência a duas pragas de grande impacto para a cotonicultura brasileira: bicudo-do-algodoeiro e Spodoptera frugiperda, também conhecida como lagarta do cartucho ou lagarta militar, que afeta outras culturas do Cerrado mato-grossense. De acordo com o portal Mais Soja, nessa parceria, a Evogene ficará responsável por identificar em seu vasto banco de dados moléculas potencialmente eficazes no controle do bicudo e de S. frugiperda, que serão validadas pelo IMAmt visando o desenvolvimento de materiais transgênicos. “Arnon Heyman, VP Evogene and GM of Ag-Seeds division, diz que com o avanço na descoberta e seleção de novas toxinas, oriundas do banco de dados de genes inseticidas da Evogene, podem ser encontradas soluções com grande potencial para o controle de pragas que têm sido devastadoras para o cultivo de algodão na América do Sul”, destaca o portal.

 

Exportações e consumo interno mantêm firme o mercado do arroz

 

O mercado do arroz vem reagindo positivamente nas últimas três semanas com variações bastante acentuadas, refletindo a expectativa de baixos estoques de passagem. Em 28 de fevereiro próximo, o quadro de oferta e demanda está projetando 400 mil toneladas de estoque, o que significa menos de 15 dias de consumo. Conforme informa o portal Mais Soja, o setor espera que até o primeiro trimestre de 2019 o mercado esteja firme. O produtor terá tempo para planejar bem a venda do arroz que já está colhido e guardado, até porque, segundo o Cepea/Esalq, o preço sequer superou o custo total calculado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), de R$ 43 a R$ 48 a saca de 50 quilos, dependendo da região. As exportações do cereal, por sua vez, se fortaleceram com o aumento do dólar. O presidente da Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), Henrique Dornelles, destaca que desde dezembro de 2017, muito antes do dólar interferir significativamente, já estava ocorrendo o embarque do arroz excedente de 28 de fevereiro de 2018, o que continuou durante o início do ano. “Dornelles lembra que houve um ligeiro aumento da demanda após o fim da forte recessão do ano passado que influenciou no consumo de arroz”, ressalta a matéria.

 

NA IMPRENSA
Mapa – Ministro Interino Eumar Novacki garante força tarefa para preservar status sanitário de SC 

 

MMA – Projeto GEF Mar seleciona bolsistas

 

Embrapa – Pesquisador da Embrapa recebe distinção internacional na área de bem-estar de animais

 

Embrapa – Cedisa completa 29 anos com extensão de escopo e parcerias firmadas

 

Embrapa – Embrapa e capital sergipana renovam parceria para ampliação de parque

 

Embrapa – Projeto em pecuária leiteira busca parceiros no Tocantins

 

Embrapa – Amanhã tem feira de produtos em Transição Agroecológica na Embrapa Pantanal

 

Embrapa – Comunidade ribeirinha de Manaus realiza primeira colheita comercial de banana

 

Embrapa – Participantes podem ajudar na definição da programação científica do IUFRO2019

 

Câmara dos Deputados – Projeto anula decreto que libera pesca de espécies exóticas durante o defeso

 

O Estado de S.Paulo – ‘Afeto e boa vontade não bastam para uma família adotar um animal’, diz veterinário

 

O Estado de S.Paulo – Boeing supera Airbus em encomendas na feira de Farnborough

 

O Estado de S.Paulo – ANP não vai interferir na periodicidade do reajuste de combustíveis

 

Folha de S.Paulo – Área de preservação pode ser linda, mas precisa ser produtiva, defende empresário

 

Folha de S.Paulo – Venezuela vende petróleo para a China e recebe arroz do Brasil

 

Folha de S.Paulo – Não há consenso sobre impacto dos defensivos na saúde

 

Folha de S.Paulo – Projeto de lei quer proibir o uso da palavra leite em produtos vegetais

 

Folha de S.Paulo – Regra para agrotóxico divide ambientalistas, indústria, chefs e agricultores

 

G1 – “Fazendas de sangue” sul-americanas abastecem laboratórios europeus, denunciam ONGs

 

G1 – Relatório documenta intoxicação aguda devido ao uso de agrotóxicos em 7 localidades rurais do Brasil

 

Valor Econômico – Bunge negocia venda de parte de unidade de trading de açúcar à Wilmar

 

Valor Econômico – Problemas no Brasil afetam resultados da norueguesa Yara

 

Valor Econômico – Bolsa de Cereais reduz estimativa para safra de milho na Argentina

 

Valor Econômico – Preços de hortaliças recuaram no país, diz Conab

 

Valor Econômico – PL que facilita aprovação de pesticidas é desnecessário

 

Valor Econômico – Boeing bate Airbus em negócios fechados em feira de aviação

 

Valor Econômico – Embraer faz 48 entregas de jatos no segundo trimestre

 

Correio Braziliense – Relatório recomenda ao legislativo rejeitar reforma da lei dos agrotóxicos

 

Correio Braziliense – Ministério da Agricultura demite servidores envolvidos na Carne Fraca

 

Correio Braziliense – Modelo simula a biodiversidade dos Andes nos últimos 800 mil anos

 

Mais Soja – Com avanço da cultura, Brasil retoma a condição de grande exportador de algodão

 

Mais Soja – Ministro Interino Eumar Novacki garante força tarefa para preservar status sanitário de SC

 

Mais Soja – Simpósio do algodão vai a fundo nas grandes questões da cotonicultura

 

Mais Soja – Soja responde por 16% das exportações brasileiras no semestre

 

Mais Soja – Balanço hídrico agrícola provável para as culturas milho e soja no Estado do Paraná

 

Mais Soja – Rudimentos especulativos na safra EUA

 

Mais Soja – Amplitude térmica e umidade atentam produtores de trigo no RS

 

Mais Soja – Exportações e consumo interno mantém firme o mercado do arroz

 

Mais Soja – Taxa pos-fixada no crédito rural é adiado para outubro

 

Mais Soja – IMAmt e Evogene firmam acordo de pesquisa para prospecção de genes de resistência a pragas

 

______________________________________________________

 

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.