Publicada Instrução Normativa que traz novo ordenamento para a pesca da sardinha-verdadeira

//Publicada Instrução Normativa que traz novo ordenamento para a pesca da sardinha-verdadeira
 
A Secretaria de Aquicultura e Pesca (SAP), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), quer realizar um novo ordenamento para a pesca da sardinha-verdadeira (Sardinella brasiliensis) em todo o país. Com base nesta diretriz, foi publicada na última sexta-feira (12), no Diário Oficial da União (DOU), a Instrução Normativa SAP/MAPA nº 18 que inova quanto ao monitoramento da atividade, desenvolvendo um sistema para a coleta de informações sobre a sardinha-verdadeira nas indústrias pesqueiras. O objetivo é gerar informações sobre a espécie para que, em junho de 2021, especialistas da área, técnicos da SAP e representantes do setor pesqueiro avaliem as medidas de gestão adotadas para a sardinha-verdadeira, incluindo o novo período de defeso e as medidas de monitoramento aplicadas neste ano. A normativa de hoje traz também mudanças em relação ao período de defeso da sardinha, alterando a IN nº 15/2009, do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) sobre o período de defeso da espécie. Com as mudanças, a proibição da captura da sardinha-verdadeira passa a valer entre 1º de outubro e 28 de fevereiro. Até então, as suspensões ocorriam entre 1º de novembro e 15 de fevereiro e entre 15 de junho e 31 de julho. A atualização do ordenamento da sardinha é uma demanda antiga por parte do setor, segundo técnicos da SAP. Com esse trabalho, a meta é avançar no desenvolvimento sustentável dessa atividade, alinhando ganhos ambientais, econômicos e sociais. De acordo com a IN, as empresas pesqueiras sob Serviço de Inspeção Federal (SIF) que adquirirem sardinha-verdadeira, diretamente de produtores nacionais, deverão encaminhar à SAP os formulários constantes dos Anexos II e III da publicação de sexta-feira (12). Esses estabelecimentos deverão se cadastrar por meio de Formulário Eletrônico a ser disponibilizado na página da SAP. As empresas pesqueiras terão o prazo de 15 (quinze) dias, a contar da última sexta-feira (12), data de publicação dessa Instrução Normativa, para adequar-se às novas regras.

Deputado cobra do governo criação de secretaria em prol dos animais
Nesta segunda-feira (15), o portal Anda divulgou que, o deputado federal Célio Studart (PV-CE) voltou a cobrar do governo a criação da Secretaria de Proteção Animal, conforme prometido por Jair Bolsonaro na campanha eleitoral e reiterado em julho de 2019. Até agora nada foi feito. Na última sexta-feira (12), o parlamentar encaminhou uma indicação ao ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, a respeito do assunto. No documento, Célio alerta que, desde o surgimento dos primeiros casos de Covid-19 no Brasil, aumentaram em larga escala os índices de abandono e maus-tratos a animais pelo país. “O medo, ocasionado em especial pela distribuição de notícias falsas, fez com que milhares de animais fossem largados à própria sorte nos centros urbanos, quando não mutilados, maltratados ou até assassinados por seus tutores”, afirma o deputado. Ou seja, a pandemia intensificou um problema que já era alarmante em todo o país, diz Célio. No ano passado, em duas audiências públicas na Comissão de Meio Ambiente, o deputado questionou o ministro sobre este assunto. Na primeira, em 10 de abril, Ricardo Salles descartou a instituição do órgão, alegando que a diretriz do governo era “enxugar a máquina”. Em outubro, o ministro deu uma resposta vaga e disse que a secretaria seria criada se fosse uma decisão do presidente. No entanto, em julho daquele ano Jair Bolsonaro reiterou a promessa de campanha por meio do Twitter. Em mensagem postada no dia 29, o presidente escreveu que no mês seguinte criaria a Secretaria dos Animais “para atender a esses que nos são tão caros”. No entanto, descumpriu sua palavra.

Dia de luta contra a exportação de bois vivos combate a crueldade animal

Neste domingo (14), celebrou-se o “Dia Internacional contra a Exportação de Gado Vivo”. A data visa combater uma das mais cruéis práticas de exploração animal, destacou o portal Anda. No ano passado, um movimento internacional liderado pela ONG Compassion in World Farming mobilizou 41 países, inclusive o Brasil, em torno deste dia. A data tem o objetivo de conscientizar a sociedade sobre a crueldade imposta aos animais por meio da exportação. Transportados em navios durante semanas, os bois são amontoados em ambientes pequenos e insalubres. Em contato com os próprios excrementos, eles sofrem com a falta de ventilação, alimentação e hidratação adequadas e não dispõem de espaço para deitar e descansar. Eles também não recebem assistência veterinária e estão sujeitos às intempéries climatológicas. Muitos não suportam a insalubridade e morrem antes da chegada ao país de destino. Os protestos foram iniciados em 2017. Na época, 30 países participaram. O Brasil faz parte dessa iniciativa desde 2018, quando 33 nações foram mobilizadas. No ano passado, as manifestações brasileiras foram coordenadas pelo Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, em parceria com ONGs de 12 cidades participantes. Diretora de Educação do Fórum, a geógrafa Elizabeth MacGregor explicou à Agência Brasil que “a questão do bem-estar animal é zero” nas exportações e que essa atividade é economicamente ruim para o Brasil, porque representa apenas 1% do que é produzido pela agropecuária brasileira. MacGregor lembrou que todos os países que importam bois vivos também realizam a importação de carne embalada. Os únicos beneficiados pela exportação são os empresários que vendem esses animais. Os maiores prejudicados são os bois e o meio ambiente – parte dos excrementos dos animais e até mesmo os corpos daqueles que morrem durante a viagem são jogados no mar, alterando negativamente o ecossistema marinho. “Ambientalmente é péssimo. [Os navios] vão cheios de outras substâncias que afetam o meio ambiente”, disse MacGregor. Em relação à questão econômica, MacGregor explicou que a exportação de boi vivo não é taxada e, por isso, não produz riqueza ao Brasil. Segundo ela, “o couro vai de graça” para o importador e a exportação não gera empregos aos brasileiros, mas o faz nos países compradores, como a Turquia e o Líbano. E se a forma como os animais são mortos no Brasil já é cruel, nos países que importam os animais é ainda pior. Isso porque eles os matam ainda conscientes, condenando-os a dor inimaginável. Segundo a diretora do Fórum Animal, a exportação não é benéfica ao Brasil “tanto na questão econômica, como na questão da imagem do país que, no momento, parece estar sendo deixada de lado”.

Adoção de gatos aumenta na quarentena, mas protetores reforçam responsabilidade

A quarentena causada pelo novo coronavírus fez muita gente trocar o escritório pelo home office e os passeios de fim de semana pelo sofá e sessões de filmes em casa, informou o Blog Gatices da Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (15). Essa vida mais caseira e solitária acabou despertando a vontade de adotar um gato em algumas pessoas. A tendência foi percebida por Anna Carolina Soares, criadora do projeto Lar Coração Peludo, e Susan Yamamoto, uma das fundadoras da ONG Adote Um Gatinho, ambos de São Paulo (SP). Quando a quarentena começou em São Paulo, em 24 de março, a AUG decidiu interromper as entregas de gatinhos por 15 dias, para que voluntários e adotantes não precisassem sair de casa e se expor ao vírus. Mas, no final desse período, 35 felinos que já estavam com adoção encaminhada ficaram “acumulados” e precisaram ser entregues em um dia só. “Percebemos que não é um trabalho que dá para parar. Então reforçamos os cuidados, com uma equipe menor de voluntários fazendo as entregas, sempre usando máscaras, luvas e levando álcool em gel”, afirma Susan. Outro aspecto observado por Susan nos últimos meses é que os adotantes ficaram menos exigentes em relação à aparência dos animais. “O que a gente nota, não sei se é coincidência ou não, mas é que as pessoas estão menos criteriosas, falando esteticamente. Estão exigindo menos, sabe? O gato não precisa ser clarinho de olho azul. Estão sendo doados os frajolas, os pretinhos, as escaminhas. As pessoas estão aceitando melhor gatos de uma forma geral.” Anna Carolina, do Lar Coração Peludo, também notou uma procura maior por gatinhos. Desde que a quarentena começou, ela e o namorado, Douglas, fundadores do projeto, conseguiram adoção para 24 bichanos. “A gente conseguiu doar até um cachorro que estava conosco há oito meses”, comemora. Para evitar que o entusiasmo acabe junto com a quarentena e que os gatinhos sejam devolvidos, as protetoras têm reforçado com os interessados a importância de fazer uma adoção responsável. “Tenho tomado muito cuidado ao selecionar os adotantes, certificando que a pessoa entende que a adoção é por anos e que após a quarentena acabar, essa responsabilidade continua”, diz Anna Carolina. A fundadora da AUG observa também que os tutores que já têm gatos estão prestando mais atenção no comportamento do pet nesse período. “A pessoa está em home office e o gato fica lá querendo brincar, subindo no computador durante uma reunião, e ela percebe o quanto o gato está carente, o quanto o gato é sozinho, coisa que ela não percebia antes porque não ficava em casa. Aí ela se liga que seria melhor se ele tivesse uma companhia”, diz. Ela também conta que alguns adotantes já haviam percebido essa solidão dos gatinhos, mas não tinham tempo de se organizar para receber outro bichano em casa. Sobre o abandono de gatos nesse período, Susan diz que não notou um aumento. “Os pedidos de resgate a gente está recebendo tanto quanto a gente sempre recebeu. De 30 a 50 por dia.” No entanto, ela afirma que tem tentado conscientizar as pessoas sobre fake news que envolvem gatos e o novo coronavírus. “O gato não transmite esse coronavírus para humanos. Mas acredito que, por ignorância, tem gente que escuta uma notícia pela metade e já descarta seu bichinho. Então estamos tentando conscientizar bastante as pessoas sobre isso”, diz.

NA IMPRENSA
Folha de S.Paulo – Adoção de gatos aumenta na quarentena, mas protetores reforçam responsabilidade

Folha de S.Paulo – Perigo são patógenos originados dos animais silvestres, diz Jared Diamond

O Globo – Cavalo ataca égua do vizinho e o caso acaba na Justiça

O Globo – Após quase 80 dias de quarentena, biólogo encontra espécies raras em mergulho na Baía de Guanabara

G1 – Polícia Ambiental flagra caça ilegal de animais silvestres em Taciba

G1 – Atropelamentos, queimadas e maus-tratos vitimam até 1 mil animais atendidos por ano em zoo de Ribeirão Preto, SP

G1 – Especialistas indicam adotar animais para espantar solidão na quarentena; veja pontos de adoção em Rondônia

G1 – Vídeo mostra resgate de mais de 40 pássaros silvestres contrabandeados em caixas de leite

Valor Econômico – JBS investe R$ 100 milhões no interior paulista para adaptar frigorífico desativado

Mapa – Publicada Instrução Normativa que traz novo ordenamento para a pesca da sardinha-verdadeira

Embrapa – A produção de carne bovina brasileira e suas pressões

Embrapa – Embrapa mostra como produzir queijo coalho e ricota com qualidade

AgroLink – Sorgo: a cultura de oportunidades

AgroLink – Preços dos ovos voltam a cair

AgroLink – A produção de carne bovina brasileira e suas pressões

AgroLink – 10º Webinar da Aviagen abordará problemas de pernas em frangos de corte

AgroLink – Reabertura do comércio impulsiona vendas de carne suína

AgroLink – App desafia conhecimentos sobre carne e COVID-19

AgroLink – Cotações subiram no mercado de reposição

AgroLink – Frango: valorizações no mercado interno

Anda – Deputado cobra do governo criação de secretaria em prol dos animais

Anda – Novo surto de coronavírus na China pode estar relacionado à exploração animal

Anda – Dia de luta contra a exportação de bois vivos combate a crueldade animal

Anda – Pangolim que seria morto em cativeiro é devolvido à natureza na China

Anda – Pecuária fornece coquetel ideal para o surgimento de novas pandemias

Anda – Nova série da Netflix expõe crueldade contra animais em viagens espaciais

Anda – Novo estudo relaciona criação intensiva de animais com pandemias

Anda – Leis ambientais “permitem a extinção de animais” na Austrália

Canal Rural – Boi gordo: oferta restrita e escalas curtas dão tom altista

Canal Rural – Você viu? Morre touro Netuno, destaque da raça girolando no Brasil

Canal Rural – Veja como a China pós-pandemia pode afetar o agro brasileiro

Canal Rural – Confira as tendências para o boi gordo e para a carne bovina

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »