Prorrogado prazo para migração de estabelecimentos na área de alimentação animal para o Sipeagro

//Prorrogado prazo para migração de estabelecimentos na área de alimentação animal para o Sipeagro
O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) prorrogou até 31 de maio de 2021 o prazo para que os estabelecimentos registrados na área de alimentação animal apresentem novas solicitações de registro no Sistema Integrado de Produtos e Estabelecimentos Agropecuários (Sipeagro). A prorrogação foi publicada no Diário Oficial da União na última sexta-feira (6), por meio da Instrução Normativa nº 108. Estima-se que há cerca de três mil estabelecimentos e seus produtos que devem ser monitorados e geridos em um banco de dados único. Os estabelecimentos que não migrarem para o sistema informatizado poderão ter o registro cancelado. A adoção de um sistema único para registro de estabelecimento e de produtos irá permitir a harmonização de procedimentos entre os estados, dando maior transparência aos atos administrativos junto a todos os agentes da cadeia produtiva e principalmente à sociedade.

Ação flagra contrabando de animais

Nesta segunda-feira (9) o portal AgroLink divulgou que, uma equipe da Brigada Militar, durante atividade de vigilância na fronteira, flagrou e registrou o descaminho de bovinos da Argentina para a cidade de Porto Mauá, na fronteira com o Rio Grande do Sul. Os animais eram atravessados a nado com o auxílio de uma pequena embarcação. A Brigada solicitou na noite de quinta-feira (5) o apoio da Supervisão Regional de Santa Rosa da Secretaria da Agricultura. Uma equipe se deslocou até a propriedade rural e constatou o flagrante de 31 bovinos contrabandeados da Argentina para o estado. Alguns animais, inclusive, ainda estavam com os botons de rastreamento individual do país vizinho. Os animais foram imediatamente apreendidos e encaminhados ao abate sanitário, eliminando o risco sanitário ao Estado. O Rio Grande do Sul é um estado livre de febre aftosa sem vacinação. Já a Argentina é livre de febre aftosa com vacinação, por isso, o trânsito de animais não é permitido daquele país para o território gaúcho. A multa para os proprietários pelo ingresso ilegal no Estado de animal de peculiar interesse, 31 bovinos, foi de 13.100 UPF (Unidade de Padrão Fiscal), o que equivale a cerca de R$ 265 mil reais. Além do abate sanitário dos animais. Os proprietários podem recorrer da decisão da multa. “Ações de combate ao contrabando de animais como essa são de fundamental importância para a manutenção da sanidade agropecuária do Estado. Foi uma atividade exemplar de parceria da Brigada Militar e o Departamento de Defesa Agropecuária”, ressalta Francisco Lopes, coordenador do Programa Sentinela da Seapdr.

Receita das exportações brasileiras de carne bovina caiu 8% em outubro

As exportações de carne bovina (in natura e processada) do país alcançaram 189,6 mil toneladas e renderam US$ 790 milhões em outubro, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). Em relação ao mesmo mês de 2019, o volume caiu 4% e a receita foi 8% menor, destacou o Valor Econômico nesta segunda-feira (9). Apesar da desaceleração, nos dez primeiros meses do ano o volume dos embarque cresceu 9%, para 1,65 milhão de toneladas, e o valor das vendas aumentou 16%, para US$ 6,8 bilhões. A China (com Hong Kong) importou 948,17 mil toneladas de janeiro a outubro, ou US$ 4 bilhões. Em igual intervalo de 2019, foram 625,26 mil toneladas, ou US$ 2,64 bilhões. Depois da China, o maior importador de carne brasileira foi o Egito, com compras de 113,33 mil toneladas no ano, em queda de 27,4% ante os dez primeiros meses de 2019. O Chile veio em seguida, com 71,51 mil toneladas, baixa de 25,6%, e a Rússia realizou compras de 51,21 mil toneladas, retração de 16%.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) pede ao Ministério da Agricultura medidas de apoio para produtores de leite

O presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), João Martins, solicitou, na sexta (6), à ministra da Agricultura, Tereza Cristina, medidas de apoio aos produtores de leite no momento que os preços do leite começam a cair e o custo de produção continua a aumentar. No ofício enviado ao Ministério da Agricultura, o presidente da CNA diz que o ano de 2020 tem sido “desafiador” para o produtor de leite, pois os prejuízos causados pela Covid-19 ainda não foram totalmente recuperados. A margem bruta da atividade no primeiro semestre deste ano foi 29,5% menor em relação ao mesmo período de 2019, segundo dados do Cepea, refletindo em queda de 11,7% na produção de leite, de acordo com o IBGE. Neste contexto, a CNA propõe, entre outros pontos, a operacionalização de instrumentos de política agrícola como os leilões utilizados pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a compra de insumos a preços mais acessíveis pelos produtores, a subvenção ao prêmio pago na aquisição de contratos de opção privada de compra de grãos e outras iniciativas que possuam o mesmo fim. “Para os próximos meses, o preço do leite tende a cair em função das variáveis de mercado, ao mesmo tempo em que a alta nos custos de produção tende a seguir em ritmo forte, principalmente em função das cotações dos insumos que compõem a ração concentrada”, justificou João Martins no documento ao Mapa. Martins destacou as ações tomadas pelo Governo Federal em 2020 para evitar prejuízos ainda maiores ao setor leiteiro, como o auxílio emergencial, que estimulou o consumo de lácteos, o aumento de recursos para o programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e a autorização para que laticínios com o Selo de Inspeção Federal (SIF) comprassem leite de pequenas indústrias com inspeção estaduais ou municipais. No entanto, ressaltou, o cenário para os próximos meses é preocupante. Os Conselhos Paritários de Produtores e Indústrias de Leite (Conseleites), que reúnem produtores e indústrias nos estados para definir os preços do produto, apontam redução de 4,8% no valor do leite produzido em outubro a ser pago em novembro, com perspectiva de queda até o final do ano. O presidente da CNA explica que a maior preocupação do produtor é com o custo da ração concentrada, que representa, em média, 40% dos desembolsos do pecuarista. O milho e o farelo de soja, principais insumos que compõem a ração, subiram 75,2% e 96,6%, respectivamente, em outubro deste ano na comparação com o mesmo mês em 2019. “Nesse contexto, há forte tendência de pequenos e médios produtores venderem seus animais para o abate devido aos altos preços da arroba ou mesmo saírem da atividade, o que ocasionará problemas sociais no campo e menor oferta de leite para o próximo ano”, alertou.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Seis países relataram casos de Covid-19 em criação de visons, diz OMS

O Estado de S.Paulo – Mãe de pet: a ciência explica

O Estado de S.Paulo – Mourão diz desconhecer proposta de controle de ONGs discutido por conselho que preside

G1 – Alta no preço da ração faz subir os custos de criadores de frango e porco do Paraná

G1 – Empresa de fitocosméticos para animais de estimação é lançada no interior de São Paulo

G1 – Abrigo de proteção animal enfrenta dificuldades e promove vaquinha online

G1 – Hospital veterinário da Unesp de Araçatuba retoma atendimentos presenciais de urgência e emergência

G1 – Médico veterinário mostra o trabalho no centro cirúrgico de animais de grande porte do TO

Valor Econômico – Receita das exportações brasileiras de carne bovina caiu 8% em outubro

Valor Econômico – Disputa com chineses leva Austrália a tentar diversificar mercados

Valor Econômico – CNA pede apoio ao governo para aquisição de insumos para produção de leite

Mapa – Prorrogado prazo para migração de estabelecimentos na área de alimentação animal para o Sipeagro

CNA – Fórum discute a retirada da vacina contra a aftosa no Pará

CNA – CNA pede ao Ministério da Agricultura medidas de apoio para produtores de leite

Embrapa – Embrapa lança curso sobre peixes redondos no formato EaD

Embrapa – A terceira onda da pecuária de corte no Brasil

Canal Rural – Exportação de carne bovina recua 4% em outubro, aponta Abrafrigo

Canal Rural – RS: Brigada Militar apreende 31 bovinos contrabandeados da Argentina

AgroLink – Produtores visualizam o ‘antes e depois’ do atendimento do Senar/MS

AgroLink – Exportações de carne bovina caem em outubro

AgroLink – Ucrânia registra novos casos de peste suína africana

AgroLink – Fórum discute a retirada da vacina contra a aftosa no Pará

AgroLink – Expectativa de queda no preço do leite ao produtor em novembro

AgroLink – Ação flagra contrabando de animais

AgroLink – IZ recebe troféu por melhoramento genético de bovinos

AgroLink – Boi gordo: novos patamares de preços da arroba

AgroLink – ABHB disponibiliza resultados da quinta Pesagem Oficial da PAC

AgroLink – Agro em Dados de novembro destaca produção pecuária em Goiás

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »