Proposta pode obrigar síndicos a denunciarem maus tratos contra animais 

//Proposta pode obrigar síndicos a denunciarem maus tratos contra animais 
O Projeto de Lei 4864/20 obriga os síndicos e administradores de condomínios a comunicarem às autoridades competentes os casos de maus tratos contra animais ocorridos nas áreas comuns ou no interior das residências. A proposta, que tramita na Câmara dos Deputados, prevê também multa de cinco salários mínimos para quem não denunciar os maus tratos, informou a Agência Câmara nesta segunda-feira (26). A multa será paga pelo condomínio e revertida em favor de entidades protetoras de animais. “O auxílio do síndico que, através de moradores e funcionários, tem amplo conhecimento dos fatos que ocorrem nas áreas comuns e no interior das unidades habitacionais, será de grande ajuda para aumentar o número de denúncias e proteger os animais”, disse o deputado Célio Studart (PV-CE), autor do projeto.

Entretenimento com animais silvestres traz riscos à saúde, diz ONG

Um estudo feito entre agosto e setembro deste ano pela empresa de base tecnológica de pesquisa Hello Research para a organização não governamental (ONG) Proteção Animal Mundial (WAP, do nome em inglês) apurou que 60% dos 200 turistas brasileiros consultados reconhecem riscos associados ao entretenimento com animais silvestres. A pesquisa teve como base a indústria de delfinários, que envolve a exibição de golfinhos e outros mamíferos marinhos, mas, de maneira geral, traz um olhar mais amplo sobre como as pessoas enxergam a manutenção em cativeiro de animais em geral, disse nesta segunda-feira (26) à Agência Brasil o gerente de campanhas da WAP, João Almeida. Foram analisados os perfis e percepções de turistas brasileiros que, em 2019 e neste ano, viajaram ou têm intenção de viajar, nos próximos três anos, para destinos com delfinários, que são parques e atrações destinados à exibição de golfinhos e outros mamíferos aquáticos. De acordo com João Almeida, o estudo oferece várias camadas de interpretação do problema. Do ponto de vista mais individualista possível, percebe-se que as pessoas estão mais preocupadas com a saúde própria do que com o problema dos animais em cativeiro, que são usados nesse tipo de entretenimento. Isso significa que seis em cada dez brasileiros entendem que o contato próximo com animais silvestres traz riscos de transmissão de zoonoses, isto é, risco de as pessoas ficarem doentes. Ele lembrou ainda os problemas de manter animais silvestres em cativeiro, “vivendo uma vida inteira de sofrimento”. Segundo Almeida, esse tipo de indústria turística explora em todo o mundo 550 mil animais em condições de cativeiro. O estudo da WAP mostra que 56% dos entrevistados que consomem tal tipo de entretenimento sabem do risco de transmissão de doenças no contato do ser humano com animais selvagens, seguidos por 42% que conhecem parcialmente o risco e 1% que não acredita ou não sabe. Os dados evidenciam que as pessoas estão mais preocupadas em resolver os interesses individuais de viajar e fazer alguma coisa divertida do que combater o comércio desses animais. Indagados sobre a participação em atrações de entretenimento com animais selvagens, 30% disseram que procurariam se informar para saber o risco real de fazer parte de uma atração como essa; 23% que participariam, mas tomariam alguns cuidados para se preservar, como manter uma distância segura; e 6% afirmaram que não tomariam nenhuma precaução. Para Almeida, ao promover tais shows, a indústria de golfinários busca gerar “lucros em cima do sofrimento dos animais silvestres”. Essa indústria, com as devidas proporções, viabiliza a aproximação entre animais silvestres e seres humanos, contribuindo assim para que exista um risco aumentado da transmissão das zoonoses, acrescentou. No próximo mês, serão feitas projeções com mensagens-chave da campanha e imagens de animais silvestres, para que as lideranças brasileiras, em especial, entendam a importância de priorizar essa pauta para ser discutida pelos países do G-20.

Alemanha confirma 91 casos de Peste Suína Africana

Nesta terça-feira (27), o portal AgroLink informou que, a Alemanha confirmou, na última sexta-feira (23), um total de 91 casos de peste suína africana (PSA) em seu território. Todas as notificações até o momento foram de javalis. Segundo o Ministério da Agricultura alemão, nenhum rebanho de suínos foi infectado conforme o site Suinocultura Industrial. O primeiro caso PSA na Alemanha foi registrado em 10 de setembro, em um javali morto, em Brandenburg, na divisa com a Polônia. A Alemanha é um dos maiores produtores de carne suína do mundo, com cerca de 5% de toda produção mundial. A China, por sua vez, é o maior consumidor dessa proteína no mundo e tinha a Alemanha como seu terceiro maior fornecedor depois que a PSA causou o abate de mais de 100 milhões de animais. Com o problema em território alemão vários países suspenderam a importação, inclusive a China e o Brasil. O Ministério da Agricultura alemão está buscando as mesmas condições com os países de fora da União Europeia, mas, enquanto isso não acontece, o comércio continua suspenso. O rebanho suíno alemão é de 25,4 milhões de cabeças em  20.400 granjas, segundo o Federal Statistical Office. A PSA é altamente contagiosa e fatal para os suínos. No último levantamento da OIE, entre 2 e 15 de outubro, o número total de surtos em andamento no mundo subiu de 7.429 para 7.522, sendo 3.976 somente na Romênia e 1.475 no Vietnã. Dos novos surtos, 193 foram notificados na Europa, 42 na Ásia e 1 na África.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) discute Selo Arte para produtos da ovinocaprinocultura

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou da reunião virtual da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva de Caprinos e Ovinos, nesta segunda-feira (26). O principal assunto do encontro foi a construção de canais de comercialização dos derivados de leite e cárneos de caprinos e ovinos através da lei do Selo Arte. Segundo o presidente da Câmara, Joaquim Vilar, o objetivo é destravar a comercialização dos produtos de uma cadeia “importantíssima”, principalmente para a região Nordeste. “Foi uma pauta que trouxemos de dentro da CNA para a Câmara Setorial. Já avançamos muito para conseguir efetivar a lei do Selo Arte em nível federal, agora ela está maturando nos estados”, disse. O Selo Arte foi criado pela Lei nº 13.680/2018 e chancela a qualidade dos produtos de origem animal produzidos de forma artesanal. A certificação permite a comercialização interestadual desses produtos, desde que submetidos à fiscalização de órgãos de saúde pública dos estados. Outro tema tratado na reunião foi a ampliação da quantidade de leite adquirida dentro do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) Leite, que passou de 11 para 35 litros por produtor. Segundo Joaquim Vilar, o volume ainda é baixo e não traz segurança financeira para a cadeia produtiva. A ideia é trabalhar para aumentar essa cota. O assessor técnico da CNA, Ricardo Nissen, acompanhou o encontro.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Proposta obriga síndicos a denunciarem maus tratos contra animais

O Globo – Jornalistas acompanham captura de animais em floresta do Rio durante estudo para prevenir pandemias

O Globo – China suspende proibição de importar carne bovina e de frango de unidades da Marfrig e BRF

O Globo – Pesquisa mostra que brasileiros querem levar seus pets nas viagens pós-pandemia. Saiba quais os cuidados

CNA – Mais Pasto reinicia atividades presenciais

CNA – CNA discute Selo Arte para produtos da ovinocaprinocultura

Mapa – Mapa retoma concessão de licença para venda de raias de água doce

G1 – Arroba do boi gordo já é vendida por R$ 243,30 no interior de Rondônia

G1 – Casal faz buscas por cadela que sumiu ao ser deixada em hotel para pets: ‘É uma filha’, diz dona

Agência Brasil – Entretenimento com animais silvestres traz riscos à saúde, diz ONG

Folha de S.Paulo – Cobra é encontrada dentro de clube na zona leste de São Paulo

Folha de S.Paulo – Peixe fica deprimido após aquário fechar para visitas na pandemia

O Estado de S.Paulo – O que há de especial com os vírus de morcegos? O que não sabemos pode nos afetar

AgroLink – Embrapa lança videoaulas sobre o cultivo de tambaqui no Amazonas

AgroLink – Documento traz situação da brucelose e tuberculose

AgroLink – Sumário de Touros Montana 2020 contém dados de 179 reprodutores

AgroLink – Brasil tem primeiro hambúrguer de “carne de plantas”

AgroLink – Leilões de Cavalos Crioulos fecham com total liquidez e médias altas

AgroLink – CNA discute Selo Arte para produtos da ovinocaprinocultura

AgroLink – Preços firmes e em alta no mercado de reposição

AgroLink – Alta no preço da arroba da vaca gorda

AgroLink – Governo de Goiás anuncia liberação de R$ 1,8 milhão para fortalecimento da piscicultura, em Minaçu

AgroLink – Alemanha confirma 91 casos de PSA

Canal Rural – Friboi anuncia nova unidade de confinamento com capacidade para 12 mil animais

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »