PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTÁ SOB AMEAÇA DE DESMONTE, DIZEM ENTIDADES

//PROGRAMA SAÚDE DA FAMÍLIA ESTÁ SOB AMEAÇA DE DESMONTE, DIZEM ENTIDADES
A repórter e colunista Cláudia Collucci, na Folha de S.Paulo desta terça-feira (01), ressalta uma polêmica envolvendo o SUS, que se trata da revisão da Política Nacional de Atenção Básica (PNAB), que está aberta para consulta pública até o dia 6. Entre as alterações propostas está a possibilidade de outros modelos de atenção básica além da Estratégia Saúde da Família (ESF) e a unificação em um único profissional do agente comunitário de saúde e do agente de combate às endemias. Embora a minuta do texto de revisão afirme que o programa Saúde da Família seguirá como estratégia prioritária para a expansão e consolidação da atenção básica, nota assinada por três entidades da saúde (Associação Brasileira de Saúde Coletiva, Centro Brasileiro de Estudos de Saúde e Escola Nacional de Saúde Pública – Ensp/Fiocruz) diz que a proposta revoga a prioridade do modelo assistencial da ESF no âmbito do SUS. “Já o texto que está em consulta pública afirma que o programa seguirá como estratégia prioritária para expansão e consolidação da atenção básica no país. Nunca é demais lembrar que o programa Saúde da Família é reconhecido mundialmente como sendo a chave para o sucesso da expansão da atenção básica nos últimos anos no Brasil e dos seus efeitos positivos no acesso a serviços de saúde”, diz parte da publicação.

ESF reduz recursos adicionais na saúde

A publicação da Folha de S.Paulo afirma ainda que diversos estudos associam o ESF à redução das taxas de mortalidades infantil, cardiológica e cerebrovascular e à queda das internações por condições sensíveis à atenção primária (diabetes e hipertensão, por exemplo). “A proposta de reformulação da PNAB ameaça esses sucessos. Além de abolir na prática a prioridade da ESF, em um contexto de retração do financiamento e sem perspectivas de recursos adicionais, é muito plausível estimar que o financiamento dessas novas configurações de atenção básica será desviado da Estratégia Saúde da Família”, afirma a nota das entidades. Em reunião na Comissão Intergestores Tripartite, ocorrida na última quinta-feira (27), Mauro Junqueira, presidente do Conasems (Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde), disse que as mudanças propostas valorizam o agente de saúde. No discurso de encerramento da reunião na última quinta-feira, o ministro da Saúde, Ricardo Barros, disse que a revisão da PNAB, juntamente com outras iniciativas, “mudará completamente a saúde do Brasil”. “Mais uma razão para que estejamos muito atentos a essas propostas e que haja de fato participação popular no debate”, enfatiza o texto da Folha.

Aposentados movem 1/4 das ações contra planos de saúde em SP

O jornal O Estado de S.Paulo afirma que uma em cada quatro ações analisadas na Justiça de São Paulo sobre planos de saúde é proposta por pessoas que, ao se aposentarem, enfrentam dificuldades em manter o contrato empresarial mantido pela empresa. São duas queixas: aumentos abusivos da mensalidade ou exclusão do aposentado do plano. Dados da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram que o número de pessoas acima de 49 anos que têm planos empresariais aumentou de forma expressiva nos últimos anos. Em 2004, eram 2,207 milhões de usuários. Este ano, já somam 6,543 milhões. Os números preocupam o Tribunal de Justiça de São Paulo. A amostra de ações analisadas pelo Núcleo de Monitoramento de Perfis de Demandas (Numopede) indica que os usuários têm muitas dúvidas sobre a regulamentação dos planos. A ANS afirma que o empregado tem direito de manter o plano coletivo empresarial quando se aposenta, desde que tenha contribuído com parte da mensalidade. O tempo em que ele pode permanecer no plano varia de acordo com período de contribuição”, enfatiza parte da reportagem.

Manual de pediatria orienta exercícios físicos para cada idade

Três horas de atividades físicas diárias é o mínimo que crianças de até 5 anos devem praticar para afastar o risco da obesidade infantil. Essa e outras recomendações estão em um manual lançado na última semana pela Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) com o objetivo de estimular a prática de brincadeiras e esportes por crianças e adolescentes brasileiros. É o que informa o jornal O Estado de S.Paulo. No caso das crianças menores, as atividades devem ser mais leves, como brincar e andar de bicicleta. A partir dos 6 anos, a recomendação cai para uma hora diária, mas os exercícios devem ser mais intensos, como correr e nadar. Com dicas organizadas por faixas etárias e por público – pais, pediatras, professores e as próprias crianças -, o manual ressalta os riscos do sedentarismo precoce. “Quanto mais cedo a obesidade aparece, maior o risco dessa criança ter uma complicação quando adulta, como problemas no fígado, nos vasos sanguíneos e nas articulações”, explica Luciana Silva, presidente da SBP. Ainda de acordo com o Estadão, segundo a entidade, mais da metade dos adolescentes brasileiros não pratica nenhuma atividade física e uma em cada seis crianças tem sobrepeso.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Ministro da Saúde anuncia novos recursos para o estado do Pará 

Ministério da Saúde – Maranhão ganha reforço de R$ 22,1 milhões para atendimento no SUS 

Ministério da Saúde – MS destina R$ 36 milhões para melhorar saúde no Pará 

ANS – Inscrições abertas para 6ª reunião do Comitê de Regulação da Estrutura dos Produtos 

Inca – Apreensões de cigarro ilegal em MS já superam as de 2016 

Inca – Indústria do tabaco prejudica esforços dos governos para combater fumo, denuncia OMS 

Inca – Brasil cumpre metas da OMS e reduz consumo de tabaco 

O Globo – Estudo revela alta de distúrbios alimentares entres homens 

O Globo – Série ’13 reasons why’ está relacionada a aumento de pensamentos suicidas, diz pesquisa 

Correio Braziliense – Mulheres com gengivite crônica têm mais chances de apresentar câncer 

O Estado de S.Paulo – Manual de pediatria orienta exercícios físicos para cada idade 

O Estado de S.Paulo – Aposentados movem 1/4 das ações contra planos de saúde em SP 

G1 – Como cola inspirada em gosma de lesma pode ajudar a salvar vidas 

Valor Econômico – Hypermarcas reitera meta de maior resultado em 2017 

Folha de S.Paulo – Cláudia Collucci – Programa Saúde da Família está sob ameaça de desmonte, dizem entidades 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.