Primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais

//Primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais
Os dados parciais da primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa em 2020 mostraram cobertura vacinal de 97,81% do rebanho de bovinos e bubalinos de todas as idades dos estados que já enviaram os dados. No total, já foram imunizados 166 milhões de animais, destacou o Mapa nesta quinta-feira (24). Dos 23 estados que praticam a vacinação, foram contabilizados os dados de 18 estados, um está em análise e outros três ainda não enviaram o relatório com os dados finais. O Estado do Amapá realiza a vacinação anual de todo o seu rebanho apenas no segundo semestre do ano. Em 2019, na campanha de maio, foram vacinados 196 milhões de bovinos e bubalinos, cobrindo 98,08% do total. Na etapa realizada em novembro de 2019, para os animais de até 24 meses, foram vacinados 87,11 milhões, com cobertura vacinal de 98,27%. Em razão da pandemia da Covid-19, esta primeira etapa de vacinação foi prorrogada em 30 dias para todos os estados, alcançando uma duração de 60 dias para a sua execução. Na maioria dos estados do Nordeste, a etapa teve o seu início adiado para o mês de junho, buscando melhorar a organização e divulgar as orientações aos produtores em relação aos cuidados com o coronavírus. Após o término da etapa, o produtor rural teve entre 15 e 30 dias para comprovar a vacinação dos seus animais junto aos serviços veterinários oficiais dos estados, preferencialmente por meios não presenciais como telefone ou internet. Segundo o diretor do Departamento de Saúde Animal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Geraldo Moraes, a pequena redução da cobertura vacinal era esperada, como reflexo direto da pandemia, que atrapalhou a logística da vacinação. “Apesar disso, foi uma campanha exitosa dadas as proporções da emergência em saúde existente no país”, diz. A previsão para esta primeira etapa é de vacinar cerca de 183 milhões de bovinos e bubalinos de todas as idades. Os estados do Paraná, Acre e Rondônia, e regiões do sul do Amazonas e do noroeste do Mato Grosso tiveram a última vacinação contra a doença em 2019 e, no momento, estão cumprindo o prazo para reconhecimento de zona livre de febre aftosa sem vacinação pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O Rio Grande do Sul, que realizou a sua última vacinação em março deste ano, também está cumprindo prazo para o reconhecimento internacional de zona livre de febre aftosa sem vacinação. Desde 2007, o estado de Santa Catarina é reconhecido internacionalmente como livre de febre aftosa sem vacinação. A segunda etapa de campanha de vacinação contra aftosa começa em novembro. Confira o calendário completo.

Projeto inclui direitos dos animais no currículo do ensino fundamental 

O Projeto de Lei 4593/20 inclui, no currículo do ensino fundamental, a obrigatoriedade da educação em direito dos animais, com carga horária de oito horas. A proposta foi apresentada pelo deputado Ricardo Izar (PP-SP) e tramita na Câmara dos Deputados, informou a Agência Câmara nesta quinta-feira (24). “A criação da disciplina contribuirá para evitar maus-tratos, abandono e abuso animal. Na escola, desde cedo as crianças aprenderão os conceitos básicos para desenvolver o cuidado e o respeito aos animais”, justifica Izar. Citando dados de 2018 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o parlamentar lembra que o Brasil possui 139,3 milhões de animais de estimação, ao mesmo tempo em que a Organização Mundial da Saúde estima que existam mais de 30 milhões de animais abandonados. O projeto acrescenta a medida à Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB). Hoje é prevista, por exemplo, como tema transversal nos currículos escolares, a inclusão de conteúdos relativos aos direitos humanos e a prevenção da violência contra a criança e o adolescente. A LDB também estabelece que a inclusão de novos componentes curriculares obrigatórios na Base Nacional Comum Curricular dependerá de aprovação do Conselho Nacional de Educação e de homologação pelo ministro da Educação.

China suspende frutos do mar de companhia do Brasil por 1 semana por coronavírus em embalagem

De acordo com o G1, a China vai parar de aceitar pedidos de importação da empresa brasileira Monteiro Indústria de Pescados Ltda por uma semana, a partir de 26 de setembro, depois que um pacote de peixe congelado deu positivo para o coronavírus, disse a alfândega chinesa nesta sexta-feira (25). Após esse prazo, afirma o governo chinês, a autorização para a empresa exportar para o país é reativada automaticamente. O departamento chinês havia dito anteriormente que suspenderia as importações de empresas por uma semana, se os produtos testassem positivo pela primeira ou segunda vez para o vírus. Na semana passada, o país suspendeu as importações de um produtor de frutos do mar da Indonésia.

Novas regras no combate à brucelose

Nesta sexta-feira (25) o Sistema FAEP divulgou que, visando intensificar o combate à brucelose e tuberculose, a ADAPAR publicou, no dia 14 de setembro, a Portaria 215/2020, que torna obrigatória a vacinação de bezerras bovinas e bubalinas entre três e oito meses de idade com a vacina viva (amostra B19) ou com a vacina não indutora de anticorpos aglutinantes (RB51). A portaria estabelece a também a proibição de trânsito de fêmeas bovinas e bubalinas, em idade de vacinação, sem a devida comprovação do recebimento da imunização prévia, a ser realizada regularmente com o lançamento do atestado emitido no Sistema de Defesa Sanitária Animal – SDSA pelo médico veterinário cadastrado no Programa Estadual de Controle e Erradicação de Brucelose e Tuberculose – PECEBT ou com a apresentação do atestado original na Unidade Local de Sanidade Agropecuária – ULSA. A emissão de GTA para trânsito de bovinos ou bubalinos, qualquer que seja a finalidade, fica condicionada à comprovação de vacinação obrigatória contra a brucelose no estabelecimento de criação de origem dos animais. Para o trânsito de animais destinados à reprodução fica obrigatória a apresentação de resultados negativos aos testes de diagnóstico para brucelose e tuberculose para emissão da GTA, exceto aqueles oriundos de propriedades certificadas como livres das doenças e com o atestado ainda dentro do prazo de validade. Os testes de diagnóstico para brucelose são obrigatórios para fêmeas com idade igual ou superior a 24 meses, quando vacinadas com a B19, e para as fêmeas com idade igual ou superior a oito meses, vacinadas com a RB51 ou não vacinadas. O exame também é obrigatório para machos com idade igual ou superior a oito meses destinados a reprodução. Ainda, o para o ingresso no Paraná de fêmeas bovinas e bubalinas acima de 8 meses de idade não vacinadas contra a brucelose bovina com a vacina B19, e o ingresso de fêmeas bovinas e bubalinas de qualquer idade oriundas de estados onde a vacinação com a B19 não é obrigatória, fica condicionada à apresentação de atestado original de vacinação contra a brucelose com a vacina RB 51, ou cópia validada pelo Serviço Oficial Estadual da origem, exceto quando para abate imediato e sem prejuízo das demais exigências para trânsito conforme a finalidade. Vale lembrar que o ingresso de bovinos no estado do Paraná é permitido apenas para áreas reconhecidas pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) como livres de febre aftosa sem vacinação, notadamente os Estados de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte de Mato Grosso e Amazonas.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Projeto inclui direitos dos animais no currículo do ensino fundamental

Folha de S.Paulo – Cães farejam coronavírus em aeroportos de Dubai e Finlândia; Bélgica também treina animais

Folha de S.Paulo – Fazendeiro perde 6.000 hectares no Pantanal, mas defende queimadas

Folha de S.Paulo – Equipes de resgate australianas podem ter que praticar eutanásia em baleias encalhadas

Folha de S.Paulo – Ministra da Agricultura rejeita nota técnica que abrandava alimentos ultraprocessados

G1 – Cães são usados para detectar coronavírus em projeto-piloto de aeroporto na Finlândia

G1 – APA Agrestina abre inscrições para o 1º mutirão de castração animal

G1 – Veterinários e voluntários trabalham para resgatar animais atingidos pelo fogo na região norte de MS

G1 – China suspende frutos do mar de companhia do Brasil por 1 semana por coronavírus em embalagem

Valor Econômico – China suspende compras de frutos do mar de empresa brasileira

CNA – ATeG Leite e Sebraetec: produtor em Eugenópolis (MG) aposta no melhoramento genético

CNA – Descomplica Rural auxilia em projeto de piscicultura

Mapa – Primeira etapa de vacinação contra a febre aftosa já imunizou 166 milhões de animais

Agrolink – Filipinas detecta novos surtos de peste suína

Agrolink – Maior produtora de alevinos é incorporada por multinacional

Agrolink – Embora calmo, o mercado do boi gordo está firme

Agrolink – Empresa de nutrição animal abre nova unidade

Agrolink – Brasil vacinou 166 milhões de animais contra aftosa

Agrolink – Alemanha confirma mais três casos de peste suína em javalis

Sistema FAEP – Novas regras no combate à brucelose

Revista Globo Rural – Rastreabilidade de ponta a ponta pode excluir pequenos pecuaristas no Brasil

Portal do Agronegócio – Produção brasileira de carne de frango cresce apenas meio por cento em 2020, estima Rabobank

Portal do Agronegócio – Produção brasileira de carne de frango cresce apenas meio por cento em 2020, estima Rabobank

Portal do Agronegócio – Embora calmo, o mercado do boi gordo está firme
______________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »