PRESIDENTE DO IBAMA PEDE EXONERAÇÃO APÓS POSTAGENS DE BOLSONARO E MINISTRO DO MEIO AMBIENTE

//PRESIDENTE DO IBAMA PEDE EXONERAÇÃO APÓS POSTAGENS DE BOLSONARO E MINISTRO DO MEIO AMBIENTE

Um dia depois de ter se tornado alvo em redes sociais do presidente Jair Bolsonaro e do novo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que questionaram o valor do contrato para aluguel de veículos no órgão, a presidente do Ibama, Suely Araújo, pediu exoneração do cargo nesta segunda-feira (7). O contrato em questão gerou economia de 8% e foi aprovado pelo TCU. O pedido de exoneração foi encaminhado ao ministro Salles na manhã desta segunda. “Considerando que a indicação do futuro presidente do Ibama, sr. Eduardo Bim, já foi amplamente divulgada na imprensa e internamente na instituição ainda em 2018, antes mesmo do início do novo Governo, entendo pertinente o meu afastamento do cargo permitindo assim que a nova gestão assuma a condução dos processos internos desta Autarquia”, escreveu Suely no ofício. A Folha apurou que Suely afirmou a interlocutores que ficou indignada com as postagens deste domingo, pois não foi procurada previamente por Salles para que explicasse o valor do contrato, de R$ 28,7 milhões.”A acusação sem fundamento evidencia completo desconhecimento da magnitude do Ibama e das suas funções.  O valor estimado inicialmente para esse contrato era bastante superior ao conseguido no final do processo licitatório, que observou com rigor todas as exigências legais e foi aprovado pelo TCU [Tribunal de Contas da União]”, escreveu Suely na nota. Após um tuíte do ministro Salles, o presidente Bolsonaro postou e depois apagou em uma rede social, no domingo: “Estamos em ritmo acelerado, desmontando rapidamente montanhas de irregularidades e situações anormais que estão sendo e serão comprovadas e expostas. A certeza é: havia todo um sistema formado para principalmente violentar financeiramente o brasileiro sem a menor preocupação!”

Tereza Cristina volta a defender mais recursos para o seguro rural

O Valor Econômico destacou que a nova ministra da Agricultura, Tereza Cristina, voltou a defender, na sede do Banco do Brasil, que o orçamento do programa de subvenção ao prêmio do seguro rural seja fortalecido no governo do presidente Jair Bolsonaro. Dificilmente o montante reservado pelo governo para o seguro ultrapassa R$ 400 milhões anuais. “Nosso principal desafio se chama seguro e precisamos resolver esse entrave”, disse a ministra logo depois da posse do novo presidente do novo Banco do Brasil, Rubem Novaes. O aumento das verbas destinadas ao seguro agrícola é uma demanda antiga do setor de agronegócios. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) tem recomendado que o orçamento aumente para R$ 1,2 bilhão.

Municípios do agronegócio lideram crescimento do PIB

Dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) referentes ao PIB (Produto Interno Bruto) Municipal de mais de 5 mil municípios mostram forte crescimento nas principais regiões agrícolas. De acordo como portal do Mapa o levantamento com base no valor nominal do PIB de 2016 revelou que 82% dos municípios brasileiros classificados como os maiores produtores do agro tiveram crescimento nominal superior à taxa anual do PIB do país, que foi de 4,4 % entre 2014 e 2016. O levantamento de acordo com o coordenador-geral de Estudos e Análises da Secretaria de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, José Garcia Gasques, combina as informações do PIB Municipal com as da Produção Agrícola Municipal (PAM), referentes às lavouras permanentes e temporárias em 2017. “Em diversos municípios do Nordeste, o valor da produção agropecuária teve acentuada redução em 2017. Isso ocorreu muito fortemente entre os que integram a região chamada Matopiba, considerada importante área de expansão da fronteira agrícola”, disse Gasques.

Davos faz pressão contra a carne bovina

A presença do presidente Jair Bolsonaro no Fórum Mundial de Davos, nos dias 22 e 23, vai coincidir com nova ação do fórum que busca incentivar a redução do consumo de carne bovina, produto do qual o Brasil lidera as exportações, informa o Valor Econômico. Em 2018, o Fórum de Davos passou a defender maior equilíbrio entre o consumo de carnes e questões ligadas à saúde e ao ambiente. Neste ano, publica uma pesquisa da Universidade de Oxford que defende a substituição de carne bovina por fontes alternativas de proteínas – insetos, carne sintética, tofu, lentilha, nozes e jaca. A pesquisa martela que o consumo excessivo de carne é perigoso para a saúde e calcula que sua substituição representaria uma diminuição de 2,4% do número de mortes ligadas a uma dieta alimentar considerada inadequada.

NA IMPRENSA

Câmara dos Deputados – Regras para concessão de crédito rural podem ser atualizadas.

Câmara dos Deputados – Política Nacional da Erva-Mate é sancionada.

Câmara dos Deputados – Projeto cria política de qualidade do ar.

Mapa – Municípios do agronegócio lideram crescimento do PIB.

MMA – Ministério oferece oito cursos a distância.

Anac – Aeroportos brasileiros se destacam em ranking de pontualidade mundial.

Embrapa – Pontes para Inovação têm oito empresas finalistas.

Embrapa – Embrapa coordena missão à Índia para cooperação técnica sobre bubalinos.

Ibama – Nota de Esclarecimento.

Valor Econômico – Tereza Cristina volta a defender mais recursos para o seguro rural.

Valor Econômico – Commodities Agrícolas.

Valor Econômico – Davos faz pressão contra a carne bovina.

G1 – Bovespa opera em alta nesta terça-feira.

G1 – Projeto busca reinserir muriqui fêmea que se perdeu do grupo.

G1 – Exportação de soja do Brasil inicia ano com média diária 70,6% maior, diz Secex.

G1 – Produtores da China cortam previsão de lucro por conta da peste suína.

Folha de S. Paulo – Presidente do Ibama pede exoneração após postagens de Bolsonaro e Salles.

Folha de S. Paulo – Contrato do Ibama questionado por Bolsonaro gerou economia de 8%.

Zero Hora – Petrobras reduz em 1,38% nesta quarta o preço médio da gasolina nas refinarias.

Zero Hora – Petrobrás indica novo diretor de exploração.

Zero Hora – Possibilidade de perdão de dívidas anima agronegócio, mas assusta economistas.

Zero Hora – Por que o desejo de anistiar o Funrural não surpreende.

Zero Hora – Biólogo registra suspeita de resíduo de agrotóxico na área urbana de Bagé.

Zero Hora – Novaes diz que BB não tem intenção nenhuma de reduzir crédito rural.

Mais Soja – Genes que tornam as plantas tolerantes à falta de oxigênio são descobertos.

Mais Soja – PIB-AGRO MG: PIB do agronegócio Mineiro cresce 1,57%.

Mais Soja – PIB-AGRO SP: Agronegócio de SP cai quase 5%.

Mais Soja – Municípios do agronegócio lideram crescimento do PIB.
____________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.