Pela primeira vez, órgão do Ministério da Saúde se posiciona contra uso de cloroquina, ivermectina e azitromicina em hospitais

Home/Informativo/Pela primeira vez, órgão do Ministério da Saúde se posiciona contra uso de cloroquina, ivermectina e azitromicina em hospitais

Grupo técnico ligado ao Ministério da Saúde desaprova, em novo parecer, o uso de medicamentos com ineficácia comprovada contra Covid-19, como cloroquina, hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina, em ambientes hospitalares. É a primeira vez em 14 meses de pandemia que há um posicionamento contrário de um órgão ligado à pasta em relação ao uso dessas drogas. O texto já recebeu parecer favorável da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (Conitec), que abriu consulta pública nesta segunda-feira. O prazo é de 10 dias. Apesar disso, o ministério não traz orientações contra o “kit Covid”, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro e apoiadores como “tratamento precoce”, mesmo sem evidências científicas. A recomendação quanto aos medicamentos é um dos alvos da CPI da Covid, no Senado. Em depoimento, o ministro Marcelo Queiroga afirmou que aguardava o parecer para decidir a orientação da pasta e que os médicos se dividiam quanto ao uso. Chamado de “Diretrizes Brasileiras para Tratamento Hospitalar do Paciente com Covid-19”, o parecer foi divulgado pela “Folha de S.Paulo” e obtido pelo jornal O Globo. A coordenação é do pneumologista e professor da Universidade de São Paulo (USP) Carlos Carvalho. Segundo o documento, não há evidências de que essas medicações, isoladas ou junto a outros remédios, beneficiem o tratamento da Covid-19. A recomendação contra a cloroquina vale para ingestão via oral, inalatória (off label, isto é, forma de uso que não consta na bula) ou outras. Há registros de pacientes que morreram após nebulização desse fármaco e os casos são investigados. No entanto, pacientes que já utilizam essa medicação contra artrite reumatoide e malária devem prosseguir no tratamento. Quanto à ivermectina, ainda não há estudos em ambientes hospitalares, só em laboratório. Por ser antibiótico, a azitromicina só deve ser usada em caso de infecção bacteriana, não como parte da rotina de tratamento contra a Covid-19. O uso de plasma de pessoas que contraíram a doença e desenvolveram anticorpos também não é indicado, assim como a associação de anticorpos monoclonais casirivimabe e imdevimabe (Regn-CoV2), aprovada para uso emergencial e temporário pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), por falta de evidências que sustentem o tratamento. Outros remédios, como dexametasona e hidrocortisona, além de anticoagulantes, são recomendados em casos específicos e dentro do ambiente hospitalar. O anticorpo monoclonal tocilizumabe também é uma opção. Dessa forma, o comitê avalia que há poucas opções de tratamentos farmacológicos contra a Covid-19. O documento sugere que o rendesivir, primeiro remédio anticovid aprovado no Brasil e utilizado nos Estados Unidos, não seja em administrado em face dos altos valores e da baixa chance de que seja ofertado no Sistema Único de Saúde (SUS).

TCU vê indícios de direcionamento e sobrepreço em compras do governo do DF durante a pandemia

O Tribunal de Contas da União (TCU) identificou indícios de direcionamento de compras e majoração de preços nas aquisições de testes de covid-19 pelo governo do Distrito Federal. Em relatório que analisou a utilização de recursos repassados pela União durante a pandemia do novo coronavírus, o TCU afirmou que há indícios de favorecimento de fornecedores específicos nas compras. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo as conclusões da análise, após acórdão do TCU, foram encaminhadas ao presidente do Congresso Nacional, senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG). Senadores aliados ao Palácio do Planalto também pretendem pedir cópia dos documentos para serem analisados na CPI da Covid. Um dos focos da CPI são eventuais irregularidades na aplicação de recursos federais por governadores e prefeitos. A investigação realizada pelo TCU atendeu a uma solicitação da Comissão Temporária da Covid-19, do Congresso, que requereu ao órgão no ano passado a fiscalização do uso de recursos da União para o enfrentamento da covid-19 no Distrito Federal. O TCU identificou que, até 2 de março de 2021, o Distrito Federal havia recebido cerca de R$ 3 bilhões da União. Ao definir o escopo da fiscalização, o tribunal excluiu os recursos direcionados ao auxílio financeiro dos entes federativos e a setores específicos, como o de Turismo. Assim, a investigação do TCU recaiu sobre o dinheiro repassado especificamente para o enfrentamento da emergência de saúde pública no Distrito Federal, no valor de R$ 376,6 milhões. A fiscalização do TCU cobriu 96% deste montante. Os técnicos do TCU identificaram, conforme o Relatório de Acompanhamento, direcionamento nas compras de testes rápidos de covid-19 e indícios de superfaturamento nas contratações diretas (dispensadas de licitação). Além disso, a investigação apontou para suposta ausência de estimativa de preços para a contratação de serviço de gestão integrada de leitos; ausência de documentação para habilitação das empresas contratadas; e bens entregues em desacordo com as especificações exigidas na contratação. Em sua análise, o TCU afirmou que a Secretaria de Saúde do Distrito Federal alterou de forma constante as quantidades de testes a serem adquiridos, sem se justificar. Além disso, estabeleceu prazos curtos para as empresas interessadas em vender produtos e desconsiderou propostas mais baratas no processo.

Equipe de Guedes teve reuniões com Pfizer e AstraZeneca, mas disse não ser responsável por vacinas

O Ministério da Economia teve reuniões entre junho e agosto de 2020 com executivos de Pfizer e AstraZeneca para conversar sobre as vacinas contra a Covid-19 e disse às empresas que a compra não era uma responsabilidade da pasta –e sim do Ministério da Saúde. De acordo com a Folha de S.Paulo as informações estão em documentos da Economia enviados à CPI da Covid que dão mais detalhes sobre como membros do governo agiram no processo de compra das vacinas –consideradas cruciais pela própria equipe econômica para a recuperação da atividade do país. A primeira reunião do Ministério da Economia com as empresas foi feita em 16 de junho com Fraser Hall, então presidente da AstraZeneca para o Brasil. A fabricante apresentou um plano voltado ao país envolvendo testes clínicos e negociação de vacinas. A equipe econômica –liderada no encontro por Carlos Alexandre da Costa, secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade –, respondeu que a pasta não era a responsável pelas compras. “O Ministério reforçou [à AstraZeneca] que a competência para aquisição de vacinas era do Ministério da Saúde”, afirmou a Economia à CPI. Em 7 de agosto, menos de dois meses após o encontro com a AstraZeneca, a Economia teve outra reunião –nesse caso, com a Pfizer. A fabricante foi representada por Carlos Murillo, gerente-geral da empresa no Brasil, e outros funcionários. Foi a Pfizer, que já estava assinando contratos em outros países, quem procurou o ministério –que, novamente, não entrou em tratativas. “A empresa foi informada na reunião que não cabe ao Ministério da Economia decidir sobre a compra de determinada vacina, pois se trata de uma decisão de saúde pública”, afirma a Economia no documento enviado. O Ministério da Economia tem defendido até hoje que a negociação pela compra de vacinas não era uma função do ministro Paulo Guedes (Economia) ou da equipe. Segundo essa visão, os integrantes já tinham diferentes funções ligadas a cinco antigos ministérios (agrupados no guarda-chuva da Economia) –inclusive relacionadas à pandemia e seus efeitos.

CPI ouve ex-ministros Ernesto Araújo e Eduardo Pazuello nesta semana

Na terceira semana de depoimentos, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia ouve dois ex-ministros do governo Jair Bolsonaro: Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Eduardo Pazuello (Saúde). Os dois são considerados peças-chave para esclarecer a condução do governo federal no enfrentamento da crise sanitária da covid-19, informou a Agência Senado. Agendada para quarta-feira (19), às 9h, a audiência de Pazuello é a mais esperada. Dos quatro ministros que comandaram o Ministério da Saúde durante a pandemia, Pazuello foi o que ficou mais tempo no cargo. O general do Exército e especialista em logística assumiu interinamente o ministério em 16 de maio de 2020, após a saída de Nelson Teich. Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Alessandro Viera (Cidadania-SE) também apontam que Pazuello precisa explicar a insistência do governo no chamado “tratamento precoce” e a crise de oxigênio em Manaus (AM). Mas ainda há incerteza se Pazuello falará aos senadores. Convocado para prestar depoimento na condição de testemunha, é obrigado a dizer a verdade sob o risco de ter sua prisão decretada. Mas, na quinta-feira (13), a Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Supremo Tribunal Federal que o ex-ministro da Saúde possa permanecer calado, sem correr o risco de ser preso. Até a publicação desta matéria, o ministro Ricardo Lewandowski, que ficou responsável por analisar o pedido, ainda não havia proferido uma decisão. O presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), escreveu em sua conta em uma rede social que o depoimento de Pazuello é importante para o aprofundamento da investigação. Em ofício enviado nesta sexta-feira (14) ao ministro Lewandowski, Renan Calheiros afirmou que a eventual concessão de habeas corpus para Pazuello prejudicará os trabalhos de investigação da comissão. Vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues aponta que Pazuello já vinha demonstrando pouca disposição de comparecer à comissão, lembrando a alegação de que o ex-ministro havia tido contato com pessoas com covid-19 para evitar o depoimento na semana passada. Marcado para terça-feira (18) às 9h, o depoimento do ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo atende a pedidos de senadores que querem que ele explique a condução da diplomacia brasileira durante a pandemia. A relação do Brasil com a China deve ser um dos pontos mais questionados pelos parlamentares da CPI da Pandemia. Segundo o senador Marcos do Val (Podemos-ES), a política externa sob a gestão do ex-chanceler pode ter atrasado a compra de vacinas. Está marcado para quinta-feira (20) o depoimento de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério da Saúde. Ela deverá explicar aos senadores a defesa de medicamentos antivirais durante a crise de oxigênio em Manaus (AM) no início do ano. A convocação atende a pedidos feitos pelos senadores Alessandro Vieira, Randolfe Rodrigues, Renan Calheiros e Humberto Costa (PT-PE).

SAÚDE NA IMPRENSA

Agência Câmara – Comissão aprova proposta que cria regra para cirurgia bariátrica no SUS 
Agência Câmara – Ministério da Saúde garante a recomposição de quadros do programa Mais Médicos 
Agência Câmara – Secretário de Saúde Indígena afirma que não pode se responsabilizar por indígenas urbanos 
Agência Câmara – Comissão debate envelhecimento da população LGBTQIA+ 
Agência Câmara – Grupo de trabalho vai estudar fortalecimento de instituições para idosos 
Agência Câmara – Comissão aprova projeto que prevê vacinação domiciliar de idoso durante campanhas de imunização 
Agência Senado – Após pressão de senadores, Saúde promete vacina para professores em junho 
Agência Senado – Projeto incentiva economia da cota parlamentar para ajudar saúde e educação 
Agência Senado – CPI recebe com serenidade a decisão do STF de conceder habeas corpus a Pazuello, diz Randolfe 
Agência Senado – Ernesto Araújo presta depoimento à CPI da Pandemia nesta terça 
Agência Senado – CPI ouve ex-ministros Ernesto Araújo e Eduardo Pazuello nesta semana 
Anvisa – Anvisa e serviços de saúde de todo o país comemoram o Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares 
Anvisa – Anvisa e Visas locais discutem comunicação de risco e alertas nacionais de tecnovigilância 
Anvisa – Anvisa comunica indisponibilidade temporária do Disque-Intoxicação 
Anvisa – Certificado Internacional de Vacinação e Covid-19: entenda 
ANS – ANS alerta sobre o controle das infecções hospitalares 
Agência Saúde – Município de Botucatu supera a expectativa e vacina mais de 63 mil moradores neste domingo 
Agência Saúde – Covid-19: 14.097.287 milhões de pessoas estão recuperadas no Brasil 
Agência Saúde – Ministro Queiroga vacina moradora de Botucatu (SP) em pesquisa inédita apoiada pelo Governo Federal 
Agência Saúde – Queiroga une forças para a construção de um Complexo Industrial de Biotecnologia em Saúde 
MDH – Atletas paralímpicos brasileiros começam a ser vacinados contra Covid-19 
Conitec – Tecnologias para tratamento da Covid-19 são pauta de Reunião Extraodinária da Conitec 
Jota – O pedido por silêncio de Pazuello e o ataque hacker ao STF 
Jota – ExCelso: As lições de Chico Lopes para Eduardo Pazuello sobre CPIs 
Jota – STF forma maioria contra lei do RJ que impedia cancelamento de plano de saúde de devedor 
Agência Brasil – Covid-19: São Paulo reinicia vacinação de grávidas e puérperas 
Agência Brasil – Covid-19: Brasil registra 15,6 milhões de casos e 435,7 mil mortes 
Agência Brasil – Paraná restringe atividades para conter pandemia de covid-19 
Agência Brasil – Queiroga diz que ministério estuda campanha de testagem contra covid 
Agência Brasil – Botucatu inicia neste domingo vacinação em massa da população adulta 
Agência Brasil – Maio Vermelho alerta para o diagnóstico precoce do câncer de bexiga 
Agência Brasil – Estudo investiga como começa e evolui o câncer de esôfago 
Agência Brasil – SP promove Dia D de vacinação contra a gripe neste sábado 
Agência Brasil – Governo proíbe entrada de estrangeiros em voos provenientes da Índia 
Folha de S.Paulo – Equipe de Guedes teve reuniões com Pfizer e AstraZeneca, mas disse não ser responsável por vacinas  
Folha de S.Paulo – Tropa de choque do governo cita estudos inconclusivos na CPI da Covid; veja checagem  
Folha de S.Paulo – CPI vai pressionar Pazuello sobre terceiros, e Planalto teme depoimento de Ernesto  
Folha de S.Paulo – Falta de vacinas contra a Covid reflete estratégia que falhou
Folha de S.Paulo – Fisioterapia pulmonar ajuda a recuperação depois da Covid  
Folha de S.Paulo – CPI vai descobrindo quem mandou e quem obedeceu nos crimes da pandemia  
Folha de S.Paulo – ‘Capitã cloroquina’ reencontrará seu padrinho político, Tasso Jereissati, na CPI da Covid  
Folha de S.Paulo – Crianças aguardam remédios para câncer não cobertos pelo SUS; hospital pede doações  
Folha de S.Paulo – Terapias inovadoras contra o câncer melhoram qualidade de vida do paciente  
Folha de S.Paulo – Ficou provado que não houve interesse do governo na vacina, diz presidente da CPI da Covid à Folha  
O Estado de S.Paulo – É tempo de CPI; cada um cuide de si 
O Estado de S.Paulo – Governo Doria altera critérios do plano de reabertura econômica uma vez por mês, em média 
O Estado de S.Paulo – Nos EUA, o cartão de vacinação é a nova pulseira VIP 
O Estado de S.Paulo – Vitória parcial para pessoas com Atrofia Muscular Espinhal 
O Estado de S.Paulo – Grupo de cientistas pede mais investigações sobre as origens do coronavírus 
O Estado de S.Paulo – Depois de Pazuello, ‘capitã cloroquina’ vai ao Supremo para ficar em silêncio e não se autoincriminar na CPI da Covid 
O Estado de S.Paulo – Secretaria da Saúde de SP vai monitorar CRMs de laudos e receitas 
O Estado de S.Paulo – Vacina contra covid gera corrida por atestados de comorbidade e suspeitas de ‘fura-fila’
O Estado de S.Paulo – Decisão do STF contra patentes ‘eternas’ é vitória da ciência 
O Globo – Ministério da Saúde encomendou manual para ‘tratamento precoce’ 
O Globo – Cientistas pedem mais investigações sobre a origem do coronavírus 
O Globo – Senadores articulam convocação de braço-direito de Pazuello
G1 – Famílias também devem cumprir protocolos contra Covid-19 em casa 
Correio Braziliense – Mutação genética explica por que uns aguentam mais frio intenso que outros 
Correio Braziliense – 6 tipos de mensagens falsas mais comuns contra as vacinas nas redes sociais e o que diz a ciência sobre elas 
Correio Braziliense – Pesquisadores apostam em um novo caminho contra as demências 
Correio Braziliense – OMS pede que países ricos doem vacinas e prevê mais mortes esse ano do que em 2020 
Correio Braziliense – Maio é o mês da conscientização do câncer de ovário
Valor Econômico – Multilaser protocola pedido de IPO 
Valor Econômico – China acelera vacinação para quase 14 milhões de doses por dia 
Valor Econômico – No Rio, vacinados poderão visitar pacientes com covid-19  
Valor Econômico – Prevenção e genética na mira de novos tratamentos 
Valor Econômico – Dados sustentam o futuro da saúde 
Valor Econômico – Judiciário livra plano de saúde de juros de mora 
Alesp – Bruno Covas, prefeito de São Paulo e ex-deputado estadual, morre aos 41 anos 

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »