Para combater zoonoses é preciso cuidar da saúde humana e animal, diz estudo

//Para combater zoonoses é preciso cuidar da saúde humana e animal, diz estudo
A tendência crescente de doenças transmitidas por animais a seres humanos, as zoonoses, deve ser enfrentada através de uma abordagem conjunta entre cuidar da saúde humana, da saúde animal e do ambiente, com políticas públicas locais integradas, nacionais e globais. Incentivar práticas de gestão sustentável do uso da terra e desenvolver alternativas que garantam a segurança alimentar, mas sem destruir habitats e ameaçar a biodiversidade é outra estratégia para prevenir novas pandemias causadas por zoonoses. Melhorar a biossegurança, identificando os principais vetores de doenças nos rebanhos é outro ponto importante. Dez recomendações e sugestões aos governos constam do relatório “Prevenir a Próxima Pandemia: Doenças Zoonóticas e Como Quebrar a Cadeia de Transmissão”, elaborado pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma) e o Instituto Internacional de Pesquisa Pecuária (Ilri) divulgado nesta segunda-feira (6). De acordo com o Valor Econômico o Ilri é uma instituição sem fins lucrativos com sede no Quênia e na Etiópia, e que apoia a melhoria de renda em países pobres, com foco na pequena produção de animais e agricultura familiar. A degradação da terra, a exploração da vida selvagem, a extração de recursos naturais e as mudanças climáticas são vetores que podem impulsionar pandemias do tipo da covid-19 no futuro. Todos os anos, cerca de duas milhões de pessoas, principalmente em países pobres, morrem por zoonoses negligenciadas. “A ciência é clara ao dizer que, se continuarmos explorando a vida selvagem e destruindo os ecossistemas, podemos esperar um fluxo constante de doenças transmitidas de animais para seres humanos nos próximos anos”, disse Inger Andersen, diretora-executiva do Pnuma, em nota enviada à imprensa. A covid-19 é uma das piores doenças zoonóticas, mas não é a primeira, lembra Inger Andersen. “As pandemias são devastadoras para nossas vidas e economias e as populações mais pobres são as mais impactadas”, continua. Para evitar futuros surtos, precisamos ser mais conscientes sobre a proteção do meio ambiente”, complementa.

Holanda sacrifica dezenas de milhares de visons após suposta transmissão de Covid-19

Depois de detectar casos de Covid-19 em visons de 20 fazendas na Holanda desde o início da pandemia, o país sacrificou dezenas de milhares de animais, informou o Ministério da Agricultura. As autoridades holandesas começaram a matar os animais, apreciados por sua pele, no início de junho, quando descobriram os primeiros casos, para evitar que se transformassem em focos de contágio. “No total, constatamos contágios em 20 fazendas de visons na Holanda, todas no sul do país”, afirma um comunicado do Ministério. Em 18 fazendas, todos os exemplares foram abatidos. Nesta segunda-feira (6), serão eliminados os visons das duas últimas instalações. De acordo com o ministério, a última fazenda onde o vírus foi detectado tinha 12 mil animais. Segundo o portal F5 da Folha de S.Paulo as autoridades anunciaram em maio que dois trabalhadores das fazendas “muito provavelmente” contraíram Covid-19 através dos visons. Os dois poderiam ser os “primeiros casos conhecidos de transmissão” do novo coronavírus de animal para homem, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). A criação de visons para o comércio de sua pele é um tema polêmico na Holanda. Em 2016, o tribunal mais importante do país ordenou o fechamento das fazendas desse tipo até 2024.

Exportações brasileiras de carne bovina bateram recorde em junho

As exportações brasileiras de carne bovina (in natura e processada) somaram 172,36 mil toneladas em junho, 28% mais que há um ano e um novo recorde para o mês, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pela Associação Brasileira de Frigoríficos (Abrafrigo). A receita das vendas cresceu 48% na mesma comparação, para US$ 743 milhões, destacou o Valor Econômico nesta segunda-feira (6). Com esses resultados, no acumulado do primeiro semestre os embarques atingiram 909,72 mil toneladas, um crescimento de 9% em relação a igual intervalo de 2019, e renderam US$ 3,9 bilhões, um avanço de 26%. O destaque nas exportações, como tem ocorrido desde 2019, continua a ser a China, destino de 57% do volume de embarques de janeiro a junho – a China continental importou 365,13 mil toneladas no período, com alta de 148%, enquanto Hong Kong comprou 154,31 mil toneladas, em queda de 10,5%. No primeiro semestre de 2019, a fatia chinesa total foi de 38,4%. Na receita, o peso do país asiático foi ainda maior: subiu de 38% no ano passado (US$ 1,24 bilhão) para 60,5% em 2020 (60,5%).

Cada ano na vida dos cães equivale a 30 anos dos seres humanos, diz estudo

Convencionou-se dizer que um ano na vida de um cão corresponde a sete anos de um humano. Porém, em um estudo publicado, neste mês, na revista Cell Systems, cientistas dizem que o cálculo está errado, informou o Correio Braziliense nesta segunda-feira (6). Para chegar a uma comparação acurada, os pesquisadores criaram uma fórmula mais precisa, com base nas mudanças químicas no DNA à medida que os organismos dos cachorros envelhecem. Os cães compartilham o mesmo ambiente que seus tutores e recebem quase o mesmo padrão de cuidados de saúde que os humanos, oferecendo uma oportunidade única para os cientistas entenderem o envelhecimento entre as espécies. Assim como os seres humanos, os cachorros seguem trajetórias de desenvolvimento que os tornam mais suscetíveis a doenças relacionadas à idade. No entanto, a maneira como envelhecem em nível molecular é mais complicada — o processo ocorre rapidamente no início e desacelera mais tarde na vida. “Em termos de quão fisiologicamente maduro um cão de 1 ano de idade é, basta lembrar que uma cadela de 9 meses pode ter filhotes. Imediatamente, se fizer as contas, perceberá que isso não corresponde a apenas sete anos humanos”, diz o autor sênior, Trey Ideker, da Universidade da Califórnia, San Diego. “O que é surpreendente é exatamente quantos anos um cão de 1 ano tem — a idade equivale à de um humano de 30 anos.” O DNA humano, que codifica quem somos, não muda muito ao longo da vida, mas as marcas químicas no material genético, chamadas marcas de metilação, alteram-se. Ideker as considera como “rugas” no genoma. “Eu costumo pensar nisso como quando você olha para o rosto de alguém e adivinha a idade dele com base nas rugas, cabelos grisalhos e outras características”, diz. Os pesquisadores estudaram 104 filhotes de labrador, desde cães de poucas semanas a cachorros de 16 anos, com a ajuda de duas especialistas, Danika Bannasch, da Universidade da Califórnia, e Elaine Ostrander, do National Institutes of Health. Eles compararam as mudanças no padrão de metilação com o dos seres humanos. A comparação revelou uma nova fórmula, com logaritmo (lg) que melhor combina com os estágios da vida canino-humana: idade humana = 16 ln (idade do cão) + 31. Com base nessa função, um cão de 8 semanas tem aproximadamente a idade de 9 meses de um bebê, ambos estando na fase infantil, em que filhotes e crianças desenvolvem dentes. A vida útil média de 12 anos dos labradores também corresponde à expectativa de vida global dos seres humanos, 70 anos. Em ambas as espécies, os cientistas descobriram que a metilação causada pela idade ocorre em grande parte em genes do desenvolvimento que regulam o crescimento infantil. A metodologia criada pela equipe poderá medir a idade e os estados fisiológicos em diferentes espécies. Quanto aos cachorros, Ideker observa que futuras pesquisas em diferentes raças de cães com expectativa de vida variadas poderiam fornecer mais informações sobre o relógio biológico canino. A fórmula pode não apenas servir como uma ferramenta para entender o envelhecimento entre espécies, mas também aplica-se como prática clínica para os veterinários tomarem medidas proativas no tratamento de animais.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Holanda sacrifica dezenas de milhares de visons após suposta transmissão de Covid-19

Folha de S.Paulo – Por que até hoje a humanidade não ‘solucionou’ as pragas de gafanhotos

O Globo – ‘Parente próximo’ do novo coronavírus foi enviado a Wuhan em 2013, afirma jornal

O Globo – Italo Ferreira leva susto com tubarão ao surfar no Rio

Correio Braziliense – Cada ano na vida dos cães equivale a 30 anos dos seres humanos, diz estudo

G1 – Adoção de animais aumenta durante período da pandemia

G1 – Porco, cabrita e pato viram animais de estimação na quarentena

G1 – Mais de 500 animais voltam à natureza em Santarém

G1 – Busca por adoção e quantidade de animais abandonados crescem na pandemia, diz ONG de Contagem

G1 – Dupla é detida suspeita de maus-tratos contra animais silvestres e nativos em Angatuba

G1 – Compost Barn: Pecuaristas melhoram produtividade em RO oferecendo conforto e bem estar aos animais

Valor Econômico – Para combater zoonoses é preciso cuidar da saúde humana e animal, diz estudo

Valor Econômico – Exportações brasileiras de carne bovina bateram recorde em junho

Valor Econômico – Brasil cobra do Japão abertura de mercado para carne e melão

Valor Econômico – Terceirização em frigoríficos da Alemanha na berlinda

Valor Econômico – China suspende exportações de mais duas unidades brasileiras

Valor Econômico – JBS é autorizada a retomar abates na unidade de aves de Passo Fundo, no Rio Grande do Sul

CNA – Propriedade de gado de corte fica mais rentável com atendimento do Senar/MS

Embrapa – Inmetro renova acreditação de Laboratório de Qualidade do Leite da Embrapa

AgroLink – MSD Saúde Animal conclui aquisição da Quantified Ag

AgroLink – Prova avalia eficiência alimentar Brangus

AgroLink – GAP Genética adapta estratégia para a primavera com leilões virtuais

AgroLink – Mato Grosso sedia quatro etapas do Circuito Nelore de Qualidade

AgroLink – Cotações dos ovos encerram o mês em queda

AgroLink – TO: prazo para declarar vacinação segue até agosto

AgroLink – Preços do frango voltam a subir

AgroLink – Exportações de carne bovina batem recorde

AgroLink – China suspende exportações de cinco frigoríficos

AgroLink – IPPE prepara maior evento da avicultura mundial em janeiro

AgroLink – Consulta pública vai colher sugestões sobre a concessão do Selo Arte para cárneos

AgroLink – Propriedade de gado de corte fica mais rentável com atendimento do Senar/MS

Anda – Baleia-jubarte é encontrada morta em praia da Barra da Tijuca, no Rio

Anda – Tráfico de animais em Acapulco é denunciado em redes sociais

Anda – Macacos são explorados na indústria de leite de coco na Tailândia

Anda – Nascimento da ovelha Dolly completa 24 anos e data pede reflexão sobre a exploração animal pela ciência

Anda – Gatos são torturados e mortos em meio à pandemia de Covid-19

Anda – Linguiça vegetal deve chegar a mais de 20 mil restaurantes nos EUA

Anda – O primeiro peixe marinho moderno foi oficialmente extinto

Anda – Investigação mostra animais sendo fatiados ainda vivos em um mercado úmido do Vietnã

Anda – Covid-19 motiva alemães a consumirem menos carne

Anda – Tigres são flagrados pelas câmeras descansando em um poço de água do tamanho de uma jacuzzi

Anda – Homem é preso por passear com tigre nas ruas do México

Anda – Covid-19 reduz consumo de carne nos EUA pela primeira vez em seis anos

Anda – China ainda permite exploração e morte de pangolins para medicina tradicional

Anda – Pecuaristas defendem uso de “bombas de cianeto” para matar animais selvagens

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »