Pandemias surgem a partir do manejo inadequado de animais, diz Tereza Cristina

//Pandemias surgem a partir do manejo inadequado de animais, diz Tereza Cristina
A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, disse nesta terça-feira (23), que o Brasil demanda que o setor agropecuário mundial adote práticas rigorosas de sustentabilidade e lembrou que as pandemias – como a atual de Covid-19 – surgem a partir do manejo inadequado de animais para o consumo humano. Segundo o Canal Rural a ministra reforçou que o setor agropecuário brasileiro se prepara para atender práticas sustentáveis e conta com protocolos elaborados pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Ela lembrou que as lavouras brasileiras ocupam apenas 8% do território nacional e podem aumentar a produtividade sem abrir novas áreas. Já a pecuária ocupa 20% do território e, graças ao ganho de eficiência do setor, deve ceder espaço para novas áreas de cultivo. “O Brasil mantém intocado 66% do território, algo que não é alcançado por outros países. Os investimentos financeiros na agropecuária sustentável brasileira podem alcançar cifras bilionárias. Venham investir no Brasil”, afirmou, em teleconferência organizada pela certificadora global de “títulos verdes” Climate Bonds Initiative (CBI), como o tema: “Destravando o potencial de investimentos verdes para agricultura no Brasil”.

Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) pede que países mantenham esforços para combater doenças animais

Apesar dos impactos devastadores do COVID-19, que levaram a restrições de movimento global, as doenças animais continuam a se espalhar pelo mundo, informou o portal AgroLink nesta terça-feira (23). As doenças animais transfronteiriças afetam gravemente a saúde e o bem-estar animal, bem como os meios de subsistência de milhares de famílias. Essas doenças representam uma séria ameaça à segurança alimentar global quando amplamente divulgadas e colocam em risco os sistemas de produção animal. Na sexta-feira (19) a Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) publicou seu relatório anual sobre a situação global da saúde animal, chamando a atenção para doenças animais para as quais foram observadas situações epidêmicas em 2019 e 2020, bem como para outras doenças com estratégias globais de controle ou erradicação.Em meio à pandemia do COVID-19, os países são chamados a manter seus esforços para preservar a saúde e o bem-estar animal. Nesse sentido, são fornecidas recomendações no relatório para ajudar os Serviços Veterinários nacionais a implementar medidas eficazes de vigilância, comunicação e controle. A manutenção dessas atividades é fundamental na situação atual. Vários fatores contribuíram para a disseminação de doenças animais nos últimos anos, levando a situações epidêmicas, muitas das quais ainda persistem. Um aumento mundial de casos de peste suína africana (PSA) foi observado no último ano. Um dos maiores desafios do controle dessa doença mortal dos porcos é a ausência de uma vacina eficaz. A PSA foi relatada por 28% dos membros da OIE (42 dos 150 países e territórios declarantes) distribuídos na maioria das regiões da OIE. Em um curto período de tempo, a doença desencadeou uma grande crise na indústria de suínos, causando enormes perdas de suínos, impactos socioeconômicos prejudiciais e até ameaçando perturbar a cadeia de suprimentos mundial de suínos e outros subprodutos suínos. Em resposta a esta ameaça global, a OIE vem trabalhando ao lado de seus membros e da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para implementar iniciativas regionais para uma resposta coordenada, no âmbito da Estrutura Global para o Controle Progressivo de Doenças Animais Transfronteiriças ( GF-TADs). Esses esforços contribuíram para aumentar o número de países que implementam medidas de vigilância e controle para PSAao longo dos anos, atingindo 90% dos países relatores em 2018-2019 (175/194). Os países são instados a continuar implementando medidas relevantes e a relatar os surtos de PSA em tempo hábil através do Sistema Mundial de Informação sobre Saúde Animal da OIE (WAHIS). Dadas às características desafiadoras da doença, a resposta deve envolver ações coordenadas e cooperação internacional. Nesse sentido, está prestes a ser lançada uma iniciativa dos GF-TADs para o controle global do PSA. Outro desafio para os serviços veterinários e de saúde pública é a gripe aviária de alta patogenicidade (HPAI). Devido às sérias conseqüências para os meios de subsistência e o comércio internacional, tem sido uma das doenças animais mais relatadas nos últimos anos. A análise da dinâmica de surtos de HPAI apresentada no relatório da OIE mostra um aumento da atividade do vírus nos primeiros meses de 2020. As cepas de influenza aviária têm um potencial impacto zoonótico e a capacidade de sofrer mutações e evoluir rapidamente. Nesse contexto, promover a transparência e entender a situação global continua sendo uma prioridade para proteger a saúde pública e garantir um comércio seguro de animais e produtos de origem animal. Esses exemplos demonstram que a epidemia animal acarreta impactos devastadores que podem intensificar a crise em curso. Nos tempos do COVID-19, os países são incentivados a manter e reforçar seus esforços para preveni-los e controlá-los.

Festival anual da carne de cachorro é aberto na China; ativistas esperam que seja a último

O polêmico festival de Yulin começou nesta segunda-feira (22), enquanto a China sinaliza medidas para o fim do consumo da carne de cachorro. No evento, que dura dez dias, o animal é a principal iguaria, destacou o Blog Bom pra Cachorro da Folha de S.Paulo. Recentemente, cachorros foram retirados da lista de animais que podem ser criados para consumo no país. Na ocasião, a medida foi comemorada por protetores. Para a Humane Society International, embora ainda não seja uma proibição, é o sinal mais evidente de mudança para que o comércio da carne de cães e gatos seja banido em toda a China, como já ocorre nas cidades de Shenzhen e Zhuhai. Tradição em países asiáticos, o consumo de cães é cada vez menos frequente, e jovens se engajam em ações de proteção animal. O texto a seguir, sobre o festival em Yulin, é de David Stanway, da agência Reuters. O notório festival chinês de carne de cachorro foi aberto nesta segunda-feira em desafio a uma campanha do governo para ampliar o bem-estar animal e reduzir os riscos à saúde destacados pelo surto do novo coronavírus, mas ativistas esperam que os dias do evento estejam contados. A feira anual de dez dias na cidade de Yulin, no sudoeste do país, costuma atrair milhares de visitantes, muitos dos quais compram cães exibidos em gaiolas apertadas. Ativistas disseram que os números deste ano diminuíram. O governo está elaborando novas leis para proibir o comércio de animais selvagens e proteger animais de estimação, e os ativistas esperam que este ano seja a última vez que o festival será realizado. “Espero que Yulin mude não apenas pelo bem dos animais, mas também pela saúde e segurança de seu povo”, disse Peter Li, especialista em políticas da China na Humane Society International, um grupo de direitos dos animais. “Permitir que grandes grupos comercializem e consumam carne de cachorro em mercados e restaurantes lotados em nome de um festival representa um risco significativo à saúde pública”, disse ele. O coronavírus, que se acredita ter se originado em morcegos-ferradura antes de chegar a humanos em um mercado na cidade de Wuhan, forçou a China a reavaliar sua relação com os animais, e o país prometeu proibir o comércio de animais selvagens. Em abril, Shenzhen se tornou a primeira cidade da China a proibir o consumo de cães, e outras devem seguir a medida.

Ordem de serviço para construção do 1º ambulatório animal em Uberaba é assinada

De acordo com o G1 a ordem de serviço para construção do primeiro ambulatório animal em Uberaba foi assinada, na segunda-feira (22), pelo prefeito Paulo Piau (MDB), pelo secretário de Saúde, Iraci Neto, e pelo secretário de Serviços Urbanos e Obras, Cláudio Junqueira. Segundo a Prefeitura, a Unidade Básica de Saúde Pet terá estrutura para procedimentos ambulatoriais e de castração cirúrgica, com salas de pré e pós-operatório, leitos de observação, com mais baias para receber animais com suspeitas de contaminação ou doenças contagiosas, assim como revitalização das já existentes. O projeto foi orçado R$ 498.055,75 e a previsão é que a obra seja concluída em cinco meses. O serviço será coordenado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio do Centro de Controle de Zoonoses e Endemias. De acordo com secretário de Saúde, os procedimentos são voltados para os tutores que não têm condições de custear um tratamento aos animais de estimação. Iraci explicou que o ambulatório atende o bem-estar e causa animal, principalmente os de pequeno porte, como cães e gatos. A proposta do Município, conforme o secretário, é atuar de maneira integrada com as secretarias municipais, sociedade civil organizada através das ONGs que cuidam dos animais de rua, Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) e população de forma geral. O canil anexo à Unidade Básica de Saúde Pet passa por reforma. O secretário de Saúde informou que o local será destinado para recuperação pós procedimentos médicos e acolher o cão até adoção consciente.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Festival anual da carne de cachorro é aberto na China; ativistas esperam que seja a último

O Globo – Pandemia causa baixa no consumo de carne de cachorro e aumenta oferta por adoção na China

O Globo – Cidade alemã volta ao confinamento após surto do novo coronavírus em matadouro

G1 – Número de denúncias de casos de abandono de animais aumenta em Florianópolis

G1 – Hora do pet: Animais têm sido importantes companheiros durante o isolamento social

G1 – Especialistas recomendam cuidados na hora do banho dos pets

G1 – Animais morrem durante incêndio em vegetação na AMG-2595 em Uberaba

G1 – Família constrói casinha para abrigar animais de rua no inverno, em Campina Grande

G1 – Ordem de serviço para construção do 1º ambulatório animal em Uberaba é assinada

G1 – Saiba quando, e se deve ou não, cortar as unhas dos animais de estimação em casa

G1 – Caçadores são presos com armas, munições e animais mortos no Parque Estadual da Serra do Mar, SP

Correio Braziliense – Descoberta de fóssil ajuda ciência a entender extinção de espécies

Valor Econômico – China bloqueia importação de carne bovina do frigorífico mato-grossense Agra

Valor Econômico – BRF reabre planta em Rio Verde após duas semanas

Mapa – Mapa e CBI lançam Plano de Investimento para Agricultura Sustentável

Embrapa – O gerenciamento de risco de preços, por meio de mercados futuros agropecuários

Canal Rural – Pandemias surgem a partir do manejo inadequado de animais, diz Tereza Cristina

Canal Rural – Faesc quer setor do leite com a mesma estrutura de aves e suínos

Canal Rural – Mesmo sem público presente, cavalos crioulos dão show no Bocal de Ouro

Canal Rural – Preço do leite apresenta alta superior a 8% em junho, estima Conseleite

Canal Rural – ‘Exportação de carne bovina em junho pode atingir recorde’, diz consultoria

AgroLink – Cipó-alho eleva peso de pirarucus

AgroLink – OIE pede que países mantenham esforços para combater doenças animais

AgroLink – Conheça os mitos e verdades no consumo de frango

AgroLink – Valor de referência do leite tem recuperação no RS

AgroLink – 46º Dia Estadual do Porco tem data transferida para 2021

AgroLink – Governo do Tocantins implanta selo artesanal para indústria de leite

AgroLink – Live quer ajudar empresas interessadas em acessar o mercado islâmico

AgroLink – Oferta fraca de boiadas e preços firmes

AgroLink – Goiás: piora na relação de troca com todas as categorias de reposição

AgroLink – Preço da carne bovina recuou no varejo

AgroLink – Presidente da ACNB confia na manutenção dos preços firmes para o boi gordo

Anda – Cisne morre de tristeza após jovens quebrarem seus ovos

Anda – Ativistas chineses pedem fim da matança no Festival de Yulin

Anda – Cachorros explorados para a caça de javalis são resgatados no Paraná

Anda – Cão agredido com golpe de facão é diagnosticado com fratura no crânio

Anda – Após seus filhotes morrerem, cadela adota gatinhos órfãos e os amamenta

Anda – Corujas prosperam ao aprenderem a conviver com seres humanos

Anda – Ativistas esperam que festival chinês de carne de cachorro realizado neste ano seja o último

Anda – Famosa ursa de Yellowstone emerge do inverno com filhotes

Anda – Comissão denuncia aumento do abandono de animais no Rio

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »