PANDEMIAS PODERÃO CAUSAR DANOS BILIONÁRIOS NOS PRÓXIMOS ANOS, DIZ RELATÓRIO

//PANDEMIAS PODERÃO CAUSAR DANOS BILIONÁRIOS NOS PRÓXIMOS ANOS, DIZ RELATÓRIO
As pandemias poderão causar perdas financeiras anuais de 0,7% do PIB global (US$ 570 bilhões) nos próximos anos, uma ameaça similar àquela causada pelas mudanças climáticas. O jornal Folha de S. Paulo informa que os dados vêm de um relatório do Instituto de Saúde Global de Harvard divulgado no Fórum Econômico Mundial, que acontece em Davos (Suíça). O documento descreve o risco comercial representado por essa nova era de epidemias, caracterizada não só pelo aumento do número de eventos, mas também pela diversidade deles (influenza, ebola, zika, febre amarela, SARS, bactérias resistentes a antibióticos entre outros). “Os líderes empresariais precisam entender melhor os custos esperados das epidemias, mitigá-los e fortalecer a segurança sanitária de maneira mais ampla”, disse Vanessa Candeias, coordenadora do relatório e membro do comitê executivo no Fórum Econômico Mundial. Usando dados das pandemias de influenza do século 20, o relatório estimou o impacto em cerca de US$ 60 bilhões. No Brasil, uma pesquisa da Fiocruz estimou que a carga econômica da síndrome congênita do zika para o Brasil, ao longo de dez anos, será de quase R$ 800 milhões.

Investimento do País em doenças negligenciadas cai 42% entre 2016 e 2017

O jornal Estadão destacou que o investimento do País em pesquisas voltadas para prevenção e controle de doenças negligenciadas sofreu uma redução de 42%  em apenas um ano. A queda nos investimentos é atribuída sobretudo à Emenda Constitucional que definiu um teto para gastos públicos.  Enquanto os investimentos se reduzem, os indicadores das doenças continuam a assustar. A queda de investimentos registrada pelo Brasil vai na contramão da tendência internacional. O relatório G-Finder ligado à Fundação Bill e Melinda Gates, lançado nesta quarta-feira, 22, mostra que nunca o mundo investiu tanto em pesquisa e desenvolvimento na área de doenças negligenciadas quanto em 2017.  Ressalta também que as diminuições dos gastos públicos brasileiros acabaram por provocar uma redução dos financiamentos do BNDES (uma queda de 72%) e da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP – com redução de 67%).

Governo estuda regularizar permanência de médicos cubanos no Brasil

O governo federal estuda formas de regularizar a permanência de médicos cubanos que queiram ficar no Brasil. Para o Ministério da Saúde, a iniciativa se enquadra na determinação de fortalecimento da atenção básica à saúde. Segundo a Agência Brasil, as medidas são analisadas após o fim do acordo de cooperação entre o Brasil e Cuba para participação no programa Mais Médicos, que ocorreu em novembro do ano passado. O número de profissionais de saúde de Cuba interessados em permanecer no Brasil ainda está sendo contabilizado, pois o Ministério da Saúde aguarda receber a informação do escritório brasileiro da Organização Pan-americana de Saúde (Opas), intermediadora do acordo. A assessoria do Ministério da Saúde informou que o governo federal espera chegar a um consenso para atender os médicos de Cuba que queiram atuar no Brasil. Por intermédio da assessoria, o Ministério da Saúde informou à Agência Brasil que, “preocupado com a questão humanitária e em parceria com o Conselho Federal de Medicina e o Ministério da Educação, busca uma forma de permitir a reintegração desses profissionais após a revalidação dos seus diplomas.

Governo Federal lança ação integrada para hospitais federais

De acordo com o portal do Ministério da Saúde, o Governo Federal iniciará nesta semana uma análise profunda da situação de atendimento e gestão nos hospitais federais. A ação integrada nos hospitais federais foi anunciada nesta quarta-feira (23), no Rio de Janeiro, pelo ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, juntamente com o secretário-executivo da Secretaria-Geral da Presidência da República, Floriano Peixoto, e da secretária especial de Modernização do Trabalho da Secretaria Geral de Governo, Márcia Amorim. “Esse é um processo de transformação” resumiu Mandetta. “Vamos definir a linha de cuidado de cada unidade e equipar. Vamos perseguir uma série de indicadores, alguns de curto, médio e outros de longo prazo, como tempo de permanência dos pacientes, infecção hospitalar e índice de complicações, na busca por um sistema de saúde de excelência”, declarou o ministro. Os profissionais da ação integrada atuarão in loco para verificar necessidades de cada hospital. Os resultados esperados são: diminuir a espera por atendimento nas unidades de emergência; ampliar a produção por leito hospitalar melhorando o tempo médio de internação de cada paciente; reduzir os índices de infecção hospitalar; diminuir as taxas de mortalidade e racionalizar a utilização de recursos, permitindo que todos os recursos economizados com a melhoria de gestão sejam reaplicados nas próprias unidades.

SAÚDE NA IMPRENSA
Ministério da Saúde – Governo Federal lança ação integrada para hospitais federais

Sus Conecta – Farmacêuticos se reúnem em pré-conferência municipal de saúde em Goiânia

Fiocruz – Hormônio induzido por exercício pode atenuar o Alzheimer

Fiocruz –  Fiocruz abre inscrições para o microcurso “Panorama histórico da Ciência Aberta”

Fiocruz –  Fiocruz lança pós-graduação em métodos alternativos ao uso de animais de laboratório

Correio Braziliense – Cientistas recomendam cautela no uso da aspirina contra doenças cardíacas

Zero Hora – Molécula criada na USP pode ajudar a combater insuficiência cardíaca

Zero Hora – Como o exercício físico pode fazer bem ao cérebro

G1 – Soluções caseiras conseguem repelir mosquitos?

G1 – ‘Se parte do corpo se desequilibra, conjunto sofre’, alerta psicóloga para campanha Janeiro Branco

G1 – SP registra seis mortes por febre amarela em 2019

Folha de S. Paulo – Estudo francês encontra 60 substâncias tóxicas em fraldas descartáveis

Folha de S. Paulo – Pandemias poderão causar danos bilionários nos próximos anos, diz relatório

Folha de S. Paulo – Os dados da saúde na 4ª Revolução Industrial

Folha de S. Paulo –  Mortes: Pesquisadora, se tornou referência nos estudos sobre doença de Chagas

Estadão – Diretora de Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio, é afastada

Estadão – Investimento do País em doenças negligenciadas cai 42% entre 2016 e 2017

Estadão – Epidemia de dengue mais grave põe em alerta regiões norte e noroeste de São Paulo

Agência Brasil – Governo estuda regularizar permanência de médicos cubanos no Brasil

Vila Mulher – Os exames que previnem o câncer de mama e quando fazer cada um

Panorama Farmacêutico – CRF-SP lança fascículo com informações técnicas sobre vacinação

Panorama Farmacêutico – O diagnóstico e a doença

Panorama Farmacêutico – Exame de sangue pode detectar Alzheimer antes de primeiros sintomas

Panorama Farmacêutico – Diagnóstico precoce é essencial para o aneurisma de aorta

Panorama Farmacêutico – Vamos à Farmácia | Os suplementos de cálcio e os seus riscos para a saúde
__________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.