Países devem acelerar combate ao coronavírus para evitar erros da Itália, diz brasileiro na Organização Mundial da Saúde (OMS)  

//Países devem acelerar combate ao coronavírus para evitar erros da Itália, diz brasileiro na Organização Mundial da Saúde (OMS)  
Os países devem estar atentos para mudar a estratégia de combate ao novo coronavírus, quando confirmada a transmissão comunitária. A medida evitaria erros vistos na Itália, que demorou para perceber a circulação da doença, o que sobrecarregou o sistema de saúde, afirma o médico brasileiro Jarbas Barbosa, vice-diretor da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), braço da Organização Mundial da Saúde (OMS), destacou o jornal O Estado de S.Paulo nesta sexta-feira (13). “É preciso manter a estratégia de hoje, mas acelerar a de amanhã. Para não ocorrer como na Itália. Lá, infelizmente, não perceberam que havia transmissão. Só começaram a notar quando estavam chegando casos graves e mortes”, disse Barbosa. Para ele, a primeira etapa de enfrentamento à doença deve ser de contenção, preparando a rede de assistência para receber pacientes e isolando pessoas que tiveram contatos com casos confirmados, por exemplo. Em fase seguinte, quando há confirmação de transmissão do vírus, o trabalho é para “salvar vidas”, com foco em grupos de risco: idosos e doentes crônicos. Nesta etapa, são avaliadas medidas de distanciamento social, por exemplo. Uma decisão pode ser deixar jovens em casa, para evitar que se contaminem e usem leitos de hospitais – essenciais para tratamento de pacientes de risco. Barbosa afirma ainda que não há “bala de prata” para resolver o surto da doença, mas um “conjunto de ações” que dão respostas. Medidas como cancelar aulas, ele afirma, têm de ser muito bem pensadas. “Quando não há transmissão comunitária disseminada, você está prevenindo o quê (ao determinar afastamento social)?”. “Mas também não pode demorar, senão a transmissão sobrecarrega o serviço de saúde.” Ex-secretário do Ministério da Saúde e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Barbosa elogia a “liderança” do ministro Luiz Henrique Mandetta. “O Brasil tem uma boa preparação sobre isso. Já lidou com outras epidemias. Está num bom caminho”, disse.

Saúde vai contratar 2 mil leitos de UTI e comprar material hospitalar contra o coronavírus

O Ministério da Saúde determinou nesta quinta-feira (12), em edição extra do Diário Oficial da União, a compra de aventais e máscaras, além do aluguel leitos e equipamentos de UTI para equipar hospitais públicos no tratamento contra o novo coronavírus. Segundo o jornal O Globo a compra dos aventais hospitalares — no valor de R$ 1.484.000,00 — dispensou licitação. Segundo a descrição do documento, as roupas devem ser de material SMS, tamanho único, com gramatura de cerca de 16g/m². Eles devem ter para fixação, manga longa e punho elástico. Os aventais são descartáveis. A pasta solicitou também a compra de 10 milhões máscaras cirúrgicas com três camadas e 4 milhões de máscaras do tipo N95. A aquisição será “via contratação direta (emergencial)”. As empresas interessadas em fornecer os materiais devem apresentar suas propostas até o fim do dia 13 de março. O órgão abriu um pregão para a contratação de até 2 mil leitos de UTI “para atendimento a situação de emergência gerada em função da Covid-19”. Além disso, o Ministério da Saúde abriu um “aviso de chamamento público” para contratar, também “via contratação direta (emergencial)”, o “serviço de gestão integrada de equipamentos para leitos de UTIs, compreendendo locação de equipamentos”. Vão ser alugados monitores multiparamétricos, ventiladores pulmonares microprocessado, bombas infusoras para terapias medicamentos parenterais, camas Fowler motorizadas com elevação, desfibriladores/cardioversores com tecnologia bifásica, entre outros aparelhos.

Florianópolis lança pré-consulta virtual no SUS para evitar contágio por coronavírus

A Prefeitura de Florianópolis (SC) lança na próxima segunda-feira (16) um programa inédito no SUS para atendimento pré-clínico por telefone ou aplicativo com a intenção de evitar o contágio por coronavírus nas unidades de saúde. De acordo com a Folha de S.Paulo a iniciativa é inspirada em experiência do Reino Unido e vem a se somar a outros protagonismos que a capital catarinense já coleciona em atenção primária à saúde. A cidade tem, por exemplo, uma das maiores coberturas do programa ESF (Estratégia Saúde da Família) e conta com enfermeiros realizando atendimento clínico em parceria com médicos. A partir de segunda, ao ligar para um 0800 ou acessar um aplicativo, o morador poderá tirar dúvidas sobre prevenção do coronavírus e até mesmo marcar consultas caso apresente sintomas sem precisar se deslocar até uma unidade de saúde. Se tiver alguma queixa, enfermeiros (as) vai atendê-lo usando protocolos internacionais adaptados para Florianópolis. Por exemplo: se a pessoa se queixar de dor de garganta, febre e tosse, a enfermeira vai fazer uma série de perguntas para avaliar a gravidade do atendimento. Perguntas como se o paciente viajou para algum país com epidemia do coronavírus, se ele teve contato com alguém que viajou, entre outras dúvidas seguidas no protocolo, poderão ajudar o profissional a identificar um caso suspeito sem que a pessoa precise ir até uma unidade de saúde sem necessidade. “É o melhor dos cenários. Evita-se que o vírus se espalhe em uma unidade que já possui pessoas com fragilidade na sua imunidade aguardando por atendimento”, diz o médico Carlos Alberto Justo da Silva, secretário de Saúde de Florianópolis. Esse protocolo para casos de coronavírus é adotado pelo sistema de saúde do Reino Unido e foi importado para Florianópolis. Ele prevê que pacientes com gripe não se desloquem para unidades de saúde, mas sim liguem para o sistema de atendimento pré-clínico que já existe no sistema inglês. Se identificado um caso suspeito da infecção, o profissional do programa comunicará a vigilância epidemiológica para a adoção do procedimento padrão. A prefeitura também equipou todas as 151 equipes da saúde da família, compostas por médicos, enfermeiros, e outros profissionais da saúde, com celulares e números de Whatsapp. Assim, todos os pacientes terão o contato da sua equipe de saúde para marcar diretamente a consulta e tirar dúvidas via aplicativo.

Doença renal crônica é epidêmica, diz Sociedade Brasileira de Nefrologia

Médicos e representantes de doentes renais se reuniram no Plenário do Senado nesta quinta-feira (12), data em que se comemora o Dia Mundial do Rim. A pedido do senador Luiz do Carmo (MDB-GO), eles participaram de uma sessão especial para lembrar a importância do diagnóstico precoce e as dificuldades pelas quais passam os pacientes, principalmente os crônicos, informou a Agência Senado. Segundo os nefrologistas, a demanda de diálise cresce anualmente, mas a rede de atendimento não acompanha esse aumento na mesma proporção, principalmente nas regiões mais distantes e menos favorecidas. O presidente da Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), Marcelo Mazza, disse que a doença renal crônica (DRC) já pode ser considerada epidêmica, visto que atinge um a cada dez adultos, e a incidência vem aumentando. Hoje no Brasil, 133 mil pessoas dependem de diálise, número que cresceu 100% nos últimos dez anos. Anualmente, mais de 20 mil pacientes entram em hemodiálise, com taxa de mortalidade de 15% ao ano. A presidente da Federação Nacional das Associações de Pacientes Renais e Transplantados do Brasil (Fenapar), Maria de Lourdes da Silva Alves, pediu a aprovação do Projeto de Lei da Câmara 155/2015, que reconhece o paciente renal crônico como pessoa com deficiência. Ela e a autora da proposta, a deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), afirmaram que alguns estados até já tomaram a iniciativa, mas é preciso equiparar os direitos e o tratamento legal em âmbito nacional. O projeto está na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara e já recebeu voto favorável do relator, deputado Enio Verri (PT-PR). Os especialistas defenderam também a popularização do exame de creatinina, que deveria ser incorporado pelo Ministério da Saúde como importante política pública de saúde da família, ajudando especialmente os grupos de risco como hipertensos, diabéticos e obesos. O senador Luiz do Carmo informou que a sessão especial desta quinta-feira foi a última a acontecer depois que o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, decidiu restringir o acesso às dependências da Casa, como medida de prevenção contra a transmissão do coronavírus. Apenas terão permissão para entrar no Senado parlamentares, servidores, funcionários terceirizados, jornalistas, assessores de órgãos públicos, fornecedores e alguns visitantes autorizados. As medidas foram publicadas no Ato do Presidente nº 2, de 2020, que suspendeu por tempo indeterminado as sessões solenes e especiais, os eventos de frentes parlamentares e a visitação pública.

SAÚDE NA IMPRENSA
Agência Senado – Doença renal crônica é epidêmica, diz Sociedade Brasileira de Nefrologia

Agência Senado – Kajuru defende PEC do Fundeb e pede união no combate ao coronavírus

Folha de S.Paulo – ‘A doença me fez crescer e me respeitar’, conta paciente de mielofibrose em Diálogos Transformadores

Folha de S.Paulo – Parlamentares avaliam interrupção de trabalhos no Legislativo por coronavírus

Folha de S.Paulo – Médicos entram em ‘guerra de WhatsApp’ por epidemia de novo coronavírus no Brasil

Folha de S.Paulo – Disney fechará parques de Orlando e Paris por causa do coronavírus

Folha de S.Paulo – ANS obriga planos de saúde a bancarem testes para coronavírus

Folha de S.Paulo – Governo vai pedir ao Congresso crédito extraordinário de R$ 5 bi para Saúde

Folha de S.Paulo – Folha libera acesso a textos com serviços relevantes sobre coronavírus a todos os leitores

Folha de S.Paulo – Em três semanas, Itália tem mil mortes por coronavírus

Folha de S.Paulo – Diálogos Transformadores: como melhor atender o paciente

Folha de S.Paulo – Singapura e Coreia do Sul têm mais sucesso em deter coronavírus

Folha de S.Paulo – Vereador propõe que parlamentares destinem verba de gabinete a combate contra coronavírus

Folha de S.Paulo – Florianópolis lança pré-consulta virtual no SUS para evitar contágio por coronavírus

Folha de S.Paulo – Veja 10 medidas adotadas por empresas para evitar contágio pelo coronavírus

Folha de S.Paulo – Filme de 2011 que previa surto como o de coronavírus está no streaming

Folha de S.Paulo – Coronavírus é desafio para saúde pública, mas pouco preocupante em nível individual

O Globo – Deputado acha que Saúde pode conseguir até R$ 15 bi das emendas

O Globo – Pesquisa mostra que mulheres ganham espaço no trabalho, mas comprometem a saúde

O Globo – Rio tem primeiro caso de transmissão local de coronavírus, diz Secretaria de Saúde

O Globo – Saúde vai contratar 2 mil leitos de UTI e comprar material hospitalar contra o coronavírus

O Globo – Ministério da Saúde vai mudar critérios para liberar vagas em UTIs

O Globo – Um guia prático para lidar com o coronavírus

O Globo – Cuba e coronavírus: o que se sabe sobre a vacina que está sendo desenvolvida no país

Agência Brasil – Inscrições de médicos para combater coronavírus começam segunda-feira

Agência Brasil – Termina hoje campanha de vacina contra sarampo para crianças e jovens

Agência Brasil – Pacientes conseguem se recuperar com apoio de máquina coração-pulmão

Agência Brasil – Covid-19: resultado de teste em Bolsonaro deve sair nas próximas horas

O Estado de S.Paulo – Outros países devem imitar a paralisação nacional da Itália?

O Estado de S.Paulo – Países devem acelerar combate ao coronavírus para evitar erros da Itália, diz brasileiro na OMS

O Estado de S.Paulo – ‘A saúde pública é a lei suprema’, diz Moro

O Estado de S.Paulo – Pandemia traz desafios jurídicos, estatais e empresariais

O Estado de S.Paulo – ‘Coronavírus pegou todo mundo de surpresa na F-1’, diz médico brasileiro da FIA

O Estado de S.Paulo – Mais demandado em caso de surto de coronavírus, SUS só tem 44% dos leitos de UTI do País

O Estado de S.Paulo – Como diferenciar coronavírus e alergias

Correio Braziliense – Casos suspeitos de Covid-19 são detectados no aeroporto e no metrô

Correio Braziliense – Cientistas identificam importante parte do novo coronavírus

Correio Braziliense – Pesquisadores apontam que o combate à Covid-19 precisa ser refinado

ANS – Prazos para realização de procedimentos eletivos poderão ser ampliados

Anvisa – Covid-19: produtos para diagnóstico terão prioridade

Anvisa – Publicada RDC sobre seringas hipodérmicas de uso único

Anvisa – Agulhas hipodérmicas e gengivais: mudanças na norma

_______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »