O papel da sanidade animal na fazenda do futuro

//O papel da sanidade animal na fazenda do futuro
A Embrapa Gado de Leite levou ao ar no canal da Embrapa no Youtube, nesta quinta-feira (8), o debate sobre o papel da sanidade animal na fazenda do futuro. Parte do movimento Ideas for Milk, a live, mediada por Humberto Brandão, pesquisador da Embrapa especialista em nanotecnologia, reuniu três grandes nomes do setor leiteiro nacional: Enrico Ortolani (professor da Universidade de São Paulo – USP), Sérgio Soriano (gerente de pecuária da Fazenda Colorado, maior produtora de leite do Brasil) e Nivaldo Granado (diretor da unidade de grandes animais da Boehringer Ingelheim). Abrindo o debate, Ortolni iniciou a descrever sua visão sobre a fazenda do futuro, retornando ao passado. O professor lembrou que em 1975 o Brasil tinha uma produção de leite que considerou “vergonhosa”, sendo um dos maiores importadores do mundo. Nos últimos 24 anos, houve uma grande revolução na pecuária leiteira nacional, com as margens de lucro diminuindo 15%. De acordo com o IBGE, em 14 anos saíram do setor 190 mil fazendas e o número de vacas ordenhadas diminuiu 1,3 milhão de cabeças. Esses números, aparentemente negativos, foi compensado pelo aumento de produtividade, da ordem de 47%, obtidos em uma década e meia. Mas ainda existem grandes contradições no setor. O segundo a responder às provocações de Brandão foi Soriano. Realçando o papel do pequeno e médio produtor de leite brasileiro, responsáveis por grande parte do volume da produção nacional, ele vê no melhoramento genético o futuro do setor. Com base nas experiências da Fazenda Colorado, Soriano cita ainda a melhoria das taxas de reprodução dos rebanhos como o melhor aliado do produtor. Granado, concorda com os demais especialistas e diz que há um grande crescimento do mercado farmacêutico com novas tecnologias voltadas para a saúde e a reprodução animal. Além disso, diz que o futuro está na redução do número de vacas e de propriedades, apontando para uma grande pressão por competitividade. Muitas tecnologias já são uma imposição dessa competitividade. Investir na pecuária de diagnóstico é outra afirmação de Granado, coadunada por Ortolani. As ideias de Granado vão ao encontro das de Soriano, para quem o grande salto das fazendas do futuro não será o antibiótico. Ortolani cita a grande pressão global por sustentabilidade, afirmando que o mercado internacional usará cada vez mais os carimbos positivos e negativos num momento em que o Brasil ainda sofre com doenças antigas. Ele ainda introduz outra questão à sanidade do futuro: o bem-estar animal, que interfere significativamente na imunidade do rebanho.

Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem mais de 6% em agosto

Nesta sexta-feira (9), a Embrapa divulgou que, os custos mensais de produção de suínos e de frangos de corte, calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, tiveram uma forte elevação em agosto. O ICPSuíno chegou aos 288,40 pontos, +6,60% em relação ao mês anterior, e novo recorde nominal do índice. Já o ICPFrango fechou o oitavo mês de 2020 em 282,48 pontos, +6,23% em comparação a julho, e também chegou à pontuação mais alta desde sua criação. A alta do ICPSuíno foi puxada pela variação de 5,93% nos gastos com a nutrição dos animais (que chega a 17,63% em 2020 e, nos últimos 12 meses, já acumula 24,71%). O custo por quilo vivo de suíno produzido em sistema de ciclo completo em Santa Catarina passou dos R$ 4,73 em julho para um valor também recorde de R$ 5,04 em agosto. Já o ICPFrango acumula agora 20,56% de alta em 2020 (e +25,96% nos últimos 12 meses). A nutrição das aves (5,18%) e os pintos de um dia (0,70%), foram os itens que mais subiram no período. Com isso, o custo de produção do quilo do frango de corte vivo no Paraná passou dos R$ 3,44 em julho para R$ 3,65 em agosto. Os índices de custos de produção foram criados em 2011 pela equipe de socioeconomia da Embrapa Suínos e Aves e Conab. Santa Catarina e Paraná são usados como estados referência nos cálculos por serem os maiores produtores nacionais de suínos e de frangos de corte, respectivamente. A Embrapa lançou recentemente a nova versão do Custo Fácil. O aplicativo traz novidades para os produtores de frangos de corte e de suínos que têm o aplicativo instalado em seus celulares e tablets. Agora é possível editar e apagar granjas e dados de lotes, além de gerar relatórios dinâmicos das granjas, do usuário e das estatísticas da base de dados no servidor da Embrapa. Além disso, os relatórios permitem separar as despesas dos custos com mão de obra familiar. O aplicativo está disponível de forma gratuita para instalação em dispositivos Android, na Google Play. A nova versão também mostra ao produtor sua posição no ranking e as médias regionais dos principais indicadores econômicos (receita bruta, custo total, lucro líquido e geração de caixa) das granjas que declararam informações por meio do aplicativo ou no portal Custo Fácil na internet. Produtores de suínos e de frango de corte integrados podem usar na gestão da granja uma planilha eletrônica feita pela Embrapa. Ela compara a receita obtida com os custos de produção, acompanhando a geração de caixa da granja e o impacto da prestação do financiamento. A planilha ainda analisa o resultado e apresenta uma estimativa da Taxa Interna de Retorno (TIR) do investimento. Ela pode ser baixada no site da CIAS.

Ação de prevenção da mosca-da-carambola em Roraima conta com apoio de cão de detecção do Mapa

A cadela Frida, integrante da Equipe K9 do Centro Nacional de Cães de Detecção do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), está no estado de Roraima reforçando as ações de prevenção à dispersão da praga Bactrocera carambolae (Mosca-da-Carambola). Treinados para detectar produtos vegetais e animais, os cães de detecção são eficientes na inspeção de bagagens e conseguem fiscalizar de forma mais ágil e precisa que outros métodos. Desde setembro, após a captura de um exemplar da praga na área urbana de Boa Vista, o Mapa informou nesta quinta-feira (8) que tem realizado de forma conjunta com a Agência de Defesa Agropecuária do Estado de Roraima (ADERR) a fiscalização nas bagagens de passageiros com intuito de evitar o transporte da praga para outros estados. O trabalho com o cão está sendo realizado no aeroporto de Boa Vista e na rodoviária internacional da capital. Até o momento, já foram identificados frutas, sementes, hortaliças, pescado, produtos lácteos, entre outros. A mosca-da-carambola é caracterizada como praga quarentenária presente no Brasil, e sua dispersão pode causar grandes prejuízos econômicos. A praga causa danos não apenas na carambola, mas em diversas outras frutas como goiaba, acerola, tangerina, caju, pitanga, entre outras. O Ministério reforça para a população a importância de não transportar frutos e vegetais de áreas com ocorrência da praga que, ao se dispersar, pode gerar inúmeros prejuízos para os agricultores das demais regiões.

Justiça manda JBS indenizar trabalhadora contaminada por coronavírus em frigorífico

A Justiça do Trabalho no Rio Grande do Sul condenou a gigante das carnes JBS a pagar R$ 20 mil a uma funcionária contaminada pelo coronavírus e reconheceu a doença como ocupacional, ou seja, relacionada à atividade que ela exercia, informou a Folha de S.Paulo nesta sexta-feira (9). Para o juiz Rodrigo Trindade de Souza, da vara do trabalho de Frederico Westphalen, a empresa não conseguiu apresentar provas que afastassem a presunção de que a contaminação tenha ocorrido no trabalho. A empresa diz não comentar processos judiciais em andamento. “A consequência é de reconhecer nexo causal entre o trabalho e adoecimento, levando à responsabilidade do empregador”, afirmou Souza. O nexo causal pode ser explicado como um conjunto de fatores que permitem estabelecer se um acidente ou doença está ligado com a atividade exercida pelo trabalhador. Saber se essa relação existe ou não é importante devido à repercussão sobre direitos trabalhistas e previdenciários do empregado que ficou doente ou sofreu um acidente. Na decisão da última terça (6), Rodrigo de Souza lembra as controvérsias em torno do reconhecimento da Covid-19 como doença do trabalho. Em março, na Medida Provisória 927, o governo Jair Bolsonaro (sem partido) previa que a contaminação só seria ocupacional quando comprovado o nexo causal, o que foi interpretado como a transferência, aos empregados, da responsabilidade de comprovar essa relação. O STF (Supremo Tribunal Federal) suspendeu a interpretação –meses depois, a MP perdeu a validade sem ter sido convertida em lei. Depois, no início de setembro, o Ministério da Saúde publicou portaria incluindo a Covid-19 na Lista de Doenças Relacionadas ao Trabalho. No dia seguinte, pela manhã, em edição extra do “Diário Oficial da União”, revogou a medida. Para o professor de direito do trabalho da FMU (Faculdades Metropolitanas Unidas), Ricardo Calcini, a decisão do Rio Grande Sul cria um precedente para a interpretação de situações similares. “Pode-se dizer que é uma decisão paradigmática e muito bem fundamentada, com musculatura para criar um precedente na jurisprudência”, afirma. Na sentença, o magistrado considerou o histórico de contaminação nos frigoríficos e citou o fato de a mesma unidade –a JBS Aves de Trindade do Sul– ser alvo de ação civil pública apresentada pelo Ministério Público do Trabalho. Segundo Souza, o MPT apontou a necessidade de a empresa reorganizar o setor produtivo para distanciar os trabalhadores e garantir o isolamento de todos que tivessem contato com pessoas contaminadas ou com suspeita de infecção. “Houve grande resistência da empresa, inclusive valendo-se de expedientes processuais pouco comuns”, afirma.

NA IMPRENSA
Folha de S.Paulo – Justiça manda JBS indenizar trabalhadora contaminada por coronavírus em frigorífico

Folha de S.Paulo – Guarda do Rio coloca cães aposentados para adoção; saiba como se candidatar

Mapa – Ação de prevenção da mosca-da-carambola em Roraima conta com apoio de cão de detecção do Mapa

G1 – Vacinação contra a raiva animal é realizada de porta em porta para evitar aglomeração na pandemia

G1 – Exportação de carne suína do Brasil sobe 33% em setembro; no ano, vendas superam 2019

Valor Econômico – Plano da Minerva para levar Athena à Nasdaq é abortado

Embrapa – O papel da sanidade animal na fazenda do futuro

Embrapa – Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem mais de 6% em agosto

Embrapa – Plantas forrageiras desenvolvidas nos últimos anos trazem mais ganhos para a pecuária de corte

Agrolink – GO: nova etapa do Circuito Nelore de Qualidade será realizada

Agrolink – Alta nos preços no mercado de suínos

Agrolink – Mercado do boi gordo: arroba subiu em 21 praças pecuárias

Agrolink – SC alcança US$ 2 bilhões com exportações de carnes

Agrolink – PR: mercado de carne bovina deve aquecer até dezembro

Agrolink – Preços do suíno vivo estão em alta

Agrolink – Embarques de frango diminuíram em setembro

Canal Rural – Tragédia: calor excessivo matou mais de 1 milhão de aves em Bastos (SP)

Canal Rural – Oferta restrita do boi gordo deve continuar até 2023

Canal Rural – Casos de mormo crescem e colocam autoridades sanitárias em alerta no Tocantins

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »