O mecanismo que pode fazer cães detectarem covid-19 até 5 dias antes de sintomas

//O mecanismo que pode fazer cães detectarem covid-19 até 5 dias antes de sintomas
Qual o cheiro de uma pessoa contaminada com covid-19? Essa é uma resposta que somente um cachorro poderia nos dar com precisão, destacou o Correio Braziliense  nesta segunda-feira (19). A capacidade olfativa de um de nossos animais de estimação favoritos tornou-se mais uma ferramenta para combater a pandemia covid-19, que já causou mais de 20 milhões de infecções e um milhão de mortes em todo o mundo. Em países como Finlândia, Líbano, Argentina, Chile, Alemanha, Estados Unidos, Colômbia e México, as autoridades estão treinando cães para que possam detectar pessoas infectadas com o novo coronavírus. Algumas semanas atrás, cães especialmente treinados para detectar a covid-19 pelo olfato começaram a rastrear passageiros como parte de um programa piloto no aeroporto de Helsinque, na Finlândia. De acordo com a professora Anna Hielm-Bjorkman, da Universidade de Helsinque, os cães podem detectar o vírus em humanos cinco dias antes do aparecimento dos sintomas. Felipe Valencia, veterinário colombiano e especialista em adestramento de cães, desenvolve projeto semelhante em conjunto com a Universidade de Antioquia, observa que a habilidade dos cães pode torná-los muito confiáveis nesses casos. A ideia da maioria desses programas é usar cães em locais de chegada de pessoas em países, como aeroportos ou estações de trem, a fim de facilitar a movimentação de pessoas sem a necessidade de impor restrições ou confinamentos. De acordo com várias pesquisas, é difícil estabelecer o que os cães realmente cheiram. Susan Hazel, veterinária da Universidade de Adelaide, na Austrália, explica em um artigo sobre o assunto que cães são treinados com amostras de suor das pessoas, que podem ou não estar infectadas. Os cães, acrescenta, têm em média 220 milhões de receptores olfativos no nariz, o que lhes permite detectar alterações mínimas nas substâncias. A premissa é a mesma da equipe de especialistas do Chile, outro dos países que treina cães para detectar o covid-19 em pessoas assintomáticas. “Não é que o vírus tenha um odor particular, mas a reação que o corpo de uma pessoa tem à infecção pode ser percebida”, disse o veterinário Fernando Madrones, da Universidade Católica do Chile, a um jornal local. Segundo Madrones, quando alguém é infectado pela covid-19, há uma série de reações metabólicas no corpo, que por sua vez produz esses compostos orgânicos voláteis, que se concentram nos órgãos ligados ao suor. Isso acontece vários dias antes de a pessoa apresentar algum sintoma. Amostras de urina, saliva e suor têm sido usadas em experimentos em todo o mundo. Esta não é a primeira vez que os cães são usados na detecção de doenças. Eles são já usados há algum tempo para detectar doenças como diabetes, câncer de mama e até doença de Parkinson. No caso da detecção de malária, os cães farejadores tem uma eficácia superior aos testes da Organização Mundial da Saúde”, diz o professor John Logan, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres.

Ministério da Saúde convocou veterinários para atender pessoas com Covid, conta pesquisador 

A pandemia do coronavírus expôs as desigualdades sociais no Brasil, afirma Alexander Biondo, professor titular de zoonoses do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Biondo está à frente do maior estudo já realizado no Brasil para investigar a Covid-19 em cães e gatos e seus desdobramentos para a saúde humana. Mas o cientista também presta assistência em testagem com indígenas, presidiários e pessoas em situação de rua. Os veterinários foram tratar desses grupos porque a Covid-19 acentuou ainda mais a exclusão, frisa ele, que participou da testagem de moradores de rua em São Paulo e constatou que 52% já havia se contaminado. Este é o percentual mais alto do mundo em uma amostragem. Em entrevista ao O Globo, nesta terça-feira (20), Biondo revela que começou a atender pessoas porque não havia quem as atendesse: “Há gente que deveria estar na linha de frente se omitiu, se escondeu”. Por isso, o Ministério da Saúde convocou médicos veterinários. O senhor é professor de veterinária e passou a atender pessoas. Por quê? Porque elas não tinham quem as atendesse. São indígenas, mulheres presidiárias, pessoas em situação de rua. Esses grupos já eram excluídos, e a Covid-19 acentuou a exclusão. Nesta pandemia, temos muitos exemplos maravilhosos de dedicação de profissionais de saúde, incluindo pesquisadores. Mas há gente que deveria estar na linha de frente e se omitiu, se escondeu. Então, populações que já eram marginalizadas foram abandonadas porque não houve assistência para todos. O Ministério da Saúde convocou os médicos veterinários do Brasil. Tempo de guerra, fomos acionados e respondemos. Trabalho com fauna urbana. Mas na pandemia passei a atender seres humanos. Há conexão entre a saúde humana e a de animais. Mas não foi só isso.

Proibição do abate de vacas prenhes ganha apoio em São Paulo e Mato Grosso

Na manhã desta segunda-feira (19), os fiscais estaduais agropecuários deram mais um passo em busca da proibição do abate de vacas prenhes. Segundo o portal AgroLink com o apoio do professor da UNESP Mateus Paranhos da Costa, pós-doutor em Bem-Estar Animal pela Universidade de Cambridge, o debate ganha dimensão nacional. Referência na área, o especialista se comprometeu a buscar apoio de professores de universidades de todo o país para ampliar as discussões sobre o tema e fazer articulações futuras mais amplas que ajudem a coibir a prática. O encaminhamento ocorreu em reunião on-line que também contou com a participação da pecuarista Carmen Perez, cuja propriedade no Mato Grosso é referência em bem-estar animal, da fiscal estadual agropecuária Raquel Cannavô e da vice-presidente da Associação dos Fiscais Agropecuários do Rio Grande do Sul (Afagro), Beatriz Scalzilli, além do professor Paranhos. Durante o encontro virtual, foi consenso que o abate de vacas em estágio avançado de gestação é um desrespeito aos preceitos de bem-estar animal e que a prática precisa ser coibida.

Governo de Goiás destaca importância da campanha de vacinação contra aftosa em novembro

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), alertou, nesta segunda-feira (19), os pecuaristas goianos sobre a importância da campanha de vacinação contra febre aftosa a ser realizada no período de 1º a 30 de novembro. De acordo com o portal AgroLink trata-se da segunda etapa de 2020, que prevê a imunização de 10 milhões de bovinos e bubalinos com idade de zero a 24 meses. A comercialização de vacinas vai começar no dia 31 deste mês e segue até 30 de novembro, data em que termina também o período de vacinação. As vendas devem ser feitas com emissão de Nota Fiscal Eletrônica por revendas cadastradas na Agrodefesa. Os pecuaristas devem usar vacina bivalente, na dosagem de 2 miligramas. As diretrizes da campanha foram definidas pela Portaria nº 516/2020 da Agrodefesa, com base nas orientações do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) relativas ao Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (PNEFA). Presidente da Agrodefesa, José Essado destaca a importância da vacinação como forma de garantir a sanidade do rebanho goiano. Ele aponta que a pecuária é um segmento que gera milhares de empregos, renda e divisas para Goiás e conclama os produtores a vacinarem os animais para manutenção do status de área livre de aftosa com vacinação. “Há 25 anos, Goiás não registra focos de aftosa, resultado positivo alcançado pelo esforço do Governo Estadual, das entidades representativas dos produtores e dos próprios criadores”, enfatiza Essado. O presidente da agência acrescenta que o próximo passo será a conquista do status de área livre de aftosa sem vacinação, com reconhecimento da Organização de Saúde Animal (OIE). Para tanto, Goiás tem cumprido todas as metas do Mapa no âmbito do PNEFA.

NA IMPRENSA

Correio Braziliense – O mecanismo que pode fazer cães detectarem covid-19 até 5 dias antes de sintomas

O Globo – Ministério da Saúde convocou veterinários para atender pessoas com Covid, conta pesquisador

O Globo – ‘Deixamos populações vulneráveis ainda mais frágeis à Covid-19’, diz médico veterinário que atendeu seres humanos

O Globo – Pato é encontrado de meias e crucifixo na Praia da Macumba, na Zona Oeste do Rio

O Globo – Bicho-preguiça é resgatado pela PRF às margens da BR-116, em Magé

CNA – Curso piloto de Derivados de Leite de Búfala estimula produtores de Umburatiba (MG)

Embrapa – Mudanças climáticas e escassez de água abre simpósio sobre produção animal e recursos hídricos nesta semana

Embrapa – Embrapa Cerrados realiza primeiro leilão virtual BRGN

Embrapa – Nanopartículas de própolis desenvolvida pela Embrapa para combater infecções tem patente aprovada

G1 – Onça-pintada que sofreu queimaduras graves no Pantanal de MT é solta após tratamento em GO; veja vídeo

G1 – Levantamento da UFMG questiona tese do ‘boi bombeiro’ ao apontar que cidades com maior rebanho tiveram mais queimadas no Pantanal

G1 – Polícia Ambiental devolve 151 jabutis à natureza após entrega voluntária feita por pousada em Dracena

Valor Econômico – BNDES sobe o tom contra a JBS

Valor Econômico – Em queda na bolsa, BRF vê espaço para recuperação

Anda – Paga ou morre? O que está por trás dos altos custos dos serviços veterinários

Anda – Queimada traz “morte por milhares de agulhadas” para as onças do Pantanal

Anda – O aquecimento oceânico pode influenciar as mudanças climáticas

Anda – Criação de “rede de proteção” planetária pode impedir a perda de vida selvagem

Anda – Projeto conservacionista traz esperança para os guepardos da África do Sul

AgroLink – Assistência Técnica do Senar auxilia produtor no planejamento forrageiro

AgroLink – Como a inteligência artificial auxilia na produtividade?

AgroLink – Estudo da Furg busca alternativas para alimentação de peixes

AgroLink – Raça Crioula registra incremento nos negócios em leilões

AgroLink – Brasil tem primeiro caso de animal com Covid

AgroLink – Boi gordo: preços estáveis no início desta semana nas praças paulistas

AgroLink – Leilão virtual da Estância Aurora atinge média histórica

AgroLink – Proibição do abate de vacas prenhes ganha apoio em SP e MT

AgroLink – GO: governo destaca importância da campanha de vacinação contra aftosa em novembro

Noticias Agrícolas – Desempenho exportador das carnes nas três primeiras semanas de outubro

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »