NÚMERO DE PRESCRITORES DA ‘CANNABIS’ CRESCE, MAS DEMANDA É MAIOR

//NÚMERO DE PRESCRITORES DA ‘CANNABIS’ CRESCE, MAS DEMANDA É MAIOR

De acordo com o Correio Braziliense, de 2015 a 2018, o número de profissionais que prescreveram canabinoides foi de 321 para 911 (alta de 183%), segundo dados da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) reunidos pela Abmedcan, entidade voltada à formação de médicos sobre o tema. Mas o total de prescritores ainda é baixo, se comparado ao de pacientes que já receberam autorização para importar o produto: 4.236, até outubro. Incertezas sobre as substâncias, dificuldades de delimitar dosagens e insegurança sobre a legalidade da prática estão entre os motivos da baixa adesão. O Conselho Federal de Medicina (CFM) delimita que só neurologistas, neurocirurgiões e psiquiatras podem prescrever o canabidiol para crianças e adolescentes com epilepsias refratárias (resistentes) aos tratamentos convencionais. Outro gargalo é o custo. Como não é permitido plantar Cannabis no País, a maioria dos remédios é importada.

Mais Médicos atrasa bolsa de novos profissionais

Profissionais que entraram no Mais Médicos em dezembro, após a saída dos cubanos, estão sofrendo com atraso no pagamento da bolsa no programa. O Valor Econômico informa que a previsão era que o pagamento ocorreria na primeira semana deste mês de forma proporcional aos dias trabalhados – isso porque alguns iniciaram o serviço na primeira semana de dezembro, enquanto outros se apresentaram na semana seguinte. Até agora, porém, o valor ainda não foi repassado. Pelas regras do Mais Médicos, cada profissional deve receber bolsa de R$ 11.800, além de auxílio-moradia. O problema atinge cerca de 5.036 profissionais que entraram no programa após a saída dos médicos cubanos, de acordo com o Ministério da Saúde. Questionada, a nova secretária de Gestão do Trabalho e Educação na Saúde, Mayra Pinheiro, afirma que o problema ocorreu devido a dificuldades técnicas no cadastro dos profissionais.

Autocuidado reduz custos com saúde em 68%

O Valor Econômico destacou que o uso de medicamentos isentos de prescrição (MIP ou OTC, na sigla em inglês) poderia reduzir em 68% os gastos públicos no Brasil, considerando-se atendimento na rede pública a pacientes com quatro doenças comuns, porém de grande impacto, segundo estudo realizado pela Indústria Latino-americana de Cuidado Responsável (Ilar), que reúne entidades setoriais e indústrias farmacêuticas com atuação na América Latina. Conforme a pesquisa, 59 milhões de casos de resfriado comum, diarreia, candidíase e lombalgia são atendidos anualmente pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Essas quatro doenças não são graves como outros tratamentos, mas custam US$ 1 bilhão ao ano aos cofres públicos. De acordo com o diretor-geral da Ilar, Juan Carlos Thompson, o objetivo não é estimular a autoprescrição de medicamentos, mas o autocuidado e o uso de remédios, quando necessário, que já passaram pelo crivo dos reguladores. Nesse sentido, na avaliação de Thompson, o estudo abre portas para discussões com o governo com vistas a otimizar os recursos do sistema público de saúde, em um país cujo consumidor já está habituado aos medicamentos isentos de prescrição.

Governo estuda excluir afastamento por doença de cálculo para aposentadoria

No plano de passar um pente-fino nas regras do INSS (Instituto Nacional de Seguro Social), a equipe econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, estuda dificultar o acesso à aposentadoria para quem tem que se afastar do trabalho por motivo de saúde. O jornal Folha de S. Paulo explica que em termos técnicos, o que ocorreria seria uma mudança na forma de calcular o chamado tempo de carência: o número mínimo de meses pagos ao INSS para ter direito a benefícios, como auxílios e aposentadoria. A MP (medida provisória) que passará um pente-fino no INSS ainda está em análise pelo governo. O conjunto de regras pretende corrigir distorções legais que abrem brechas para pagamentos considerados indevidos. A proposta de alteração na lei considera que, quando a pessoa está afastada e recebe o auxílio, ela não contribui para o INSS. O impacto da medida recairia principalmente sobre as aposentadorias por idade, afetando em cheio pessoas de baixa renda.

 

 

SAÚDE NA IMPRENSA

Ministério da Saúde – Ministério da Saúde atualiza casos de sarampo

INCA – Dietas restritivas em oncologia: tem fake news na ciência

Fiocruz – Pesquisa estima o custo da esquistossomose para o Brasil

Anvisa – Problemas com medicamentos? Notifique no VigiMed

Anvisa – Anvisa registra genérico para combater infecções

Câmara dos Deputados – Proposta pretende facilitar financiamento para entidades que atendem pessoas com deficiência

Correio Braziliense – Número de prescritores da ‘Cannabis’ cresce, mas demanda é maior

Correio Braziliense – Mudanças no sono podem acusar o Alzheimer e ajudar em exame precoce

Zero Hora – CNDL/SPC: população quer mais saúde e segurança; ajuste fiscal não é prioridade

Zero Hora – Após romper com personagens infantis, indústria coloca nas lojas materiais escolares para pessoas com deficiência

Zero Hora – Um vírus mais perigoso que o zika para mulheres grávidas

Valor Econômico – Autocuidado reduz custos com saúde em 68%

Valor Econômico – Mais Médicos atrasa bolsa de novos profissionais

G1 – Baixa no estoque de sangue em Belém pode afetar abastecimento do Hemopa em Santarém e região

G1 – No AC, número de adolescentes grávidas reduziu em mais de 30% em um ano

G1 – Mal de Parkinson: o marcapasso cerebral que promete acabar com tremores e convulsões causados pela doença

Estadão – Brasileiros inscritos no Mais Médicos têm até hoje para se apresentar em municípios

Folha de S. Paulo –  Ministério da Saúde atrasa pagamento de bolsa a integrantes do Mais Médicos

Folha de S. Paulo –  Governo estuda excluir afastamento por doença de cálculo para aposentadoria

Panorama Farmacêutico – Inalação com moléculas de RNA ajuda pulmão a fazer os próprios remédios

Panorama Farmacêutico – Suplementos de ómega 3 não previnem segundo enfarte

Panorama Farmacêutico – Dor nas costas causou 83,8 mil casos de afastamento do trabalho

Panorama Farmacêutico – Fungo da candidíase pode causar sintomas semelhantes aos do Alzheimer

Panorama Farmacêutico – Alterações no microbioma ajudam a diferenciar doenças intestinais

Panorama Farmacêutico – Bebê de 17 dias contrai herpes após beijo de visita

Panorama Farmacêutico – O que é a doença arterial periférica: sintomas, prevenção e tratamento

Panorama Farmacêutico – Sintomas da síndrome do pânico são parecidos com os do infarto

Panorama Farmacêutico – Câncer do colo do útero é a 4 ª causa de mortes entre brasileiras

Panorama Farmacêutico – Reumatologista apresenta manual completo sobre a dor

Panorama Farmacêutico – O brasileiro quer saúde

Panorama Farmacêutico – Substitutos do açúcar podem não ajudar tanto na perda de peso e na saúde

Panorama Farmacêutico – A consolidação da telemedicina no Brasil é incontestável

Panorama Farmacêutico – Como a guerra biológica e a crise dos medicamentos prescritos são uma ameaça
_____________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.