Novas medidas de prevenção contra a covid-19 na China podem afetar entrada de carne do Brasil

//Novas medidas de prevenção contra a covid-19 na China podem afetar entrada de carne do Brasil
Medidas prevenção que estão sendo adotadas pelo governo chinês para combater o ressurgimento da codiv-19 em Pequim poderão afetar as exportações brasileiras de carnes, segundo relato enviado ao Itamaraty pela embaixada do Brasil no país asiático, apurou o Valor Econômico nesta quinta-feira (18). Por causa das novas exigências, que geram mais custos e incertezas, alguns importadores já suspenderam as compras e pediram que cargas já contratadas não sejam embarcadas para a China, segundo a mensagem da embaixada brasileira em Pequim. Segundo o relato da diplomacia, pesquisadores do Centro para Prevenção e Controle de Doenças (CPCD) chinês anunciaram que, segundo dados preliminares, o vírus que voltou a atingir Pequim seria de uma variedade que passou por mutação na Europa. O CPDC estuda a hipótese de que a contaminação possa ter ocorrido por meio de salmão importado. Embora pescados não possam ser vetores da doença, o argumento em Pequim é que o produto poderia ter sido contaminado durante a captura ou o transporte. A embaixada brasileira em Pequim relata que, como medida preventiva, o Bureau Municipal para Regulação de Mercado anunciou que reforçará a inspeção de alimentos frescos e carnes congeladas. Por sua vez, vários municípios chineses determinaram a suspensão da importação e comercialização de pescados e de carne bovina importados. O relato enviado a Brasília diz que, segundo empresários brasileiros, a orientação dada pelo governo chinês a grandes empresas importadoras tem sido realizar testes de ácido nucleico em amostras de carnes importadas, durante o desembaraço aduaneiro. A conclusão é que, a depender dos resultados da investigação sobre a origem da contaminação no mercado de alimentos de Pequim, as autoridades chinesas poderão eventualmente impor restrições à importação de carnes brasileiras e/ou pedir mais informações sobre medidas preventivas adotadas pelos frigoríficos para evitar a contaminação de alimentos a serem exportados — a China é o principal destino das exportações brasileiras de carnes. O Ministério da Saúde chinês combate o surgimento do novo foco da infecção em Pequim. No total, 258 novos casos foram registradas desde a semana passada na capital. Mas as autoridades dizem que a situação “está sob controle”.

São Paulo desenvolve vacinas para peixes

Nesta quinta-feira (18), portal AgroLink divulgou que, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Centro de Pesquisa de Aquicultura do Instituto de Pesca (IP-APTA), desenvolve pesquisa sobre vacinas para peixes. As doenças infecciosas são um grande desafio para a criação de peixes, e podem afetar diretamente a sustentabilidade do negócio, pois podem se espalhar rapidamente entre os animais, elevando muito as taxas de mortalidade, os custos da produção pela utilização de medicamentos, como os antibióticos, além de impactarem negativamente a produção, reduzindo o potencial zootécnico dos animais sobreviventes. As pesquisas visam beneficiar principalmente a Aquicultura, criação de organismos aquáticos ou que em algum momento da vida possua fase aquática, que está em pleno crescimento em todo o mundo. No Brasil, a cadeia produtiva do pescado se beneficiou muito com o emprego de sistemas de criação intensiva e de alta estocagem de peixes, o que permitiu maior produtividade, tornando os empreendimentos economicamente viáveis. Por outro lado, esses sistemas podem causar aumento nos surtos de doenças infecciosas pelo maior contato entre os animais. O Diretor do Centro de Pesquisa de Aquicultura, pesquisador científico Leonardo Tachibana, explica que “o uso de antibióticos para o tratamento de doenças bacterianas na Aquicultura também traz uma série de preocupações em relação ao impacto dos resíduos no meio ambiente, e na segurança alimentar da população. A sua utilização também tem sido muito questionada devido à proliferação de bactérias resistentes, que podem representar um risco para a saúde de outras espécies animais, bem como a humana”. Neste cenário, a utilização de vacinas na Aquicultura tem se tornado simplesmente a ferramenta mais importante para o controle de enfermidades bacterianas e virais. Um dos motivos para o sucesso da criação de salmão na Noruega, por exemplo, foi a utilização em larga escala de diversas vacinas. A indústria do salmão no Chile e na Noruega vivenciaram uma drástica redução no uso de antibióticos desde a introdução de vacinas. Existem inúmeras infecções causadas por bactérias em organismos aquáticos, no entanto, atualmente, existe apenas uma vacina autorizada pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) para uso em peixes, contra o Streptococcus agalactiae sorotipo 1b, principal agente causador de doença em mortalidade, sobretudo em sistemas de engorda. Desta forma, é notório que existe um vasto campo para o estudo e o desenvolvimento de novos produtos nesta área. O Centro de Pesquisa de Aquicultura (IP-APTA) está desenvolvendo pesquisas científicas para o desenvolvimento de vacinas contra outras bactérias: Francisella noatunensis subsp. orientalis, Streptococcus agalactiae (tipo Ib e III) e Aeromonas hydrophila, assim como estudos para a produção de uma vacina polivalente. Este mesmo Centro presta serviços de avaliação da eficácia de vacinas frente algumas bactérias patogênicas da tilápia-do-nilo. “Em 2019, iniciamos o desenvolvimento de uma vacina que consiste em deletar genes de patogenicidade da bactéria contra a bactéria F. noatunensis subsp. orientalis e, possivelmente, utilizar como uma vacina viva. Um desafio bem ousado para aumentar as armas dos produtores contra esta doença de grande impacto na tilapicultura nacional”, informa Tachibana.

Brasil tem primeira compost barn para pesquisa

A compost barn já é adotada há algum tempo em países do Hemisfério Norte, de clima temperado e no Brasil já é usada há uma década em cerca de dois mil galpões de produção de leite, com função principal de oferecer conforto aos animais e com potencial de propiciar aumento de 25% na produção em até quatro anos, informou o portal AgroLink nesta quinta-feira (18). A tecnologia substitui os sistemas free stall e tie stall. Pelo modelo as vacas seguem confinadas mas podem circular pelo galpão. O maior conforto e socialização entre os animais impacta nos índices reprodutivos e produtividade de leite. A cama orgânica, que cobre o piso do estábulo em contato direto com o solo,  traz mais conforto, abolindo as baias com camas de areia ou borracha e reduz doenças nos cascos. As vacas passam boa parte do dia no galpão (só saem para serem ordenhadas) e defecam e urinam nessa cama. O material original da cama, rico em carbono e pobre em nitrogênio e nutrientes, ao qual são incorporados os dejetos dos animais, passa pelo processo biológico chamado de compostagem e ainda cria situações desfavoráveis para a mastite. O material retirado do estábulo é um rico adubo orgânico e pode ser vendido ou utilizado na própria fazenda. Mesmo com muitos adeptos muitas dúvidas ainda precisam ser respondidas para maior eficiência do sistema, manejo e adaptação ao clima tropical. Quem vai buscar dar este suporte é a Embrapa. A empresa passa ser a primeira instituição de pesquisa no Brasil a ter um estábulo com a tecnologia instalado na Embrapa Gado de Leite, na cidade de Coronel Pacheco (MG). “O compost barn ainda é utilizado no Brasil na base da tentativa e erro, sem um respaldo efetivo da pesquisa agropecuária. Com o sistema adotado na Embrapa, iniciaremos trabalhos para responder questões ligadas ao seu manejo, como qualidade do leite, ambiência e saúde animal”, diz o chefe-geral da Embrapa Gado de Leite, Paulo Martins. O projeto foi batizado de “Vacas e pessoas felizes”. “As vacas estão felizes porque estão em um ambiente confortável, limpo e seco, a uma temperatura adequada para o seu nível de produção; já as pessoas também ficam felizes, pois as condições de trabalho são melhores e o manejo do rebanho é menos árduo. Além disso, com o ambiente monitorado pelas tecnologias digitais, tem-se maior confiabilidade na tomada de decisões”, explica Martins.

Ontário aprova lei que protege fazendeiros de investigações de crueldade contra animais

A cidade de Ontário, no Canadá, aprovou, nesta quinta-feira (18), uma nova legislação que protege fazendeiros e indústrias que exploram animais de investigações feitas por ativistas. Segundo o portal Anda chamada de projeto de lei 156, a iniciativa tem como objetivo prejudicar denúncias de crimes de crueldade contra animais e enquadrada no rol das “leis de mordaça”, as ag-gag, leis que visam impedir a transparência do tratamento dado aos animais em fazendas e matadouros. Agora, ativistas que forem flagrados tentando entrar nesses locais ou fazer filmagens serão punidos mais severamente. Além disso, a nova lei também ajuda a mascarar as terríveis condições em que esses animais são mantidos e as formas terríveis em que eles são mortos. A lei 156 representa um grande e lamentável retrocesso para a defesa e proteção dos animais e está sendo alvo de incontáveis críticas por ativistas de todo o mundo. A organização Animal Justice publicou uma nota de repúdio: “Ontário acabou de aprovar a lei ag-gag 156, o que pode tornar ilegal que a crueldade contra animais em fazendas seja exposta, escondendo ainda mais o sofrimento generalizado dos animais. Também restringe o direito de protestar pacificamente e testemunhar o sofrimento de animais fora dos matadouros. Mas a luta está longe do fim e nossa equipe jurídica desafiará essa lei perigosa e inconstitucional em um tribunal”, disse.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Humanos são capazes de decifrar os sons emitidos pelos chimpanzés, aponta estudo

Folha de S.Paulo – Casal é detido sob acusação de envenenar dezenas de cães e gatos no Vietnã

Folha de S.Paulo – Como preparar o pet para o fim do home office e a rotina pós-quarentena

G1 – Preços pagos pela arroba do boi gordo aumentam

G1 – Meu Pet: veterinária explica a importância da imunização dos animais

G1 – Veterinária faz campanha para cuidar de animais de rua

G1 – Caminhão é disponibilizado em Araguari para recolher animais soltos nas ruas

G1 – Funcionários montam esquema e desviam 540 toneladas de insumos agrícolas de usina de Junqueirópolis

G1 – Governo anuncia Plano Safra 2020/21 com R$ 236,3 bilhões para pequenos, médios e grandes produtores rurais

G1 – Fotos de pets conscientizam sobre cuidados contra a Covid-19: ‘Se cuida, porque eu gosto muito de você’

Valor Econômico – Novas medidas de prevenção contra a covid-19 na China podem afetar entrada de carne do Brasil

Valor Econômico – IGP-M acelera para 1,48% na 2ª prévia de junho com alta de carnes e combustíveis

Valor Econômico – Minerva fecha contrato de prestação de serviço com frigorífico paraguaio

Agro em Dia – Valorização do suíno vivo aumenta poder de compra do produtor

Embrapa – Artigo: Qual o impacto das exportações na produção da carne bovina brasileira?

Agro em Dia – Bovinos: Confinadores estão atentos aos preços de reposição e do milho

AgroLink – Preços do suíno começaram junho em forte recuperação

AgroLink – Arroba do boi gordo sobe no Centro-Oeste

AgroLink – Aveia e azevém podem ser aliadas dos pecuaristas

AgroLink – Brasil tem primeira compost barn para pesquisa

AgroLink – Epamig atua na produção de alevinos de qualidade

AgroLink – São Paulo desenvolve vacinas para peixes

AgroLink – Senar analisa resultados da ATeG no Projeto Mapa Leite

AgroLink – Brasil tem primeira compost barn para pesquisa

Anda – Cadela com deficiência rejeitada durante oito anos encontra um novo lar

Anda – Lewis Hamilton pede o fim de escolas de touradas na Espanha

Anda – Cadela alerta família e salva a vida de criança que teve convulsão

Anda – Porcos são mortos após serem transportados de maneira irregular

Anda – Filhote de porco que seria morto para consumo encontra um novo lar

Anda – Ontário aprova lei que protege fazendeiros de investigações de crueldade contra animais

Anda – Relatório aponta riscos para plantas e animais do Canadá

Anda – Governo Trump autoriza pesca em área protegida

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »