No Congresso, ministro anuncia que 24% da população fará teste de covid-19

//No Congresso, ministro anuncia que 24% da população fará teste de covid-19
O ministro interino da Saúde, general Eduardo Pazuello, informou que deve apresentar até esta quarta-feira (24) a estratégia de testagem do governo para a covid-19. Segundo a Agência Senado o Ministério da Saúde pretende realizar testes para covid-19 em 12% da população na modalidade RT-PCR (molecular) e outros 12% pelo meio sorológico no plano de orientação de testagem em massa. Ele participou nesta terça-feira (23) de audiência pública remota da comissão mista que acompanha as medidas do governo federal para o enfrentamento da pandemia de coronavírus. Pazuello disse inicialmente que não queria “dar spoiler”, ou seja, antecipar informações sobre essa estratégia, mas, em um segundo momento da reunião, pediu que o secretário de Vigilância em Saúde, Arnaldo Correia de Medeiros, apresentasse uma explicação adicional. O ministro admitiu que “demorou um pouquinho” para apresentar a orientação porque “precisava tirar todas as dúvidas para poder apresentar”. “Nós fizemos uma orientação para testagem em massa e diagnósticos. Essa orientação já está pactuada, aprovada. A gente está com ela aqui na mão”, anunciou Pazuello. Em seguida, Medeiros informou que o Ministério da Saúde pretende testar 24% da população. “Nossa estratégia é baseada em duas grandes frentes: na testagem tanto de RT-PCR quanto posteriormente na testagem da sorologia. Nós vamos partir, resumidamente, para cerca de 12% da população para a testagem de RT-PCR, que é o molecular, como nós chamamos, e, para 12% da população, na testagem da sorologia. A gente vai divulgar com detalhes todo o nosso programa, mas o principal problema, a principal missão que o ministro nos deu foi de agilizarmos essa testagem”, apontou o secretário. O teste molecular (RT-PCR) é apontado como mais preciso por infectologistas. Já o teste sorológico (que engloba o popular teste rápido) informa se o corpo teve contato com o vírus e desenvolveu proteção contra ele. O número de leitos disponíveis nos hospitais públicos e privados em todo o Brasil, assim como os percentuais de ocupação e a fila de espera para atendimento e outros dados estarão disponíveis na página do Ministério da Saúde a partir do final de semana conforme informou o ministro Eduardo Pazuello, na audiência da comissão. O ministro interino deu a garantia de que essas informações estarão disponíveis depois que o relator da comissão, deputado Francisco Jr. (PSD-GO) cobrou maior transparência nos dados de ocupação das unidades de saúde. Deputados e senadores também questionaram o ministro sobre as mudanças na forma de divulgação dos dados de mortes e de pessoas infectadas pela covid-19. A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) indagou Eduardo Pazuello sobre a ausência de entrevistas coletivas diárias em meio à pandemia da covid-19. Com relação à divulgação dos dados acumulados sobre a pandemia de covid-19, o ministro enfatizou que não houve qualquer perda de transparência. No início do mês, o governo federal excluiu os dados relativos ao total de pessoas infectadas e mortas por covid-19 e passou a divulgar apenas os números das últimas 24 horas. Uma decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), obrigou a retomada da divulgação dos dados acumulados. Indagado por deputados e senadores sobre a retomada da abertura de atividades sociais e econômicas, Pazuello disse que a decisão cabe a estados e municípios. Segundo o ministro, “cabem ao governo federal as observações macro e as ações específicas de estruturas federais”. No comando da pasta desde o dia 15 de maio quando Nelson Teich anunciou sua saída do governo, Pazuello foi nomeado ministro interino da Saúde. Questionado pelo deputado Luiz Carlos Motta (PL-SP) sobre a possibilidade de permanecer no cargo, o general comentou sua “interinidade permanente” à frente do Ministério da Saúde.

Ministério só gastou 27,2% do dinheiro para combater pandemia, admite Pazuello

O Ministério da Saúde gastou menos de um terço dos R$ 39,3 bilhões liberados para o combate ao coronavírus por meio de medidas provisórias, destacou a Agência Senado nesta terça-feira (23). A informação é do interino da pasta, general Eduardo Pazuello, que participou de uma audiência pública remota da comissão mista criada para acompanhar as ações do governo federal no enfrentamento à covid-19. De acordo com o ministro interino, a pasta pagou até agora R$ 10,9 bilhões — o equivalente a 27,2% do total. Desde o início da crise provocada pelo coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro editou oito medidas provisórias com recursos específicos para o Ministério da Saúde. Nenhuma delas teve os recursos integralmente aplicados, segundo a apresentação de Eduardo Pazuello. A situação mais crítica é da MP 969/2020, que autoriza a liberação de R$ 10 bilhões para estados e municípios enfrentarem a covid-19. De acordo com o ministro interino, nenhum real foi pago. Apesar disso, Pazuello considera que o ritmo das despesas “está bom”. “O percentual de saldo que temos considero que está bom. É bom que tenha algum saldo para que a gente possa manobrar. Tirando a MP 969/2020, que ainda está praticamente em elaboração, com o saldo das demais, estamos trabalhando na aquisição de EPIs [equipamentos de proteção individual] e na contratação de leitos. Isso é um processo lento e técnico. Não pode apenas pegar um oficio, carimbar e mandar”, disse. As MPs preveem ações como compra de EPIs, testes, monitores e ventiladores pulmonares; aluguel de leitos de UTI; produção de medicamentos; remuneração e contratação temporária de profissionais de saúde; e auxilio financeiro emergencial a santas casas e hospitais filantrópicos. Pazuello apontou as “principais razões” para o fato de R$ 28,4 bilhões — o equivalente a 72,8% do total — ainda não terem sido pagos. Entre elas, a dificuldade para aquisição de EPIs, ventiladores e outros equipamentos para terapia intensiva, assim como para a contratação de UTIs. Além disso, segundo o ministro, a liberação do dinheiro em alguns casos depende da elaboração de portarias e da adesão de municípios. Em outras situações, o dinheiro não foi pago porque se trata de uma provisão para pagamentos futuros. Durante a audiência pública, o ministro destacou as principais ações no enfrentamento da pandemia. Segundo ele, a pasta aplicou R$ 1,2 bilhão na habilitação de 8,6 mil leitos de UTIs. Foram distribuídas 12,9 milhões de doses de medicamentos: 4,4 milhões de comprimidos de cloroquina e 8,5 milhões de cápsulas de oseltamivir. O governo federal distribuiu também 115,7 milhões de EPIs e enviou 11,3 milhões de testes para todos os estados do país. O Ministério da Saúde cadastrou 983 mil profissionais voluntários para atender estados que enfrentam colapso de pessoal. Amazonas e Amapá já receberam médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, farmacêuticos, biomédicos e técnicos. Nesta semana, Roraima deve ser beneficiado com o envio de 200 profissionais. Eduardo Pazuello demonstrou durante a reunião virtual uma ferramenta para o acompanhamento dos casos de covid-19. Por meio da plataforma SUS Analítico, é possível explorar a evolução da doença não apenas com dados nacionais, mas também regionais, estaduais e até municipais. Segundo o ministro, a medida assegura “transparência infinita”. Pazuello prestou solidariedade às famílias dos mais de 51 mil brasileiros que foram mortos pela covid-19. Segundo ele, o Ministério da Saúde está empenhado em salvar vidas.

Estudo sobre anticorpos de assintomáticos põe em ‘xeque’ testes rápidos de covid-19, diz cientista

A pesquisa que indicou a baixa presença de anticorpos em pacientes chineses que foram contaminados com o coronavírus Sars-CoV-2, mas ficaram assintomáticos traz dúvidas sobre a validade do chamado “passaporte de imunidade” e também sobre os resultados dos testes rápidos sorológicos que proliferam no Brasil. Para o médico e pesquisador Ricardo Schnekenberg, pós-doutorando da Universidade de Oxford, que tem analisado há mais de dois meses os resultados desses produtos, a pesquisa levanta muitas dúvidas sobre as inferências que se faz com esses testes. “Não sabemos como interpretar adequadamente os resultados dos testes de anticorpos. E isso pode impactar a confiança nos estudos epidemiológicos que usam anticorpos para medir a prevalência da doença na população”, disse em entrevista ao jornal O Estado de S.Paulo nesta segunda-feira (22). O estudo, divulgado na semana passada na revista Nature Medicine, fez uma análise detalhada, tanto clínica quanto imunológica, de 37 pacientes chineses infectados com o coronavírus e que não apresentaram sintomas. A pesquisa apontou que os anticorpos IgG produzidos pelos assintomáticos eram significativamente mais baixos que os dos sintomáticos durante a fase aguda da infecção. São esses anticorpos que apontam uma resposta de longo prazo. E de 8 a 12 semanas após a alta hospitalar, observou-se que os níveis de anticorpos neutralizantes (aqueles que de fato têm capacidade de neutralizar o vírus) diminuíram em 81,1% nos pacientes assintomáticos, em comparação com 62,2% dos pacientes sintomáticos. Na entrevista a seguir, Schnekenberg explica que isso não quer dizer que os assintomáticos não terão uma resposta imunológica diante de uma eventual nova infecção e quais podem ser as implicações do trabalho. Quando perguntado se com esses resultados, é possível inferir que essas pessoas não terão resposta imune a uma nova infecção, ele disse que não. “Inclusive no estudo eles mediram a capacidade de neutralização do vírus entre os dois grupos e não parece haver diferença significativa. A questão é mais de detecção. Mas ainda assim não sabemos se a imunidade conferida por esses anticorpos neutralizantes é efetiva ou por quanto tempo ela dura”. Ainda de acordo com Schnekenberg, “muitos anticorpos são apenas “marcadores”, embora eles existam não quer dizer que eles realmente tenham algum efeito imunológico no vírus. Um exemplo são os anticorpos contra o vírus HIV, que nos permitem fazer o diagnóstico da infecção, mas não conferem imunidade. Mas existem certos anticorpos que são considerados neutralizantes, pois quando adicionados com o vírus em uma cultura celular eles impedem (neutralizam) a infecção. Esses são os anticorpos que provavelmente mais se correlacionariam com o processo de imunidade observado in vivo”.

Aplicativo ‘Mais Saúde Fortaleza’ permite acompanhar número de médicos e fila para atendimentos em unidades de saúde

O aplicativo Mais Saúde Fortaleza vai permitir aos fortalezenses ver o número de médicos e monitorar fila de atendimentos nos postos de saúde e Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) de Fortaleza.  De acordo com o G1, a nova ferramenta foi apresentada na manhã desta quarta-feira (24) por meio de coletiva de imprensa virtual, que contou com a presença da secretária municipal de Saúde, Joana Maciel, e da coordenadora do Programa Mais Saúde Fortaleza, Emanuela Feitosa Nóbrega. Para ter acesso a ferramenta de graça para Android e iOS, o usuário precisa baixá-la na loja virtual do aparelho celular e fazer um cadastro simples utilizando os dados pessoais. “Esse aplicativo vai ser composto das 12 UPAs do município, por exemplo. A princípio, estamos com seis e acredito que até o final de semana as outras seis também venham a se integrar ao aplicativo. Hoje, a gente consegue visualizar quantos médicos estão atendendo em tempo real em cada unidade, quantas pessoas estão na fila de espera, quantos estão no acolhimento. Então, isso possibilita o usuário a escolher a UPA com menor fluxo de pessoas”, afirmou Emanuela Feitosa. Joana Maciel reforça que, com o aplicativo, o usuário vai poder saber qual a unidade está mais apta a recebê-lo. A ferramenta será útil tanto para o sistema, já que vai evitar a sobrecarga em uma unidade, como também para o paciente que poderá ser atendido mais rápido. “Com o aplicativo, o paciente vai poder enxergar como está o atendimento nas UPAs naquele momento. Dentro do aplicativo, você vai enxergar o atendimento nas UPAs em tempo real. Será bom para o sistema e bom para o usuário. O paciente poderá perceber na UPA mais próxima de sua casa como está o atendimento, a que está em melhor condição de atendimento para ele. Então ele vai se direcionar para aquela que estiver melhor disponível. E isso evitará a sobrecarga e a melhor distribuição de atendimento nas UPAs”, explicou a secretária. Outra melhoria prometida com o aplicativo na rede municipal de saúde é a organização das consultas. “Existe uma grande falta de pacientes nas consultas. Com o aplicativo, agora o usuário vai poder confirmar a sua ida para aquela consulta. Caso ele tenha algum imprevisto, a gente pode remarcar e disponibilizar a consulta para outro paciente. Será importante tanto para o sistema como para o próprio paciente”, explicou a secretária. Joana Maciel também destacou a importância do aplicativo ao lembrar o responsável de se manter em dia com o cartão de vacinação das crianças. “Sobre a vacinação, é muito importante termos o calendário de vacinação da criança completo. Às vezes, a mãe esquece ou está ocupada. Pelo aplicativo, ela vai ser lembrada sete dias antes”. Já Emanuela Nóbrega afirmou que qualquer pessoa pode usar o aplicativo. No entanto, é necessário que o paciente esteja devidamente registrado em uma unidade de saúde. “Qualquer pessoa pode se cadastrar pelo aplicativo. Porém, ela só poderá ter acesso às informações de saúde se ela estiver cadastrada no Posto de Saúde, com o cadastro completo, com CPF”, afirmou. A secretária de Saúde de Fortaleza ainda explicou que que a plataforma foi criada para atender todo os fortalezenses, mas principalmente os de baixa renda. Ela garante que a plataforma é de fácil acesso e todos vão poder utilizar da melhor forma possível. O aplicativo também está com outras opções para os serviços ‘Atende em casa’, onde o usuário pode informar através de teleatendimento os sintomas, além do ‘Paciente PV Acompanhante’ e o ‘Paciente IJF 2 Acompanhante’, para que os familiares de pacientes internados com Covid-19 acessem o boletim médico.

SAÚDE NA IMPRENSA

Agência Senado – Ministério só gastou 27,2% do dinheiro para combater pandemia, admite Pazuello

Agência Senado – No Congresso, ministro anuncia que 24% da população fará teste de covid-19

Agência Senado – Brasil pode assinar nesta semana acordo para produzir vacina, diz Eduardo Pazuello

Agência Senado – Covid: comissão vai ouvir governadores que representam consórcios regionais

Agência Senado – Davi Alcolumbre anuncia que vetos presidenciais serão examinados em 1º de julho

Agência Senado – Senado aprova MP que reduz contribuições das empresas ao Sistema S; texto vai à sanção

Agência Câmara – Projeto destina 15% dos prêmios de loterias para o combate à Covid-19

Agência Câmara – Projeto destina parte da arrecadação com loterias esportivas para o combate a pandemia

Agência Câmara – Projeto cria auxílio-cuidador para pessoa idosa ou com deficiência que precise de cuidados de terceiros

Agência Câmara – Entidades médicas defendem retomada de tratamentos parados em razão da pandemia

Agência Câmara – Projeto restringe venda de produtos odontológicos a dentistas e estudantes de odontologia

Agência Câmara – Em audiência no Congresso, governo anuncia programa de testagem em massa da Covid-19

Folha de S.Paulo – Prefeituras gastam com teste de Covid mesmo com rede pública ociosa em SP

Folha de S.Paulo – Senado aprova adiamento de eleição municipal para novembro, e proposta segue para a Câmara

Folha de S.Paulo – Estudo identifica fatores que contribuíram para disseminação inicial da Covid-19

Folha de S.Paulo – Em vídeo, enfermeiro engana ao dizer que estados recebem verba por vítimas da Covid-19

Folha de S.Paulo – Diretor do Einstein discute vacinas e terapias contra coronavírus em live na Folha

Folha de S.Paulo – A perigosa guerra contra as cadeias de suprimento

Folha de S.Paulo – Por que quem produz vacinas da Covid-19 está de olho no Brasil; ouça podcast

Folha de S.Paulo – A disseminação brasileira

Folha de S.Paulo – Mortes e desmaios em filas de hospitais retratam agravamento da crise da Covid na Bolívia

Folha de S.Paulo – Mexer com linhas e agulhas vira terapia durante a quarentena

Folha de S.Paulo – Coronavírus infectou 17% em favelas e em bairros pobres do Rio de Janeiro

Folha de S.Paulo – Testagem da vacina da Covid-19 de Oxford começa em São Paulo

Folha de S.Paulo – Governo nomeia médico contra ‘ativismo pró-aborto’ para atenção primária na Saúde

Folha de S.Paulo – Mortes: Dedicou-se à defesa do SUS e da dignidade dos pacientes

Folha de S.Paulo – Covid gera tensão nas salas de parto e impede ‘pele a pele’ entre mãe e bebê

Jornal Agora – Aposentado reclama de valor de plano de saúde

Jornal Agora – INSS prevê retomar perícias médicas a partir de 13 de julho

O Estado de S.Paulo – Em São Paulo, local da moradia influencia morte por covid-19; na Europa, idade era fator de risco

O Estado de S.Paulo – Quarentena traz oportunidade de redescoberta da própria sexualidade

O Estado de S.Paulo – Mercados internacionais operam em baixa ante novo avanço de covid-19 nos EUA

O Estado de S.Paulo – Faz falta um ministro da Saúde?

O Estado de S.Paulo – Análise indica presença de anticorpos de coronavírus em 12% dos doadores de sangue em SP

O Estado de S.Paulo – Paramédicos motorizados, ‘anjos’ que ajudam a salvar vidas em Caracas

O Estado de S.Paulo – Família consegue, na Justiça, direito a cultivar cannabis para uso medicinal em filhos com autismo

O Estado de S.Paulo – Empresa testará versão do remdesivir que pode ser inalada

O Estado de S.Paulo – Estudo sobre anticorpos de assintomáticos põe em ‘xeque’ testes rápidos de covid-19, diz cientista

O Globo – Qual é o tamanho do ‘descalabro’ na Saúde do estado do Rio?

O Globo – Ex-secretário de Saúde Edmar Santos falta à audiência da comissão da Alerj que apura gastos na pandemia

O Globo – Em operação, PF apreende obras de arte de secretário de Saúde do Pará

O Globo – Funcionários de saúde recebem ameaças de morte por recomendar uso de máscaras e isolamento nos EUA

O Globo – Planos de saúde: queda no volume de beneficiários no primeiro mês cheio da pandemia

O Globo – Em meio à pandemia, três mil profissionais de saúde estão com salários atrasados, após suspensão de repasses do governo do Rio

O Globo – Há sinais de que crianças possam não ser transmissoras de Covid-19 como os adultos, dizem epidemiologistas britânicos

Anvisa – Publicado relatório de produção dos bancos de tecidos

Anvisa – Webinar discute alterações de dispositivos médicos

Agência Saúde – Ministro apresenta ações de combate à Covid-19 a deputados e senadores

Agência Saúde – Coronavírus: 613.345 pessoas curadas em todo o Brasil

Agência Saúde – 105 milhões de brasileiros cadastrados na Atenção Primária

G1 – UEL contrata 190 profissionais de saúde

G1 – Aplicativo ‘Mais Saúde Fortaleza’ permite acompanhar número de médicos e fila para atendimentos em unidades de saúde

G1 – Sindicato afirma que 95 profissionais de saúde em BH testaram positivo para Covid-19 e alerta para centros de saúde

G1 – Casos e mortes por coronavírus no Brasil, 24 de junho, segundo consórcio de veículos de imprensa (atualização das 13h)

G1 – Médicos denunciam mercado negro de plasma sanguíneo no Paquistão, diz jornal

G1 – Bairros de SP com maioria da população negra apresentam mais mortes por Covid-19, aponta pesquisa

G1 – China continental tem capacidade para testar 3,78 milhões de pessoas para Covid-19 diariamente

G1 – Eletricista de 67 anos fez fisioterapia para respiração quase dois meses após alta da Covid-19

G1 – O ‘álibi científico’ que pode inocentar os morcegos da pandemia de coronavírus

G1 – Não há evidências de que a vitamina D atue na prevenção contra a Covid-19; uso indiscriminado traz riscos

G1 – Maringá amplia testagem em profissionais da saúde

G1 – Maranhão perde personalidades nas últimas 24h

Agência Brasil – Unidades básicas de Saúde retomam consultas agendadas em São Paulo

Agência Brasil – SP: preços de remédios têm diferença de até 41% entre estabelecimentos

Agência Brasil – Covid-19: Rio tem 220 mortes e 3.297 novos infectados em 24 horas

Agência Brasil – No Rio, contratos de saúde resultam em perda de R$ 1 bi em oito anos

Jota – Ministério da Ciência e Tecnologia desiste de pesquisa com hidroxicloroquina

Jota – A mudança da divulgação de informações sobre a Covid-19 pelo Ministério da Saúde

Valor Econômico – Sustentabilidade na pandemia: o que muda para as empresas

Valor Econômico – México registra novo recorde diário de casos de covid-19

Valor Econômico – Em dia de evento por 2ª Guerra, Rússia chega a 600 mil casos de covid

Valor Econômico – Pazuello nega tentativa de manipulação de dados

AgroLink – Engenharia genética é chave contra Covid-19

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »