MP instaura inquéritos e apura descarte de cadáveres de animais por clínicas e consultórios veterinários em Manaus

//MP instaura inquéritos e apura descarte de cadáveres de animais por clínicas e consultórios veterinários em Manaus
Sete inquéritos foram abertos para verificar as condições de funcionamento e de gerenciamento de resíduos dos serviços veterinários, informou a Rádio Peão nesta terça-feira (26). O Ministério Público do Amazonas, por meio da 18ª Promotoria de Justiça do Meio Ambiente e Patrimônio Histórico, instaurou sete inquéritos civis para verificar as condições de funcionamento e de gerenciamento de resíduos dos serviços veterinários prestados por clínicas e consultórios veterinários em Manaus. Por meio de notícias veiculadas e de investigações policiais, o titular da 18ª Prodemaph, Promotor de Justiça Francisco Arguelles, tomou conhecimento do descarte irregular de cadáveres de animais promovido por clínicas e consultórios veterinários, o que contraria as normas que regem o gerenciamento, o tratamento e a disposição final dos resíduos dos serviços de saúde animal. O promotor pretende ouvir todos os proprietários de clínicas e consultórios veterinários de Manaus e vem convocando os responsáveis por essas empresas com base em relatório de fiscalização do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado do Amazonas. “O objetivo do MP é promover o cumprimento das normas que regulamentam o descarte de resíduos dos serviços de saúde animal em Manaus, a fim de garantir a proteção de trabalhadores e a preservação da saúde pública, dos recursos naturais e do meio ambiente”, explica o Promotor de Justiça Francisco Arguelles. São definidos como resíduos sólidos dos serviços de saúde (RSS) todos os resíduos gerados em serviços ou atividades relacionados com o atendimento à saúde humana ou animal, inclusive os serviços de assistência domiciliar e de trabalhos de campo. Isso compreende: laboratórios analíticos de produtos para embalsamamento (tanatopraxia e somatoconservação); serviços de medicina legal; drogarias e farmácias inclusive as de manipulação; estabelecimentos de ensino e pesquisa na área de saúde; centros de controle de zoonoses; distribuidores de produtos farmacêuticos; importadores, distribuidores e produtores de materiais e controles para diagnóstico in vitro; unidades móveis de atendimento à saúde; serviços de acupuntura; serviços de tatuagem, entre outros similares.

Assustada, cadela da Polícia Rodoviária morre em meio a fogos do título do Flamengo

A cadela farejadora Lua é mais uma vítima dos fogos de artifício. Segundo o Blog Bom pra Cachorro da Folha de S. Paulo, no último sábado (23), ela ficou muito assustada com o barulho da comemoração do título do Flamengo na Libertadores e não resistiu. Foi encontrada morta em sua ala na Polícia Rodoviária Federal no Espírito Santo. Lua atuava no órgão desde 2006. Ao divulgar a morte, a Polícia Rodoviaria afirmou que o animal sofreu uma parada cardíaca desencadeada pelos fogos. “A nossa cadela policial vai deixar saudades”, diz o texto. Ao se despedir de Luna, o órgão afirma que ela “ajudou e foi primordial” em inúmeras apreensões de entorpecentes. São constantes os casos de animais que fogem, se machucam ou morrem, assustados com barulhos extremos, como fogos. Com a audição muito mais aguçada que a do ser humano, cães podem ter reações inesperadas diante do medo. Podem se ferir ao buscar um esconderijo ou tentar fugir –o que eleva risco de atropelamentos. No caso de animais doentes, é possível que o quadro se agrave. O pânico e o estresse elevam o risco de morte também em animais saudáveis.

Governos estaduais favorecem pecuária ilegal na Amazônia, diz Anistia Internacional 

Governos estaduais na Amazônia Legal favorecem a pecuária ilegal em áreas protegidas como reservas extrativistas e terras indígenas. A conclusão é de um estudo lançado pela Anistia Internacional sobre violações de direitos humanos causadas pelo avanço do desmatamento e da pecuária na região. O documento será oficialmente lançado nesta terça-feira (26), destacou o jornal O Globo. De acordo com o estudo, que utilizou dados de 2018 e 2019, os governos dos estados de Rondônia e de Mato Grosso (dois dos maiores produtores de gado do país) vêm favorecendo, ao longo dos últimos anos, a criação de gado em áreas de proteção onde a atividade não seria permitida. De acordo com a Anistia, os órgãos estaduais de fiscalização da atividade pecuária fornecem guias de transporte animal para fazendeiros cujas propriedades estão cadastradas em áreas de proteção. A partir do momento em que o gado criado em áreas de proteção recebe autorização de transporte, ele passa a abastecer o mercado legal, fomentando o desmatamento de áreas que deveriam ser protegidas e que acabam sendo transformadas em pastagens. “Quando agências estaduais cadastram propriedades de criação de bovinos e/ou emitem Guias de Trânsito Animal para a movimentação de bovinos mesmo quando a propriedade em questão fica em uma reserva extrativista ou terra indígena, elas efetivamente facilitam a pecuária bovina ilegal”, diz o estudo. A reportagem enviou questionamentos baseados no estudo da Anistia Internacional aos governos estaduais de Rondônia e Mato Grosso e à Presidência da República, mas não obteve respostas. O estudo indica ainda que, de acordo com dados oficiais, em novembro de 2018 havia 100 mil cabeças de gado em quatro áreas de proteção localizadas em Rondônia e que são consideradas extremamente sensíveis: as terras indígenas Uru-Eu-Wau-Wau e Karipuna e as reservas extrativistas do Rio Preto e do Rio Jacy-Paraná. Apenas em Rondônia, a estimativa é de que haja um total de 300 mil cabeças de gado em propriedades localizadas em áreas de proteção. Em Mato Grosso, o estudo apontou que o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recurso Naturais Renováveis (Ibama) e a Fundação Nacional do Índio (Funai) encontraram 4 mil cabeças de gado em duas propriedades dentro dos limites da Terra Indígena Pequizal Naruvotu. Também em Mato Grosso, a equipe da Anistia Internacional identificou a existência de gado em seis pontos da Terra Indígena Manoki.

Dezenas de estátuas e animais mumificados são descobertos no Egito

De acordo com publicação da Folha de S. Paulo desta terça-feira (26), autoridades do Egito anunciaram no último fim de semana a descoberta de 75 estátuas de madeira e bronze e de diversas múmias de animais, como filhotes de leões, em 25 caixas decoradas com hieróglifos na necrópole de Saqqara, perto das pirâmides de Gizé, na região do Cairo. Também foram encontrados gatos, cobras, crocodilos e besouros mumificados e bem preservados. O Ministério de Antiguidades do país afirmou que a descoberta ocorreu no sopé do Templo de Bastet, que era dedicado ao culto de gatos entre os antigos egípcios. Khaled El Enany, ministro das Antiguidades, descreveu o achado como “um museu [inteiro] por si só”. Entre os artefatos revelados na escavação, estão estátuas de um touro Ápis, um mangusto, um íbis, um falcão e do deus egípcio Anúbis na forma de animal. De acordo com a página do ministério em uma rede social, duas das múmias foram identificadas como filhotes de leões, algo incomum. Outros três grandes felinos também provavelmente seriam leões. Os artefatos pertencem à 26ª dinastia, datada do século 7 a.C., de acordo com Enany.  A descoberta também inclui uma coleção de divindades egípcias antigas na forma de estatuetas de bronze representando o deus Osíris, estátuas de madeira de Ptah-Soker e figuras de Sekhmet, a deusa guerreira da cura. O Egito tenta promover sua história única como forma de revitalizar o turismo, setor que foi severamente afetado pela insegurança política e por ataques no país. Críticos afirmam, no entanto, que sítios arqueológicos e museus sofrem com negligência e má administração.

NA IMPRENSA
Folha de S. Paulo – Assustada, cadela da Polícia Rodoviária morre em meio a fogos do título do Flamengo

Folha de S. Paulo – Dezenas de estátuas e animais mumificados são descobertos no Egito

O Globo – Governos estaduais favorecem pecuária ilegal na Amazônia, diz Anistia Internacional

O Globo – Parada Pet tem ‘cãominhada’, DJ para bichos e ioga para cachorros

Valor Econômico – Zoetis compra rede de laboratórios de exames veterinários nos EUA

Valor Econômico – Importações chinesas de carnes continuam em forte alta

Valor Econômico – Abras tenta estimular vendas de proteínas alternativas à carne bovina

Valor Econômico – Marfrig prepara follow on de R$ 2 bilhões

O Estado de S.Paulo – Manaus registra 264 casos de maus-tratos contra animais em dez meses

O Estado de S.Paulo – Marinha confirma que óleo atingiu segunda praia do Rio de Janeiro

O Estado de S.Paulo – Os cachorros não conseguem não amar

CRMVSP – Mapa pode nomear 100 veterinários para auditor fiscal até dezembro

Urgente News – Proibição a fogos de alto impactoe de tiro aprovada em 1º turno

Meridional FM – Ursa mais triste do mundo terá sua história contada por Rita Lee

Radio Peão – MP instaura inquéritos e apura descarte de cadáveres de animais por clínicas e consultórios veterinários em Manaus

Cruzeiro do Sul – Comissão de Ética na Utilização de Animais

Panorama Farmacêutico – Olhar multiprofissional no uso racional de antibióticos

Abrasce – Decoração de Natal do Canoas Shopping tem passeio de trem para as crianças e trono para os pets

Milk Point – O verão se aproxima: estratégias para melhorar o desempenho reprodutivo de vacas em estresse térmico

94 FM Dourados – Vacinação antirrábica atende bairros, zona rural e aldeias indígenas

Costa Rica em Foco – Falso veterinário receitava medicação e aplicava exames no interior de MS

__________________________________________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »