Ministério Público Federal do Paraná denuncia 11 pessoas em investigação da Operação Trapaça envolvendo BRF

//Ministério Público Federal do Paraná denuncia 11 pessoas em investigação da Operação Trapaça envolvendo BRF
O Ministério Público Federal do Paraná denunciou nesta quarta-feira (4) 11 pessoas no âmbito da Operação Trapaça envolvendo a BRF, destacou a Folha de S. Paulo. Segundo a denúncia, empregados da empresa usavam “substâncias proibidas pela legislação brasileira no fabrico de compostos adicionados à ração,” conhecidos no mercado com premix. Eles também teriam utilizado substâncias permitidas, mas em dosagem diferente do que a declarada às autoridades e constante dos rótulos dos produtos, de acordo com os procuradores. “Para o fim de garantir que a prática delituosa não fosse detectada, os denunciados ainda agiram conscientemente para o fim de burlar a fiscalização federal, operando outras fraudes, como a remoção de estoques de substâncias usadas na fabricação do premix e a manipulação de amostras”, afirma, na denúncia, a procuradora da República em Ponta Grossa (PR), Lyana Helena Joppert Kalluf. Segundo o MPF, as substâncias adicionadas às rações e ao chamado premix eram em muitos casos “potentes antibióticos” cuja dosagem deve ser controlada e restrita. O rígido controle do uso de antibióticos, segundo o MPF, objetiva evitar que a carne proveniente dos animais abatidos cheguem ao consumidor final contendo doses excessivas destes medicamentos. A denúncia sustenta que os atos ilegais alegadamente praticados por funcionários da BRF na fabricação de rações e do composto premix teriam ocorrido “no mínimo entre os anos de 2012 e 2018,” de acordo com a acusação. Os funcionários e ex-funcionários da empresa forma denunciados pelos crimes de estelionato qualificado, falsidade ideológica, invólucro ou recipiente com falsa indicação, falsificação de substância ou produto alimentício, falsificação de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais e associação criminosa. A Trapaça era um desdobramento da Operação Carne Fraca, deflagrada em março de 2017, que acusava os frigoríficos brasileiros de vender carne estragada e de pagar propina a fiscais do Ministério da Agricultura para encobrir os maus feitos. Em nota, a BRF diz ter “total interesse no esclarecimento de todos os fatos” e afirma que “nenhum membro da administração, diretor ou executivo em posição de gestão atual foi denunciado.” A empresa afirma também que “dentre os onze denunciados, um colaborador da área técnica foi afastado na data de hoje, seguindo a política adotada pela empresa de afastar preventivamente todos os funcionários citados em investigações até o total esclarecimento dos fatos.” Desses 11, três informavam, em seus perfis na rede social LinkedIn, que ainda trabalham na BRF, e um, em empresas do grupo, como Perdigão.

Preço da carne até pode ceder, mas permanece em alta, diz Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA)

A CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) considera que a máxima histórica do preço da carne bovina registrada no final de novembro é “ponto fora da curva”, resultado de uma confluência de fatores que vai além da explosão de demanda da China. A avaliação foi feita Bruno Lucchi, superintendente técnico da CNA, durante o balanço anual feito pela entidade. Em 29 novembro, o preço da arroba do boi gordo atingiu a máxima histórica de R$ 231,35, o que representou alta acumulada de 35,5% no mês. De acordo com a Folha de S. Paulo na terça-feira (3), a cotação diária teve recuo de 3,67%, chegando a R$ 219,45 a arroba, segundo o indicador Esalq/B3. De acordo com Lucchi, o aumento das exportações à China —que assistiu a uma drástica redução do seu rebanho suíno em razão da peste africana — não foi a única razão para a elevação dos preços da proteína bovina no Brasil. Também contribuíram, disse o representante da entidade, uma oferta reprimida registrada em 2019 e a gradual recuperação da demanda dos consumidores nacionais nos últimos meses. “A questão da oferta e demanda já vai se equilibrar. O que aconteceu nesse período foram realmente vários fatores pontuais que pegaram os seus extremos, o que culminou num ponto realmente fora da curva”, afirmou o superintendente. Apesar da avaliação de que haverá um reequilíbrio da oferta e da demanda, o presidente da entidade, João Martins, disse que os preços da carne bovina não vão voltar aos patamares praticados há 60 ou 90 dias atrás, porque os valores estavam reprimidos. “Estávamos no pico da baixa da entressafra, com o menor preço dos últimos anos. Já estávamos esperando, se não houvesse essa demanda muito grande lá fora e se não houvesse essa desvalorização cambial, que alguma coisa acontecesse”, declarou. “Outra coisa: não é só a China que está comprando carne. Tem China, Vietnã, Estados Unidos [carne processada]. Há demanda do mundo inteiro. Os preços já estão se acomodando”, concluiu. Para ampliar a oferta, a CNA avalia que os produtores já estão se preparando para melhorar as produções, com investimentos em tecnologia — que permitem por exemplo o abate de animais mais novos — e o aumento do número de cabeças confinadas.

Defesa Agropecuária brasileira vai receber US$ 200 milhões

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento assinou nesta quarta-feira (4) o contrato de empréstimo com o BID, o Banco Interamericano de Desenvolvimento para o Programa de Modernização e Fortalecimento da Defesa Agropecuária (ProDefesa). Segundo o portal da Rádio Agencia Nacional assinatura do acordo ocorreu durante cerimônia para celebrar os 60 anos do BID. A estimativa é investir no programa US$ 200 milhões para os próximos cinco anos. Desse total US$ 195 milhões de dólares são de empréstimo junto ao BID e US$ 5 milhões de dólares são do governo federal. A operação foi autorizada pelo Senado Federal. O programa vai permitir que o Brasil continue livre da febre aftosa, aumente as áreas sem a peste suína clássica e sem a mosca da carambola. Com esses recursos, também serão reestruturados os serviços de sanidade animal e vegetal.

Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo

Na terça-feira (3), o deputado Célio Studart (PV-CE) presidiu audiência pública sobre o abate e comercialização da pele de jumentos realizada na Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (CMADS). O parlamentar destacou que com o alto índice de abandono desses animais, os jumentos viraram alvos de um comércio cruel e criminoso, informou o portal Anda. São capturados, mantidos em condições precárias e vendidos para abatedouros, sem nenhum tipo de fiscalização. “Isso é inaceitável. Estamos falando de animais que têm fome, sede e sentem dor. Nosso objetivo é acabar com o abate em qualquer frigorífico”, explicou. Na audiência, a representante da Frente de Defesa dos Jumentos, Gislane Brandão, mostrou como esses animais têm vivido e a situação em que são encontrados. Apresentou muitos casos de mortes por desnutrição severa, falta de cuidados e doenças como anemia infeciosa equina e mormo, causada por bactéria que pode ser transmitida para o ser humano. Ainda assim, esses animais são abatidos e vendidos para o consumo humano sem qualquer preocupação sanitária. Já a diretora técnica do Fórum Nacional de Proteção e Defesa Animal, Vânia Plaza, lembrou da importância do Brasil ter sus próprias leis e atender aos interesses dos brasileiros, e não de outros países. Ela fazia uma referência ao caso ocorrido em janeiro deste ano, por meio de denúncia anônima, no qual 200 animais que seriam abatidos e exportados para a China morreram por falta de água e comida. Ressaltou também que a solução para os jumentos não é o abate, mas sim a criação de políticas públicas a curto, médio e longo prazo. O deputado aproveitou para lembrar das outras formas de exploração sofridas pelos jumentos, que ainda são usados como tração de carroças e atração para turistas nas praias, onde são pintados, decorados e obrigados a carregar pessoas o dia todo. Célio repudiou a forma com que esses animais são tratados. Também participaram, como expositores, a bióloga e representante da ONG The Donkey Sanctuary, Patrícia Tatemoto, o diretor da ADAB – Agência de Defesa Agropecuária da Bahia, Rui Leal, e o assessor de assuntos socioambientais do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Francisco.

NA IMPRENSA
Folha de S. Paulo – MPF-PR denuncia 11 pessoas em investigação da Operação Trapaça envolvendo BRF

Folha de S. Paulo – Preço da carne até pode ceder, mas permanece em alta, diz CNA

O Globo – Número de animais mortos nas estradas do Parque Nacional da Tijuca preocupa pesquisadores

Notícias Agrícolas – Preços de alimentos no mundo sobem com impulso de carnes e óleos vegetais, diz FAO

AgroLink – Receita obtida com exportação bovina é recorde

AgroLink – Competitividade da carne suína frente à do boi é a maior da série

Anda – Bolsonaro institui ‘Dia Nacional do Rodeio’ na mesma data do ‘Dia Mundial dos Animais’

Anda – Em audiência, Célio Studart defende fim da matança de jumentos para consumo

Anda – Alternativas à carne são o futuro

Anda – Brasil lidera demanda por leites vegetais na América do Sul

Info São Desiderio – FPI apreende, em Luís Eduardo Magalhães, carreta com 60 animais sem documentação sanitária

Nordeste Rural – Orientações para aumentar a produção de carne nos rebanhos de corte

Itaporã MS News – Produtores rurais têm até 31 de maio de 2020 para atualizar cadastro no CAP

Foguinho Eventos – Carne de cavalo que seria vendida como se fosse bovina é apreendida em Jequié

Radio Agencia Nacional – Defesa Agropecuária brasileira vai receber US$ 200 milhões

Revista Globo Rural – Agronegócio brasileiro terá ano excepcional em 2020, diz economista

Revista Globo Rural – Agricultura convoca 100 médicos veterinários aprovados em concurso

Revista Globo Rural – Exportações totais de carne bovina podem bater recorde em 2019

Blog Elena Aparecida – Cooperativas impulsionam a produção agropecuária de Santa Catarina

Radio Pelotense – Ministra diz que desafio para 2020 é dar a pequeno produtor acesso à tecnologia

Bacanudo – A exportação de animais vivos

Folha de Vilhena – Presidente Laerte Gomes e governador anunciam o fim da vacinação contra a febre aftosa

CM Jornal – Festival Gadhimai: um dos rituais mais sangrentos do Mundo que sacrifica milhares de animais

Canal Rural – Preço do boi gordo cai quase R$ 15 por arroba em apenas quatro dias

__________________________________________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »