Ministério da Saúde discute incorporação no SUS de novo medicamento para Atrofia Muscular Espinhal

//Ministério da Saúde discute incorporação no SUS de novo medicamento para Atrofia Muscular Espinhal
Nesta terça-feira (8), a Agência Saúde divulgou que, o Ministério da Saúde promoveu uma reunião com a empresa Biogen para tratar do pré-dossiê para abertura de demanda para incorporação do medicamento nusinersena para Atrofia Muscular Espinhal (AME) 5q dos tipo II e III. A documentação apresentada pela empresa na ocasião incluía apenas as evidências científicas sobre o medicamento. Por isso, a Secretaria-Executiva da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) solicitou que fossem anexadas, ainda nessa semana, evidências econômicas nos estudos apresentados e também uma nova proposta de compartilhamento de risco. Na ocasião, a Pasta apresentou parâmetros para formalização de um acordo de compartilhamento de risco, baseado no desempenho do medicamento e no número pacientes tratados por ano. Cabe ressaltar que a Conitec realiza a avaliação das tecnologias em saúde a serem incorporadas no SUS, levando em consideração aspectos como eficácia, acurácia, efetividade e a segurança da tecnologia, além da avaliação econômica comparativa dos benefícios e dos custos em relação às tecnologias já existentes e o seu impacto orçamentário. A atuação da Comissão é feita por demanda e tem como pré-requisito legal o envio, pelo demandante, de estudos relacionados aos temas. A Pasta ressalta que aguarda posicionamento e definições por parte da empresa, reforça que a cooperação de ambas as partes – Ministério da Saúde e Biogen – é importante para alcançar uma proposta compatível com SUS e se colocou à disposição para fazer todas reuniões necessárias para agilizar a análise do processo de incorporação do medicamento.

Para Planalto, suspensão da vacina de Oxford foi ‘balde de água fria’

O anúncio da suspensão dos testes clínicos da vacina contra covid-19, desenvolvida pela Universidade de Oxford, foi recebido no Palácio do Planalto como “um balde de água fria”, nas palavras de um auxiliar do presidente Jair Bolsonaro. Segundo publicação do jornal O Estado de S.Paulo, desta quarta-feira (9), a vacina, que está sendo desenvolvida em parceria com a farmacêutica AstraZeneca, era considerada a principal aposta de Bolsonaro e do governo brasileiro para imunizar a população contra o novo coronavírus. A suspensão dos estudos deixou o presidente e integrantes da equipe bastante preocupados. Agora, sem essa alternativa, o Palácio do Planalto aguarda a avaliação do ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, para decidir o que fazer. Em nota divulgada na noite de terça-feira (8), o Ministério da Saúde informou que foi notificado por e-mail pela AstraZeneca, mas disse estar mantido “o compromisso em garantir uma vacina segura e eficaz em quantidade para a população brasileira”. A pasta também procurou adotar tom de cautela, sob o argumento de que a pausa no estudo clínico é um “procedimento padrão de avaliação de segurança”, na tentativa de investigar qualquer reações adversas. “A pausa no estudo significa que não haverá inclusão, neste momento, de novos participantes. Entretanto, aqueles já incluídos seguem em acompanhamento para avaliação da segurança e eficácia”, diz a nota do Ministério da Saúde. Bolsonaro e Pazuello chegaram a conversar, mas ainda não há definição sobre os próximos passos. Na noite de terça, o ministro reuniu sua equipe para tratar do assunto. O governo quer avaliar os  desdobramentos da suspensão temporária do estudo para definir novos procedimentos. No momento, as duas outras opções de vacina são a chinesa e a russa. A principal parceria brasileira, no entanto, era com a vacina desenvolvida por Oxford, com quem o governo federal tinha acertado um protocolo de intenções que prevê a disponibilização de 30 milhões de doses até o fim do ano. O governo também estava concluindo as negociações para o pagamento e a assinatura de um acordo final que incluía a transferência de tecnologia para produção nacional, conduzida pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Os testes clínicos foram suspensos por suspeita de reação adversa grave em um dos voluntários participantes no Reino Unido. Na reunião ministerial desta terça, no Palácio do Planalto, Pazuello teve de responder à pergunta da youtuber mirim Esther Castilho, “escalada” por Bolsonaro para questionar seus auxiliares, e disse que a previsão era de a vacina chegar ao Brasil em janeiro de 2021. A reunião, no entanto, aconteceu antes do anúncio da suspensão dos testes clínicos.

Brasil começa a superar fase aguda da pandemia, afirmam debatedores

A fase aguda da pandemia de covid-19 está passando, a sociedade brasileira aprendeu a conviver com a doença e a crise sanitária que se estabeleceu está sendo superada. A avaliação positiva é do ex-ministro da Ciência e Tecnologia Sergio Rezende, apresentada nesta terça-feira (8) em audiência pública da Comissão Mista do Congresso Nacional que acompanha as medidas do Poder Executivo contra o coronavírus. De acordo com a Agência Senado foi a 30ª reunião do colegiado, que teve o objetivo de discutir dados científicos atualizados sobre a doença, o estágio dos testes diagnósticos e perspectivas do país pós covid-19. Sergio Rezende lamentou a falta de um plano federal de combate à pandemia que, segundo disse, levou o Brasil a se tornar um dos epicentros da doença no mundo. Por outro lado, o ex-ministro comentou a relevância do trabalho do Congresso Nacional em garantir recursos para a ciência e tecnologia. Ele destacou o “alto nível” das entidades científicas nacionais e disse que o país obteve lições com a crise sanitária. Diretor de Estudos e Políticas Setoriais de Inovação e Infraestrutura do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), André Tortato Rauen também se mostrou otimista quanto às medidas de enfrentamento do vírus. Ele destacou a participação brasileira nos esforços internacionais de desenvolvimento da vacina para a covid-19. E informou que o Ipea tem ajudado o Ministério da Saúde e a Fiocruz no desenvolvimento da modelagem contratual de uma encomenda tecnológica com a dose desenvolvida pela Universidade de Oxford, na Inglaterra. O diretor do Departamento de Informática do SUS (DataSus), Jacson Venâncio Barros, disse que o Brasil ainda carece de estratégias digitais na área da saúde. Ele defendeu uma “maturidade” para o setor semelhante à da área financeira, de modo a reunir informações públicas e privadas com segurança. E apresentou projetos de infraestrutura do governo, como o baseado em uma rede nacional de dados em saúde, chamada Conecte SUS. Ao explicar que a plataforma apresentou avanços como a disponibilização do resumo dos atendimentos, sumários de alta médica, imunização, medicamentos e exames, o diretor apontou desafios do sistema em relação aos dados da covid-19. O oficial nacional da Unidade de Vigilância, Preparação e Resposta a Emergências e Desastres da Organização Mundial da Saúde (OMS), Juan Cortéz, destacou os tipos de testes para detecção do coronavírus, como o PCR, cujo diagnóstico é feito a partir da busca de uma parte da estrutura do vírus, chamada RNA. Ele observou que esse exame está entre os mais recomendados pela organização, já que os anticorpos são úteis para diagnóstico populacional. Por outro lado, afirmou, não se consegue identificar exatamente em que momento a pessoa foi infectada. Juan Cortéz lembrou que a totalidade da caracterização do vírus ainda requer estudos aprofundados, mas informou que a OMS está finalizando uma lista de perfis de produtos para diagnóstico prioritário, entre os quais estão os que fornecem detalhes sobre o desempenho mínimo e o desempenho ideal do vírus. Além disso, ele falou das medidas aconselhadas aos pacientes. O representante da OMS elogiou o esforço coletivo dos países para acelerar o desenvolvimento, a produção e a distribuição de vacinas contra o coronavírus. De acordo com Cortéz, essa ferramenta está sendo trabalhada de modo a fortalecer a capacidade de compra antecipada de suprimentos e a disponibilizar igualmente entre os países cerca de 2 bilhões de doses até o final de 2021. O presidente da comissão mista, senador Confúcio Moura (MDB-RO), destacou a consistência do debate. Já o relator, deputado Francisco Jr. (PSD-GO), informou que o quarto boletim bimestral da comissão será publicado ainda nesta terça-feira (8).

Mês de prevenção do suicídio traz ainda ideias erradas sobre o tema

Conforme publicação desta terça-feira (8) do Blog Morte sem Tabu da Folha de S.Paulo, criado pela Associação Brasileira de Psiquiatria e o Conselho Federal de Medicina (CFM) e pelo CVV – Centro de Valorização da Vida,  para ressaltar a importância da prevenção ao suicídio, o Setembro Amarelo requer atenção em sua longa duração, alertam especialistas. Na maior parte do mundo, a data é marcada no 10 de setembro, o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio, estabelecido pela Organização Mundial da Saúde em parceria com outras instituições internacionais relacionadas à saúde mental, em 2003, para discutir o tema de forma responsável e acolhedora. O limite entre informar e aterrorizar, afinal, é tênue. E dedicar um mês todo ao tema aumenta o risco de acionar gatilhos, alerta Karen Scavacini, fundadora do Instituto Vita Alere de Prevenção e Posvenção do Suicídio. Um dos cuidados é não espalhar mitos prejudiciais, como eventuais estatísticas relacionando a pandemia com o aumento do suicídio. Com a quarentena pelo coronavírus, tornaram-se recorrentes inferências em função da maior vulnerabilidade sugerida por esse isolamento, e aumento de distúrbios mentais, que são um fator de risco, mas ainda sem dados oficiais a respeito. Números falsos podem gerar pânico. A solução não é evitar o tema, e sim ter atenção. Scavacin frisa que o Setembro Amarelo tem o papel crucial de abrir um diálogo com a sociedade e colocar a questão como um problema de saúde pública, além de combater mitos como o de que falar sobre suicídio pode incentivá-lo. Ela diz que o mais eficaz seria ter um plano nacional de prevenção do suicídio, em que os profissionais pudessem ser capacitados no assunto e as escolas montassem espaços de educação em prevenção da violência escolar, um dos fatores de suicídio. Em um período dedicado ao assunto, é necessário também ter cuidados ao criar campanhas ou divulgar informações em redes sociais sem aferir a fonte, a solidez da afirmação, os slogans criados e o bem ou mal que possam causar. Afinal, não se sabe como a pessoa receberá a mensagem. Segundo o psiquiatra Neury Botega, sinais de alerta nem sempre são claros. “É fácil achar os sinais depois que o fato ocorreu, mas, de um modo geral, são os sinais de uma pessoa que não está bem.” Ele frisa a importância da atenção a mudanças de comportamentos ao longo do tempo, como um jovem sociável que passa a se trancar, mas alerta que há erro na afirmação de que a pessoa que se mata sempre dá sinais.

SAÚDE NA IMPRENSA

Agência Senado – Mais um ano para uso de recursos contra covid-19 está na pauta desta quarta

Agência Senado – Brasil começa a superar fase aguda da pandemia, afirmam debatedores

Agência Senado – Senado recebe PEC que pode permitir reeleição de Mesas do Congresso

Agência Senado – Consultorias de Senado e Câmara lançam informativo sobre o PLOA 2021

Agência Câmara – Projeto prevê transporte exclusivo para cuidadores durante pandemia

Agência Câmara – Projeto obriga hospitais a informar cardiopatias congênitas em recém-nascidos

Agência Câmara – Projeto equipara internação involuntária de dependente químico ao crime de sequestro

Agência Câmara – Projeto pune com até 2 anos de prisão quem invadir hospitais e clínicas

Agência Câmara – Câmara promove 2º Simpósio Nacional de Prevenção do Suicídio

Agência Câmara – Proposta veda bloqueio de recursos para ciência, tecnologia e inovação

Agência Câmara – Consultoria disponibiliza estudos comparativos sobre reforma tributária

Folha de S.Paulo – Vacina da Sinovac é segura em idosos, mas produz resposta imune mais baixa

Folha de S.Paulo – Mês de prevenção do suicídio traz ainda ideias erradas sobre o tema

Folha de S.Paulo – Drauzio Varella e psiquiatra promovem live sobre panorama do suicídio no Brasil

Folha de S.Paulo – Brasil registra 516 óbitos e chega a 127.517 mil mortes pela Covid-19

Folha de S.Paulo – Estudo de vacina de Oxford é pausado por possível reação adversa

Folha de S.Paulo – Bolsonaro diz que ficou com pecha de genocida por defender a cloroquina

Folha de S.Paulo – PF deflagra operação contra supostas fraudes no auxílio emergencial em SP

Folha de S.Paulo – ‘Em janeiro, a gente começa a vacinar todo mundo’, diz Pazuello

Folha de S.Paulo – Mês de prevenção do suicídio traz ainda ideias erradas sobre o tema

Folha de S.Paulo – Novo livro científico de Cannabis medicinal reunirá 80 autores

O Estado de S.Paulo – Combate e prevenção à trombose

O Estado de S.Paulo – OMS acredita que vacinação contra covid-19 não acontecerá para toda população antes de 2022

O Estado de S.Paulo – Para Planalto, suspensão da vacina de Oxford foi ‘balde de água fria’

O Estado de S.Paulo – Suspensão de testes da vacina de Oxford com a AstraZeneca contra a covid-19 não é revés, diz Londres

O Estado de S.Paulo – Paciente de 83 anos é a última a receber alta no hospital de campanha do Anhembi

O Estado de S.Paulo – Estudantes de Medicina pedem ajuda!

O Estado de S.Paulo – Secretário quer engajar cidades em vacinação

O Estado de S.Paulo – Vacina e economia

O Estado de S.Paulo – AstraZeneca suspende testes de vacina contra covid por suspeita de reação adversa grave

O Estado de S.Paulo – Post confunde ao comparar letalidade da covid-19 com febre amarela, aids e outras doenças

O Estado de S.Paulo – Empresas que desenvolvem vacinas contra a covid-19 assinam compromisso de manter rigor científico

O Estado de S.Paulo – Bolívia abre hospital exclusivo para grávidas com covid-19

O Estado de S.Paulo – Pandemia ameaça progressos na queda de mortalidade infantil, diz ONU

O Estado de S.Paulo – Alcolumbre segura pauta do Congresso e adia análise de vetos presidenciais

O Estado de S.Paulo – PL 3267: um duro golpe na Ciência

O Globo – Castro deve mudar secretários de Saúde e de pastas com gestão interina; permanência de André Moura na Casa Civil é incerta

O Globo – Depois de formar 400 alunos, a NOS Escola se reinventa e lança uma plataforma on-line de saúde integrada

Agência Brasil – Agência inglesa diz que revisará testes da AstraZeneca para covid-19

Agência Brasil – Covid-19: AstraZeneca informa Brasil que suspendeu testes de vacina

Agência Brasil – Covid-19: site da Saúde tem dados de repasses a estados e municípios

Agência Brasil – Governador do Distrito Federal é diagnosticado com covid-19

Agência Brasil – SP registra 53 mortes e 1.453 casos de covid-19 nas últimas 24 horas

Agência Brasil – Covid-19: Bolsonaro se reúne com médicos que apoiam uso da cloroquina

Anvisa – Abertas Consultas Públicas sobre serviços de saúde

Anvisa – Anvisa participa de Webinar sobre tabagismo

Anvisa – Participe do Webinar sobre biovigilância

Agência Saúde – Ministério da Saúde discute incorporação no SUS de novo medicamento para Atrofia Muscular Espinhal

Agência Saúde – Ministério da Saúde disponibiliza painel de compras no combate à Covid-19

Agência Saúde – Brasil registra 3.397.234 de pessoas recuperadas

Governo Federal – Cartilha traz orientações para sociedade sobre prevenção ao suicídio

Governo Federal – Programa Arrecadação Solidária já recebeu quase R$ 11 milhões em doações

Governo Federal – MCTI abre edital para projetos de Tecnologia Assistiva

Governo Federal – Saúde investe R$ 369 milhões para reforçar identificação de casos de Covid-19

G1 – OMS diz estar satisfeita com protocolo de segurança dos desenvolvedores da vacina de Oxford

G1 – UE reserva 200 milhões de doses da potencial vacina contra Covid-19 da Biontech-Pfizer

G1 – Ensaio clínico da vacina de Oxford já havia sido interrompido antes, diz secretário de Saúde do Reino Unido

G1 – Vacina de Oxford já teve 5 mil voluntários vacinados no Brasil sem reações graves, diz Unifesp

G1 – Suspensão temporária dos testes da vacina de Oxford: veja a repercussão dos especialistas

G1 – Testes da vacina de Oxford são suspensos após reação adversa em paciente

G1 – A saga de mulher com paralisia cerebral que virou poeta: ‘Queriam que meus pais que me afogassem quando bebê’

G1 – OMS diz estar satisfeita com protocolo de segurança dos desenvolvedores da vacina de Oxford

Jota – Operadora deve restabelecer plano de idosa por ter omitido vencimento de parcela

Uol – Drauzio Varella diz que Brasil está ‘sujeito a outra onda de contaminação’

Correio Braziliense – UFRJ desenvolve produto para investigar crime de violência sexual

Correio Braziliense – Afinal, governantes mulheres foram melhores no combate à covid? Estudo responde

Correio Braziliense – Insônia é fator de risco para o diabetes tipo 2

Correio Braziliense – Rússia anuncia distribuição da vacina contra a covid-19 para população

Valor Econômico – Guedes atribui crise política com Legislativo a “fofoqueiros”

Valor Econômico – Fabricantes japoneses fazem fila por subsídios do governo para sair da China

Valor Econômico – Apólice vai oferecer proteção a telemedicina

Valor Econômico – Empresas prometem resistir a pressão por vacina rápida

Valor Econômico – AstraZeneca suspende teste após reação adversa a vacina

Poder360 – Proposta de reforma tributária foi feita sem simulação
______________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »