Ministério da Agricultura proíbe vacinação contra aftosa no Rio Grande do Sul e em outros Estados  

//Ministério da Agricultura proíbe vacinação contra aftosa no Rio Grande do Sul e em outros Estados  
O Ministério da Agricultura proibiu, nesta quinta-feira (30), a manutenção, comercialização e o uso de vacinas contra a febre aftosa no Rio Grande do Sul e no Bloco I do Plano Estratégico 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação da Febre Aftosa (PE PNEFA), composto pelos Estados do Acre e de Rondônia e por alguns municípios e parte de municípios do Amazonas e de Mato Grosso. Segundo o Valor Econômico a expectativa é o reconhecimento pela Organização Mundial para Saúde Animal (OIE) desses Estados como zonas livres de febre aftosa sem vacinação em maio de 2021. “Para isso, uma das condições exigidas pela OIE é a suspensão da vacinação contra a febre aftosa e a proibição de ingresso de animais vacinados nos estados e regiões propostas por, pelo menos, 12 meses”, explica o diretor do Departamento de Saúde Animal, Geraldo Moraes. Essa nova área se soma ao Estado do Paraná no projeto de ampliação de zonas livres de febre aftosa sem vacinação no país, após atendidas as premissas e ações do PE-PNEFA.

Covid-19 se alastra no norte gaúcho e desafia frigoríficos

O espalhamento do coronavírus no norte gaúcho, sobretudo em regiões de importância para a produção de frango, está mobilizando diversas autoridades e levantando preocupações sobre o baixo grau de isolamento social adotado nas cidades da região. Como as vagas de Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) estão cada vez mais escassas e a covid-19 vem se disseminando entre funcionários de frigoríficos, o risco de fechamento de abatedouros na região é cada vez maior. Em entrevista ao Valor Econômico, nesta quinta-feira (30), o promotor Sérgio Diefenbach, do Ministério Público do Rio Grande do Sul (MP-RS), disse estar avaliando pedir na Justiça a interdição dos frigoríficos de BRF e Minuano em Lajeado (ver mapa), a 133 quilômetros de Porto Alegre. A expectativa do promotor é que a medida seja definida até a próxima segunda-feira (dia 4). De acordo com Diefenbach, pelo menos dez funcionários de cada unidade tiveram diagnóstico positivo para a covid-19. Com isso, ambas as companhias afastaram preventivamente mais de 200 funcionários. “Nossa questão não diz respeito à culpa ou imprudência [das empresas], embora possam ter ocorrido, mas a uma necessidade do município”, argumentou o promotor. Terceira cidade do Estado em número de casos, Lajeado tem 84 casos (21 a mais nas últimas 24h) e quatro óbitos registrados. Os 13 leitos de UTI da cidade estão ocupados e a prefeitura quer ampliar o número para 18. Conforme o promotor, um funcionário da Minuano e sua esposa, que viviam em Venâncio Aires – a 30 quilômetros de Lajeado -, faleceram nesta semana. A filha do casal teve alta ontem e o filho também testou positivo. “Não queremos fazer um contraponto entre saúde e economia, mas quando isso se transforma em uma família dilacerada é preciso ter atenção”, afirmou.

China manteve Peste Suína Africana (PSA) em sigilo

Nesta quinta-feira (30), o portal AgroLink divulgou que, a China manteve a descoberta da Peste Suína Africana (PSA) em sigilo por um longo tempo, o que teria causado a morte de milhões de porcos na Ásia e na Europa, segundo informou a agência internacional de notícias Reuters. De acordo com a agência, a rápida disseminação da PSA ocorreu devido à falta de notificação por parte das autoridades competentes. Além disso, a revista Vida Rural, de Portugal, indicou que essa decisão se deve ao extremo sigilo burocrático e aos incentivos políticos que continuam a dificultar o combate às pandemias, situação que se verificou também com o coronavírus. Em entrevistas com agricultores, analistas e fornecedores, a Reuters notou que, apesar de reportarem surtos de doenças às autoridades locais, os números não fazem parte das estatísticas oficiais apresentadas por Pequim. Nesse cenário, o Ministério da Agricultura chinês registou 163 surtos de PSA desde agosto de 2018 e disse que 1,19 milhão de porcos foram abatidos, 1% do total. Contudo, dados separados do ministério mostram mensalmente que, em setembro de 2019, tinha sido verificada uma diminuição de 41% comparativamente ao ano anterior, indicou a Vida Rural. “São pelo menos 60%”, explicou Johan de Schepper, diretor da Agrifirm International, empresa holandesa de ingredientes para rações. Com isso, a produção de suínos da China a recuar, pelo sexto trimestre consecutivo. Com uma queda de 29% no primeiro trimestre de 2020, depois de a peste matar milhões de animais no país desde agosto de 2018, a doença levou a que a produção de carne suína no país atingisse o valor mínimo de 16 anos em 2019: 42,6 milhões de toneladas, completa a revista.

Proposta obriga empresas a prestarem assistência a animais afetados por desastres

O Projeto de Lei 2950/19 obriga os setores econômicos que desenvolvem atividades capazes de causar degradação do meio ambiente, como as empresas químicas e de mineração, a adotarem medidas de proteção aos animais, preventivas e reparadoras. O texto tramita na Câmara dos Deputados, informou a Agência Câmara nesta quinta-feira (30). De autoria do senador Wellington Fagundes (PL-MT), o projeto também prevê a incidência das penas previstas na Lei dos Crimes Ambientais ao empreendedor que descumprir as medidas de proteção. A lei pune com detenção de três meses a um ano, e multa, quem pratica ato de abuso ou maus-tratos, fere ou mutila animais. Fagundes afirma que a proposta foi motivada pelos rompimentos de barragens em Mariana e em Brumadinho, ocorridos nos anos de 20015 e 2019. Os dois desastres ambientais registrados em Minas Gerais afetaram animais como bois, galinhas, cães e gatos, que ficaram soterrados na lama. “Os animais são uma realidade jurídica e, como tal, passíveis de melhorias e proteção”, disse. Conforme o texto, as medidas preventivas incluem o treinamento de pessoas da empresa para busca, salvamento e cuidados imediato dos animais durante ou após o desastre; o desenvolvimento de um plano de emergência com procedimentos de evacuação dos animais; e restrição do acesso de animais às áreas de maior risco de desastre. Entre as medidas reparadoras previstas na proposição estão o fornecimento de máquinas, veículos e equipamentos destinados à busca e salvamento dos animais. Também é determinada a oferta de água, alimentos, medicamentos e atendimento veterinário, assim como construção ou locação de abrigos para acomodação e tratamento dos animais silvestres e domésticos afetados pelo desastre. As medidas são de responsabilidade da empresa, mas serão executadas em articulação com órgãos públicos e entidades da sociedade civil. O projeto do senador Wellington Fagundes deixa claro ainda que as vidas humanas terão precedência em relação aos animais em medidas como evacuação, salvamento, busca e cuidados imediatos.

NA IMPRENSA
Agência Câmara – Proposta obriga empresas a prestarem assistência a animais afetados por desastres

Folha de S.Paulo – Hospital de Amor cria mascote para campanha de combate ao coronavírus

Mapa – Vacinação contra febre aftosa está suspensa no Rio Grande do Sul e no Bloco I do Plano Estratégico do PNEFA

Embrapa – Chips de DNA certificam matrizes de tambaqui de cativeiro para produção de alevinos

Valor Econômico – Ações da Marfrig já subiram 26% no ano

Valor Econômico – Covid-19 se alastra no norte gaúcho e desafia frigoríficos

Valor Econômico – Ministério proíbe vacinação contra aftosa no RS e em outros Estados

Valor Econômico – JBS USA destina planta em Minnesota ao sacrifício de suínos

Valor Econômico – Cargill retomará operações em frigorífico no Canadá em 4 de maio, diz agência

AgroLink – China manteve PSA em sigilo

AgroLink – Demanda interna fraca e aumento da oferta de bovinos para abate

AgroLink – Carne bovina: maior procura por cortes do dianteiro

AgroLink – Queda no preço do suíno vivo é a mais intensa

AgroLink – Preços do boi e da carne atravessam abril em patamares firmes

AgroLink – Liquidez do frango diminui e preços caem

AgroLink – Atualização de rebanhos começa em 1.º de maio e tem prazo ampliado

Anda – Jumentos ilhados após aumento do volume de açude são resgatados

Anda – Startup cria imitação de camarão a partir do grão-de-bico

Anda – Consumo de carne pode favorecer ainda mais o coronavírus

Anda – Ministro da Justiça defende morte de animais resgatados

Anda – Animais abandonados ganham comedouros instalados nas ruas em Curitiba (PR)

G1 – Adoção de animais na quarentena

G1 – Especialista fala sobre cuidados com animais durante pandemia

G1 – Abrigo de animais de Jundiaí registra queda no número de adoções durante a pandemia

G1 – Abrigos de animais do RJ enfrentam dificuldades para manter estrutura durante pandemia

G1 – Protetor de animais desabafa após resgatar cão esfaqueado no interior de SP: ‘muito difícil’

G1 – ONG resgata 15 animais abandonados em casa em Cuiabá sem comida e sem água: ‘Parecia um filme de terror’

G1 – Ouriço é resgatado dentro de motor de caminhão em MT e é solto em mata

G1 – Cachorros são encontrados em situação de maus-tratos em MS e dona de 26 anos é multada

G1 – JBS reabre unidade nos EUA apenas para eutanásia de porcos, sem produção de carne

G1 – Costureira arrecada 100 quilos de ração em campanha que oferece máscaras em troca de doações

_______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »