Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promove webinar sobre monitoramento e controle da praga dos gafanhotos

//Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) promove webinar sobre monitoramento e controle da praga dos gafanhotos
Nesta quarta-feira (15), o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) divulgou que, irá realizar nesta quinta-feira (16) um seminário online (webinar) para tratar do monitoramento e controle do gafanhoto migratório sul-americano Schistocerca cancellata. A conferência online será transmitida ao vivo pelas redes sociais do Mapa (Youtube e Facebook), a partir das 10h. O objetivo é promover um intercâmbio de informações sobre as ações de monitoramento e controle da praga que vem sendo realizadas na Argentina e eventuais medidas aplicáveis às condições brasileiras. O evento contará com a participação do diretor do Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária, Carlos Goulart, do coordenador do Programa de Controle de Gafanhotos do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa), Hector Medina, do pesquisador da Embrapa Clima Temperado, Dori Nava e do pesquisador da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Jerson Guedes. O chefe da Divisão de Defesa Agropecuária da SFA/RS, Jairo Carbonari será o mediador. As últimas atualizações confirmam que a nuvem de gafanhotos continua se deslocando lentamente em território argentino, sem previsão, até o presente momento, de alterações climáticas que favoreçam o seu direcionamento rumo ao Brasil. A equipe técnica do Mapa em Brasília se mantém em alerta juntamente com as Superintendências Federais de Agricultura (SFAs) e os Órgãos Estaduais de Defesa Agropecuária nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina e em permanente contato com o Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Agroalimentar da Argentina (Senasa) para o monitoramento do deslocamento da nuvem de gafanhotos e a preparação de medidas de controle de forma tempestiva, se for necessário. Webinar: “Monitoramento e Controle do gafanhoto migratório sul-americano Schistocerca cancellata”. Data: 16/07/2020. Horário: às 10h. Local: Redes sociais do Mapa – Youtube e Facebook.

Norma busca agilizar o registro de fertilizantes orgânicos e de biofertilizantes

Foi publicada nesta quarta-feira (15) a Instrução Normativa (IN) nº 61, que estabelece as regras sobre definições, exigências, especificações, garantias, tolerâncias, registro, embalagem e rotulagem dos fertilizantes orgânicos e dos biofertilizantes, destinados à agricultura. Segundo o Mapa a norma busca adequar e melhorar o dispositivo legal para a concessão de registros de fertilizantes orgânicos e de biofertilizantes e estabelecer procedimentos mais rápidos e eficientes, assim como incluir parâmetros adequados às mudanças tecnológicas dos últimos anos. No que se refere aos registros de biofertilizantes, em função de vários produtos terem sido desenvolvidos e introduzidos nos cultivos, ressalta-se a melhoria da definição de parâmetros na legislação, como a possibilidade de declarar ácidos húmicos e fúlvicos, aminoácidos, extratos vegetais e extratos de algas, em quantidades mínimas determinadas, que garantam eficiência agronômica e melhoria no manejo para alcançar qualidade dos produtos e alimentos em que serão utilizados, trazendo benefícios para os agricultores usuários destes produtos especiais. Além disso, a norma faz a adequação de vários padrões dos fertilizantes organominerais, tornando o instrumento legal mais adequado para registro dos produtos, além de objetividade e clareza para os consumidores destes fertilizantes. “De acordo com informações da Associação Brasileira de Tecnologia em Nutrição Vegetal (Abisolo), os fertilizantes orgânicos, organominerais, biofertilizantes e fertilizantes especiais tiveram um faturamento de R$ 7,6 bilhões em 2018, compreendendo um universo de 504 empresas registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que empregam cerca de 20 mil trabalhadores diretamente”, destaca o coordenador de Fertilizantes, Inoculantes e Corretivos da Secretaria de Defesa Agropecuária, Hideraldo Coelho. Esta IN regula insumos integrantes do recém lançado Programa de Bioinsumos.

Regularização fundiária é uma das ações prioritárias do governo na Amazônia

A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) participou nesta quarta-feira (15) da 2ª Reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal.  De acordo com o Mapa após a reunião, foi anunciado que o governo irá iniciar a regularização fundiária de propriedades com até quatro módulos fiscais na Amazônia, que pode ser feita por sensoriamento remoto. Segundo a ministra, ainda está sendo avaliado por quais estados a iniciativa irá começar a ser realizada. “Será uma ação integrada, onde nós não só emitiremos os títulos de regularização fundiária, mas daremos continuidade a várias outras ações que precisam ser feitas”, disse. Segundo ela, depois da aprovação pelo Congresso Nacional do projeto de lei que trata da regularização fundiária (PL 2.633), será possível dar mais agilidade na regularização e propriedades com mais de 4 módulos. Tereza Cristina explicou que, para viabilizar a regularização fundiária, são exigidos vários documentos que serão analisados pelo Incra, comprovando a propriedade da terra. “Depois, vai para a análise presencial ou não, dependendo do número de módulos que essa pessoa tem”, disse a ministra. Na semana passada, em reunião com investidores estrangeiros, a ministra explicou que a regularização fundiária será importante para a preservação ambiental da Amazônia, pois vai exigir que os proprietários cumpram a legislação ambiental. Segundo ela, o Projeto de Lei vai possibilitar uma modernização do sistema, para agilizar a regularização na região. O programa de regularização fundiária irá beneficiar cerca de 150 mil pequenos produtores instalados na Amazônia que têm a posse mansa e pacífica da terra e aguardam há décadas pelo título definitivo. Para obter o registro da terra, eles terão de cumprir o Código Florestal, que  exige 80% de preservação nas propriedades rurais localizadas na região da Amazônia Legal. E, com a área regularizada, terão de responder por eventuais irregularidades, como queimadas ou desmatamento ilegal, que venham a ocorrer nos terrenos. O programa de regularização por sensoriamento remoto exclui  terras sobrepostas a terras indígenas, unidades de conservação e áreas em litígio. Invasores dessas áreas cometem ilegalidades que devem ser coibidas pela polícia e punidas pela Justiça. O vice-presidente Hamilton Mourão reafirmou o compromisso do estado brasileiro com a preservação e o desenvolvimento da Amazônia. “Vamos buscar reduzir ao mínimo aceitável os índices de desmatamento e queimada, demonstrando com isso à comunidade internacional e à sociedade brasileira este nosso compromisso e deixando claro que o desmatamento zero e desenvolvimento econômico não são excludentes, muito pelo contrário”, disse.

Corteva lança novo agrotóxico para pastagens e plataforma de apoio a pecuarista

A americana Corteva Agriscience anunciou, nesta quarta-feira (15), o lançamento de um novo agrotóxico no Brasil para controle de ervas daninhas em pastagens que deve substituir soluções que estão no mercado desde a década de 1970, informou o Valor Econômico. O produto contém os mesmos princípios ativos de 40 anos atrás (2,4 D e aminopiralide), mas em maior concentração, o que permite a aplicação de metade da dose anteriormente recomendada. Com ele será lançada a Plataforma-S, que visa apoiar o pecuarista que se dispuser a adotar ações de reflorestamento. Paulo Pimentel, líder de marketing da linha pastagem da Corteva afirma que a classificação do novo defensivo — que será vendido sob as marcas Jaguar, Palace e Tordon Ultra-S em diferentes partes do Brasil — é a mesma (pouco tóxico), mas que, em vez de aplicar 4 litros de produto por hectare, o produtor poderá usar 2 litros por hectare, o que também reduzirá a produção anual de embalagens da companhia em 100 toneladas. “Na fazenda, o ganho será de redução das idas e vindas do trator, por conta da menor dose aplicada”, afirma Pimentel. Em relação ao custo por área tratada, ele afirma que será próximo da solução anterior, porém com maior benefício. No controle de folhas largas, como o fedegoso-branco, a cheirosa e o guanxuma, o produto demonstrou ter eficácia de 90% a 99%, frente à faixa de 80% a 90% de seu antecessor, quando usado em aplicação única na lavoura a cada três anos. Líder no mercado brasileiro de herbicidas para pastagem, com 16 itens no portfólio, a Corteva também espera que, por meio da Plataforma-S, de apoio a iniciativas sustentáveis na pecuária, possa elevar de cerca de 30% para 80%, em cinco anos, o universo de pecuaristas que recorrem ao controle químico de ervas daninhas para evitar a degradação das pastagens. “Hoje, 70% dos produtores do país ou roçam essas gramas invasoras ou não adotam qualquer ação, o que se traduz em queda da produtividade e menor produção de carne”, diz Pimentel. Para incentivar o uso do produto, a Corteva se comprometeu a devolver, por meio de um programa de fidelidade, parte do dinheiro gasto nas compras do herbicida ao pecuarista que aderir a iniciativas sustentáveis. A principal ideia é estimular o plantio de espécies endêmicas no entorno das áreas de pasto para gerar maior biodiversidade e ajudar no equilíbrio dos ecossistemas. “O cliente que tiver interesse no reflorestamento vai receber um QR Code junto com seu produto e terá um cash-back para uso na compra de mudas ou elaboração de um viveiro”, explica Pimentel. A Corteva dará assistência técnica aos produtores no processo por meio da orientações de especialistas e do suporte de uma equipe comercial de mil agentes de campo. A empresa também criou o selo Pecuarista-S, e busca parcerias com bancos para que esse seja um instrumento de reconhecimento da cadeia comprometida com boas práticas agropecuárias. O objetivo do selo é gerar benefícios ao produtor na compra de insumos da Corteva. A auditoria em relação a essas boas práticas e será feita pela consultoria Athenagro.

NA IMPRENSA

Agência Senado – Mourão quer dinheiro do Fundo Amazônia fora dos limites fiscais

Agência Câmara – Maia defende transparência de dados sobre desmatamento e fortalecimento da fiscalização

O Estado de S.Paulo – Pressionado, Mourão diz estar em ‘silêncio obsequioso’ sobre permanência de Salles

Valor Econômico – Regularização fundiária de propriedades na Amazônica com até quatro módulo fiscais será com imagens de satélite

Valor Econômico – DSM e Avril criam joint venture para produzir proteína à base de canola

Valor Econômico – Corteva lança novo agrotóxico para pastagens e plataforma de apoio a pecuarista

Valor Econômico – Koppert planeja investir R$ 25 milhões no Brasil e na Argentina em cinco anos

Valor Econômico – Commodities: Avanço da covid-19 na Califórnia pressiona agrícolas em Nova York

CNA – Paraná manteve liderança em contratação de seguro rural em 2019

CNA – CNA debate Valor da Terra Nua e Imposto Territorial Rural

CNA – Senar atende 300 produtores na primeira fase do Programa Agronordeste

CNA – Aposta certa: depois do Programa ATeG, produtor de morangos aumenta em 50% a colheita em um ano

CNA – Programa CNA Jovem cria oportunidades no agro

CNA – Iniciativas do Senar e do Projeto Agro.BR preparam produtor para o mercado externo

CNA – Terreiro suspenso dentro da lavoura leva praticidade e inovação para família de cafeicultoras

Mapa – Regularização fundiária é uma das ações prioritárias do governo na Amazônia

Mapa – Mapa promove webinar sobre monitoramento e controle da praga dos gafanhotos

Mapa – Norma busca agilizar o registro de fertilizantes orgânicos e de biofertilizantes

Mapa – Mapa publica zoneamento das culturas de milho 1ª safra e sorgo para a safra 2020/2021

AgroLink – Syngenta tem maior crescimento em milho safrinha

AgroLink – Cultivares com genética GDM obtém máxima produtividade

AgroLink – Fertilizante inédito combate o greening

AgroLink – VBP da agropecuária de Minas supera no primeiro semestre 18% do valor do ano passado

AgroLink – Anatel e FPA debatem conectividade

AgroLink – Paraná manteve liderança em contratação de seguro rural em 2019

AgroLink – Conheça as principais doenças do trigo

AgroLink – Governo do RS anuncia R$ 55 milhões para construção de poços artesianos e açudes

AgroLink – Embrapa discute aplicações e melhorias do biocarvão

AgroLink – Inseticida para combate complexo de lagartas é lançado

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »