Mapa promove capacitação online sobre Programa de Sanidade dos Equídeos

//Mapa promove capacitação online sobre Programa de Sanidade dos Equídeos

 

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento, por meio do Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos do Departamento de Saúde Animal, da Secretária de Defesa Agropecuária, informou nesta segunda-feira (30) que, promove o curso de capacitação específica sobre Programa Nacional de Sanidade dos Equídeos – PNSE. As inscrições já estão abertas. A capacitação atende à Instrução Normativa MAPA nº 06/2018, que prevê as diretrizes gerais para prevenção, controle e erradicação do mormo no território nacional. De acordo com a IN, todas as amostras para testes com finalidade de trânsito de equídeos somente poderão ser colhidas por médico veterinário habilitado. Segundo a normativa, considera-se médico veterinário habilitado o profissional devidamente registrado no respectivo Conselho Regional de Medicina Veterinária e que tenha sido aprovado em capacitação específica sobre o PNSE, oferecida e organizada pelo Serviço Veterinário Oficial. Os interessados podem acessar o curso na plataforma e-Campo, disponibilizada pela Embrapa. A carga horária é de 20 horas e a capacitação deve ser concluída em no máximo 60 dias. O curso traz apresentação das doenças-alvo do PNSE e o arcabouço legal, protocolos para diagnóstico oficial, aspectos de vigilância e notificação obrigatória, as responsabilidades do profissional habilitado e suas obrigações, especialmente sobre o fornecimento das informações contidas nas requisições e referentes à identificação individual do animal, além orientações gerais sobre os procedimentos a serem seguidos para o processo de habilitação dos médicos veterinários nas diversas unidades federativas. O curso foi elaborado em parceria com a Embrapa, o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), Universidade Federal Rural de Pernambuco  (UFRPE), Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e Associação Brasileira dos Médicos Veterinários de Equinos (Abraveq).

Touros da raça angus são trazidos ao Brasil para comercialização de material genético

Madson, Greenlake, Vermont: estes são alguns exemplos de touros americanos da raça angus que desembarcaram no Brasil recentemente, informou o G1 neste domingo (29). Os animais pertencem a uma empresa de genética bovina do município de Itatinga (SP) e foram comprados nos Estados Unidos, país que tem o maior rebanho da raça no mundo. Os touros jovens, de 450 quilos, foram selecionados a dedo por investidores brasileiros. Os touros são utilizados para a coleta de sêmen e inseminação animal. A empresa já comprava material genético de animais dos Estados Unidos, mas, com o rebanho importado, pretende ampliar o mercado, já que o setor está aquecido no momento. Somente no primeiro semestre deste ano, o mercado da genética de corte cresceu 47% em relação ao mesmo período de 2019. Com mais de 5,5 milhões de doses de sêmen vendidas na empresa paulista, a alta foi de 50%, mesmo durante a pandemia. Segundo a gerente de corte Juliana Ferragute, a empresa trabalha em duas equipes de corte, uma no Brasil e outra nos Estados Unidos. As chamadas “demandas genéticas” são repassadas para que o animal seja encaminhado sem defeitos ou complicações, que podem interferir, por exemplo, na reprodução. Para o gestor da Genex, Sérgio Saud, a iniciativa partiu de uma necessidade local no abastecimento do mercado e também para uma maior agilidade ao ofertar um produto de alta qualidade no mercado. A comercialização do material genético de angus busca a reprodução de animais dessa raça com fêmeas nelore. O valor investido é de cerca de um milhão de dólares pelos próximos dois anos. O retorno é garantido: a vida produtiva do angus é de pelo menos sete anos. Porém, para trazer esses animais foi necessária uma operação internacional.

Pressão do mercado por bem-estar animal muda processos da produção pecuária no Paraná

A pressão do mercado por uma produção pecuária que respeite o bem-estar animal está exigindo mudanças nos processos produtivos no país. Produtores do Paraná, como maior produtos de proteína animal do Brasil, estão adotando novas práticas para garantir esta fatia do mercado, destacou o G1 neste domingo (29). Para a gerente de recursos naturais na Secretaria Estadual de Desenvolvimento Sustentável, Fernanda Góss Braga, bem-estar animal é garantir que o animal tenha uma boa saúde e viva em boas condições antes do abate. “Um lugar com higiene adequada pra que ele possa expressar seu comportamento. Estar livre de desconforto, de dor e de medo”, explica. Segundo o gerente de saúde animal da agência, Rafael Gonçalves Dias, as pressões do mercado externo são grandes, a ponto de auditores de outros países virem ao Brasil verificar se realmente os animais são tratados, seguindo as normas previstas das chamadas boas práticas. “Desde o nascimento do animal, a oferta de alimentos, o transporte desse animal até o abatedouro, tudo é minuciosamente acompanhado. Como órgão de fiscalização, buscamos a padronização. Queremos que todo mundo faça da maneira mais correta possível”, explicou o gerente de saúde animal da Agencia de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), Rafael Gonçalves Dias. Para ajudar os produtores, o governo estadual está elaborando uma coleção de cartilhas sobre o tema, abordando algumas categorias de animais, cada uma com um enfoque apropriado, desde os silvestres, os domésticos, os de fazenda. Para a bióloga, a conscientização dos criadores para este novo conceito é um processo a longo prazo, mas que precisa ser feito. A ideia é criar uma rede que incentive as boas práticas de bem estar animal.

Cuidados para o pet viver mais

Nesta segunda-feira (30) o Blogs Guia Pet Friendly do jornal O Estado de S.Paulo destacou que, a expectativa de vida dos humanos aumentou. Graças à medicina, vivemos 40 anos a mais em relação a quem nascia nos anos 1900. E os pets? Também passaram a viver mais? Essa foi a pergunta que me fiz, enquanto marcava os exames de rotina da Ella (minha sócia pet na coluna). Se os check-ups regulares prolongarem os anos de vida da minha cachorrinha, estou no caminho certo para tê-la comigo por muitos anos: a cada seis meses a levo para consultas e exames. Afinal, se faço os meus, porque não faria os dela? Claro, a gente torce para não ter nada, mas caso algum exame não esteja dentro do padrão, o melhor é descobrir logo e começar o tratamento. “As descobertas das doenças precocemente levam à longevidade. Animais com problemas de coração morriam aos 7 anos. Hoje em dia, com diagnóstico precoce feito por exames de imagem, conseguimos medicar e, muitas vezes, estes cardiopatas vivem até 14 anos. O tutor que tem cuidados preventivos com o seu pet faz com que ele viva plenamente entre 12 a 16 anos”, diz a médica veterinária Carla Beri, fundadora dos hospitais Pet Care. Em 1941, a penicilina foi descoberta e a medicina ganhou os antibióticos que ajudaram a salvar vidas. Cães e gatos têm a vacina V8 que previne doenças como cinomose, hepatite e leptospirose. A indicação é que ela seja repetida uma vez por ano. A antirrábica eu cumpro à risca. Já para a V8, faço o exame de titulação para saber se preciso repetir a vacina ao completar 12 meses ou posso esperar e não sobrecarregar o organismo da Ella. Já estamos mais atentos a um espirro, tosse, vômito, diarreia ou prostração. Lá pelas tantas, o convívio é tão próximo que fica fácil entendê-los. Se antigamente os cachorros eram alimentados com restos de comida, hoje os tutores estão conscientes que o alimento humano faz mal para o pet e investem em rações. No mercado há opções premium, super premium, específicas para cada raça, medicamentosas e também a alimentação natural, que ganha cada vez mais adeptos. A prevenção é o melhor caminho. Quando o raio X mostrou que a Ella tinha uma leve displasia coxofemoral traseira, tirei a parte de baixo da minha cama para evitar que ela pulasse e gerasse atrito. Toda vez que descemos do carro, pego ela no colo. Assim, retardo um futuro avanço da artrite.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – O elefante ‘mais solitário do mundo’ será libertado após 35 anos de maus-tratos em zoológico

Folha de S.Paulo – Nova série mostra histórias comoventes de adoção de cães

Folha de S.Paulo – Elefante que sofreu maus tratos é recebido e homenageado por Cher no Pasquistão

Folha de S.Paulo – Conservar a biodiversidade nas cidades é necessário e possível

O Estado de S.Paulo – Cuidados para o pet viver mais

O Estado de S.Paulo –  Com a palavra, o Cão e o Gato: a pandemia na visão dos bichos O Globo – Protetores de animais denunciam morte de gatos nos arredores do prédio da prefeitura do Rio

G1 – Parlamentares de Taiwan atiram vísceras de porco e trocam socos em sessão tumultuada no Congresso

G1 – Touros da raça angus são trazidos ao Brasil para comercialização de material genético

G1 – Mercado de caprinos ganha adeptos no estado de São Paulo

G1 – Alta nos custos preocupa produtores de ovos do interior de SP

G1 – Harpia, uma das maiores aves do mundo, sofre impactos do desmatamento em Rondônia

G1 – Pecuaristas brasileiros investem no leite A2, produto que pode ser mais fácil de digerir

G1 – China volta a autorizar exportação de unidade da BRF no RS após preocupações com casos de Covid entre funcionários

G1 – Bazar beneficente com renda destinada aos animais em Uberaba deve se tornar fixo

G1 – Caça ilegal e falsificação de registro: quadrilha movimentava milhões com tráfico de animais silvestres

G1 – Casinha para pets em mercados permite que consumidor faça compras e monitore os animais

G1 – Bem estar animal ganha importância no comércio internacional

G1 – Pressão do mercado por bem-estar animal muda processos da produção pecuária no Paraná

Valor Econômico – Agricultura de precisão eleva ganho do produtor

Mapa – Mapa promove capacitação online sobre Programa de Sanidade dos Equídeos

CNA – Com maior rebanho bovino do país, mato-grossenses se capacitam no curtimento do couro

Embrapa – Prosa Rural – Potencial fertilizante dos dejetos suínos

Embrapa – Prosa Rural – Como prevenir a febre maculosa brasileira causada pelo carrapato

Embrapa – Variação geográfica das áreas de pastagem no Brasil nas últimas décadas

Embrapa – A relação da produção intensiva de animais e os serviços ambientais será tema de live

AgroLink – Semana fechou em queda nas praças paulistas

AgroLink – Freio do Proprietário apresenta os campeões do ciclo de 2020

AgroLink – Superação marca final do Inclusão de Ouro da ABCCC

Canal Rural – Cerco sobre pecuária está apertando no que se refere a desmatamento, diz Marcos Jank

Canal Rural – Invasão de gado em plantação de fazenda vizinha termina em processo por danos morais

Canal Rural – No verão, vacas podem superaquecer e perder 30% da produtividade

Canal Rural – Leite: rentabilidade pode cair 30% com mudanças do ICMS em São Paulo

Canal Rural – Consumidor migra para o frango e preço da carne bovina cai

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »