Mapa atende CNA e revoga cronologia dentária para exportação de animais

//Mapa atende CNA e revoga cronologia dentária para exportação de animais
O Ministério da Agricultura publicou, na última sexta-feira (24), a Instrução Normativa (IN) n.º 50, que revoga a necessidade do exame de cronologia dentária para abate de bovinos e bubalinos com rastreabilidade individual, destinados a países que exigem esse tipo de rastreio. A medida atende um pedido da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e começa a valer em 3 de agosto. A norma anterior, Instrução Normativa nº 51, de 2018, que atualizou o Sistema Brasileiro de Identificação Individual de Bovinos e Búfalos (SISBOV), estava trazendo prejuízos aos produtores rurais durante a conferência do animal para abate. “Os animais rastreados individualmente estavam sendo desclassificados no exame de cronologia dentária, isso porque não estava de acordo com o cadastrado na Base Nacional de Dados (BND). Com isso, muitos produtores tinham prejuízos porque faziam a rastreabilidade, mas não eram bonificados por esse trabalho”, explicou Ricardo Nissen, assessor técnico da Comissão Nacional de Bovinocultura de Corte da CNA. Com a nova regra, o produtor que faz a rastreabilidade individual irá abater os animais sem a exigência desse exame. “A cronologia dentária não é tão específica. A identificação individual é um mecanismo mais seguro e, com ela, retiramos uma avaliação que era subjetiva. Agora o produtor rural não será mais penalizado”, ressaltou Nissen.

Suspensão de embarques de frigoríficos brasileiros é precaução, diz diplomata chinês
O ministro conselheiro da Embaixada da China no Brasil, Qu Yuhui, afirmou na última sexta-feira (24) que a recente suspensão das exportações de frigoríficos brasileiros por Pequim foi uma medida de “precaução, prevenção e antecipação” para não “desperdiçar” o esforço do governo de seu país no combate à covid-19. Segundo o Valor Econômico durante transmissão ao vivo de reunião do Conselho Empresarial Brasil-China, Qu Yuhui disse que apesar de não haver comprovação científica de transmissão do novo coronavírus por meio do consumo dos alimentos enviados, há indícios de que as embalagens possam ter vínculo com a contaminação. O diplomata, no entanto, reforçou que os bloqueios são temporários e que não vão impactar na relação comercial entre os dois países – cinco unidades brasileiras estão proibidas de exportar por causa de casos da covid-19 entre seus funcionários. “É mais uma medida de precaução, de prevenção ou antecipação para que não haja impacto sistemático no nosso esforço de combate à covid-19. Neste momento, achamos que qualquer cuidado não é demais para que o esforço não seja desperdiçado e não jhaja no futuro um impacto sistemático no nosso comércio”, afirmou. “Embora ainda não tenhamos evidências ou provas diretas de que o consumo de alimento pode causar a infecção de covid-19, há vários indícios de que a embalagem ou o próprio alimento podem ter transmissão do vírus”, reforçou. Qu Yuhui disse, ainda, que as medidas são “provisórias e sujeitas a ajustes e debates”, e que o governo chinês tem “todo interesse” de resolver essa situação temporária. Para isso, reforçou, mantém diálogo estreito e constante com as autoridades brasileiras. Recentemente, a China retomou a importação de um dos seis frigoríficos que tiveram as vendas suspensas nas últimas semanas. “O Brasil tem 102 frigoríficos habilitados. Isso não vai causar impactos substanciais ao nosso comércio com o Brasil”.

Cães treinados podem ‘farejar’ coronavírus, aponta estudo alemão

Na última sexta-feira (24), o jornal O Estado de S.Paulo divulgou que, cientistas da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, na Alemanha, descobriram que cães farejadores podem ser usados ​​para detectar o novo coronavírus em amostras humanas com uma taxa de precisão relativamente alta, revelou um estudo publicado na quinta-feira (23), na revista BMC Infectious Diseases. Oito cães farejadores do exército alemão – Bundeswehr – foram treinados por apenas uma semana para distinguir entre muco e saliva de pacientes infectados com o vírus da covid-19 e indivíduos não infectados, de maneira aleatória. De acordo com o estudo, os animais foram capazes de detectar positivamente as secreções infectadas com SARS-CoV-2 com uma taxa de sucesso de 83% e secreções de controle com uma taxa de 96%. A taxa geral de detecção, combinando as duas, foi de 94%. Em sua conclusão, com base em mais de 1 mil amostras analisadas, a equipe de pesquisadores disse que os cães podem desempenhar um papel importante na detecção de indivíduos infectados. Cães que normalmente procuram explosivos ou drogas foram usados ​​anteriormente para “farejar” vários tipos de câncer e hipoglicemia em diabéticos. Essas aplicações motivaram os cientistas veterinários a pesquisar a capacidade potencial dos cães farejadores em detectar o novo coronavírus. “Achamos que isso funciona porque os processos metabólicos no corpo de um paciente doente são completamente alterados e achamos que o cão é capaz de detectar um cheiro específico das alterações metabólicas que ocorrem nesses pacientes”, disse o professor Maren von Köckritz- Blickwede, especialista em bioquímica de infecções. “O que precisa ser claro é que este é apenas um estudo piloto”, disse Holger Volk, presidente do Departamento de Medicina de Pequenos Animais da universidade. “Mas há muito potencial para levar isso adiante.” Os pesquisadores também apontaram a utilidade do cães farejadores para detectar indivíduos infecciosos em determinados locais com pouco estoque de testes da covid-19. “Em países com acesso limitado a testes de diagnóstico, os cães de detecção podem ter o potencial de serem usados ​​na detecção em massa de pessoas infectadas”, diz a conclusão do estudo. Segundo o estudo, as amostras com as quais os cães farejadores estão sendo testados foram quimicamente inofensivas. A questão permanece se os caninos podem detectar casos ativos de coronavírus em pacientes. Os pesquisadores também estão analisando até que ponto os cães podem diferenciar amostras de pacientes com covid-19 daquelas de pessoas com outras doenças, como a gripe, por exemplo. “Mais trabalho é necessário para entender melhor o potencial e a limitação do uso de cães farejadores na detecção de doenças respiratórias virais”.

Covid-19: Argentina libera testes em humanos de soro com anticorpos de cavalo

De acordo com publicação do jornal O Estado de S.Paulo deste sábado (25), a Argentina autorizou na sexta-feira (24), o início da fase de ensaios clínicos em humanos de uma solução hiperimune contra a covid-19 na próxima semana. O potencial medicamento é feito a partir de um soro com anticorpos de cavalos. O tratamento fornece anticorpos aos pacientes para que consigam frear e neutralizar a ação do novo coronavírus no organismo, impedindo que penetre nas células e se replique. Nas fases anteriores do estudo, os ensaios in vitro indicaram que esse potencial de neutralização pode aumentar em cerca de 50 vezes com o uso do soro, resultado que foi publicado na revista argentina Medicina. O medicamento é desenvolvido em conjunto pela empresa de biotecnologia Inmunova, a Universidad Nacional de San Martín (UnSam) e o Instituto Biológico Argentino, com a colaboração de outras instituições. O estudo começará em quatro hospitais da província de Buenos Aires, mas será expandido para outros dez centros de saúde da área metropolitana da capital. Ao todo, participarão 242 pacientes voluntários com quadro moderado da doença, sintomas há cerca de 10 dias e hospitalizados. O soro contém anticorpos policlonais de equinos, obtidos a partir da injeção de uma proteína recombinante do novo coronavírus em cavalos, método semelhante ao utilizado na produção de outros tipos de medicamentos. Após serem extraídos do plasma dos cavalos, os anticorpos são purificados e processados. “O equino é uma biofábrica. Com muitos poucos cavalos, pode-se obter muito soro”, disse Fernando Goldbaum, diretor científico da Inmunova e diretor do Centro de Redesign e Engenharia de Proteínas da UnSam. “Nosso soro é isento de doadores, pode ser produzido em grandes quantidades e pode ser fornecido a cada paciente em uma concentração conhecida de anticorpos”, afirmou. A Argentina chegou a 2.807 mortes e 153,5 mil casos confirmados do novo coronavírus na sexta-feira (24). O epicentro da doença é a província de Buenos Aires, com mais da metade dos casos registrados no País. Um soro com processo semelhante é desenvolvido pela UFRJ e o Instituto Vital Brazil desde maio. O processo inclui a aplicação de fragmentos do vírus isolado e inativo em cavalos para a posterior extração de anticorpos. Esse tipo de soro hiperimune já é utilizado no tratamento da raiva e contra venenos de animais peçonhentos. O material passa por diversas etapas de produção e testes até se tornar um soro.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Abandono e maus-tratos de animais crescem na pandemia da Covid-19

Folha de S.Paulo – Fechado para visitação na pandemia, Parque do Iguaçu vira alvo de caçadores de animais

Folha de S.Paulo – Zoológico na Rússia celebra nascimento de 16 filhotes de felino raro

Folha de S.Paulo – Pit bull que teve patas decepadas recebe alta e volta para casa; saiba como está Sansão

Folha de S.Paulo – Mortes: Biólogo, identificava os pássaros pelo canto

Folha de S.Paulo – Macacos armados com facas e motosserras são vistos em safári no Reino Unido

O Estado de S.Paulo – Covid-19: Argentina libera testes em humanos de soro com anticorpos de cavalo

O Estado de S.Paulo – Cães treinados podem ‘farejar’ coronavírus, aponta estudo alemão

O Estado de S.Paulo – Festa do Sacrifício

O Estado de S.Paulo – Com tensão EUA-China, dados asiáticos e coronavírus, mercados internacionais têm manhã volátil

O Estado de S.Paulo – Pets fazem participações especiais em lives durante quarentena

O Estado de S.Paulo – Viajar com os pets

O Globo – Guincho com 2 carros e 50 kg de pasta base de cocaína escondidos em ração animal são apreendidos

CNA – Mapa atende CNA e revoga cronologia dentária para exportação de animais

G1 – Patrulha Ambiental do Rio resgata média de quatro animais silvestres por dia este ano

G1 – No AP, 208 animais são resgatados e 2,6 toneladas de pescado ilegal foram apreendidas em 2020

G1 – Viagem aos Sete Mundos: animais incríveis e fenômenos climáticos extremos na América do Norte

G1 – ‘Curral Municipal’ divulga balanço do trabalho de resgate de animais das ruas de Uberlândia

G1 – Treze animais são resgatados pela polícia na Região Metropolitana de João Pessoa

G1 – Com a pandemia, adoções de animais aumentam, mas abandono também cresce no Rio; saiba como ajudar

G1 – Polícia investiga castração ilegal de animais em pet shop de Fortaleza; dona é levada à delegacia

G1 – ONGs que cuidam de animais pedem ajuda para manter atendimento na quarentena em Ribeirão Preto, SP

G1 – Corregedoria de Justiça do DF regulamentou registro de guarda de animais

G1 – Corregedoria de Justiça do DF regulamentou registro de guarda de animais

Valor Econômico – Resultado da BRF em 2020 será positivo, afirma CEO

Valor Econômico – Suspensão de embarques de frigoríficos brasileiros é precaução, diz diplomata chinês

Valor Econômico – Resultado da BRF em 2020 será positivo, afirma CEO

Valor Econômico – Nem todos os trabalhadores de frigoríficos podem manter distanciamento, diz Smithfield

Embrapa – Projeções para o mercado mundial de carne bovina 2020-2029

Embrapa – Prosa Rural – Boas práticas de fabricação de queijo coalho

AgroLink – Futuro do consumo de proteína animal será destaque em SPARH

AgroLink – ABCCC promove mais uma etapa seletiva ao Freio de Ouro

AgroLink – Boehringer Ingelheim adquire empresa de biotecnologia GST

AgroLink – Relatório analisa proteínas alternativas

AgroLink – Programa Sentinela atua sobre gado irregular na fronteira

AgroLink – A importância das soluções doping free para equinos de alta performance

AgroLink – 2020: O ano da suinocultura em Mato Grosso do Sul

AgroLink – Projeções para o mercado mundial de carne bovina 2020-2029

AgroLink – Boi gordo: mercado sustentado

AgroLink – Primeira Prévia Morfológica pré-seleciona 103 animais em Esteio

AgroLink – Demanda fraca e preços do couro andando de lado

AgroLink – Altas nos preços nas granjas e no atacado

AgroLink – Brasil e Canadá formalizam cooperação na área agrícola

Anda – Vereador cria manifesto por multas contra maus-tratos e abandono de animais no RJ

Anda – A cultura de investimento social em prol do meio ambiente e do bem-estar comum

Anda – Baleias-francas do Atlântico do Norte estão oficialmente “a um passo da extinção”

Anda – Cachorros salvos de mercado de cães na Coreia do Sul encontram novos lares

Anda – Cães em situação de rua pedem ajuda a motoristas em estacionamento

Anda – Cerca de 80% da população é contra o abuso de animais em atrações turísticas

Anda – Finlândia registra queda recorde no consumo de carne e laticínios

Anda – Feiras de adoção de animais voltam a ser permitidas durante pandemia no RJ

Anda – Caça a animais no Parque do Iguaçu registra aumento durante a pandemia

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »