Líder da bancada ruralista cobra apoio do governo Bolsonaro

//Líder da bancada ruralista cobra apoio do governo Bolsonaro
A bancada ruralista vai cobrar apoio maior e mais explícito do governo federal para as demandas do agronegócio. As queixas vêm depois de cortes no orçamento do Ministério da Agricultura, comandado por Tereza Cristina, para 2020 e da demora para aprovação de projetos no Congresso Nacional, informou o Valor Econômico no último sábado (7). O presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado Alceu Moreira (MDB/RS), quer que o Executivo demonstre “vontade real” de colaborar com o segmento. Ele afirma que o setor é afagado no discurso dos líderes em Brasília, mas que isso não se transformou em prioridade, principalmente, na disponibilidade de recursos para políticas públicas aos produtores no ano que vem. Moreira nega, no entanto, que a cobrança represente afastamento ou retaliação ao presidente da República, Jair Bolsonaro. Segundo o líder da bancada ruralista, outros setores são beneficiados em detrimento do agro, que precisa “caminhar sozinho”. Ele cobra um alinhamento melhor do discurso com a prática do governo federal. O presidente da FPA ressalta que o movimento não se trata de retaliação ao governo de Jair Bolsonaro, mas que para ser atendido é preciso “gritar mais alto”. “Nós temos um projeto claro de votar a favor do Brasil. Tivemos lealdade e tolerância no que deu. Mas na primeira peça orçamentária do governo não vieram expressos os números que o agro precisa”, criticou. A previsão orçamentária de 2020 traz cortes de 45% no orçamento da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), de R$ 3,6 bilhões em 2019 para R$ 1,9 bilhão no ano que vem, e de 57% no caixa da Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater), que cai de R$ 118 milhões para R$ 51 milhões. A bancada tenta, por meio de emendas ao projeto de Lei Orçamentária Anual, recompor parte dos recursos. Alceu Moreira também cobra apoio explícito do governo, até nas redes sociais, para garantir dinheiro e ajudar na aprovação de medidas no Legislativo. “Preciso de peso do discurso do governo, que demonstre a importância do setor para dar resultado em toda a economia. O governo parece ocupado com outras agendas e deixa que o agro ande sozinho. Não. É preciso empurrar todo o barco na mesma direção”, avaliou.

“O Parlamento brasileiro respeita a legislação ambiental”, diz Davi na COP 25

O presidente do Senado, Davi Alcolumbre, reuniu-se no último sábado (7) com representantes de Organizações não Governamentais (ONGs) brasileiras para tratar sobre as políticas ambientais em vigor no país. De acordo com a Agência Senado, uma comitiva de senadores está em Madri, na Espanha, representando o Legislativo na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 25).  “Nossa tese é proteger o Brasil, as comunidades tradicionais, respeitar a legislação que existe hoje de proteção ao Meio Ambiente, porque estamos promovendo o bem-estar da humanidade, não só do Brasil. A tese da maioria do Parlamento é fazer as coisas respeitando a legislação”, afirmou Davi. Ele disse que o debate sobre as políticas ambientais no Senado e na Câmara acontece em sintonia com a preservação das riquezas naturais e é pautado pela conciliação. “O Parlamento brasileiro não vai, em hipótese alguma, em nenhum momento, sob a nossa liderança, se curvar em a uma decisão unilateral do governo federal”. Nos últimos dez anos, apenas no Senado, foram aprovadas mais de 65 projetos e propostas na área. A COP 25 acontece até 13 de dezembro na capital espanhola e tem como objetivo debater as mudanças no clima e ações para a redução dos gases do efeito estufa no planeta. “Este é um encontro que trata das futuras gerações, mas que a partir da nossa geração, garante a existência das próximas”, acrescentou Davi. O presidente da Comissão de Meio Ambiente do Senado (CMA), Fabiano Contarato (Rede-ES), e os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AM) e Eliziane Gama (Cidadania-MA) também participaram do encontro ao lado de ativistas ambientais do Greenpeace, Instituto Clima e Sociedade, Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e Observatório do Clima. Neste domingo (8), a comitiva de senadores brasileiros se reúne com o Green Climate Funds (GCF) e com os governadores do Consórcio Interestadual de Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Legal. É o segundo encontro sobre o clima que Davi Alcolumbre participa. Em 2017, representou o Senado na COP 23, em Bonn, na Alemanhã. Na época, Davi era presidente da CMA.

Frente Parlamentar da Câmara Federal debate impacto dos agrotóxicos sobre as abelhas em Santa Catarina

A Frente Parlamentar Mista da Apicultura e Meliponicultura, presidida pelo deputado federal Darci de Matos (PSD-SC), promoveu uma reunião técnica na Assembleia Legislativa, durante a manhã da última sexta-feira (6), para tratar da mortandade por intoxicação de abelhas e demais insetos polinizadores. Segundo o portal Diário do Cotidiano, também participaram do evento lideranças municipais, representantes de associações de produtores de mel e de órgãos públicos como a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Na condição de presidente da Federação das Associações de Apicultores e Meliponicultores de Santa Catarina (Faasc) e de vice-presidente da Confederação Brasileira de Apicultura (CBA), Ivanir Cella observou que o Brasil é atualmente um dos maiores produtores e exportadores de mel do mundo e que a mortandade dos insetos polinizadores vem colocando em risco a atividade, onde somente em Santa Catarina atuam 6,8 mil produtores. Ele afirmou que os casos de perda de enxames por intoxicação vêm aumentando e que alguns lotes de mel catarinense já foram recusados pela União Europeia em função da detecção de resíduos de glifosato. Gestor da Divisão de Fiscalização de Insumos Agrícolas da Cidasc, Matheus Mazon Fraga, confirmou o aumento no estado dos casos de mortandade de insetos polinizadores por intoxicação. Ele afirmou, entretanto, que as análises realizadas pelo órgão detectaram o inseticida Fipronil como a principal substância causadora do problema, geralmente durante a florada das lavouras, época em que a sua utilização é proibida. Ele informou ainda que para o próximo ano a Secretaria de Agricultura irá elevar os recursos destinados à apuração de casos de enxames perdidos por intoxicação química e para o suporte da apicultura no estado. De acordo com o deputado Darci de Matos, somente em 2018 foi registrada a perda de mais de meio milhão de abelhas no país em razão de envenenamento, o que despertou as autoridades federais para a dimensão do problema. A questão, disse, já foi inclusive objeto de reunião com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, mas até o momento ainda não se chegou a uma decisão sobre qual rumo seguir. “O assunto é complexo porque há outras forças envolvidas, que entendem que os agrotóxicos têm que ser utilizados. Temos uma economia agrícola forte no país, na qual há uma cultura da utilização destes produtos.” Segundo dados do Ministério da Agricultura, em 2018 o Brasil produziu 41,6 toneladas de mel, movimentando R$ 513,9 milhões. Santa Catarina é o quarto estado em produção do alimento, participando com aproximadamente 6,5 mil toneladas ao ano. Em termos de produtividade, entretanto, o estado desponta no primeiro lugar, com 68 kg de mel produzidos por km2, contra 4,8 kg/km2 da média brasileira.

Pesquisa e tecnologia fazem o País bater recorde na exportação agrícola

O produtor rural Frederick Wolters, descendente de holandeses que deixaram a Europa se aventurar na lavoura no Brasil, aponta o milharal que mancha de verde as terras vermelhas de Itararé, no sudoeste de São Paulo. Quase 80% das 180 toneladas de milho que espera colher nesta safra vão ficar ali mesmo, alimentando mais de 20 mil suínos, alojados em uma granja na fazenda Agropecuária Ponte Alta, destacou o jornal O Estado de S.Paulo neste domingo (8). Ele vê o bom momento vivido por dois importantes negócios da propriedade, com a valorização do milho e da carne suína, e não esconde o entusiasmo. “É o momento de recuperar os anos difíceis e de guardar dinheiro para o futuro”, diz. Wolters é um dos beneficiários de um cenário que levará o agronegócio brasileiro a bater mais um recorde este ano. As exportações, puxadas pelo aumento expressivo das vendas de milho, algodão e carne, devem atingir as 200 milhões de toneladas, um crescimento de mais de 5% em relação a 2018. Em dez anos, o crescimento das exportações supera os 70%. A cada ano, o agronegócio se consolida como um dos principais pilares da economia brasileira. Apoiado em muita pesquisa e tecnologia, o setor tem conseguido elevar de forma consistente sua produtividade e ganhar mercado mundo afora, o que não acontece com outros segmentos. Dados da consultoria MB Agro mostram bem isso: na safra 2008/09, a produção brasileira foi de 135 milhões de toneladas de grãos, para uma área plantada de 42,79 milhões de hectares. Na safra 2018/19, a área plantada subiu 16,3%, para 49,7 milhões de hectares, enquanto a produção teve um salto muito maior, de 78%, para mais de 240 milhões de toneladas. “Da porteira para dentro (ou seja, sem considerar a questão de logística, ainda um enorme gargalo no País), a agricultura avança pela combinação de uma série de fatores, que vão do uso intenso de tecnologia, de manejo, melhoria genética, controle de pragas”, diz José Carlos Hausknecht, sócio da MB Agro. “E o Brasil ainda conta com um fenômeno que não ocorre em países do Hemisfério Norte, que é conseguir ter mais de uma safra por ano, por causa do clima favorável”, diz Hausknecht. Segundo João Martins, presidente da Confederação Nacional da Agricultura, o setor vive um momento favorável e as perspectivas para 2020 também são positivas. A produção recorde de grãos deste ano, de mais de 240 milhões de toneladas, deve subir mais no ano que vem – a projeção inicial da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) é de aumento de 6,4%. Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor agrícola mundial, atrás de União Europeia e Estados Unidos e à frente da China.

NA IMPRENSA
Agência Câmara – “O Parlamento brasileiro respeita a legislação ambiental”, diz Davi na COP 25

Agência Câmara – Política de comércio internacional agrícola do país é avaliada na CRA

Agência Câmara – Comitiva do Senado participa da COP 25, em Madri

Agência Câmara – Projeto obriga a administração pública a elaborar plano de neutralização de carbono

O Estado de S. Paulo – Em busca de reeleição, Trump tenta manter voto de agricultores

O Estado de S. Paulo – Pesquisa e tecnologia fazem o País bater recorde na exportação agrícola

O Estado de S. Paulo – ‘Agronegócio ganhou bilhete premiado’

BR Político – Exportação agrícola bate recorde

Valor Econômico – Líder da bancada ruralista cobra apoio do governo Bolsonaro

Valor Econômico – Na CoP 25, setor de agro rejeita ‘desmatamento zero’

Embrapa – Embrapa promove capacitação online sobre sistemas agroflorestais para pequenas propriedades no Semiárido brasileiro

AgroLink – Projeto que avalia Cultivares de Café apresenta resultados

AgroLink – Melhora do clima beneficia lavouras de soja e preços recuam

AgroLink – Preços do milho seguem em alta, mas intensidade varia dentre regiões

AgroLink – Vendedores querem “se livrar” do estoque de trigo 

AgroLink – Secretaria da Agricultura cria GT para estudar modernização do Irga

Notícias Agrícolas – Mulheres ganham espaço na agropecuária, mas são apenas 19% dos produtores

Notícias Agrícolas – Publicação reúne mais de 700 termos relevantes para o manejo de resíduos da produção animal

Notícias Agrícolas – Marfrig fará oferta de ações de R$ 3,3 bi; BNDESpar será vendedor em distribuição secundária

Portal do Agronegócio – Focus aponta que PIB fecha o ano com crescimento de 1,10%

Portal do Agronegócio – INTL FCStone vê produção de trigo da Austrália abaixo das estimativas oficiais

Revista Globo Rural – Entregas de fertilizantes caem 0,5% em julho ante julho de 2018

Revista Globo Rural – Governo do Canadá receberá 2.750 candidatos ao ano para trabalhar no setor agrícola

Revista Globo Rural – Cadastro Positivo pode resultar em mais recursos no crédito rural

Folha Agrícola – Nutrição eficiente é essencial para mitigar efeitos negativos do glifosato na soja, afirma diretor técnico da Brandt do Brasil

Cana Online – Época úmida é a mais indicada para a liberação do Trichogramma galloi para controle da broca-da-cana

Diário do Cotidiano – Frente Parlamentar da Câmara Federal debate impacto dos agrotóxicos sobre as abelhas em SC

SOS Consumidor – Empresa indenizará herdeiros de produtor de fumo intoxicado por defensivo agrícola

__________________________________________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »