IMPORTAÇÃO DE QUÍMICOS PARA AGRONEGÓCIO CRESCE 10%

//IMPORTAÇÃO DE QUÍMICOS PARA AGRONEGÓCIO CRESCE 10%
 Nos cinco primeiros meses do ano, o Brasil importou US$ 3,514 bilhões de produtos químicos para agronegócio, que incluem fertilizantes, seus intermediários e defensivos agrícolas. Os dados foram divulgados pela Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química), com base em informações do MDIC (Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços). É o que informa o site Agrolink. Houve aumento de 10,2% do montante adquirido pelo País no exterior, na comparação com os US$ 3,188 milhões registrados no mesmo levantamento realizado à época em 2016. “Os dados constam no Sistema Alice (Análise das Informações de Comércio Exterior), mantido pela Secex (Secretaria de Comércio Exterior). Os fertilizantes e intermediários seguem liderando a pauta de importação brasileira de produtos químicos. O País comprou US$ 2,73 bilhões acumulados entre janeiro a maio de 2017, o que representa um expressivo aumento de 19,5% na comparação com os mesmos meses iniciais do ano passado. Já nos defensivos agrícolas houve redução: o Brasil importou US$ 783 milhões neste mesmo período analisado. Esse acumulado significa decréscimo de 13,2% sobre os US$ 902 milhões comprados no exterior nos cinco primeiros meses de 2016”, ressalta a publicação.

Taxação de etanol importado ainda gera divergências

O governo tem mecanismos melhores que o aumento dos impostos sobre a importação de etanol para dar competitividade à indústria nacional, disse na segunda-feira (26) o ministro de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, em conversa com jornalistas durante o Ethanol Summit. “Essa alíquota de 17% [defendida pela Unica, associação que representa as usinas sucroalcooleiras do Centro-Sul] tem sido discutida com o Ministério da Agricultura e com o Ministério das Relações Exteriores, por meio da Camex”, disse o ministro. De acordo com o jornal Valor Econômico, no que depender do ministério, qualquer decisão do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) sobre essa questão será implementada “o quanto antes”, mas o governo ainda precisa esperar a Agência Nacional de Petróleo (ANP) cumprir seus processos internos para poder colocar em vigor as novas regras. Para o longo prazo, realçou o ministro, é o programa Renova Bio que vai melhorar o panorama. “Vencido o primeiro momento, temos que pensar no futuro. O Renova Bio dá essa segurança, para que os investimentos voltem a acontecer no setor. A ideia é que seja publicada ainda nessa semana a resolução do CNPE que formata o grupo que vai trabalhar as iniciativas propostas”, concluiu o ministro.

Fiscalização contra febre aftosa é intensificada em Roraima

O Ministério da Agricultura começou, nesta terça-feira (27), uma fiscalização intensa contra a febre aftosa em Pacaraima, cidade brasileira que faz fronteira com a Venezuela, divulgou o portal G1. A ação foi determinada por Brasília após um foco de contaminação ser identificado na fronteira entre a Venezuela e a Colômbia, a 1,2 mil quilômetros de Roraima. Conforme o superintendente, o caso de aftosa foi confirmado na cidade de Tame, na Colômbia. Apesar da distância com Roraima, o risco de contaminação do rebanho do estado é real. “São 1,2 mil quilômetro do foco até Roraima e 600 quilômetros até o Estado do Amazonas. Só que o trecho de 1,2 mil é trafegável, existe um trânsito muito grande de carros e pessoas, e os 600 do Amazonas têm barreiras naturais, floresta, mata, têm água, então é mais difícil chegar lá”, explicou. O jornal Valor Econômico destaca que, por um período indeterminado, todos os carros que cruzarem a fronteira da Venezuela com o Brasil serão rigorosamente fiscalizados por agentes do ministério. Além do reforço das inspeções com fiscais do ministério, agentes da Agência de Defesa (Aderr) também irão participar da ação de fiscalização no posto fixo e em rotas alternativas usadas para o transporte de produtos suspeitos.

IBGE vai gastar R$ 770 milhões para recensear o setor agropecuário 

Conforme noticiou o jornal Já, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) vai gastar R$ 500 milhões este ano e mais R$ 270 milhões em 2018 para realizar o 10º Censo Agropecuário, cujos resultados devem começar a ser divulgados dentro de um ano. O trabalho começa em 1º de outubro. Ao longo de cinco meses, 26 mil pessoas vão visitar 5 milhões de propriedades rurais para levantar informações sobre a área, a produção, as características do pessoal ocupado, o emprego de irrigação, o uso de agrotóxicos, entre outros temas, tanto na agricultura familiar quanto no agronegócio. “Um dos objetivos do Censo Agropecuário 2017 é subsidiar a implantação do cadastro de estabelecimentos agropecuários e do Sistema Nacional de Pesquisas Agropecuárias, permitindo a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Estabelecimentos Agropecuários, que irá a campo, anualmente, captar dados pormenorizados sobre receitas e despesas na produção, crédito e seguro rural, proteção de mananciais, conservação da fauna e flora, uso de agrotóxicos, técnicas de produção, além da situação social e familiar dos trabalhadores do campo, entre outros temas”, afirma a notícia.

NA IMPRENSA
Mapa – Conab fiscaliza beneficiários do Programa de Vendas em Balcão

Mapa – 3º Diálogo Brasil-Japão discutirá investimentos no agro

Mapa – Tecnologias para pecuária de baixa emissão de carbono serão apresentadas no Ceará

Anvisa – Reunião pública debate aditivos alimentares em carnes

Câmara dos Deputados – Comissão debate realização de seminário internacional em Brasília sobre agroecologia

Câmara dos Deputados – Parecer à MP que trata da inspeção de produtos de origem animal pode ser votado amanhã

Folha de S.Paulo – Vaivém das Commodities – EUA freiam compra de carne do Brasil no auge

Folha de S.Paulo – Avião com 500 kg de cocaína decolou de fazenda ligada a Blairo Maggi

Valor Econômico – Heringer aprova substituição de membro do conselho fiscal 

Valor Econômico – Fiscalização contra febre aftosa é intensificada em Roraima 

Valor Econômico – Cadeia da cana renova protocolo ambiental 

Valor Econômico – Taxação de etanol importado ainda gera divergências 

Valor Econômico – O olho do dono

Valor Econômico – Grupo São Martinho recebe crédito negociado com a IFC 

Valor Econômico – Empresa comemora o ‘melhor ano de sua história’ 

Valor Econômico – Em defesa de uma nova ‘plataforma’ 

Valor Econômico – Segurança alimentar

Agrolink – Importação de químicos para agronegócio cresce 10%

Agrolink – Feijão agora pode ser rastreado pelo celular do consumidor

G1 – Bom momento da agricultura impulsiona indústrias em Matão, SP

Diário do Nordeste – Exportação do setor químico cearense avança 132,5%

Agricultura RS – Governo lança Sistema Integrado de Gestão de Agrotóxicos (SIGA)

Jornal Já – IBGE vai gastar R$ 770 milhões para recensear o setor agropecuário

Página Rural – RS: Ambev estimula aumento de 35% no plantio de cevada

MST – Aula pública debate o papel do agronegócio no golpe e o acesso aos alimentos saudáveis

Para ser Piloto – Novas regras para operação de aeromodelos em consulta no PRENOR

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.