Habilitação de veterinários no Programa de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal pode ser feita online

//Habilitação de veterinários no Programa de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal pode ser feita online
O serviço de habilitação de médicos veterinários da iniciativa privada para atuação no Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT), do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), passa, a partir desta terça-feira (19), a ser realizado de forma online no Portal Gov.Br. Além da habilitação, será possível solicitar a atualização cadastral e a desabilitação. O médico veterinário habilitado atuará na realização de testes diagnósticos de brucelose e tuberculose, encaminhamento de amostras para laboratórios credenciados e participação no processo de certificação de estabelecimentos de criação livres para essas doenças nas Unidades Federativas em que têm interesse. “A participação e engajamento dos médicos veterinários privados nas ações do PNCEBT é fundamental para o avanço do programa no país”, ressalta a chefe da Divisão de Sanidade dos Ruminantes, Ellen Laurindo. A solicitação de habilitação, atualmente, é realizada pelo médico veterinário junto ao Serviço Veterinário Estadual (SVE), de forma presencial, seguindo as orientações previstas na Instrução Normativa nº 30/2016. Agora, após a conferência do cumprimento das exigências previstas na legislação, o SVE encaminhará o pedido à Superintendência Federal de Agricultura (SFA) do estado para emissão da portaria de habilitação, a qual ficará disponível no portal para impressão pelo solicitante. É obrigatório que o profissional esteja inscrito no Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) dos estados que pretende atuar.

Mapa coordena última etapa técnica para o reconhecimento de três novas áreas livres de febre aftosa sem vacinação

O Rio Grande do Sul, Paraná e os estados que compõem o Bloco I do Plano Estratégico (PE) 2017-2026 do Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA) Rondônia, Acre, 13 municípios do sul do Amazonas e cinco municípios do oeste de Mato Grosso) iniciaram o estudo soro epidemiológico para febre aftosa, etapa necessária para que possam pleitear à Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) o reconhecimento como zonas livres de febre aftosa sem vacinação. O trabalho é coordenado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e está previsto no plano estratégico. A etapa consiste na coleta de amostras de sangue e inspeção clínica dos animais, além da aplicação de um questionário que deve ser respondido pelo produtor rural. O objetivo do estudo é comprovar que não existe a transmissão do vírus da febre aftosa nessas regiões. A metodologia utilizada e os resultados obtidos irão compor o relatório que será enviado à OIE. A seleção das propriedades foi feita por amostragem e abrangerá 995 estabelecimentos rurais, com cerca de 50 mil bovinos. Para a execução desse trabalho, 120 médicos veterinários dos serviços veterinários dos estados lideram as equipes de campo. As amostras serão enviadas e processadas nos Laboratórios Federais de Defesa Agropecuária (LFDA) do Ministério, situados em Porto Alegre (RS), Recife (PE)  e Belém (PA). A previsão é concluir os estudos até julho. Segundo informou, nesta terça-feira (19), o chefe da Divisão de Febre Aftosa do Mapa, Diego Viali dos Santos, estão sendo tomados todos os cuidados para a prevenção da Covid-19, seguindo as normas sanitárias definidas pela área de saúde. “Os médicos veterinários são profissionais da saúde, possuem conhecimento e capacitação para tomar todas as medidas que mitiguem o risco da disseminação da Covid-19, realizando o trabalho a campo com segurança para os produtores, trabalhadores rurais e dos próprios servidores do serviço veterinário oficial”. Segundo o diretor do Departamento de Saúde Animal (DSA), Geraldo Moraes, o resultado do trabalho será encaminhado, junto com outras informações, em agosto ao Grupo ad hoc de febre aftosa do Comitê Científico da OIE, que irá avaliar o atendimento das condições necessárias para reconhecimento internacional das áreas como livres de aftosa sem vacinação. Caso o comitê recomende o pleito do Brasil, a proposta é enviada à Assembleia Geral da OIE, prevista para ocorrer em maio de 2021, quando os países-membros irão votar o reconhecimento.

Pesquisa mostra como as indústrias de ovos, frangos e suínos sofrem os efeitos da pandemia

Redução da demanda interna, dos preços e dos custos de produção, manutenção das atividades produtivas e expansão das exportações. Esses foram alguns dos impactos observados da pandemia de Covid-19 nas cadeias produtivas de frango de corte, de ovos e de suínos, destacou o portal da Embrapa nesta quarta-feira (20). Resultaram de um estudo realizado pela Embrapa Suínos e Aves junto ao setor produtivo. Um dos principais efeitos registrados foi a queda da demanda no mercado interno, sobretudo pela redução da renda do consumidor e pelo fechamento de restaurantes, escolas, bares e atividades de turismo. O dinamismo do consumo ficou praticamente restrito aos supermercados, de acordo com o pesquisador Franco Muller Martins, um dos autores do estudo. “Até o final do primeiro quadrimestre, a produção não parou em momento algum, ou seja, não sofreu rupturas como outros setores. Mesmo com o aumento das exportações verificados até o momento, o país terá que buscar exportar ainda maiores excedentes de produção”, revela o cientista. De acordo como pesquisador Dirceu Talamini, outro autor do estudo, os custos de produção já vinham em patamares elevados no início de 2020, especialmente pela desvalorização do câmbio, mas tendem a se equilibrar abaixo dos valores do primeiro quadrimestre. O destaque, segundo ele, é para o preço do milho, um dos principais insumos dessas cadeias produtivas, que perdeu competitividade na produção de etanol em função do preço do petróleo. “O cenário de curto e médio prazo ainda é de muita incerteza, especialmente no que diz respeito à demanda e avanço da doença. O otimismo da cadeia produtiva de proteína animal está a longo prazo, vislumbrando um esforço maior para aumentar as exportações e adequar o consumo interno, bem como evitar rupturas na logística de suprimento, abate e distribuição”, detalha o pesquisador Marcelo Miele, também autor do trabalho. O estudo foi realizado de 20 a 30 de abril, por meio de entrevistas estruturadas junto a atores-chaves das cadeias produtivas de frango de corte, de ovos e de suínos. Foram ouvidos líderes e membros de associações de produtores e de associações da agroindústria de todas as regiões do País. O estudo teve como foco a busca de informações qualitativas e prospectivas para subsidiar a gestão estratégica da Embrapa e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Laboratório americano produziu vacina para coronavírus eficiente em animais

Segundo o G1, a empresa de imunologia Inovio afirmou nesta quarta-feira (20) que uma vacina experimental para evitar a infecção pelo coronavírus mostrou que produz anticorpos protetivos e respostas do sistema imunológico em camundongos e porquinhos-da-índa. “Nós vimos respostas de anticorpos que fazem muitas das coisas desejáveis em uma eventual vacina”, disse David Weinder, diretor de vacina e imunoterapia no Instituto Wistar, que colaborou com a Inovio. “Nós podemos atacar coisas que evitam que o vírus tenha um porto seguro no corpo.” Os resultados preliminares do ensaio clínico são esperados para junho. A Inovio começou seus testes em abril. Os 40 participantes na fase um do ensaio recebem duas injeções, com quatro semanas de diferença, da vacina, chamada INO-4.800, e então são acompanhados por duas semanas. “Nós estamos vendo números seguros e tem sido benigno”, disse Katherine Broderick, chefe de pesquisa e desenvolvimento na Inovio. Há um leve rubor nos braços, ela afirma. Quando os dados preliminares chegarem, eles vão pedir à autarquia que regulamentação de drogas dos EUA para mudar para a segunda fase do ensaio clínico, que aconteceria em julho ou agosto. A Inovio afirmou que os últimos resultados de estudos com animais, publicados na revista Nature Communications, validam sua plataforma de medicamentos baseados em DNA e que tem dados positivos de ensaios clínicos anteriores para sua vacina experimental contra um coronavírus diferente, mas parecido, que causa a Síndrome Respiratória no Oriente Médio. A vacina e o INO-4800 são fabricados usando uma tecnologia mais recente, focada em genes específicos na parte externa do “pico” do vírus. Inovio disse que os dados recém-publicados demonstram atividade neutralizadora de vírus usando três procedimentos de teste separados. Os autores do estudo também disseram que detectaram os anticorpos nos pulmões dos animais vacinados. O plano é testar a vacina em animais maiores, incluindo coelhos e macacos, e fazer estudos “desafiadores” em camundongos, furões e macacos, disse Broderick. Os estudos de desafio envolvem dar intencionalmente o vírus a um animal e, em seguida, verificar se a vacina impede a infecção. Atualmente, não existem tratamentos ou vacinas aprovados para o Covid-19, a doença causada pelo novo coronavírus. Especialistas preveem que uma vacina segura e eficaz pode levar de 12 a 18 meses para se desenvolver.

NA IMPRENSA

Folha de S.Paulo – Sem alimentos, não há paz social

Folha de S.Paulo – Com influenciadores, ação apoia causa animal e faz doação a ONGs

G1 – Laboratório americano produziu vacina para coronavírus eficiente em animais

G1 – Pangolim, possível hospedeiro do novo coronavírus, corre risco de extinção

G1 – Policiais e veterinários se mobilizam para salvar vida de filhote de onça atropelado por carro em Unaí

G1 – Equipes encerram monitoramento eletrônico de onça-pintada encontrada em Juiz de Fora

G1 – Égua cai em piscina de casa no DF e é resgatada pelos bombeiros

G1 – Abrigo de animais na BA enfrenta dificuldades para manter estrutura após doações caírem por causa da pandemia

G1 – Donos de animais se preocupam com higiene dos bichos

G1 – Durante pandemia, veterinários cuidam de animais no antigo zoológico

O Estado de S.Paulo – Entregas de animais de estimação levam companhia em quarentena

O Estado de S.Paulo – Com consumidor em casa, cresce 18% venda de margarina, diz Lorival Luz, da BRF

O Estado de S.Paulo – ‘Cãopanha Inverno Quentinho’ busca doações para animais resgatados

O Globo – Quarentena: com população em casa, animais aparecem com mais frequência pela cidade

O Globo – Botos-cinza são flagrados por pescadores na Baía de Guanabara 

Valor Econômico – JBS e MPT não se entendem sobre proteção de trabalhador

Valor Econômico – Marfrig deve substituir empréstimo ponte

Embrapa – Pesquisa mostra como as indústrias de ovos, frangos e suínos sofrem os efeitos da pandemia

Embrapa – Custos de produção de frangos de corte e de suínos disparam em abril

CNA – Atendimento do Senar é sinônimo de qualidade e produtividade na ovinocultura

CNA – Programa Mais Pasto ajuda a proteger 875 nascentes em Alagoas

Mapa – Habilitação de veterinários no Programa de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal pode ser feita online

Mapa – Mapa coordena última etapa técnica para o reconhecimento de três novas áreas livres de febre aftosa sem vacinação

AgroLink – “Carne de qualidade tem que valer a perda de eficiência”

AgroLink – Mercado de carne: para onde vamos?

AgroLink – Iraque registra surto de influenza aviária

AgroLink – OIE regista 440 casos de PSA em maio

AgroLink – Ricardo Santin assume Câmara de Aves e Suínos

AgroLink – Mercado do boi gordo firme em meio à pandemia

Anda – Restaurante expõe bastidores de matadouro e faz público repensar hábitos de consumo

Anda – “É imperativo zelar pela vida dos animais” durante a pandemia, diz vereadora

Anda – China oferecerá incentivo financeiro para comerciantes que abandonarem a criação e venda de animais silvestres

Anda – Galos são explorados em rinha durante pandemia e infratores são detidos

Anda – Santuário de animais livra mil galinhas da morte

Anda – Veado é resgatado após ser encontrado com queimaduras pelo corpo

Anda – Animais são resgatados após serem submetidos a extremos maus-tratos

Anda – PL que pune motorista que não socorrer animal após atropelamento é aprovado em Curitiba (PR)

Anda – Justiça permite que tutor leve cão para passear durante ‘lockdown’ no RJ

Anda – Criança produz e vende mandalas para comprar remédios para cães abandonados

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »