Futuro do herbicida paraquate no país deverá ser definido pela Anvisa no dia 15

//Futuro do herbicida paraquate no país deverá ser definido pela Anvisa no dia 15
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deve definir na próxima terça-feira (15), se estende ou não o prazo para a entrada em vigência da proibição de uso do herbicida paraquate no Brasil, marcada para a outra semana, no dia 22. Segundo o Valor Econômico a retirada do produto pode aumentar os custos de produção de grãos em mais de R$ 400 milhões por ano, segundo estimativas da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Ambientalistas e cientistas defendem a retirada imediata do agrotóxico do mercado nacional. O tema entrou na pauta da reunião da diretoria colegiada da Anvisa da próxima semana. No mês passado, o relator do caso, Rômison Mota, votou contra a prorrogação do prazo, mas a diretora Meiruze Souza Freitas pediu vistas e a votação não foi concluída. O setor produtivo brasileiro e a indústria de agrotóxicos pedem a prorrogação do prazo para a entrada em vigor da proibição do paraquate até julho de 2021, e estão confiantes de que a ministra da Agri Nesse intervalo devem ser concluídas novas pesquisas encomendadas por eles e que podem comprovar a segurança do uso do produto. Os estudos podem levar a Anvisa a ter que rever a decisão tomada em 2017 de retirar o herbicida do mercado brasileiro. Na época, a Anvisa concluiu que o paraquate tem alto grau de toxicidade e potencial para causar o mal de Parkinson nos seres humanos.

Ministros da agricultura ressaltam compromisso com fornecimento de alimentos seguros

Nesta segunda-feira (14), o Mapa divulgou que, após a reunião virtual de Ministros da Agricultura e Água do G20, organizada pelo Reino da Arábia Saudita em setembro de 2020, os responsáveis pelas pastas agrícolas da Argentina, Brasil, Canadá, Estados Unidos da América e México emitiram declaração ressaltando a importância de manter o fluxo do comércio agrícola durante a pandemia da Covid-19 e enfatizando seu compromisso como fornecedores confiáveis de alimentos e produtos agrícolas ao mundo: “Nós, os Ministros da Agricultura da Argentina, Brasil, Canadá, México e Estados Unidos, expressamos nossas mais profundas condolências pela trágica perda de vidas sofrida em todo o mundo como resultado da pandemia Covid-19 e expressamos nosso grande apreço por todos os trabalhadores da linha de frente nos setores de saúde, agricultura e outros, que abnegadamente dedicam seus esforços em benefício de terceiros. Enquanto enfrentamos os efeitos desta crise, cadeias de suprimentos agrícolas confiáveis e resilientes continuam sendo essenciais para garantir a disponibilidade de alimentos seguros e nutritivos em todo o mundo. Nossas nações tomaram as medidas necessárias para manter as cadeias de suprimentos agrícola operacionais, garantindo a continuidade da produção e distribuição de produtos seguros e de qualidade, ao mesmo tempo em que asseguraram a saúde e o bem-estar dos trabalhadores do setor agrícola. Estamos abertos para negócios. Podem contar conosco como fornecedores de alimentos seguros e de alta qualidade. Como líderes agrícolas do hemisfério ocidental, com nossos países representando 35 por cento das exportações globais de alimentos, reiteramos a importância de manter os fluxos de comércio de produtos agrícolas e evitar medidas restritivas injustificadas, de forma a manter os mercados abertos e garantir a segurança alimentar global, especialmente para os mais vulneráveis. Ressaltamos a orientação publicada pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação e pela Organização Mundial da Saúde em 7 de abril de 2020, que afirma, “não há evidências até o momento de transmissão por alimentos ou embalagens de alimentos de vírus que causam doenças respiratórias” e conclamamos os parceiros comerciais a permitirem que o comércio flua sem atrasos indevidos ou requisitos injustificados. Continuaremos a trabalhar com nossos parceiros e organizações regionais e internacionais relevantes para intercambiar informações, melhorar a coordenação e fortalecer nossa resposta global à crise. Olhando para o cenário pós-pandemia, reconhecemos que a agricultura será um importante motor para a recuperação econômica. A inovação e o desenvolvimento tecnológico serão vitais para garantir que os sistemas alimentares se desenvolvam de forma sustentável para alimentar a crescente população mundial. A maneira como sairemos desta crise será nosso maior legado para um futuro de segurança alimentar e nutrição global.”

Drones poderão ser úteis no combate aos maus-tratos contra animais

A Associação Animalista Libera quer que o uso de drones, utilizados atualmente para prevenção de incêndios durante o verão na Galícia, seja estendido a outras causas e que contribua para o fim de uma das práticas mais cruéis e degradantes para os animais, o acorrentamento contínuo, destacou o portal Anda neste sábado (12). A Lei Galega de Bem-Estar Animal prevê multas de até 5.000 euros e a detenção por um período máximo de cinco anos para quem mantiver um animal permanentemente amarrado ou limitar seus movimentos em todos os tipos de construções, tal como os buracos para cães que alguns caçadores costumam usar; “No entanto, a realidade é que raramente alguém é multado”, segundo informado. Os ativistas chegaram a registrar mais de 500 reclamações de cidadãos por meio de uma página da web que permitia incluir vídeos e fotos de forma anônima e localizar geograficamente cada caso, o que significaria centenas de sanções se o executivo fizesse valer a sua própria norma. Libera considera que o uso de drones com câmeras termográficas pode ser uma boa solução. As gravações feitas em vários dias diferentes sem gerar alerta sobre quem mantém o animal acorrentado, constitui-se em uma prova gráfica da infração administrativa. A gravação, além de ser uma prova, poderia ainda ser utilizada por veterinários para fazer laudos complementares de avaliação do comportamento de cada animal e sobre as consequências de ter sido mantido amarrado. Além disso, o modelo de vigilância impede a geração do chamado “Pacto do Silêncio”, tal como a falta de colaboração da vizinhança na denúncia de atos de abuso ou abandono de animais que vem ocorrendo em dezenas de casos, como o gato recentemente enforcado em Xunqueira de Ambía (Ourense) ou o caso do felino também maltratado em Baiona (Pontevedra), crime cujo autor ainda não foi identificado.

Proposta cria sistema de certificação de produtos do agronegócio

O Projeto de Lei 4478/20 institui um sistema de certificação de produtos cultivados ou elaborados, por empresas ou produtores rurais, de acordo com regras de sustentabilidade ambiental. O texto tramita na Câmara dos Deputados. Pela proposta, o Sistema de Avaliação e Certificação da Conformidade Ambiental, Social e de Governança (Sisasg) será gerido pelo Ministério da Agricultura. Caberá a entidades de avaliação e certificação credenciadas pelo ministério fazer a auditoria nos produtores, informou a Agência Câmara nesta segunda-feira (14). Será concedido um selo de conformidade de validade nacional para os que respeitarem normas ambientais, sociais e de governança, conforme regulamentação que será elaborada pelo Poder Executivo. Os segmentos envolvidos na cadeia produtiva certificada terão prazo de um ano para se adequar aos procedimentos previstos na regulamentação. O projeto é do deputado Christino Aureo (PP-RJ). Segundo ele, a certificação da produção agropecuária é uma imposição do mercado, “resultado das exigências dos consumidores que visam qualidade, preço justo e garantia de sustentabilidade ambiental”. “As certificações são fundamentais para as organizações que pretendam aprimorar os processos produtivos, produtos, serviços e auferir destaque no cenário competitivo nacional e internacional”, disse Aureo. De acordo com o projeto, o credenciamento de entidades certificadoras no Ministério da Agricultura será precedido de etapa prévia de acreditação realizada pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro).

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Frente da agricultura familiar debate efeitos da reforma tributária na produção de tabaco

Agência Câmara – Hamilton Mourão quer apresentar proposta de desenvolvimento sustentável para a Amazônia

Agência Câmara – Proposta cria sistema de certificação de produtos do agronegócio

Folha de S.Paulo – Rusga com China põe estados rurais como Indiana na linha de tiro da guerra comercial

Folha de S.Paulo – Disparada do preço do arroz é resultado de ‘tempestade perfeita’, diz produtor

Governo Federal – Agricultores familiares já podem se inscrever no Garantia-Safra 2020-2021

O Estado de S.Paulo – A revolução silenciosa do transporte de cargas agrícolas

O Estado de S.Paulo – Tecnologia de precisão gera oportunidades à Trimble

O Estado de S.Paulo – Etanol dos EUA sem tarifa pressiona mercado

O Estado de S.Paulo – Quanto tempo tem? Inovação e patentes no Brasil: o risco de darmos um passo para trás

O Globo – Com pandemia, inflação sobe mais para os pobres e poupa os mais ricos

G1 – Corte no orçamento da Embrapa pega pesquisadores de surpresa

G1 – Parceria entre pesquisa e agricultores de Minas Gerais incentiva a produção comercial da manga Ubá

G1 – Tarifa zero para a importação do arroz deve conter disparada de preço

G1 – Maranhão investe na estrutura de portos com safra recorde de soja

G1 – Saiba como limpar e cuidar dos equipamentos de proteção usados na aplicação de produtos químicos

G1 – Queimadas crescem 53% em São Paulo e prejudicam agricultores do estado

G1 – Exportações do agronegócio do Brasil crescem 7,8% em agosto com soja e açúcar

Valor Econômico – Ministra anuncia que país terá mais dois adidos agrícolas na Europa e um na Austrália

Valor Econômico – Nova lei de saneamento deve estimular produção de cloro

Valor Econômico – “Não existem interesses unilaterais na política de comércio internacional do agronegócio”

Valor Econômico – Ações da Camil já subiram mais de 50% desde março

Valor Econômico – Beneficiadoras e empacotadoras de arroz e feijão veem pouca diferença

Valor Econômico – Produção agroindustrial continua em recuperação

Valor Econômico – Brasil e EUA fazem parceria no comercio bilateral em etanol, diz Itamaraty

Valor Econômico – Futuro do herbicida paraquate no país deverá ser definido pela Anvisa no dia 15

CNA – Boletim CNA avalia comportamento da inflação, exportações e cenário internacional

CNA – CNA levanta custos de produção do café arábica e cana-de-açúcar

CNA – CNA avalia produtos e serviços de seguro para o café

Mapa – Ministros da agricultura ressaltam compromisso com fornecimento de alimentos seguros

Mapa – Boletim do Inmet traz previsão agroclimatológica de setembro a novembro deste ano

Mapa – Exportações do agronegócio somam quase US$ 9 bilhões em agosto

Mapa – No Dia do Cerrado, ministra participa do lançamento de programa de desenvolvimento sustentável na região

Embrapa – Prosa Rural – Uso de abanadora para diminuir perda de grãos

Embrapa – Entidades querem melhorar comunicação do agronegócio

Embrapa – Seminário ressalta redução no uso de insumos na produção de soja paranaense

Agrolink – Economia do Brasil cresce 2,15% em julho e fica abaixo do esperado, mostra índice do BC

Agrolink – Mesmo com alta do arroz, prejuízo de outras safras se mantém

Agrolink – Anda alerta sobre roubo e adulteração de fertilizantes

Agrolink – RS: cidades do Interior terão sistema para monitorar abelhas

Agrolink – USDA anuncia dados altistas para a safra velha

Agrolink – Exportações do agro crescem sem parar

Agrolink – RS: produtores rurais da região de Bagé irão ampliar área orizícola
______________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »