Força-tarefa do Mapa fiscaliza alimentos orgânicos no estado de São Paulo

Home/Informativo/Força-tarefa do Mapa fiscaliza alimentos orgânicos no estado de São Paulo

A Superintendência Federal de Agricultura no Estado de São Paulo (SFA/SP/Mapa) concluiu no mês passado força-tarefa que fiscalizou alimentos orgânicos produzidos no estado. A ação durou dois meses (planejamento e execução) e ocorreu em sete cidades, com grande produção desses alimentos: Araçoiaba da Serra, Cajamar, Campinas, Joanópolis, Jundiaí, Piracaia e Sorocaba. Os fiscais verificaram as etapas de produção, incluindo armazenamento, processamento, rotulagem, transporte, certificação e comercialização dos produtos, além dos protocolos de coleta e acondicionamento. Foram coletadas 18 amostras de morango, tomate, cenoura, pimentão, batata, manga, mamão, berinjela, pepino, maçã, banana e brócolis em supermercados, lojas de hortifrútis, feiras de orgânicos da Associação de Agricultura Natural de Campinas e região (ANC) e centros de distribuição. As amostras foram enviadas para o Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiânia (LFDA-GO/Mapa). A coleta, o acondicionamento e envio das amostras seguiram as diretrizes técnicas do Manual de Coleta de Amostras do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal) do Mapa. Além disso, foram realizadas seis visitas a propriedades de produtores familiares ligados a Organizações de Controle Social (OCS). A coordenadora da força-tarefa, Mariane Antunes Lopes, da Divisão de Desenvolvimento Rural de São Paulo, destacou que não foram encontradas irregularidades durante as visitas em campo. Nessas, os técnicos puderam também, segundo a coordenadora, entender os desafios enfrentados pelos produtores orgânicos nas diversas etapas da cadeia produtiva do setor. O chefe da Divisão de Desenvolvimento Rural de São Paulo, Rodrigo Beccheri Cortez, reforça que o papel da força-tarefa é verificar o cumprimento da legislação vigente e garantir que os consumidores adquiram alimentos comprovadamente produzidos de forma orgânica. De acordo com a  Lei nº 10.831, de 2003, para um produto (in natura ou processado) ser considerado orgânico deve ser obtido por meio de um sistema orgânico ou extrativista sustentável, não deve ser prejudicial ao ecossistema local, protegendo os recursos naturais, respeitando as características socioeconômicas e culturais da comunidade local, incluindo a não utilização de organismos geneticamente modificados, defensivos agrícolas e fertilizantes não autorizados. Para serem comercializados, devem ser certificados por instituições credenciadas pelo Mapa. São dispensados da certificação somente aqueles produzidos por agricultores familiares que fazem parte da OCS e que comercializam exclusivamente em venda direta aos consumidores. Em casos de contaminação, as sanções, previstas no Artigo 79 do Decreto 6.323, de dezembro de 2007, são aplicadas conforme a natureza da infração, as circunstâncias em que foram cometidas e a relevância do prejuízo.

Com mais renda, produtor cuida melhor da lavoura

A capitalização do produtor agrícola faz com que ele cuide melhor da lavoura. Em 2020, as importações de adubo atingiram o recorde de 34 milhões de toneladas. De acordo com a coluna Vaivém da Folha de S.Paulo nos últimos três anos, as compras externas deste insumo somaram uma média anual de 32 milhões de toneladas, 33% mais do que nos três imediatamente anteriores, segundo dados da Secex (Secretaria de Comércio Exterior). Nas safras de 2018/19 a 2020/21, a área média cultivada no país é de 65 milhões de hectares, apenas 8% a mais do que nas três safras imediatamente anteriores, segundo a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). Já a venda de adubo dos sete primeiros meses do ano passado, em relação a igual período anterior, cresceu 16%, segundo a Anda (Associação Nacional dos Distribuidores de Adubo). Um representante do setor avalia que, em 2020, as entregas de adubos das indústrias para os produtores ficaram 15% acima do recorde de 2019. Na avaliação dele, a relação de troca, extremamente favorável ao produtor, impulsionou as vendas do insumo. Dados do início do segundo semestre indicavam que o produtor de milho precisava de 44 sacas do cereal para a compra de uma tonelada de adubo. Em 2019, eram necessárias 57. Nessa lista de melhora na relação de troca estão soja, cana-de-açúcar, arroz e café, segundo dados da MacroSector Consultores. O cenário deve continuar favorável para produtores e indústrias de insumos em 2021. O bom momento do campo é refletido por toda a cadeia do agronegócio. Os preços do adubo, após queda em alguns meses do primeiro semestre do ano passado, subiram no segundo. Essa alta, no entanto, não deve afetar as vendas de fertilizantes, uma vez que a relação de troca continua favorável ao agricultor.

Agronegócio se reúne com governo Doria para negociar ICMS antes de ‘tratoraço’

Representantes da Faesp (Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo) se reuniram com membros do governo estadual nesta terça-feira (5) para tentar reverter o fim da isenção fiscal aprovada na reforma administrativa de João Doria (PSDB). Segundo a coluna Painel S.A. da Folha de S.Paulo o encontro com Gustavo Junqueira, secretário da Agricultura, e Patrícia Ellen, do Desenvolvimento Econômico, ocorreu dois dias antes de um protesto contra o reajuste do ICMS, apelidado pelo agronegócio de “tratoraço”, previsto para sexta-feira (8). O ajuste no imposto incidirá sobre insumos agrícolas a partir de 15 de janeiro. Segundo dados da Faesp, o fim da isenção pode elevar custos da produção em até 30%. A entidade diz que o governo irá manter a medida. O tratoraço prevê a participação de mais de 80 sindicatos rurais e agricultores de 130 cidades. Não estão previstos protestos na cidade de São Paulo. Em nota, o governo diz que segue aberto a novas conversas e que o objetivo do ajuste fiscal é proporcionar ao Estado recursos para fazer frente às perdas causadas pela pandemia e manter suas obrigações em áreas como saúde, educação e segurança pública.

Cientistas fazem estudo inédito sobre perda de colméias 

Trinta e cinco pesquisadores de dez países da América Latina, entre eles  a bióloga da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Carmen Pires, estão fazendo um trabalho colaborativo inédito para avaliar a taxa de perda de colmeias de abelhas na região, que envolve Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador, México, Peru e Uruguai). Coordenado pelo professor Fabrice Requier, membro do Instituto de Investigaciones en Recursos Naturales, Agroecología y Desarrollo Rural (IRNAD), este estudo objetiva identificar ameaças e fatores de mortalidade das colmeias de abelhas nesta parte do mundo. Segundo Carmen Pires, a pesquisa conta com apoio da  Sociedade Latinoamericana de Investigações em Abelhas (SoLatInA) e está na forma de questionários padronizados, que são distribuídos entre os apicultores e meliponicultores dos países envolvidos, simultaneamente. São questionamentos que podem ser respondidos rapidamente – entre 8 e 12 minutos. “A pesquisa é dirigida à perda de colmeias tanto das abelhas Apis mellifera como das abelhas nativas sem ferrão (meliponíneos)”, explica Carmem. Os apicultores podem participar da pesquisa de duas formas. Para responder sobre as abelhas da espécie Apis mellifera, basta acessar o formulário on-line, em português. Já para responder sobre abelhas nativas sem ferrão, o formulário on-line é este. A pesquisa é anônima e não será utilizada com fins comerciais. De interesse exclusisamente científico, os resultados desse interesse permitirão a criação de bases sólidas para a tomada de decisão e a geração de políticas públicas para esse setor. As informações de perda de colmeia por país são analisadas periodicamente e os dados preliminares já estão disponíveis no site da Sociedade Latinoamericana de Investigações em Abelhas (SoLatInA): https://solatina.org/temas-de-estudio/monitoreo/.

 NA IMPRENSA

Governo Federal – Aberta consulta pública para reciclagem de embalagens de vidro em todo o Brasil

Folha de S.Paulo – Agronegócio se reúne com governo Doria para negociar ICMS antes de ‘tratoraço’

Folha de S.Paulo – Com mais renda, produtor cuida melhor da lavoura

G1 – Contratação de crédito rural sobe 18% na metade da safra 2020/21 e atinge R$125,3 bilhões

G1 – Número de trabalhadores empregados no agronegócio cresce no 3º trimestre de 2020

G1 – Entenda como a cadeia da castanha estimula a economia e ajuda na conservação da Amazônia

G1 – Antártica: os países que disputam a soberania do continente gelado

Valor Econômico – Produtores rurais ainda tentam reverter alta do ICMS em São Paulo

Valor Econômico – Venda de grãos será paralisada por 72 horas na Argentina a partir do dia 11

Valor Econômico – Indústria de suco de laranja defende acordos bilaterais

Valor Econômico – Abag engrossa o coro contra o aumento de ICMS em São Paulo

Valor Econômico – Soja em alta move exportação brasileira

Valor Econômico – Produtor tenta reverter alta de ICMS em SP

Valor Econômico – Aumento do ICMS em SP pode reduzir competitividade do etanol hidratado

Valor Econômico – ADM diz que originação de soja e milho no Brasil bateu recorde em 2020

Valor Econômico – Produtores de flores aderem à manifestação contra aumento do ICMS em São Paulo

Mapa – Força-tarefa do Mapa fiscaliza alimentos orgânicos no estado de São Paulo

Mapa – Contratação de crédito rural para safra 2020/2021 chega a R$ 125 bilhões em seis meses

Embrapa – Cientistas fazem estudo inédito sobre perda de colméias

Embrapa – ODS: Para atenuar mudanças climáticas e garantir alimento, pesquisa busca produção sustentável

AgroLink – Em MS, sojicultor deve declarar área plantada até 10 de janeiro

AgroLink – Pesquisa mira cana resistente à seca e carvão

AgroLink – MT: suinocultores pedem e Conab realiza leilão de milho

AgroLink – Mercado consolidado e previsão de boa colheita anima olivicultura brasileira

AgroLink – TO: áreas produtoras de soja devem ser cadastradas

AgroLink – La Niña terá pico em janeiro

AgroLink – Incerteza sobre arroz limita investimentos

AgroLink – Exportação de algodão deve seguir firme

AgroLink – Argentina expande no mercado de TSI biológico

AgroLink – China se interessa novamente por soja brasileira

AgroLink – Programas da Secretaria da Agricultura estimulam as agroindústrias familiares gaúchas

AgroLink – Simplificação das normas trabalhistas leva mais segurança ao agronegócio

AgroLink – Incubadora tecnológica da Esalq completa 15 anos

Canal Rural – Argentina: produtores farão greve contra suspensão de exportações

Canal Rural – Até janeiro: Brasil já registra 23 casos de ferrugem asiática na soja

Canal Rural – Força-tarefa do governo fiscaliza alimentos orgânicos em São Paulo

Canal Rural – Lavouras de soja melhoram no Paraná e 1% já estão prontas para colheita

Canal Rural – ABPA acredita que não vai faltar milho para produção de proteínas

Globo Rural – Agricultores anunciam greve contra suspensão de exportações de milho na Argentina

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »