Doze deputados federais vão disputar prefeituras no segundo turno  

//Doze deputados federais vão disputar prefeituras no segundo turno  
Neste domingo (15), 12 deputados federais foram escolhidos pelos eleitores para disputar prefeituras no segundo turno em 11 cidades, sendo cinco capitais. Juntos, esses municípios somam cerca de 11 milhões de habitantes. Segundo a Agência Câmara, outro deputado, Alexandre Serfiotis (PSD-RJ), foi eleito prefeito de Porto Real (RJ) já no primeiro turno. Também há dois deputados que conquistaram cadeiras de vice-prefeito já no primeiro turno: Paulo Marinho Jr (PL), em Caxias (MA), e Juninho do Pneu (DEM), em Nova Iguaçu (RJ). O deputado Deuzinho Filho (Republicanos) ainda vai disputar a vice-prefeitura de Caucaia (CE) no segundo turno. Luiza Erundina (Psol) também segue na disputa para vice-prefeita de São Paulo. Nestas eleições, 66 deputados concorreram a cargos de prefeito ou vice-prefeito em 43 cidades, sendo que 40 deles disputavam vagas em capitais. O número é inferior à eleição de 2016, quando 80 deputados se lançaram candidatos em 57 cidades. Como resultado, o número de vitórias de deputados no primeiro turno também é menor em comparação à eleição passada, quando nove deputados se elegeram prefeitos e dois vice-prefeitos no primeiro turno, e outros 16 deputados seguiram para o segundo turno. Segue abaixo a relação de deputados que vão disputar prefeituras no segundo turno: Capitão Wagner (Pros) – Fortaleza (CE); João H Campos (PSB) – Recife (PE); Marília Arraes (PT) – Recife (PE); Edmilson Rodrigues (Psol) – Belém (PA); Eduardo Braide (Pode) – São Luís (MA); JHC (PSB) – Maceió (AL); Zé Neto (PT) – Feira de Santana (BA); Darci de MATOS (PSD) – Joinville (SC); Margarida Salomão (PT) – Juiz de Fora (MG); Sergio Vidigal (PDT) – Serra (ES); Wladimir Garotinho (PSD) – Campos dos Goytacazes (RJ); Ottaci Nascimento (Solidariedade) – Boa Vista (RR).

Eficácia da vacina da Moderna é quase 95%, mostram resultados preliminares

A empresa de biotecnologia norte-americana Moderna anunciou nesta segunda-feira (16) que a sua candidata à vacina contra a Covid-19, desenvolvida em parceria com o governo dos EUA, apresentou eficácia de 94,5% em uma análise interina dos dados. De acordo com a Folha de S.Paulo Anthony Fauci, diretor do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (Niaid, na sigla em inglês), que é parceiro da empresa na produção da vacina, disse em entrevista que ficaria satisfeito já com uma eficácia de 75%. “Nós aspirávamos por 90%, 95%, mas não esperava encontrar esse resultado. Eu achei que teríamos um resultado razoável, mas 94,5% é muito impressionante.” Os dados preliminares da terceira fase de estudos clínicos da vacina foram avaliados por um comitê independente. A diretora executiva da Moderna, Stéphane Bancel, disse em um comunicado que os resultados iniciais demonstram “a primeira validação clínica que nossa vacina pode prevenir contra a doença Covid-19, incluindo proteção contra quadro severo.” Se confirmadas essas descobertas, a vacina da Moderna, assim como a da Pfizer, com eficácia de mais de 90% anunciada na última semana, podem ser as primeiras vacinas a impedir a infecção pelo novo vírus. No comunicado da última segunda-feira (9), a Pfizer não apontou se sua vacina teria eficácia em proteger contra o quadro severo da doença. Assim como a concorrente, a vacina da Moderna utiliza uma plataforma genética para induzir resposta imune no organismo. A ideia é utilizar trechos do RNA do vírus, notadamente aqueles responsáveis pela codificação da proteína S da espícula do vírus, para induzir a produção de anticorpos e células de defesa. Ao ter contato com o vírus verdadeiro, o sistema imune estará preparado para impedir a infecção e a replicação viral. Para Barry Bloom, pesquisador de saúde pública na Universidade de Harvard, as duas vacinas, da Moderna e da Pfizer, confirmam uma nova era em pesquisas de imunizantes. A terceira fase de testes em humanos da Moderna conta com a participação de 30 mil indivíduos saudáveis com mais de 18 anos nos Estados Unidos. Para avaliar a eficácia, um comitê externo, com integrantes escolhidos pelo próprio Niaid, avaliou os primeiros 95 casos de Covid-19 do estudo. Apenas cinco desses casos surgiram no grupo que recebeu o imunizante, enquanto os outros 90 foram no grupo que recebeu o placebo (o chamado grupo controle). Com isso, os pesquisadores concluíram que a eficácia da vacina era de 94,5%. Os dados preliminares também apontaram para a ocorrência de 11 casos severos da doença, mas nenhum deles foi identificado entre os participantes que receberam a vacina. O imunizante também não apresentou até o momento efeitos adversos severos, mostrando-se seguro.

Diabetes é responsável por 43 amputações diárias no Brasil

Neste Dia Mundial de Combate ao Diabetes, lembrado neste sábado (14), o Brasil registra a marca de 43 amputações de membros inferiores por dia, decorrentes de complicações da doença. Os dados, do Ministério da Saúde, se referem à soma de 10.546 amputações feitas pelo Sistema Único de Saúde (SUS) entre janeiro e agosto deste ano, ao custo de R$ 12,3 milhões, informou a Agência Brasil. No mesmo período do ano passado, foram realizadas pelo SUS 10.019 amputações de membros inferiores em decorrência do diabetes, que custaram R$ 11,6 milhões. O crescimento no número de procedimentos em 2020 foi de 5,26%. A Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) alerta que o principal motivo que leva a essas amputações é a falta de cuidados com a doença, a causa mais comum para amputações de pés e pernas, com cerca de 60%. Em 85% dos casos, o problema aparece como uma ulceração nos pés, ou seja, uma lesão nos tecidos, que pode ser tratada. O diabetes causa perda da sensibilidade, e os ferimentos podem evoluir para o chamado pé diabético, chegando aos casos graves de gangrena que necessitam de amputação. O paciente diabético precisa ficar atento a qualquer sinal nos pés, como frieiras, bolhas, ferimentos e calos. Os cuidados envolvem secar os pés com cuidado após o banho, manter a pele hidratada, utilizar meias de algodão e sapatos fechados. O diabetes também é um dos principais fatores de risco para o agravamento da covid-19. Por isso, o projeto internacional CoviDiab Registry, uma iniciativa da King’s College London, da Inglaterra, e da Monash University, da Austrália, está reunindo dados globais sobre diabetes e covid-19. Segundo os pesquisadores, há indícios de que o novo coronavírus também possa causar diabetes em quem não tinha. “É plausível que o Sars-Cov-2 possa causar várias alterações coexistentes do metabolismo da glicose, que podem complicar a fisiopatologia do diabetes pré-existente ou levar a novos mecanismos da doença. Existem, de fato, precedentes para uma etiologia viral para diabetes com tendência à cetose”, informa o projeto. O que os cientistas ainda não sabem é se o diabetes causado pelo Sars-Cov-2 persiste após a cura da infecção, ou se pode se tornar mais um fator de risco para pacientes com tendência à doença. Estudo feito no início da pandemia no Brasil mostrou que os pacientes de diabetes negligenciaram os cuidados por causa do isolamento e das medidas restritivas. A pesquisa ouviu 1.701 pacientes entre os dias 22 de abril e 4 de maio e os resultados foram publicados em agosto no periódico científico Diabetes Research and Clinical Practice. Participaram do levantamento pesquisadores e médicos de diversas instituições, entre elas a International Diabetes Federation, ADJ Diabetes Brasil, Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), Universidade de São Paulo (USP), Pan African Women in Health (PAWH), Secretaria de Saúde do Distrito Federal, Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e Hospital do Rim e Hipertensão de São Paulo. Do total, 95,1% dos entrevistados reduziram a frequência de saídas da residência e 91,5% passaram a monitorar a glicose no sangue em casa. Foi relatado aumento, diminuição ou maior variabilidade nos níveis de glicose por 59,4% dos participantes, 38,4% deles adiaram consultas médicas e exames de rotina e 59,5% diminuíram a atividade física.

Saúde realizará consulta pública sobre a incorporação do Spinraza®️ para a AME tipos II e III

O Ministério da Saúde irá realizar consulta pública para receber contribuições da população e da comunidade científica sobre a incorporação do Spinraza®️ para pacientes com Atrofia Muscular Espinhal (AME) dos tipos II e III, destacou a Agência Saúde na última sexta-feira (13). O assunto esteve em pauta na última reunião da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec) no dia 5/11. Na ocasião, o Plenário da Conitec avaliou os estudos relacionados ao uso do medicamento e a proposta de compartilhamento de risco apresentada pela empresa Biogen e recomendou inicialmente, por maioria simples, a não incorporação ao SUS, por considerar não haver evidências científicas suficientes para uma recomendação favorável. As contribuições enviadas durante a consulta pública poderão confirmar ou modificar a avaliação inicial da Conitec. Interessados podem acompanhar a abertura do processo por meio do site da Conitec. O SUS já oferta o Spinraza®️ para pacientes com AME 5 q do tipo 1. O processo para avaliação dessa demanda foi protocolado pela empresa Biogen, após uma série de reuniões de pré-submissão com a equipe técnica do Ministério da Saúde para qualificação da proposta. Para agregar mais evidências científicas sobre o tema, participaram da reunião da Conitec Edmar Zanotelli, neurologista e especialista em AME, e Jonas Saute, geneticista do Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA). Além disso, foi apresentado o relatório técnico inicial sobre o assunto, com estudos relacionados à eficácia, à efetividade e à segurança da tecnologia, além da avaliação econômica comparativa dos benefícios e dos custos em relação às tecnologias já existentes e o seu impacto orçamentário. Com a realização das reuniões online, o conteúdo tem sido disponibilizado por vídeo na página da Conitec. Qualquer pessoa pode acessar e assistir às discussões do Plenário sobre os temas em avaliação. A consulta pública será aberta, após publicação no Diário Oficial da União, tanto para contribuições técnico-científicas como também relatos de experiência sobre o uso do medicamento ou demais aspectos relacionados a Atrofia Muscular Espinhal dos tipos II e III. Após essa etapa, o tema deverá retornar à pauta da Comissão para avaliação das contribuições e elaboração da recomendação final e, por fim, encaminhado para decisão final de incorporação ou não ao SUS pelo secretário de Ciência, Tecnologia, Inovação e Insumos Estratégicos, do Ministério da Saúde. O processo deve ser concluído em até 180 dias. A AME é uma doença genética que interfere na capacidade do corpo em produzir uma proteína essencial para a sobrevivência dos neurônios motores. Sem ela, estes neurônios morrem e os pacientes perdem progressivamente o controle e força musculares, ficando incapacitados de se moverem, engolirem ou mesmo respirarem, podendo, inclusive, falecerem. A doença é degenerativa e não possui cura. Existem quatro subtipos, variando pela idade de início dos sintomas. Por ser rara, a incidência é de 1 caso para cada 6 a 11 mil nascidos vivos.

SAÚDE NA IMPRENSA
Agência Senado – Senadores apresentam projetos para ajudar no combate ao diabetes

Agência Senado – Paralisação de testes da Coronavac foi técnica, afirma diretor da Anvisa

Agência Câmara – Doze deputados federais vão disputar prefeituras no segundo turno

Agência Câmara – Duas MPs de combate ao coronavírus perdem a validade

Agência Câmara – Projeto concede adicional de 10% a profissionais de enfermagem aptos em Libras

Agência Câmara – Anvisa e Butantan divergem sobre necessidade de suspensão dos testes com a Coronavac

Agência Câmara – Projeto prevê que unidades habitacionais destinadas a idosos sejam adaptadas à mobilidade reduzida

Agência Câmara – Câmara analisa propostas para combater disseminação de diabetes

Agência Câmara – Telemedicina ajuda na prevenção de diabetes no Brasil durante pandemia

Agência Câmara – Projeto obriga o SUS a oferecer versão expandida do teste do pezinho

Anvisa – Anvisa convoca detentores de registro de medicamentos

Anvisa – Webinar da Anvisa aborda reprodução humana assistida

Anvisa – Anvisa vai realizar Webinar sobre notificação de saneantes

Anvisa – Produtos para saúde: criado programa para ampliar qualidade

ANS – ANS recebe prêmio de melhores práticas em regulação por monitoramento do setor durante a pandemia

Agência Saúde – Brasil registra 5.303.114 pessoas recuperadas

Agência Saúde – Programa de atendimento domiciliar especializado pelo SUS completa nove anos de atuação

Agência Saúde – Cartão do Caminhoneiro (a): mais cuidado e acompanhamento à saúde dos condutores em todo o país

Agência Saúde – Pacientes com diabetes contam com investimentos e cuidados no SUS

Agência Saúde – Saúde realizará consulta pública sobre a incorporação do Spinraza®️ para a AME tipos II e III

Agência Saúde – Ministros Eduardo Pazuello e Marcos Pontes visitam centro brasileiro de pesquisas para o combate à Covid-19

Agência Saúde – Ministério da Saúde prorroga mais de 600 leitos em 11 estados

Opas – Brasileiro João Aprígio Guerra de Almeida recebe prêmio na Assembleia Mundial da Saúde por trabalho em prol do aleitamento materno

Opas – OPAS, Ministério da Saúde do Brasil, Secretaria de Saúde de Roraima e UNAIDS fazem ação para prevenir IST entre migrantes e refugiados

Conitec – Texto do PCDT para prevenção da transmissão vertical do HIV, Sífilis e Hepatites Virais é atualizado após recomendação da Conitec

Conitec – Novo teste para detecção da tuberculose é incorporado ao SUS

Conitec – Exame de imagem vai auxiliar no diagnóstico de glaucoma no SUS

Conitec – Conitec prorroga prazo de consultas públicas após instabilidade de rede provocar dificuldade de acesso ao sistema

Governo Federal – Anvisa autoriza primeiro medicamento inalável para tratar depressão grave

Governo Federal – Projeto ampliará apoio a pesquisas científicas na Amazônia Legal

Agência Brasil – Diabetes é responsável por 43 amputações diárias no Brasil

Agência Brasil – Diretores da Anvisa e do Butantan explicam no Congresso vacina chinesa

Correio Braziliense – Moderna anuncia que eficácia da vacina contra a covid-19 é de 94,5%

Correio Braziliense – Teste adesivo é capaz de detectar a malária em apenas 20 minutos

Correio Braziliense – Agência Europeia de Medicamentos prevê uma vacina distribuída em janeiro

Correio Braziliense – Sputnik V: o que se sabe sobre vacina russa que teria 92% de eficácia contra covid-19

Folha de S.Paulo – Eficácia da vacina da Moderna é quase 95%, mostram resultados preliminares

Folha de S.Paulo – Projeto leva exames clínicos gratuitos a moradores da maior comunidade de SP

Folha de S.Paulo – Folha realiza seminário sobre melanoma; veja programação

Folha de S.Paulo – Para mudar o paradigma na saúde pública

Folha de S.Paulo – Após alta de internações por Covid em hospitais privados, rede municipal de SP mostra mesma tendência

Folha de S.Paulo – Estudo mostra que atraso de um mês no tratamento de câncer eleva risco de morte em 10%

Folha de S.Paulo – Saúde e Economia pedem desde 2019 concessão de UBSs, revelam documentos

Folha de S.Paulo – A importância do diagnóstico

Folha de S.Paulo – Laboratório aponta alta de 42% no número de testes positivos de Covid-19 em novembro

Folha de S.Paulo – Criado na Europa e sucesso nos EUA, aparelho que tonifica músculos e queima gordura ganha adeptos no Brasil

Jornal Agora – Morador deve seguir protocolos para usar a piscina na pandemia

O Estado de S.Paulo – Cidades veem sinais de novo crescimento da covid-19; dados desta semana podem apontar tendências

O Estado de S.Paulo – Alemanha prepara novas restrições diante da segunda onda de covid-19

O Estado de S.Paulo – A redução do FAP através da gestão dos afastados

O Estado de S.Paulo – Reino Unido espera começar a distribuir a vacina da Pfizer pouco antes do Natal

O Estado de S.Paulo – Seu coração aguenta o uso da maconha?

O Estado de S.Paulo – Minicérebros auxiliam testes de diferentes tipos de cannabis

O Estado de S.Paulo – Vacina e a imunização da covid-19, um caso de saúde coletiva

O Estado de S.Paulo – Conteúdo Patrocinado: Diagnóstico precoce da leucemia linfocítica crônica é essencial

O Estado de S.Paulo – O que ganha o SUS com a telemedicina?

O Estado de S.Paulo – Reino Unido espera começar a distribuir a vacina da Pfizer pouco antes do Natal

O Estado de S.Paulo – Entidades condenam politização dos testes da vacina contra a covid-19

O Estado de S.Paulo – Direito à saúde e a judicialização por medicamentos de alto custo

O Estado de S.Paulo – Pausa nos testes da Coronavac não desmobiliza voluntários em centros do estudo em São Paulo

O Globo – Investimento privado em saúde é preciso

O Globo – Planos de saúde: testes são mais da metade das queixas relativas à Covid

O Globo – Ministério da Saúde confirma ataque hacker em sistemas da pasta

O Globo – As vacinas anti-COVID19 em teste no Brasil

O Globo – Covid-19: vacina da Moderna é 94,5% eficaz, diz empresa; diretor da OMS mostra otimismo com ‘boas candidatas’

G1 – Hospitais municipais de SP registram alta de 9% nas internações

G1 – Moderna afirma que sua vacina é 94,5% eficaz, segundo análise preliminar da fase 3

G1 – Dengue: DF registra 45.926 casos prováveis da doença; aumento é de 22% em relação a 2019

G1 – Coronavírus chegou na Itália antes do que se pensava, aponta estudo italiano

Valor Econômico – Comissão Europeia celebra resultados positivos de estudo com vacina da Moderna

Valor Econômico – Segunda onda ameaça recuperação dos EUA

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »