DIVERGÊNCIAS IMPEDEM MUDANÇAS NA LEI DAS CULTIVARES

//DIVERGÊNCIAS IMPEDEM MUDANÇAS NA LEI DAS CULTIVARES

Reportagem do Valor Econômico, nesta segunda-feira (12), destaca que desde que decidiu mudar a lei que protege as cultivares desenvolvidas para a agricultura no Brasil, com o intuito de obrigar os agricultores a pagarem royalties sobre as sementes plantadas para uso próprio – as sementes salvas -, o Congresso Nacional alimenta uma disputa que parece não ter fim. “No agronegócio, até há consenso de que a lei, em vigor desde 1997, precisa ser revista para remunerar melhor as empresas de genética (obtentores) e estimular pesquisas em culturas carentes de inovação há anos. Mas o teor dessa revisão esbarra nas crescentes resistências vindas das mais diferentes frentes. Quase dois anos já se passaram desde que o projeto de lei 827/2015 começou a tramitar na Câmara, com o objetivo de conciliar os interesses dos obtentores, sementeiros (multiplicadores) e produtores. Mas até hoje nenhuma das partes chegou a um consenso sobre a melhor forma de remunerar quem desenvolve pesquisas com germoplasma de sementes protegidas”, diz o texto.

Os dois lados da disputa

A reportagem enfatiza que o projeto 827/2015 versa sobre sementes convencionais, já que as transgênicas obedecem a outra lei. “De um lado estão produtores de culturas como soja, algodão, e trigo. Eles aceitam pagar às obtentoras de tecnologia, desde que participem da definição dos royalties e da forma de recolhimento e aplicação dos recursos arrecadados. Do outro lado da corda está quase todo o resto da cadeia produtiva. Desde obtentores, que não abrem mão de receber 100% dos royalties e defendem sanções penais mais duras contra sementes piratas, até grandes confederações de classe, que não querem a cobrança sobre as sementes salvas por temem o encarecimento geral do insumo”, ressalta o Valor Econômico.

Desmistificando os defensivos agrícolas

O colunista Marcos Sawaya Jank, na Folha de S.Paulo de sábado (10), destaca que no debate atual chamam a atenção dois mitos que continuam sendo repetidos ad nauseam, sem a necessária evidência dos fatos. “O primeiro é a acusação de um persistente atraso na pecuária de corte brasileira e o outro é um suposto uso excessivo de defensivos agrícolas pela agricultura”, escreve ele. “Nosso consumo médio de defensivos é de 5 kg de ingredientes ativos por hectare, bem abaixo do observado na Holanda (20,8 kg), no Japão (17,5 kg) e na Bélgica (12 kg), países que gostam de apontar o dedo contra o Brasil. Um estudo da Kleffmann mostra que, enquanto o uso de defensivos por unidade produzida cresce 120% na China e 47% na Argentina desde 2004, no Brasil ele decresce 3%. E, ao contrário dos países de clima temperado, que contam com o inverno e a neve para quebrar o ciclo das pragas e doenças, aqui se produz o ano todo sob clima quente e úmido, sendo que em muitos lugares fazemos duas ou até três safras na mesma área. Especialistas afirmam que, se os defensivos não fossem utilizados, a produção agrícola sofreria uma redução da ordem de 50%, que certamente provocaria desmatamentos adicionais, além do risco de forte elevação dos preços dos alimentos”, diz trecho da coluna de Jank.

Cresce área plantada com transgênicos

A área semeada com grãos geneticamente modificados (transgênicos) no Brasil alcançou 49,1 milhões de hectares na safra 2016/17 entre soja, milho e algodão, de acordo com o segundo levantamento da consultoria Céleres, divulgado na sexta-feira (9) e destacado em reportagem do Valor Econômico nesta segunda-feira (12). A extensão corresponde a 93,4% da área total plantada com essas culturas no país e supera os 45,7 milhões de hectares com transgênicos no ciclo 2015/16. “A análise das tecnologias demonstra a liderança dos eventos com genes combinados (resistente a insetos e tolerante a herbicidas), que somarão 32 milhões de hectares, ou 65,1% do total semeado com tecnologia geneticamente modificada, A análise das tecnologias demonstra a liderança dos eventos com genes combinados (resistente a insetos e tolerante a herbicidas), que somarão 32 milhões de hectares, ou 65,1% do total semeado com tecnologia geneticamente modificada, permanecendo os números citados no levantamento anterior”, diz trecho da reportagem.

NA IMPRENSA

Mapa – Clima e necessidade de novos produtores são desafios do setor cafeeiro – http://ow.ly/mcqM3073tGd

Mapa – Carne bovina foi destaque na agenda de Novacki em Londres –http://ow.ly/Vmu63073tJT

Mapa – Mapa libera subvenção do diesel para embarcações pesqueiras –http://ow.ly/KXe23073tMY

MMA – Oficina orienta municípios sobre políticas ambientais –http://ow.ly/BUdz3073tCw

MMA – Ministro lança programa voltado a gestores –http://ow.ly/2vLX3073two

MMA – Projetos beneficiarão áreas quilombolas – http://ow.ly/ox9I3073tqP

Folha de S.Paulo – Marcos Sawaya Jank – Pecuária e defensivos são vítimas de ataques e desinformação – http://ow.ly/VDHe3072GqZ

Folha de S.Paulo – Em um ano, Amazônia perdeu 859 árvores por minuto –http://ow.ly/mAIK3072Gmx

Folha de S.Paulo – Documento do governo altera regra para demarcar terra indígena – http://ow.ly/bwrB3072Hxf

Folha de S.Paulo – Novo Código Florestal contribuiu para aumento no desmatamento – http://ow.ly/oLI33072IKW

O Estado de S.Paulo – Energia solar dá renda extra a propriedades rurais –http://ow.ly/H5XU3072ORp

O Estado de S.Paulo – Preço da laranja leva clima de ‘guerra’ ao setor –http://ow.ly/JVw23072OY9

O Estado de S.Paulo – Coluna do Estadão – CNA protocola representação criminal contra na PGR contra Sarney Filho – http://ow.ly/xF9m3072Pkh

O Estado de S.Paulo – Editorial – As pistas estão no agronegócio –http://ow.ly/LdaI3072PZx

Zero Hora – Campo Aberto – Leilões são insuficientes para alavancar mercado de trigo – http://ow.ly/gv9c3073jVN

Zero Hora – Campo e Lavoura – Indústria de carnes aposta nas festas de final de ano para compensar redução no consumo – http://ow.ly/kXE53073k2z

Zero Hora – “Até a aprovação, nada muda”, diz Hugo Borsari, diretor da Bayer sobre atuação da empresa após a aquisição da Monsanto –http://ow.ly/QwSF3073k4K

Zero Hora – Campo e Lavoura – Carlos Nabinger – Novos caminhos para a produção sustentável – http://ow.ly/btGO3073kc9

Zero Hora – Campo e Lavoura – Voz Campeira – Mudanças para o campo propostas pela reforma – http://ow.ly/dYdr3073kfH

Valor Econômico – Governo já desenha novo modelo para privatizar mais aeroportos – http://ow.ly/Ulhf3073nwz

Valor Econômico – Etanol volta a aumentar nos postos de boa parte do país –http://ow.ly/jUZF3073nU4

Valor Econômico – Brasil puxa aumento da produção mundial de milho –http://ow.ly/UZcl3073ozB

Valor Econômico – Divergências ainda impedem mudança na lei das cultivares – http://ow.ly/52kp3073nOq

Valor Econômico – Amaggi nomeia novo presidente –http://ow.ly/6PoN3073nQv

Valor Econômico – Cresce a área plantada com transgênicos na safra atual –http://ow.ly/yvPz3073oIl

Valor Econômico – Commodities Agrícolas – http://ow.ly/9oMk3073nHh

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.