Demonstração de pulverização de lavoura de mandioca com helicóptero

//Demonstração de pulverização de lavoura de mandioca com helicóptero
Primeira empresa do Paraná a utilizar helicóptero para pulverização agrícola, a Aéreo Agrícola Fornagieri (AAF), vai realizar nesta sexta-feira, dia (29), uma demonstração em lavoura de mandioca, em Dia de Campo que será promovido pelo Sindicato Rural de Paranavaí, Centro Tecnológico de Mandioca (CETEM), Associação Brasileira de Produtores de Amido de Mandioca (ABAM), Podium Alimentos, Emater e Sindicato das Indústrias de Mandioca do Paraná (SIMP). O evento será na Estância Maria Luiza, BR-158, Km 12, Tamboara, a partir das 15h30. Na ocasião será feito a aplicação de baculovírus em uma plantação de mandioca. O evento é aberto a mandiocultores e outros produtores rurais. Segundo o portal Diário do Noroeste a empresa começou a operar neste mês de novembro, quando recebeu a certificação da ANAC (Agência Nacional de Aviação Civil), a última necessária para começar os trabalhos. Além da ANAC, a empresa está certificada no Ministério da Agricultura, IAP, Adapar e CREA-PR. A sede administrativa está em Paranavaí e a base aérea em São Carlos do Ivaí. De acordo com o diretor do CETEM, Claodemir Grolli, o serviço permite a pulverização das lavouras com defensivos, adubos, herbicidas fungicidas, inseticidas etc, com mais qualidade de cobertura porque, voando a baixa altitude praticamente não há deriva (desvio) do produto por conta dos ventos. “Não há dano à lavoura, como acontece na pulverização com os tratores, e também promove a boa distribuição do produto, já que a altura da aplicação é semelhante a aplicação terrestre (trator)”, diz ele. O diretor do CETEM também destaca que a manobrabilidade do helicóptero permite “fechar” a área com lavoura, inclusive com “retoques nas bordas” da roça, e que o sistema, evitando a deriva e direcionando melhor o spray do produto, não coloca em risco lavouras vizinhas. Grolli destaca ainda que a pulverização aero agrícola é mais rápida e eficiente no caso de um ataque rápido de uma praga. “Se fôssemos esperar para lançar o produto com o trator a demora poderia comprometer toda a lavoura”, diz ele. No caso da utilização do helicóptero para a pulverização, Grolli lembra que como a aeronave utiliza um espaço na propriedade para pouso e decolagem, o produto a ser pulverizado é preparado no local da aplicação. “Não há necessidade do técnico se deslocar para fazer a verificação do produto até um aeroporto que servirá de base para o avião a ser usado no serviço”, explica ele. A viabilidade da pulverização com o helicóptero pode ter como referências áreas com 50 hectares. “Mas os pequenos produtores podem se juntar e contratar o serviço”, sugere Grolli.

Aprovada na Assembleia Legislativa do Estado de Santa Catarina alteração da Medida Provisória dos defensivos agrícolas

Foi aprovado na Assembleia Legislativa por 34 votos a zero, o parecer do deputado Marcos Vieira na Medida Provisória 226/2019, do Governo do Estado, que visa prorrogar a isenção de ICMS para os defensivos agrícolas. A aprovação da matéria foi pela conversão da MP em projeto de lei e na forma de uma emenda substitutiva global que agrega uma série de alterações propostas por parlamentares e pelo próprio Poder Executivo, destacou o portal Mais Soja nesta sexta-feira (29). Conforme Vieira, a nova redação inclui emendas dos deputados Romildo Titon e José Milton Scheffer para assegurar o benefício tributário dos defensivos agrícolas até o dia 30 de abril de 2020, data final do Convênio Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) 100/96, que trata do tema. Também contempla sugestão do governo para incluir no texto carnes e miudezas comestíveis frescas, resfriadas ou congeladas de aves e suínos no benefício de redução de base de cálculo do ICMS em 41,667% nas operações internas dos produtos da cesta básica, além de equalizar a carga tributária entre as operações internas e interestaduais, sujeitas a 7% no imposto. Em outro ponto, estabelece ainda alíquota nominal de ICMS de 12%, anteriormente de 17%, nas operações com erva mate, farinha de trigo, de milho, de mandioca e de arroz, arroz polido, parabolizado polido, parabolizado integral e integral, misturas e pastas para a preparação de pães, feijão, mel, carnes e miudezas comestíveis temperadas de suíno, ovino, caprino e coelho. Por sugestão de Vieira, também foi inserida a erva-mate nos produtos beneficiados. “Em face do objetivo precípuo da medida, qual seja, a reinserção de produtos na cesta básica e na lista de consumo popular, entendo oportuno reinserir na cesta básica a erva mate beneficiada, inclusive com adição de açúcar, espécies vegetais ou aromas naturais, visto que atende ao sentido do benefício, que é o de possibilitar a desoneração das mercadorias consumidas pela população mais humilde, bem como equiparara alíquota praticada no Rio Grande do Sul”.

TRF derruba decisão liminar que suspendia registro de 63 defensivos agrícolas

O Tribunal Regional Federal da 5ª Região derrubou nesta quinta-feira (28) a decisão liminar que suspendia o registro de 63 defensivos agrícolas no país. De acordo com o portal Folha Agrícola o desembargador federal Francisco Roberto Machado deferiu a liminar no agravo de instrumento apresentado pela União, que pedia a imediata suspensão da decisão que sustou os efeitos do Ato nº 62 do Mapa, publicado em setembro. O mérito da questão ainda será analisado. Na decisão, o desembargador considerou a ausência de elementos concretos que evidenciem o cometimento de qualquer irregularidade pela Administração Pública ao liberar o registro dos defensivos, além do impacto da decisão judicial à coletividade como um todo. Machado lembra que os atos administrativos têm presunção de legalidade, e que a política pública de liberação de defensivos foi resultado de trabalho e de estudos realizados por diversos órgãos e entidades governamentais competentes para este fim, como Ministério da Agricultura, da Saúde, do Meio Ambiente, Anvisa, Ibama e Embrapa. “Dentro desta perspectiva, percebo que, para se concretizar tal direito fundamental, imprescindível a criação de um ambiente que oportunize o diálogo entre os envolvidos, a fim de que possam expor as suas razões para, a partir de então, ser possível a construção da melhor solução jurídica para a espécie”, diz. Para pedir a suspensão da liminar, a Advocacia-Geral da União argumentou que o processo de registro de agrotóxicos no Brasil é extremamente cuidadoso, possui rigor técnico e está permanentemente sujeito a reavaliações. Outro argumento é que os novos produtos são, necessariamente menos tóxicos do que os já existentes no mercado, conforme imposição da legislação vigente no país. Além disso, não há registro de que o uso de defensivos agrícolas tenha aumentado em razão da concessão de novos registros, pois o uso dos produtos está relacionado à ocorrência de pragas a campo e não propriamente à disponibilidade de produtos registrados. Segundo a AGU, a maioria dos novos produtos registrados não se trata de novos agrotóxicos, mas sim de produtos genéricos, o que resulta no aumento de marcas comerciais disponíveis para a mesma substância. Para o consultor Jurídico do Ministério da Agricultura, Maximiliano Ferreira Tamer, a decisão do desembargador foi acertada, pois o tema é de extrema complexidade. “Não compete ao Poder Judiciário, em juízo liminar, decidir sobre questões tão complexas, cujas competências são atribuídas a diversos órgãos técnicos da administração pública”, disse.

Governo do Estado multiplica ações para Manejo Integrado de Pragas, em Mato Grosso do Sul

Com o objetivo de fomentar ações que estimulem a adoção de medidas tecnológicas, reduzindo os custos de produção e mitigando impactos ao ambiente e a saúde humana e animal, o Governo do Estado, através da Secretaria de Estado, de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), firmou com 13 instituições, entre associações, conselhos, entidades e instituições de pesquisa um Termo de Cooperação Técnica para execução do Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas (MIP) no Mato Grosso do Sul. Conforme publicação do portal Agraer a assinatura foi realizada na abertura do workshop “Responsabilidade técnica na emissão da Receita Agronômica”, no CREA-MS, em Campo Grande na manhã desta quarta-feira (27). Essa é a primeira ação da Semagro, por meio da Iagro, na execução do Plano Estadual para Difusão do MIP em Mato Grosso do Sul. O Termo tem por objetivo formalizar o compromisso conjunto do Governo do Estado e instituições para a implementação do Plano Estadual para Difusão do Manejo Integrado de Pragas. Assinaram: O Presidente da Associação dos Engenheiros Agrônomos de MS (AEAMS), Antonio Luiz Neto Neto; Luiz Henrique Cassaro da AASTEC-MS; Edson Borges do Instituto MS Agro; o Diretor do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (SIndag), Paulo Alberto Kern; O Diretor Executivo da OCB-MS, Sadi de Paula; o Diretor Presidente da Iagro, Daniel Ingold; o Chefe Geral da Embrapa Agropecuária Oeste, de Dourados, Guilherme Asmus; o Chefe Geral Interino da Embrapa Gado do Corte, Ronney Robson Mamede, Dirson Freitag, Presidente do Crea-MS; Alex Melotto, Diretor Executivo da Fundação MS; Ilton Henrichsen, Presidente da Fundação Chapadão e como testemunhas: Fernando Nascimento, Coordenador de Agricultura da Semagro; e Altamiro Nogueira Barbosa, da diretoria do Crea-MS. Elaborado e aprovado por um Grupo de Trabalho (GT), composto por membros do Conselho Estadual de Agrotóxicos (CEA), o Plano propõe ações no Estado para promoção e difusão dos princípios e práticas que compõem o MIP, gerando atitudes que racionalizem o uso de produtos fitossanitários no controle de pragas nos sistemas de produção, e que contribuam com a redução dos custos de produção e eventuais riscos de impactos ambientais e sociais relacionados ao uso desses insumos essenciais para o processo produtivo. O workshop que foi promovido também em Dourados, na terça (26), foi realizado pela Semagro, Iagro, e contou com a parceria com a AEAMS (Associação dos Engenheiros Agrônomos de Mato Grosso do Sul), Andav (Associação Nacional dos Distribuidores de Insumos Agrícolas e Veterinários), CREA-MS, com o apoio da UFGD, Sindiveg, Sindag, Fundação MS, Embrapa e MPE. Participaram profissionais que atuam nos distribuidores de insumos agrícolas, cooperativas, usinas, assistência técnica e aviação agrícola.

NA IMPRENSA
Agência Senado – Cientistas apontam preocupação com o clima global em seminário da CMA e CRE

Agência Câmara – Ambientalistas cogitam ação contra o governo diante do desmatamento na Amazônia

Folha de S. Paulo – Desmatamento ilegal zero não deve acontecer, diz ministro do Meio Ambiente

Folha de S. Paulo – Brasil não sabe quanto custa a água, mas sabe que não está sobrando

O Estado de S.Paulo – A recuperação judicial do produtor rural

Mapa – Mapa lança programa que integra ações de gestão de risco climático

Jovem Sul News – Embrapa Agropecuária Oeste faz parte da rede de multiplicadores do MIP em Mato Grosso do Sul

MP MT – Dia Mundial terá reunião de Fórum Estadual em Cuiabá

Agraer – Governo do Estado multiplica ações para Manejo Integrado de Pragas, em MS

Diário do Noroeste – Demonstração de pulverização de lavoura de mandioca com helicóptero

MST – Especial pelo movimento Mundial de Luta Contra os Agrotóxicos

New Trade – Consumo de Alimentos Orgânicos aumenta no Brasil

Folha Agrícola – TRF derruba decisão liminar que suspendia registro de 63 defensivos agrícolas

SC Portais – Benefícios terão nova discussão

NSC Total – Agropecuária fecha milhares de empregos em Santa Catarina

OCP – Deputados de Santa Catarina mantêm ICMS zero para agrotóxicos

Folha Babitonga – Estado irá investir mais de R$ 40 milhões na produção rural sustentável

Mais Soja – Aprovada na Alesc alteração da Medida Provisória dos defensivos agrícolas

Fecoagro – Secretaria da Agricultura apresenta o Projeto AgroConsciente às entidades do setor agrícola

Brasil Agro – Cientistas aliam nanotecnologia e produtos naturais para combater pragas

Anda – Governo libera mais 57 agrotóxicos e totaliza 439 pesticidas registrados

__________________________________________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »