Cuidados para evitar covid-19 levaram à queda de outras doenças respiratórias

//Cuidados para evitar covid-19 levaram à queda de outras doenças respiratórias
Quando os primeiros casos de covid-19 no País foram registrados no fim de fevereiro, coincidindo com o início da chamada “temporada de gripe”, os médicos temeram pelo pior. Um novo vírus muito contagioso se somaria a todos os outros patógenos respiratórios que costumam circular nesta época do ano, atingindo sobretudo as crianças. Mas a realidade se revelou bem diferente. A ocorrência dessas outras doenças caiu em mais de 70%. As internações de casos pediátricos graves foram reduzidas em 80%. Segundo informou o Correio Braziliense neste domingo (11), o número de ocorrências de síndromes respiratórias graves causadas pelo vírus sincicial respiratório (VSR), um dos mais comuns entre março e junho, caiu 76,4% entre janeiro e agosto deste ano quando comparado à média dos últimos três anos nos mesmos meses. Os casos de gripe também despencaram – uma redução de 62,2%. Os números são do sistema Infogripe, da Fiocruz. Em meados de março, no entanto, as medidas de isolamento social tiveram início, as escolas foram fechadas, e as campanhas para estimular a lavagem das mãos e o uso do álcool gel tomaram conta da mídia. Embora a máscara não tenha sido recomendada num primeiro momento, logo em seguida ela também foi adotada por parte da população. Os dados do Infogripe mostram que o número de ocorrências graves de influenza de janeiro a agosto de 2019, por exemplo, foi de 6 mil, ante menos de 2 mil no mesmo período deste ano. Nos oito primeiros meses do ano, o número de casos de síndrome respiratória grave causada pelo vírus sincicial respiratório caiu de 5.765 em 2019 para 1.047 este ano. Segundo Gomes, a subnotificação é desprezível, porque o painel só registra os casos muito graves, em que os pacientes precisam ser hospitalizados. Margareth Dalcolmo, pneumologista da Fiocruz, cita que também colaborou para esta queda a alta cobertura que a vacinação contra influenza alcançou neste ano. Logo que o coronavírus chegou ao Brasil, as autoridades de saúde incentivaram a vacinação justamente como medida para evitar a ocorrência de várias doenças respiratórias ao mesmo tempo, o que poderia aumentar a procura por hospitalização, prejudicando ainda mais a oferta. De acordo com o DataSus, a cobertura superou os 90% da população alvo no País. Mas se as medidas foram tão eficientes contra os outros vírus, por que, então, os casos de covid não foram controlados também? A principal explicação é que a capacidade de transmissão do Sars-Cov-2 é bem maior do que a dos outros vírus – e este é um dos motivos que o tornam potencialmente mais perigoso. Se o isolamento social – ainda que parcial em muitos Estados – não tivesse sido feito, a tragédia da covid-19 teria sido bem maior.

Ministro do STF confirma decisões que obrigam capital mineira a prestar serviço de saúde a particular

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, indeferiu, na última sexta-feira (9), pedidos de suspensão contra decisões do Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais (TJ-MG) que condenaram o município de Belo Horizonte a fornecer medicamentos a particulares. Caso semelhante envolvendo um pedido de reconsideração do município de Santa Cruz do Sul, no Rio Grande do Sul, também foi decidido na mesma linha. “O âmbito de cognição possível nos incidentes de contracautela é necessariamente restrito, devendo se ater à existência ou não de grave lesão à ordem, à saúde, à segurança e à economia públicas”, afirmou o ministro ao citar a jurisprudência da Corte em decisão do ministro Ricardo Lewandowski. Ambas prefeituras alegavam que o pagamento dos tratamentos acarretaria em desorganização administrativa e financeira na administração pública local. No entanto, Luiz Fux apontou que o custo dos medicamentos é modesto frente aos orçamentos de municípios de grande e médio porte, como a capital mineira e a cidade gaúcha, respectivamente. O ministro lembrou ainda que para análise do incidente de contracautela, não cabe manifestação quanto ao mérito discutido no processo originário devendo se limitar à verificação da existência de risco de grave lesão ao interesse público, além de um juízo mínimo de plausibilidade do argumento jurídico invocado.

Planos de saúde repassaram ao SUS R$ 491 milhões no primeiro semestre

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) repassou ao Sistema Único de Saúde (SUS) R$ 491 milhões no primeiro semestre deste ano. Em 2019, o ressarcimento ao SUS, por meio do Fundo Nacional de Saúde (FNS), somou R$ 1,151 bilhão. O ressarcimento ao SUS foi criado pelo artigo 32 da Lei nº 9.656/1998 (Lei dos Planos de Saúde) e regulamentado pelas normas da ANS, destacou a Agência Brasil neste domingo (11). Trata-se da obrigação legal das operadoras de planos privados de assistência à saúde de restituir as despesas do SUS no eventual atendimento de seus beneficiários que estejam cobertos pelos seus respectivos planos. A ANS informou que devido à pandemia do novo coronavírus e à alteração de prazos processuais administrativos vigente a partir da publicação da Medida Provisória nº 928, o processo de ressarcimento ao SUS foi afetado no que se refere à recepção de impugnações e recursos e, em consequência, à sua análise, cobrança e repasse. O órgão esclareceu também que, com a retomada dos prazos processuais a partir de julho, os padrões utilizados antes da pandemia deverão ser gradualmente retomados. Durante a pandemia, com o aumento dos atendimentos por síndromes respiratórias e pela covid-19, a ANS acompanhou as mudanças assistenciais e os padrões adotados em sistemas para registro dos atendimentos realizados, com o objetivo de que possam ser revertidos em notificações de ressarcimento ao SUS. Para isso, foram criados leitos específicos, código próprio para a doença na lista de Classificação Internacional de Doenças (CID), bem como procedimentos especiais para assistências hospitalar e ambulatorial relacionados à covid-19. A Agência destacou que essas informações já fazem parte do conjunto de dados que identificam e qualificam os casos envolvidos no processo de ressarcimento ao SUS. A assistência hospitalar em caso de internação pela covid-19 já era de cobertura obrigatória pelos planos de saúde desde o início da pandemia, quando os registros de casos no SUS se enquadravam em procedimentos não específicos, notadamente no tratamento de pneumonias ou influenza (gripe). A ANS explicou, contudo, que “considerando os cronogramas e prazos do ressarcimento ao SUS, os eventos relacionados à pandemia e elegíveis para esse processo somente serão conhecidos a partir do primeiro trimestre de 2021, sendo encaminhados às operadoras e divulgados publicamente a partir da notificação do Aviso de Beneficiário Identificado (ABI) n° 85, previsto para lançamento em 29 de março de 2021”.

Despesas com medicamentos e planos de saúde terão alta de 7% em 2020, diz pesquisa

Despesas com medicamentos, planos de saúde e tratamentos médico e dentário terão alta, em média, de 7% em 2020, em comparação com 2019, segundo o IPC Maps, que mede potencial de consumo com base em dados oficiais, informou a colunista Mônica Bergamo da Folha de S.Paulo nesta segunda-feira (12). De acordo com o levantamento, o valor chegará a R$ 275,8 bilhões neste ano, ante R$ 257,7 bi em 2019. Os desembolsos apenas com planos de saúde e tratamentos registram um crescimento de 22,3%, enquanto que as despesas com medicamentos apresentam queda de 5,5% em relação ao ano passado.

SAÚDE NA IMPRENSA
STF – Ministro confirma decisões que obrigam capital mineira a prestar serviço de saúde a particular

Agência Senado – No Mês da Saúde Mental, senadores pedem políticas públicas para tratamento

Agência Câmara – Pandemia afetou diagnóstico e tratamento do câncer de mama no SUS

Agência Câmara – Comissão promove debate sobre saúde das populações afetadas por queimadas

Agência Câmara – Secretaria da Mulher discute aplicação de lei que garante exames para detectar câncer em 30 dias

Agência Câmara – TCU poderá se manifestar sobre resultado de auditoria de todos os planos de saúde

Agência Câmara – Projeto institui política de atenção à saúde mental para familiares de vítimas da Covid-19

Folha de S.Paulo – Despesas com medicamentos e planos de saúde terão alta de 7% em 2020, diz pesquisa

Folha de S.Paulo – Preferência por andar a pé subiu de 9% para 23% na pandemia

Folha de S.Paulo – Em evento virtual de Cannabis, grandes nomes do setor dão o panorama do mercado de capital para 2021

Folha de S.Paulo – Proteger a criança é forma de cuidar da mãe

Folha de S.Paulo – Médicos e a culpa pela morte

Jornal Agora – Projeto de ajuste fiscal de Doria pode avançar na Alesp

Jornal Agora – Vantagens da teleperícia no INSS

O Estado de S.Paulo – Estudo confirma o primeiro caso de reinfecção por covid-19 nos EUA

O Estado de S.Paulo – Bolsonaro deve vetar artigo sobre médicos na lei do Código de Trânsito Brasileiro

O Estado de S.Paulo – Falsa vacina contra o coronavírus é vendida em Niterói

O Estado de S.Paulo – Síndrome de Burnout avança entre executivos na pandemia

O Estado de S.Paulo – Exames realizados fora do ambiente laboratorial? É importante inovar sem desproteger

BR Político – Mandetta vê ‘apagão’ e orçamento insuficiente para o pós-covid

O Globo – Saúde distribuiu menos de 10% da hidroxicloroquina recebida como doação

Agência Saúde – Brasil registra 4.495.269 de pessoas recuperadas

Agência Saúde – Ministério da Saúde prorrogou mais de 50% dos leitos de UTI

Agência Saúde – Amamentação é importante aliada na prevenção do câncer de mama

Agência Saúde – Ministério da Saúde investe em carteira de vacinação digital e na identificação por CPF

Agência Saúde – Caderneta da Criança é ferramenta importante para acompanhamento integral da saúde infantil

Agência Saúde – Ministério da Saúde investe em ações de saúde mental durante a pandemia

Agência Saúde – Ministério da Saúde prevê 140 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 no primeiro semestre de 2021

Agência Saúde – Sarampo: mobilização nacional de vacinação para pessoas de 20 a 49 anos vai até 30 de outubro

Anvisa –  Transformação digital da Anvisa: convocação

Anvisa –  Definidas regras para elaborar nova Agenda Regulatória

Anvisa –  Participe do Webinar sobre a Consulta Pública 912

ANS – Ressarcimento: no primeiro semestre, ANS repassou R$ 491 milhões ao SUS

ANS – ANS divulga Relatório de Atendimento das Ouvidorias das operadoras de planos de saúde

ANS – ANS recebe até o dia 23/10 sugestões para aprimorar normativa sobre movimentação de ativos garantidores

Opas – OPAS e OIM assinam acordo para melhorar saúde de 70 milhões de migrantes nas Américas

Agência Brasil – Coppe desenvolve sistema para ajudar no tratamento da covid-19

Agência Brasil – Brasil acumula 5,1 milhões de casos e 150.689 mortes por covid-19

Agência Brasil – Planos de saúde repassaram ao SUS R$ 491 milhões no primeiro semestre

Agência Brasil – SP tem leve aumento na média móvel de mortes por covid-19

Agência Brasil – Governo executa 77% dos recursos para ações de combate à covid-19

Correio Braziliense – Covid-19: Coronavírus pode ‘sobreviver por 28 dias’ em celular e dinheiro, diz estudo

Correio Braziliense – Estudo: Coronavírus pode sobreviver até 28 dias em algumas superfícies

Correio Braziliense – Medicamento antimicrobiano testado em animais contra covid-19 tem resultado promissor

Correio Braziliense – Internações em UTIs pediátricas por infecções respiratórias comuns caem 80% em 2020

Correio Braziliense – Cuidados para evitar covid-19 levaram à queda de outras doenças respiratórias

Valor Econômico – Ao aderir a programa de vacina da OMS, China ocupa espaço dos EUA

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »