Companhias aéreas reclamam de pacote do governo para o setor

//Companhias aéreas reclamam de pacote do governo para o setor
O pacote de medidas para desburocratizar a aviação lançado nesta quarta-feira (7) pelo governo deixou um gosto amargo entre executivos de grandes companhias aéreas nacionais e estrangeiras que atuam no Brasil. Segundo a coluna Painel S.A. da Folha de S.Paulo muitos deles saíram reclamando que o novo programa contempla negócios de menor porte da aviação geral, que abrange táxi aéreo, aviação agrícola e anfíbia, mas as gigantes da aviação comercial, cuja retomada tem potencial de alavancar a economia, ficaram de fora. Altos executivos de grande companhias aéreas que gostariam de ter sido ouvidos na preparação do pacote, planejam procurar o governo para insistir com as pautas de desburocratização em questões aduaneiras no negócio de carga e direitos do consumidor. A queixa das aéreas não sensibilizou muita gente no governo. Dentro do Ministério da Infraestrutura, a avaliação de envolvidos no assunto é que sempre ficou claro que o foco seria a aviação geral. Há promessas de uma medida provisória para complementar, porém, nada imediato.

Anvisa decide permitir uso de estoques remanescentes de paraquate 

A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) decidiu nesta quarta-feira (7) flexibilizar a proibição do agrotóxico paraquate, permitindo que os produtores agrícolas utilizem os estoques remanescentes do produto na safra 2020-21. De acordo com a Folha de S.Paulo o paraquate havia se tornado proibido no Brasil em 22 de setembro, após a agência decidir não prorrogar o início do banimento do herbicida. Em reunião da diretoria colegiada da agência, nesta quarta-feira, os diretores decidiram por unanimidade, 5 votos a 0, alterar a resolução 177, aprovada em 2017, que havia determinado a proibição a produção, importação e comercialização do produto no Brasil, em um prazo de três anos. A mudança na resolução permite que os agricultores utilizem o estoque já adquirido do produto. Os agricultores poderão usá-lo, portanto, durante a safra vigente. O último uso permitido do paraquate vai se dar nas regiões Sul, Sudeste e Centro-oeste, nas quais os produtores de trigo estão autorizados a aplicar o agrotóxico até 31 de agosto do próximo ano. Há um mês, a mesma diretoria colegiada da Anvisa havia negado pedido do setor para que o início da proibição fosse adiado até 31 de julho de 2021. O novo pedido de flexibilização na proibição partiu do Ministério da Agricultura, que encaminhou um ofício ao diretor-presidente substituto da Anvisa, Antonio Barra Torres. O ofício solicitando o uso dos estoques argumentava que os produtores rurais brasileiros adiantaram a compra do herbicida, por conta da alta do valor do dólar. A retirada do produto do mercado brasileiro, argumenta a pasta, poderia resultar em aumento nos custos de produção e consequente inflação de produtos alimentícios para a população brasileira. O Ministério da Agricultura também afirmou que a proibição imediata do paraquate resultaria em graves consequência na balança comercial brasileira e para o PIB (Produto Interno Bruto). Os diretores da Anvisa também afirmaram em seus votos que havia preocupação em relação ao possível retorno dos estoques comprados, processo que poderia acarretar problemas ambientais e de saúde pública. O paraquate é um dos agrotóxicos mais vendidos do Brasil. O produto é usado largamente em culturas como algodão, milho e soja.

Mapa e Agência Espacial Brasileira assinam acordo para o desenvolvimento de tecnologias espaciais no setor agropecuário

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e a Agência Espacial Brasileira (AEB), autarquia vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), assinaram nesta quarta-feira (7) um Acordo de Cooperação Técnica para estimular o desenvolvimento de tecnologias e de aplicações espaciais para o setor agropecuário nacional. A assinatura ocorreu de forma virtual, em transmissão no YouTube, e contou com a presença do presidente da AEB, Carlos Moura; secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação (SDI/Mapa), Fernando Camargo, que representou a ministra Tereza Cristina; do diretor de Governança do Setor Espacial (DGSE/AEB), Cristiano Augusto Trein; do diretor do Departamento de Apoio à Inovação para Agropecuária do Mapa, Cleber Soares; e do presidente da Frente Parlamentar Mista para o Programa Espacial Brasileiro, deputado federal Daniel Freitas. O objetivo da parceria é impactar positivamente a produtividade e a qualidade do setor agropecuário. O resultado esperado é o estabelecimento de um novo patamar de alcance das tecnologias, produtos e serviços espaciais no setor. O Acordo de Cooperação Técnica tem abrangência nacional e visa atingir a iniciativa privada, a academia, os institutos de ciência e tecnologia e os demais atores relevantes do Sistema Nacional de Desenvolvimento de Atividades Espaciais (Sindae). Na abertura do evento, o presidente da AEB, Carlos Moura, enfatizou os principais ganhos que o acordo trará para ambos os setores. “Nós vivemos em um mundo onde se fala muito sobre sustentabilidade, em como se produzir mais gastando menos, como exigir menos do meio ambiente, da Terra e da natureza, e como agredir menos usando menos defensivos. Faremos tudo o que pudermos como uma infraestrutura que ajude o Mapa e todas as entidades relevantes nesse processo a trabalharem melhor”, declarou Moura. O diretor Cristiano Augusto Trein (DGSE/AEB) reforçou que as tecnologias espaciais são imprescindíveis para a agricultura de precisão, pecuária de precisão, aquicultura de precisão. Trein destacou também a importância dos sistemas de coleta de dados e suas interfaces com Internet das Coisas, principalmente no que diz respeito a conectividade e confiabilidade. O secretário de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação do Mapa, Fernando Camargo, destacou que o agronegócio brasileiro vem se modernizando, com acesso às melhores ferramentas e tecnologias. “Hoje o agro Brasileiro é absolutamente cosmopolita, é um agro que tem acesso a tudo que tem de bom e melhor no mundo. A entrada da Agência Espacial Brasileira nesse ecossistema com o Mapa e com a Embrapa será um avanço fundamental para aumentar a produtividade. Fazer o entendimento aéreo espacial no Brasil, conhecer nosso território, solo e clima vai fazer com que aumente ainda mais a produtividade sem agredir o meio ambiente. O Brasil é uma potência agroambiental”, comentou Camargo. O diretor do Departamento de Inovação de Agropecuária do Mapa, Cleber Soares, reforça que o Brasil tem uma oportunidade ímpar de ampliar a tecnologia do agronegócio no Brasil. A AEB e o Mapa trabalharão de forma conjunta, tendo como diretrizes básicas promover a expansão do uso de produtos e serviços espaciais no setor agropecuário brasileiro, fomentar a aquisição de produtos e de serviços espaciais no ambiente rural, estabelecer ações para que o Brasil se torne um exportador de soluções tecnológicas e espaciais com aplicação no setor e formar e capacitar recursos humanos qualificados.

Drones aplicam fungos para controle de carrapatos

Os carrapatos são considerados um dos principais problemas da pecuária brasileira e também para os seres humanos, informou o portal Agrolink nesta quinta-feira (8). O carrapato-do-boi é um parasita de grande alcance na América do Sul e causa perda de apetite, bicheiras, perda de peso e consequente produção de carne e leite nos bovinos. No Brasil, os prejuízos atribuídos ao carrapato situam-se próximo a US$ 8 bovino/ano, podendo dessa forma ultrapassar US$ 1 bilhão anuais. Já o carrapato-estrela é causador da febre maculosa. Infectado pela bactéria Rickettsia rickettsii, o quadro inicial é caracterizado por febre alta, dor de cabeça, no corpo e perto dos olhos, enjoo, vômito, diarreia e falta de apetite. Somente no estado de São Paulo, entre 207 e 2019, foram 823 pessoas infectadas. Como forma de combater esses dois parasitas o Instituto Biológico, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, estudo o uso do controle biológico aplicado por drones. Trata-se da cepa de um fungo selecionado pelo IB e que se mostrou eficiente para o controle desses carrapatos em grandes áreas, como gramados, parques públicos e fazendas, por exemplo. Segundo a pesquisadora Marcia Mendes, a estratégia dos especialistas é usar o fungo Metarhizium anisopliae (IBCB 425) amplamente utilizada para controle da cigarrinha-da-raiz na cana-de-açúcar, para controlar larvas, ninfas e adultos de carrapatos-estrela e do boi no ambiente em que ficam as capivaras e os bovinos, respectivamente. “Estamos padronizando a aplicação em áreas de parques e fazendas utilizando drones o que facilitaria muito o trabalho dos gestores públicos, no caso da febre maculosa, e dos produtores rurais, no caso do carrapato-do-boi”, explica. Os testes de padronização do uso de drones já estão sendo realizados no Centro de Engenharia e Automação do Instituto Agronômico, em Jundiaí, com o pesquisador Hamilton Humberto Ramos e a colaboração dos pesquisadores Susi Leite e Hannes Fischer da FATEC Pompeia – Shunji Nishimura. Outros testes já foram realizados em Salto e Pirassununga e em bovinos especificamente em Pindamonhangaba. Os estudos mostram que na fase de chuvas, o fungo selecionado é ainda mais eficiente. Na época da seca, ele foi um pouco menos eficaz, mas ainda bastante promissor.  No caso dos bois, o experimento com aplicação da cepa no pasto está na fase final e tem mostrado eficiência no controle do carrapato dos bovinos. “Os carrapatos parasitam nos bovinos e depois de 21 dias vão para o solo, onde colocam cerca de três mil ovos, que em 15 dias virarão larvas. Desta forma, é importante a estratégia de controle desses carrapatos no pasto, para quebrar o ciclo e reduzir a infestação. O uso do controle biológico, porém, não impedem a utilização de remédios nos animais. Há uma complementação de esforços”, diz Marcia. O uso do inimigo natural para o controle dos carrapatos traz grandes benefícios como a redução ou até mesmo eliminação do uso de produtos químicos, diminuindo o risco para animais, trabalhadores e meio ambiente.

NA IMPRENSA

Agência Senado – Projeto institui processo judicial de regularização fundiária na Amazônia Legal

Agência Senado – Comissão do Pantanal tem audiência para ajudar a elaborar Estatuto

Agência Senado – Estatuto do Pantanal conciliará produção e proteção, diz Wellington Fagundes

Agência Câmara – Revogação de resoluções do Conama põe meio ambiente em risco, dizem especialistas

Agência Câmara – Comissão externa vai encaminhar sugestões ao governo para enfrentar queimadas no Pantanal

Governo Federal – Programa Voo Simples traz regras mais modernas para o setor da aviação brasileira

Folha de S.Paulo – Companhias aéreas reclamam de pacote do governo para o setor

Folha de S.Paulo – Anvisa decide permitir uso de estoques remanescentes de agrotóxico associado ao mal de Parkinson

Anvisa – Paraquate: regras para uso do estoque remanescente

G1 – Carga de defensivo agrícola sem nota fiscal é apreendida na Rodovia Assis Chateaubriand

G1 – Anvisa autoriza uso dos estoques do agrotóxico paraquate, associado à doença de Parkinson

G1 – Maranhão notifica primeiro caso de recebimento das ‘sementes misteriosas’, diz AGED

G1 – Com oferta limitada, Brasil reduz mistura de biodiesel para novembro e dezembro

Valor Econômico – Produção brasileira de grãos deverá alcançar um novo recorde em 2020/21, confirma Conab

Valor Econômico – Estudo expõe mazelas da produção de cacau no litoral sul da Bahia

Valor Econômico – Melhoram as perspectivas para a venda de máquinas

Valor Econômico – Exportações de soja e derivados deverão render US$ 34,5 bi em 2020 e US$ 36,6 bi em 2021, prevê Abiove

Valor Econômico – Índice de preços globais de alimentos da FAO voltou a subir em setembro

Valor Econômico – Espaço aberto para grãos e carnes em MT

Valor Econômico – Anvisa autoriza uso de estoques de paraquate na safra 2020/21

Valor Econômico – ANP reduz mistura de biodiesel no diesel para 11% em novembro e dezembro

Valor Econômico – Produção paulista de laranja é sustentável e respeita biodiversidade, sustenta Fundecitrus

Valor Econômico – BNDES aprova R$ 2,8 milhões para projetos de internet das coisas na zona rural

Valor Econômico – Ministério da Agricultura lançará programa de extensão rural digital

Valor Econômico – STJ reforça decisão favorável aos produtores rurais em caso de recuperação judicial

Mapa – Mapa e Agência Espacial Brasileira assinam acordo para o desenvolvimento de tecnologias espaciais no setor agropecuário

Mapa – Mapa lança programa Ater Digital

Mapa – Mapa publica guia de apoio para mapeamento de riscos e combate à fraude e corrupção

Mapa – Produção de grãos deve superar 268 milhões de toneladas na safra 2020/21

Embrapa – Embrapa participa de audiência pública sobre o Pantanal em comissão do Senado

Embrapa – Palestrantes destacam importância do manejo de pragas e da precisão na atividade florestal

CNA – Projeto Campo Futuro analisa custos de produção nas regiões Sul e Sudeste

CNA – Evento sobre abelhas sem ferrão debate geração de renda pelo setor

Agrolink – Embrapa promove webinar sobre produção de caju em sistema superadensado

Agrolink – Imagem de satélite: nova matéria-prima da agricultura?

Agrolink – Imagem de satélite: nova matéria-prima da agricultura?

Agrolink – Softwares auxiliam produtores do pré-plantio até a venda

Agrolink – Projeto Campo Futuro analisa custos de produção nas regiões Sul e Sudeste

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »