Como a inovação pode ser decisiva no agronegócio?

//Como a inovação pode ser decisiva no agronegócio?
A inovação vem ocupando um espaço central em diversos setores, e até então, a questão era a necessidade de inovar para manter-se integrado a um sistema produtivo eficiente, sustentável e dinâmico, destacou o portal AgroLink nesta quarta-feira (27). O artigo de Eduardo Garbes Cicconi, gerente do Supera Parque de Inovação e Tecnologia de Ribeirão Preto (SP), José Luiz Rampazo Filho, sócio diretor da Agrobrain Consultoria e Oswaldo Junqueira Franco, sócio diretor da Agrobrain Consultoria, Como a inovação pode ser decisiva no agronegócio, apresenta os aspectos e a importância de ser inovador. Veja: Percebemos cada vez mais a importância da inovação em tempos como o vivido por nós hoje, quando se espera a descoberta de uma nova droga ou uma vacina que possa conter o avanço do COVID-19 e seus impactos na saúde e na economia mundial. O agronegócio não fica à margem dessa discussão e vem apresentando cada vez mais opções tecnológicas e inovadoras, seja para o produtor, empresários ou consumidores finais. No passado, o modelo tradicional de inovação caracterizava-se pelo empreendedor que tinha uma ideia, contratava pessoas, alugava uma sala, comprava móveis, equipamentos, computadores, passava de seis meses a um ano produzindo e somente depois buscava o seu consumidor final. Atualmente, quando a eficiência é um fator extremamente importante, em que não há como desperdiçar tempo, esforços e recursos financeiros, o consumidor assume um papel central no desenvolvimento de novas tecnologias e novos produtos. Primeiro, busca-se entender quais são os principais problemas ou necessidades enfrentadas, para depois criar soluções para satisfazê-los. Com isso, minimizam-se os riscos envolvidos no desenvolvimento de novos produtos ou serviços. A cultura da experimentação é extremamente importante para que se possa entender a fundo o que o consumidor precisa, e se a solução em desenvolvimento atrai o seu interesse. Somente depois de tudo isso é que se deve propor uma produção em larga escala. No agronegócio, o primeiro passo, e o mais importante, é manter contato constante com o seu cliente, seja ele o produtor, o empresário ou a população urbana. É preciso encurtar os caminhos, acabar com o isolacionismo produtivo, saber das necessidades, vontades, problemas e tendências para que a inovação seja efetiva e agregue valor à cadeia produtiva. Hoje, o produtor consegue monitorar sua produção em tempo real, ser preciso na ação de combate a pragas e doenças, em diminuir as perdas no campo e assim ser muito mais eficiente e assertivo na tomada de decisão. E como essas inovações afetam o agronegócio e quais as suas tendências? Atualmente, existem possibilidades enormes de mapeamento de dados, de clima, solo, cultura, pragas, etc, e o importante é conseguir transformar esses dados em informações que possam ajudar o produtor a tomar decisões mais rápidas e alinhadas aos desejos de seus clientes. São diversos os exemplos de inovação já adotadas pelo agronegócio em larga escala, seja na utilização de sensores, drones, softwares de gestão, nos modelos de negócios, ou seja, na maneira como se relaciona com o cliente e demais stakeholders. Mais importante do que saber qual inovação adotar, ou qual tecnologia implantar, é preciso saber exatamente qual a necessidade enfrentada pelo seu cliente. Então, é hora de sair do escritório ou da propriedade e fazer os que os sábios e antigos já faziam costumeiramente, conversar com seu cliente.

Vespa parasita oferece controle de pragas

Uma espécie de vespa parasitária descoberta por acaso poderia fornecer aos produtores uma maneira livre de produtos químicos para controlar uma grande praga, os besouros de repolho (CSFB), informou o portal AgroLink nesta quarta-feira (27). Explorações posteriores revelaram que colônias de cerca de 3.000 besouros coletados em três locais ao redor de Norfolk foram infectadas por uma vespa parasita que deposita ovos dentro do corpo do besouro. O sequenciamento genético e a pesquisa do Museu de História Natural do Reino Unido e do Museu Sueco de História Natural identificaram a vespa como uma espécie escura chamada Microctonus brassicae, que foi relatada pela primeira vez em 2008 sem identificação adicional até o momento. O estudo de pesquisadores do John Innes Center é a primeira descrição publicada deste parasitóide adulto. Experimentos mostraram que, sob condições controladas, a presença de vespas em quantidades suficientes levou ao colapso das colônias.  Os hospedeiros do besouro tornam-se estéreis e morrem depois que as larvas da vespa emergem do corpo após passarem pelo sistema digestivo. O curto tempo de geração de 43,5 dias do ovo ao adulto significa que seria possível criar rapidamente várias gerações sob condições controladas. O estudo levanta a possibilidade de empregar Microctonus Brassicae e outras espécies de vespas parasitas geneticamente semelhantes ao biocontrole para proteger a canola e uma variedade de culturas comercialmente importantes, propensas a ataques por CSFB. O besouro é uma grande ameaça para a colza, principalmente a safra de inverno, em todo o Reino Unido e Europa. Causa danos característicos aos orifícios das folhas, resultando frequentemente em falha da colheita ou mau estabelecimento da colheita.

Agropecuária é o único setor com saldo positivo de empregos no ano

Apesar da pandemia provocada pela Covid-19, a região Sudeste abriu 1.773 vagas de trabalho nos setores de agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura no mês passado. De acordo com publicação da coluna Vaivém da Folha de S.Paulo desta quarta-feira (27), os dados são do novo Caged, que registra, no entanto, que o setor fechou 4.999 vagas em todo o país no mês passado, contratando 52,3 mil trabalhadores e desligando outros 57,3 mil. É o segundo mês que a agropecuária contrata menos do que demite. Já em janeiro e em fevereiro, as contratações superaram as demissões.  Entre os estados que mais abriram vagas na agropecuária em abril estão São Paulo e Minas Gerais, ambos com 700 vagas, seguidos por Goias, com 690. Mato Grosso, o principal estado agropecuário do Brasil, fechou 1.715 postos de trabalho. Esses números são resultados da diferença entre admissões e desligamentos de trabalhadores em abril. São Paulo e Minas Gerais estão em período de safras de cana-de-açúcar, de café e de laranjas, setores que empregam muita mão de obra. Goiás também iniciou a safra de cana. Além disso, é o final da safra de verão de grãos e aumento de atividades devido à de inverno. Já o Rio Grande do Sul, estado que viveu um período de forte seca neste ano, fechou 2.127 vagas em abril. É o estado que mais reduziu postos de trabalhos no país, ajudando a elevar o total da região Sul para 3.222 vagas perdidas. A agropecuária foi o único setor que teve um saldo positivo entre admissões e desligamentos no acumulado do ano. Segundo o Caged, o setor abriu 10.032 novas vagas, enquanto todos os demais (construção, indústria, serviços e comércio) reduziram postos de trabalho de janeiro a abril. O setor agrícola somou 6% de todas as admissões feitas no Brasil no primeiro quadrimestre. A participação nos desligamentos totais, que somaram 5,73 milhões no país, foi de 4,6%. O salário médio de admissão de abril ficou foi de R$ 1.542 na agropecuária, que ampliou o número de trabalhadores com trabalho intermitente e reduziu os de regime de tempo parcial. O maior número de desligamentos ocorreu com acordos entre empregados e empregadores, segundo o Caged.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) destaca importância do Programa Nacional de Bioinsumos

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) destacou a importância do Programa Nacional de Bioinsumos, lançado pela ministra da Agricultura, Tereza Cristina, na quarta-feira (27). O evento foi transmitido ao vivo pelo canal do YouTube do ministério. Em um vídeo transmitido durante o evento, o presidente da CNA, João Martins, disse que “esse programa irá proporcionar melhoria de produção” e também “irá gerar mais empregos, melhorar a vida dos produtores rurais e aumentar a sua renda”. “A CNA está aberta para que esse programa seja rapidamente levado aos nossos produtores rurais”, afirmou João Martins. A iniciativa pretende estimular a pesquisa, a produção e o uso de produtos biológicos, como fertilizantes e defensivos agrícolas, para promover o desenvolvimento sustentável da agropecuária a partir do aproveitamento da biodiversidade brasileira. As ações visam ampliar e fortalecer o segmento de bioinsumos, ofertando ao usuário tecnologias, produtos, processos, conhecimento e informações sobre uma diversidade de insumos de base biológica aplicados no campo, desde a nutrição do solo, ao controle de pragas como em processos relacionados à pós-colheita e à agroindústria. “O Brasil é o país que tem a maior biodiversidade do mundo. Com esse programa, produtores de todos os tamanhos serão contemplados, tanto da agricultura orgânica quanto da convencional. Poderemos economizar bilhões em controle biológico e biofertilizantes e caminhar, cada vez mais, para a agricultura do futuro”, disse Tereza Cristina durante o lançamento. O Programa Nacional de Bioinsumos foi desenvolvido alinhado às necessidades de inovação nos segmentos agrícola, aquícola, florestal e pecuário, a partir de uma ampla e longa discussão com diversos segmentos de diferentes cadeias produtivas do agronegócio brasileiro. Na opinião do coordenador de Tecnologia da CNA, Reginaldo Minaré, a construção de uma política para os bioinsumos e uma estrutura normativa garantidora é de grande relevância para os produtores rurais brasileiros. Ele também ressalta a importância do estabelecimento de protocolos de segurança para que os agricultores produzam insumos biológicos em suas propriedades de maneira segura e com qualidade. “Os bioinsumos já são muito utilizados pelos agricultores brasileiros e representam uma alternativa real para o agricultor diversificar sua estrutura produtiva. Quanto mais alternativa para o agricultor, mais liberdade ele tem para construir o modelo de negócio mais adequado à sua propriedade”, declarou Minaré. A criação foi oficializada pelo Decreto n° 10.375, publicado no Diário Oficial da União (DOU), que também instituiu o Conselho Estratégico do Programa Nacional de Bioinsumos, formado por representantes dos setores público e privado.

NA IMPRENSA

Agência Câmara – Projeto cria programa de apoio a comercialização de hortifrutigranjeiros na pandemia

Folha de S.Paulo – Agropecuária é o único setor com saldo positivo de empregos no ano

O Globo – ‘A Química está no que vemos e no que não vemos’

G1 – Coronavírus: Nove funcionários de empresa de serviços agrícolas testam positivo em Unaí

CNA – Senar explica metodologia de Assistência Técnica e Gerencial

CNA – Projeto ABC Cerrado se torna referência de sustentabilidade do agro em acervo da ONU

CNA – Dados do Caged mostram impactos para o Agro

CNA – CNA destaca importância do Programa Nacional de Bioinsumos

Embrapa – Rentabilidade no Meio Rural será transmitido ao vivo pelo YouTube

Embrapa – Embrapa promove ciclo de seminários virtuais sobre o futuro da agroindústria

Embrapa – Pela internet, Embrapa Cerrados apresenta tecnologias sustentáveis na Agrotins 2020 100% Digital

Valor Econômico – Lançado o Programa Nacional de Bioinsumos

Valor Econômico – Commodities: Menor risco de geadas reduz preços do café em NY

Valor Econômico – Commodities: Em dia de poucos negócios, grãos operam perto da estabilidade na bolsa de Chicago

Valor Econômico – Colheita de algodão deverá seguir estável na Bahia

Valor Econômico – Cocamar vai fabricar fertilizantes foliares

Valor Econômico – Lucro líquido da Sanderson Farms caiu 84,9% no 2º trimestre do exercício

AgroLink – Açúcar busca certificação Halal

AgroLink – Senar explica metodologia de Assistência Técnica e Gerencial

AgroLink – INTL FCStone estima consumo atenuado de fertilizantes

AgroLink – Chegou a hora do transplante das primeiras mudas de tabaco à lavoura

AgroLink – Desmatamento na Mata Atlântica cresce quase 30%

AgroLink – Milho terá quebras de safra de até 32%

AgroLink – SEMAD estabelece novas normas e procedimentos para segurança de barragens

AgroLink – Paraná criará centro de inteligência artificial do Agro

AgroLink – RS exige que curso de aplicador de agrotóxico seja presencial

AgroLink – Como a inovação pode ser decisiva no agronegócio?

AgroLink – Live da série Amazônia em Foco aborda Sistemas Agroflorestais

AgroLink – Vespa parasita oferece controle de pragas

AgroLink – Ataque de gafanhotos cria demanda extra de agroquímicos

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »