Comitê lança vídeo para promover aviação agrícola do Mercosul

//Comitê lança vídeo para promover aviação agrícola do Mercosul

As entidades do Comitê de Aviação Agrícola do Mercosul colocaram no ar em suas redes o vídeo promocional sobre a segurança e importância do setor aeroagrícola para o continente. Com versões em português e espanhol, o material foi preparado com imagens e dados fornecidos pelo Sindag, pela Federação Argentina de Câmaras Agroaéreas (Fearca) e pela Associação Nacional de Empresas Privadas Aeroagrícolas do Uruguai (Anepa), destacou o Canal Rural nesta terça-feira (8). O vídeo destaca a frota de mais de 3,5 mil aeronaves agrícolas atuando no território sul-americano e os mais de 120 milhões de hectares tratados anualmente pela ferramenta área, só no Mercosul. A narrativa aborda a atuação da aviação para lavouras como soja, milho, trigo, arroz e outros alimentos, além de culturas que geram matérias-primas. Seja nas aplicações contra pragas e doenças, como nas ações de semeadura e aplicação de fertilizantes. Isso frente ainda à expectativa da América do Sul se tornar o principal fornecedor de alimentos do mundo.Além da eficiência operacional e ambiental em plantações, o material também fala na ação destacada das aeronaves nas operações contra incêndios e no combate a vetores. A proposta de elaboração de uma peça conjunta e em versões bilíngue havia sido definida em setembro do ano passado, na reunião do Comitê Mercosul em Buenos Aires. No Brasil, o lançamento oficial do material em português foi dentro da I Academia Brasileira de Tecnologia de Aplicação Aérea, realizada no fim  de outubro e reunindo 260 profissionais em palestras online.

Novo presidente da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA) vê “pontos de convergência” com ambientalistas e defende diálogo

Independente de quem venha a assumir o comando do Congresso Nacional em 2021, a Frente Parlamentar Agropecuária pretende colocar suas pautas prioritárias em discussão, como licenciamento ambiental, defensivos agrícolas e regularização fundiária. Foi o que afirmou o deputado federal Sérgio Souza (MDB-PR), presidente eleito da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA), em entrevista à Revista Globo Rural. Escolhido para suceder o também deputado Alceu Moreira (MDB-RS), Souza deve ser empossado como líder da bancada ruralista no dia 23 de fevereiro do ano que vem. Até lá, já deve-se saber quem serão os novos presidentes da Câmara e do Senado, atores importantes para que as pautas do setor sejam aprovadas no Congresso, após a saída de  Rodrigo Maia (DEM-AP) e Davi Alcolumbre (DEM-AP) respectivamente. Sobre o licenciamento ambiental, Sergio Souza disse que a discussão é de interesse não apenas do meio rural, mas também para o urbano e a indústria. “Isso serve muito para a logística e o custo de produção. Para avançar na logística e melhorar a competitividade, precisamos de licenciamento ambiental”, disse. Quanto à regularização fundiária, limitou-se a falar das propriedades privadas e acusou “governos de esquerda” de deixar o produtor rural sem a posse oficial da terra, o que, para ele, precisa passar por uma mudança também no Congresso. Ainda sobre as prioridades, o deputado espera ter diálogo com a Frente Parlamentar Ambientalista, pois há “muitos pontos de convergência”. Entre eles, Souza destaca a segurança jurídica e a legislação para aprovação de defensivos agrícolas. As pautas do Congresso, segundo Sérgio Souza, deverão ser acompanhadas de um discurso em prol do setor. Ele entende que “percepção do agro diante da sociedade brasileira não está boa”, mas é preciso explicar que toda a cadeia é responsável por geração de emprego e renda, dentro e fora da porteira. Sobre a reputação do Brasil no exterior, o futuro presidente da FPA diz que a “corrida global por segurança alimentar e preços” se deve pela capacidade do País produzir de forma barata e eficiente, o que assusta a concorrência.

Controle de gafanhotos pode estar no genoma

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Leicester, da Universidade de Ghent e da Universidade de Pretória decifrou o código genético do gafanhoto, o que poderia fornecer a base para o desenvolvimento de “pesticidas inteligentes”. A ideia é agir com precisão cirúrgica ao acessar sinais específicos do sistema nervoso da praga para matar ou desativar seu comportamento de enxame, sem prejudicar outros organismos benéficos, informou o portal AgroLink nesta quarta-feira (9). O comportamento devastador do gafanhoto se tornou uma preocupação a mais para o sul Brasil, pela proximidade com países habitualmente afetados pela praga, tais como Argentina, Paraguai e Uruguai. Os órgãos de controle mantêm monitoramento constante, principalmente no Rio Grande do Sul. De acordo com a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), um enxame de gafanhotos pode conter cerca de 40 milhões de insetos por quilômetro quadrado. De acordo com a entidade, a cada dia essa praga pode consumir a mesma quantidade de comida que 35.000 pessoas. O esboço do genoma é composto por mais de oito bilhões de pares de bases, tornando-se o maior genoma de inseto já sequenciado e montado até hoje. Um total de 18.815 genes que codificam proteínas foram encontrados no genoma, e 73% dos quais foram atribuídos com, pelo menos, um papel baseado na similaridade com proteínas caracterizadas. “Esperamos que nossos dados possam facilitar o desenvolvimento de métodos novos e mais sustentáveis de gerenciamento de surtos de enxames. Com as informações em nossa pesquisa agora disponíveis, há uma oportunidade única para os inovadores criarem um pesticida inteligente que visa gafanhotos, mas não outros insetos cruciais para o ecossistema, como os polinizadores”, disse o Dr. Swidbert Ott, da Universidade de Leicester, um dos autores da pesquisa.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) debate desafio da inovação e sustentabilidade no agro

A superintendente de Relações Internacionais da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Lígia Dutra, participou, na manhã de terça-feira (8), do webinar “O desafio da inovação e sustentabilidade no agro”, promovido pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI). O evento também contou com a presença do membro do Conselho do European Risk Forum (ERF), Paul Leonard, da diretora executiva de Inovação e Tecnologia da Embrapa, Adriana Martin, do conselheiro emérito do CEBRI, Luiz Fernando Furlan, e do membro do Conselho Consultivo Internacional do CEBRI, Marcos Jank. Durante sua apresentação, Lígia falou sobre três pontos fundamentais com relação ao desafio da inovação no agro, sendo o primeiro o efeito das regulações nacionais de novas tecnologias no comércio internacional. A superintendente citou como exemplo a regulação do Limite Máximo de Resíduos (LMR) e dos Organismos Geneticamente Modificados (OGMs). O segundo ponto citado por Lígia foi o uso do discurso da sustentabilidade como justificativa para novas regulações de caráter protecionista. De acordo com a representante da CNA, o terceiro e último ponto é fazer a inovação chegar ao produtor rural. O Brasil precisa se preocupar com um ambiente favorável de inovação para o produtor e com a difusão desses novos conhecimentos. “A inovação tem que chegar ao produtor e fazer a diferença e isso é possível com assistência técnica, como feita pelo Senar”. Por fim, Lígia disse que o desafio de estimular a inovação no Brasil é mostrar que produzir alimentos não é algo fácil e garantido. O aumento significativo da produção de alimentos no mundo se deve às inúmeras inovações na agricultura. “Agora, o desafio é continuar fornecendo alimentos seguros e de qualidade para uma população mundial crescente, respeitando os limites do meio ambiente e buscando soluções para ameaças, como as mudanças climáticas”, concluiu.

NA IMPRENSA

Agência Senado – Projeto sobre pagamento por serviços ambientais deve ser votado na próxima terça

Governo Federal – Desmatamento tem queda de 45% em novembro

O Globo – Na Índia, agricultores fazem greve nacional contra desregulamentação do setor

O Globo – Marcas próprias ajudam a economizar até 30% nas compras de supermercado

O Globo – Guedes diz que governo vai propor corte em incentivos fiscais ainda neste ano

G1 – Amazônia: mapeamento inédito identifica 2,7 mil projetos de restauração

G1 – Nova meta climática do governo federal no Acordo de Paris é ‘insuficiente e imoral’, diz Observatório do Clima

G1 – Acordo de Paris: Brasil prevê ‘emissão zero’ até 2060 e quer US$ 10 bilhões anuais de países ricos para antecipar data

G1 – Número de autuações ambientais não mede eficácia de ações na Amazônia, diz Ibama ao STF

Valor Econômico – Rentabilidade e clima farão área de algodão recuar 15%

Valor Econômico – Brasil deverá exportar 82,3 milhões de toneladas de soja em 2020, prevê Anec

Valor Econômico – Lucro da Jalles Machado cresceu 173% no 2º trimestre da safra

Valor Econômico – Volume das exportações brasileiras de café cresceu 32,2% em novembro

Valor Econômico – Governo prepara MP voltada a operações no mercado de milho

Valor Econômico – Ações disparam, mas analistas encaram plano com ressalvas

Valor Econômico – Ministério seleciona 24 cooperativas do Nordeste em edital de apoio

Valor Econômico – Plataforma de orgânicos deve gerar R$ 8,5 milhões em receita para produtores em 2020

Mapa – Brasil desenvolve feijão resistente à doença bacteriana quarentenária

Mapa – Zarc para arroz tropical irrigado traz nova perspectiva para o seguro agrícola

Mapa – Mapa divulga cooperativas selecionadas no edital de Intercooperação do Programa Brasil Mais Cooperativo

CNA – CNA discute projetos de conservação e recuperação do meio ambiente

CNA – Sistema Faepa/Senar promove 54º Encontro Ruralista na quarta-feira (9)

CNA – CNA debate desafio da inovação e sustentabilidade no agro

Embrapa – Evento discute legislação e políticas públicas para araucária

Embrapa – Webinar divulga potencial do cultivo do abacaxi no Semiárido

FPA – Com Ater Digital, governo quer ampliar serviço para 50% dos agricultores familiares até 2030

AgroLink – Exportações de café atingem recorde

AgroLink – RS: bombeiros atendem queima de estufa de tabaco no interior de Venâncio

AgroLink – Evento discute legislação e políticas públicas para araucária

AgroLink – Edição genética possibilita melhorar a nutrição do tomate

AgroLink – RS: Agroindústria Familiar Grando é inaugurada em Nova Prata

AgroLink – Controle de gafanhotos pode estar no genoma

AgroLink – Gigante de grãos adota biológicos pra controle de lagartas

AgroLink – Incertezas fazem preços do açúcar fecharem em baixa nas bolsas internacionais

AgroLink – Gafanhotos já alcançam sete municípios

AgroLink – Milho internacional: Mercados de estáveis a mais fracos

Canal Rural – Comitê lança vídeo para promover aviação agrícola do Mercosul

Canal Rural – Agro do Brasil seguirá como destaque mundial em 2021 mas terá desafios, diz Tereza Cristina

Canal Rural – Paraná consegue concluir o plantio da soja e lavouras melhoram

Globo Rural – Novo presidente da FPA vê “pontos de convergência” com ambientalistas e defende diálogo

Correio do Povo – Secretaria da Agricultura investiga pulverização de agrotóxico em Nova Santa Rita

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »