Com expansão do agro, aviação agrícola deve crescer 3% no país, estima Sindag

Home/Informativo/Com expansão do agro, aviação agrícola deve crescer 3% no país, estima Sindag

Com expansão do agro, aviação agrícola deve crescer 3% no país, estima Sindag

Com aproximadamente 2,4 mil aviões, a frota aeroagrícola do Brasil deve crescer 3% neste ano, conforme previsão do Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag). Mesmo com a pandemia, o setor registrou um crescimento de quase 3%, em 2020, em função da expansão do agronegócio nacional. A estimativa foi dada pelo diretor-executivo do Sindag, Gabriel Colle, durante entrevista ao Agrolink. “A nossa expectativa é repetir este crescimento em 2021 porque as áreas de produção estão aumentando e a consequência é aumentar a demanda por aeronaves”, afirmou.

Segundo Colle, além de ampliar a divulgação da atividade, os efeitos climáticos também impactaram positivamente no setor. “Como estamos tendo chuvas demais ou de menos, dependendo do local no Brasil, as janelas de aplicação estão menores fazendo com que o uso de aviões aumente”, disse.Em meio as projeções, o diretor-executivo do Sindag estimou ainda que o Brasil poderá ter a maior frota aeroagrícola do mundo nos próximos anos. “O Brasil está próximo de 2,4 mil aeronaves contra 3,4 mil dos Estados Unidos, porém se a gente seguir neste ritmo de crescimento, a nossa estimativa é de que nos próximos dez ou 12 anos, o Brasil possa ultrapassar os americanos, em função dos números do nosso agro, que já são maiores”, ressaltou.

Produtores poderão pedir recuperação judicial a partir do dia 24

A partir do dia 24 de janeiro deve estar em vigor a lei nº 14.112/2020 que regula a recuperação judicial e a falência das empresas. No que tange ao setor rural a legislação vai permitir que produtores pessoa física possam pedir a recuperação judicial. Passam a ter direito aqueles que os créditos decorram da atividade rural e o valor não ultrapasse R$ 4,8 milhões e não é necessária a apresentação de CNPJ. O produtor também não precisa estar previamente inscrito no Registro Público de Empresas Mercantis da sua respectiva sede, conforme entendeu o Superior Tribunal de Justiça (STJ), em 2019. No caso do produtor rural, basta a inscrição em momento anterior ao protocolo do pedido de recuperação”, explica o advogado Frederico Buss, da HBS Advogados, em, entrevista ao Agrolink.

Segundo o especialista a comprovação do exercício da atividade rural por período superior a dois anos poderá ser efetuada com base no Livro Caixa Digital do Produtor Rural (LCDPR), ou por meio de obrigação legal de registros contábeis que venha a substituir o LCDPR, e pela Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física (DIRPF) e balanço patrimonial.

Agronegócio rebate ataques de presidente francês

Segundo apuração do Agrolink, Diversos atores saíram em defesa do agronegócio brasileiro logo após os ataques do presidente francês, Emmanuel Macron contra a produção rural do País. “Continuar a depender da soja brasileira seria ser conivente com o desmatamento da Amazônia”, afirmou Macron em sua conta oficial no Twitter nesta terça-feira (12.01). “Somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa”, completou o chefe de Estado europeu. A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) divulgou nota oficial em seu site lamentando que “o presidente da França, Emmanuel Macron, busque justificar sua decisão de subsidiar os agricultores franceses atacando a soja brasileira”.

O diretor técnico da Sociedade Nacional de Agricultura (SNA) e especialista em planejamento estratégico do agronegócio, Marcos Fava Neves, se posicionou afirmando que as agressões são despropositadas. “Eu não entendo como um presidente de um país pode fazer uma agressão descabida destas, danificando a imagem do Brasil. Não é a primeira vez, não é a segunda vez. Já está cansando”, publicou Fava Neves em sua conta na rede profissional LinkedIN.

Líder ruralista critica pressão de Bolsonaro por apoio a Lira

As cobranças do presidente Jair Bolsonaro pelo apoio da bancada ruralista ao deputado Arthur Lira (Progressistas-AL), seu candidato à presidência da Câmara, desagradaram a integrantes da Frente Parlamentar Agropecuária (FPA). Para parlamentares do grupo, Bolsonaro erra ao atribuir os resultados do setor apenas ao governo e ao usar esse argumento para exigir adesão ao seu candidato na eleição do Legislativo. “É um erro ingênuo do governo. A FPA não é partido, isso é um erro político”, disse o líder da bancada, deputado Alceu Moreira (MDB-RS), ao Estadão/Broadcast. Moreira foi um dos que declararam apoio ao correligionário Baleia Rossi (MDB-SP), candidato do atual presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

Para o deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), que faz parte da FPA, o que Bolsonaro faz é “chantagem”. “A bancada é suprapartidária e independente. Qualquer tentativa de torná-la submissa a qualquer liderança política gerará sentimento de corpo contra essa liderança”, disse o parlamentar. A FPA tem 241 deputados. Entre os integrantes, estão tanto aliados de Baleia quanto de Lira – os dois, inclusive, fazem parte da bancada ruralista.

NA IMPRENSA

 

Valor Econômico – Comprar soja brasileira é endossar desmate, diz Macron

Valor Econômico – Empresas paulistas questionam revogação de benefícios fiscais

Valor Econômico – Argentina se compromete a monitorar saldo exportável de milho

Valor Econômico – Fundo Conexsus já aprovou empréstimos de R$ 6,4 milhões a pequenos produtores

Valor Econômico – Embarques superaram US$ 100 bi em 2020

Valor Econômico – Disparada dos grãos em Chicago

G1 – Colheita de grãos deve crescer 2,5% em 2021 e bater recorde de 260,5 milhões de toneladas, diz IBGE

G1 – Produção de arroz e feijão será menor na safra 2020/2021, mas consumo também recua, diz Conab

G1 – Mourão diz que Macron externou interesses protecionistas ao criticar soja brasileira

Mapa – Nota Oficial – Sustentabilidade da soja brasileira

Canal Rural – Soja: chuvas diminuem no Sul e se concentram no Nordeste e Centro-Oeste

Agrolink – Com expansão do agro, aviação agrícola deve crescer 3% no país, estima Sindag

Agrolink – Boas safras repercutem na indústria química

Agrolink – Chuvas em MS serão primordiais para definir produtividade da soja

Agrolink –  Produtores poderão pedir recuperação judicial a partir do dia 24

Agrolink – Agronegócio rebate ataques de presidente francês

Agência Câmara – Câmara poderá votar propostas para auxiliar pequenos produtores rurais

Estadão – Líder ruralista critica pressão de Bolsonaro por apoio a Lira 

CNA – Gestão econômica, social e ambiental aumenta índices de sustentabilidade em propriedades rurais

CNA – Produtores rurais atendidos pela ATeG recebem treinamentos de Formação Profissional Rural

CNA – Pecuaristas atendidos pelo Senar relatam melhoria no desempenho da produção

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »