Com aval do Mapa, selo internacional de sanidade fica ainda mais próximo

//Com aval do Mapa, selo internacional de sanidade fica ainda mais próximo
De acordo com publicação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) desta terça-feira (25), o Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) reconheceu o Paraná como área livre de febre aftosa sem vacinação. O ato foi oficializado por meio da Instrução Normativa (IN) 52, assinada pela ministra Tereza Cristina e publicada no dia 11 de agosto, mas que começa a vigorar em 1º de setembro. Além do Paraná, Acre, Rio Grande do Sul, Rondônia e parte do território do Amazonas e do Mato Grosso também foram declarados áreas livre da doença sem vacinação. A medida é mais um passo rumo ao reconhecimento internacional por parte da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), o que deve ocorrer em maio de 2021. “O reconhecimento por parte do Mapa é parte deste processo, cujo objetivo maior é que o Paraná obtenha a chancela internacional, o que deve ter um impacto muito positivo para o nosso agronegócio. O reconhecimento mundial abre mercados mais sofisticados não só para a bovinocultura, mas para toda a nossa pecuária. É um selo de que temos sanidade”, aponta o presidente do Sistema FAEP/SENAR-PR, Ágide Meneguette. A IN reitera que os Estados mencionados devem manter o controle sanitário de suas divisas, conforme já estabelecido anteriormente. O Paraná está com os limites territoriais fechados desde o início do ano. Na prática, isso significa que, conforme determinação do Mapa, o Estado passou a proibir a entrada de bovinos e bufalinos voltados à cria, recria e engorda que provenham de unidades da federação que ainda vacinam seu rebanho contra a febre aftosa. Esses animais só podem dar entrada no Paraná como carga lacrada, a ser encaminhada para abate imediato, ou para cruzarem o território paranaense, em direção a outros Estados. Em janeiro, quando o bloqueio sanitário começou, o Paraná só podia receber normalmente bovinos e bufalinos que proviessem de Santa Catarina, único Estado brasileiro já reconhecido internacionalmente como área livre de febre aftosa sem vacinação. Em junho, a lista de Estados que podem comercializar animais para cria, recria e engorda com o Paraná aumentou, com a inclusão dos territórios que, agora, também foram reconhecidos pelo Mapa como área livre de febre aftosa sem vacinação: Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte do Amazonas e do Mato Grosso. Para fazer o controle da entrada de animais provenientes de outros Estados, o Paraná precisou consolidar uma rede de 33 Postos de Fiscalização de Trânsito Agropecuário (PFTA), instalados ao longo da divisa com Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul e na fronteira com o Paraguai (gerenciado pelo Mapa). Administrados pela Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (Adapar), esses pontos são responsáveis por vistoriar todos os caminhões que transportam animais e/ou produtos agropecuários que queiram ingressar ou cruzar o Paraná. O fortalecimento do sistema sanitário do Estado não é nada recente, mas, reflexo de uma política constante de investimento que começou cinco décadas atrás e que teve participação decisiva da iniciativa privada. Só de 1997 a 2019, o Sistema FAEP/SENAR-PR investiu US$ 10,2 milhões, fomentando a participação em reuniões e congressos de órgãos internacionais e estimulando a criação de políticas públicas.

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresenta impactos da reforma tributária para o setor de aves e suínos

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) apresentou, nesta terça-feira (25), na Comissão Nacional de Aves e Suínos as propostas de reforma tributária que estão sendo debatidas no Congresso Nacional e pelo governo federal e os impactos que podem causar para o setor, como o aumento dos custos dos insumos e o fim da desoneração da cesta básica. A CNA é favorável a uma reforma que simplifique o sistema atual, que resguarde a segurança jurídica e que não aumente a carga tributária da sociedade e nem do setor agropecuário. Esse tema está sendo tratado em todas as Comissões Nacionais da entidade para mobilizar Federações, sindicatos e produtores rurais e alertá-los sobre os prejuízos que o aumento de impostos trará pra a produção de alimentos no Brasil.  Durante a reunião da Comissão Nacional de Aves e Suínos da entidade, o Núcleo Econômico da CNA apresentou os principais pontos das Propostas de Emenda Constitucional (PEC) 45, da Câmara, e a PEC 110, do Senado, e também da proposta do Governo Federal, o PL 3887, que tratam da Reforma Tributária no Congresso Nacional. O presidente da Comissão, Iuri Machado, afirmou que os insumos das duas cadeias, basicamente milho e farelo de soja, são os que mais pesam para o produtor, chegando a 80% do custo de produção. A assessora técnica da CNA Carolina Nakamura mostrou que a PEC 45, por exemplo, propõe a adoção de uma alíquota única de 25% para todos os bens e serviços, sem a possibilidade de qualquer benefício fiscal. Além de uma alíquota única, da unificação dos tributos em um Imposto Sobre Bens e Serviços (IBS) e do Imposto Seletivo, a obrigatoriedade dos produtores rurais, pessoa física, tornarem-se contribuintes do IBS, poderá inviabilizar a atividade de pequenos produtores e de pequenas culturas, pois aumentará os custos com administrativo já que será necessário a contratação de contadores e advogados, reforçou a assessora. Renato Conchon, coordenador do Núcleo Econômico, afirmou que todo o setor está alinhado e trabalhando para que não haja aumento da carga tributária. “Estamos apresentando emendas para todas as propostas para trazer mais clareza aos textos, afinal, o setor não é contrário à reforma, mas ao aumento da carga tributária.” A Comissão de Aves e Suínos discutiu ainda a criação de Núcleos de Execução para o desenvolvimento de protocolos paras a raça Duroc, e sistemas alternativos de produção em suinocultura e avicultura de postura. Também debateram esclarecimentos sobre a atuação da CNA em relação ao Documento de Informação Pré-Contratual (DIPC) junto às integradoras, instituições financeiras e outros elos da cadeia produtiva.

Novas opções de genética zebuína para rebanhos de corte são apresentadas ao mercado

A ABS apresenta ao mercado, nesta semana, o Catálogo Corte Zebu 2021, com novidades que prometem movimentar o setor pecuário, oferecendo ainda mais soluções para o melhoramento genético dos rebanhos de corte, destacou o Agrolink portal nesta terça-feira (25). O Coordenador de Produto e Atendimento ao Cliente Corte da ABS, Arthur Vieira, revela que o novo catálogo tem a inclusão de 23 touros. “São dois animais Nelore CEIP,  16 Nelore Padrão e um Nelore Mocho. Temos, também, dois novos touros da raça Sindi e dois da Tabapuã”, contou Arthur Vieira. O Gerente de Mercado e Contas-Chave Corte da ABS, Gustavo Morales, destaca que o Catálogo Corte Zebu 2021 tem os melhores reprodutores do mercado, provados, capazes de aumentar a produtividade e a lucratividade em qualquer sistema de produção em nível nacional. “São touros que podem ser escolhidos por características avaliadas pelos melhores programas do mercado e também por índices próprios como o IRM e a certificação IATFmax para fertilidade”, ressaltou Gustavo Morales. Com o objetivo de entregar as melhores ferramentas para que o criador alcance o progresso genético do rebanho, a ABS desenvolveu um completo e exclusivo pacote tecnológico.  “Com ele, o cliente ABS consegue otimizar os acasalamentos, através de um raio-x completo do rebanho (ZPlan 2.0), e agregar valor às gerações seguintes (genética sexada Sexcel)”, explicou Morales. Além do melhor pacote tecnológico e genético, o cliente ABS tem assistência de uma equipe técnica extremamente capacitada, que está à disposição para cooperar e contribuir para o sucesso do seu negócio.

Instituto Biológico de São Paulo passa a oferecer diagnóstico de anemia infecciosa equina

Unidade da Secretaria de Agricultura e Abastecimento está habilitada a realizar todos os diagnósticos obrigatórios para o trânsito de cavalos, informou o Agrolink portal nesta terça-feira (25). A Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, por meio do Instituto Biológico (IB-APTA), passa a oferecer mais um tipo de diagnóstico ao criador de cavalos: o exame de anemia infecciosa equina. Com isso, o Laboratório de Bacteriologia Geral do IB está habilitado a realizar todos os diagnósticos obrigatórios para o trânsito estadual e interestadual de cavalos, que é composto pelo exame de anemia infecciosa equina e mormo. De acordo com a pesquisadora do IB, Alessandra Nassar, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) concedeu a extensão do escopo do laboratório do Instituto para diagnóstico da anemia infecciosa em 18 de junho. O Instituto está autorizado a realizar o diagnóstico pelas técnicas ELISA e imuno difusão em gel de Ágar. O laboratório é ainda acreditado pela norma internacional ISO 17025, do Inmetro, relacionada à qualidade. “A anemia infecciosa equina é uma doença viral causada por um lentivírus pertencente à família retroviridae. É transmitida por insetos hematófagos como as moscas dos estábulos (Stomoxys calcitrans) ou pela mosca dos cavalos (Tabanus sp). A transmissão também pode ocorrer por compartilhamento de agulhas, seringas, esporas, arreios ou outros utensílios contaminados com sangue de animal infectado. Para o trânsito desses animais, o criador precisa do diagnóstico negativo”, explica Alessandra. Segundo a pesquisadora, nem todos os cavalos contaminados com o vírus da anemia infecciosa são sintomáticos. Os sintomas podem ser: apatia, febre, anemia, inchaço de membros, hemorragias e/ou petéquias, baixo rendimento no esporte e diminuição do apetite. “A maioria dos animais são assintomáticos, portadores da doença, e que vão disseminar o vírus para os outros animais, daí a importância da realização dos exames diagnósticos. Caso seja identificado que o cavalo está contaminado, ele precisa ser isolado e posteriormente sacrificado. Não há tratamento para a doença, que é considerada fatal” afirma. Os interessados em realizar exames diagnósticos de anemia infecciosa equina e mormo podem entrar em contato com o Instituto pelo telefone (11) 5087-1772 e o e-mail triagemanimal@biologico.sp.gov.br.

NA IMPRENSA

O Estado de S.Paulo – FGV oferece gratuitamente palestras sobre gestão para veterinários

G1 – Entrega voluntária de animais silvestres e exóticos cresce 71% em Minas Gerais

G1 – Entenda como funcionam satélites que monitoram desmatamento na Amazônia; país tem volume de dados ‘absurdo’, dizem especialistas

G1 – Preço da arroba do boi gordo sobe e passa de R$ 200 em algumas cidades de Rondônia

G1 – Pandemia faz disparar roubo de pets no Reino Unido

Valor Econômico – Exportação de frigorífico da Aurora à China é suspensa

Valor Econômico – MPT pede afastamento de funcionários da JBS em Montenegro (RS)

Valor Econômico – China dobra importação de carne suína

Valor Econômico – China autoriza exportações de seis frigoríficos americanos

CNA – Queijos se mantêm valorizados e aquecem ainda mais o mercado de lácteos no PR

CNA – CNA apresenta impactos da reforma tributária para o setor de aves e suínos

CNA – Cartilha orienta produtores sobre os javalis

CNA – Com aval do Mapa, selo internacional de sanidade fica ainda mais próximo

Embrapa – Pesquisa e tecnologia contribuem para desenvolvimento da produção orgânica de leite no país

Embrapa – Estudo mostra perfil de consumidores brasileiros de peixes

Embrapa – Programa Terra Sul destaca instrução normativa que reconhece o RS como área livre da febre aftosa sem vacinação

Agrolink – Aurora suspende vendas de frango para a China da unidade de Xaxim (SC)

Agrolink – ACNB divulga vencedores do Circuito Nelore de Qualidade em Confresa (MT)

Agrolink – Melhorias nos processos de embalagem a vácuo trazem até 60% de economia para frigoríficos

Agrolink – Alta de 3,83% no leite gaúcho

Agrolink – Novas opções de genética zebuína para rebanhos de corte são apresentadas ao mercado

Agrolink – Forragem pode ser a chave para futuro do rebanho

Agrolink – BOI: ofertas dão sustentação aos preços no mercado

Agrolink – Estudo mostra perfil de consumidores brasileiros de peixes

Agrolink – SP: Instituto Biológico passa a oferecer diagnóstico de anemia infecciosa equina

Agrolink – Alta no preço do sebo bovino

Agrolink – SMP realiza 2º Mega Touros em edição online

Agrolink – PR: trabalho das Cadecs vira referência nacional

Anda – Homem cutuca e aperta cabeça de baleia beluga em aquário

Anda – Confinados e estressados, porcos são flagrados praticando canibalismo em fazenda

Anda – Cão obeso é adotado após ser levado à clínica veterinária para ser sacrificado

Anda – Onça-pintada resgatada de incêndio inicia tratamento com células-tronco

Anda – Milhares de cães usados como bombas foram mortos na Segunda Guerra Mundial

Anda – Procura por adoção aumenta e ONG doa 185 gatos durante a pandemia

Anda – Tubarões-cinzentos-dos-recifes criam laços de amizade duradouros

______________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »