China diz ter encontrado coronavírus em embalagem de carne bovina brasileira  

//China diz ter encontrado coronavírus em embalagem de carne bovina brasileira  
A cidade chinesa de Wuhan comunicou nesta sexta-feira (13), que detectou o novo coronavírus em embalagem de um lote de carne bovina de um carregamento de agosto da Marfrig. Segundo o jornal O Estado de S.Paulo os testes em alimentos congelados foram intensificados nesta semana na região, como parte de uma campanha nacional. A Comissão Municipal de Saúde de Wuhan disse em um comunicado em seu site que encontrou três amostras positivas na parte externa de embalagens de carne bovina congelada e desossada do Brasil. A carne bovina entrou no país pelo porto de Qingdao em 7 de agosto e chegou à cidade de Wuhan em 17 de agosto, onde permaneceu em um frigorífico até recentemente. O novo coronavírus apareceu pela primeira vez em Wuhan no ano passado e se espalhou pelo mundo. O código de registro do exportador do embarque da carne bovina era 2015, informou a comissão, que se refere a uma fábrica de propriedade da Marfrig Global Foods, segundo pesquisa da agência de notícias Reuters. A Marfrig informou que não vai comentar o assunto. Mais de 100 funcionários na instalação de Wuhan foram submetidos a testes, segundo a comissão, e 200 amostras ambientais foram coletadas. Depois de tomar medidas drásticas para controlar a propagação do vírus na população este ano, a China começou no final de junho a testar também alimentos importados. Em setembro, encontrou apenas 22 amostras positivas de quase 3 milhões, mas, com a descoberta de alguns trabalhadores portuários infectados com o vírus, a comissão intensificou os testes e a desinfecção das importações de alimentos. As autoridades chinesas também encontraram o coronavírus na embalagem da carne bovina argentina esta semana e outra amostra de carne bovina importada foi considerada positiva em Shandong. A China é o maior comprador mundial de carne bovina e o Brasil e a Argentina são seus maiores fornecedores. Em agosto, quando a China informou que amostras de asas de frango compradas do Brasil tinham traços do novo coronavírus, infectologistas ouvidos pelo ‘Estadão’ praticamente descartaram a hipótese de infecção via alimento.

Alta do boi reduz margem de frigoríficos

A safra de balanços dos frigoríficos terminou com sinais de que as contas ficarão mais apertadas para quem produz e, sobretudo, comercializa carne bovina no Brasil, informou o Valor Econômico nesta sexta-feira (13). Sem o benefício do câmbio favorável, que agrega margem para a operação, as vendas no mercado doméstico dão retorno negativo. Frigoríficos de médio porte, normalmente com estrutura de capital mais frágil, enfrentam dificuldades para absorver a disparada do preço do boi gordo, que bateu recorde na última quarta-feira. Em doze meses, o preço subiu cerca de 40%, de acordo com o indicador Esalq/B3. “A operação está no vermelho”, disse nesta quinta-feira (12) um empresário ao Valor. De acordo com ele, mesmo na exportação a situação não é simples. Com a recente valorização do real, as margens na exportação caíram, embora a China permaneça como um mercado remunerador. Líder na produção brasileira de carne bovina por larga margem, a JBS sinalizou nesta quinta-feira (12) que a perspectiva é “desafiadora” devido ao preço da matéria-prima – o boi gordo responde por 80% do custo de produção de um abatedouro. No setor, a avaliação é que a oferta de gado permanecerá restrita em 2021. Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que a oferta de gado é menor. Nesta quinta-feira (12), o órgão informou que os abates de bovinos com algum tipo de inspeção sanitária totalizaram 7,58 milhões de cabeças no terceiro trimestre, diminuição de 10,8% ante igual período do último ano. À frente das operações da JBS na América do Sul, Wesley Batista Filho disse ontem, em teleconferência com analistas, que vê o mercado de carne bovina “mais desafiador com os atuais preços do gado e a perspectiva de oferta para o ano que vem”. Em comparação com as concorrentes com ações na bolsa – Marfrig e Minerva -, a JBS é relativamente mais afetada pelo cenário adverso para a oferta de gado porque vende proporção maior de carne bovina no mercado interno. Marfrig e Minerva também produzem carne bovina em outros países da América do Sul que não apenas o Brasil, o que as favorece na comparação com a concorrente. Em dólares, o boi argentino, uruguaio e paraguaio é mais barato.

Focinheira ‘antilatido’: MP do Rio vai investigar produto prejudicial aos animais

O Ministério Público do Rio de Janeiro vai abrir inquérito contra as Lojas Americanas pela venda de um determinado tipo de focinheira para cachorros, destacou o Blog do Ancelmo do jornal O Globo nesta quinta-feira (12). Recebeu reclamações sobre a comercialização de focinheiras “antilatidos”, que causariam falta de ar e perda do equilíbrio corporal. O caso está com o promotor Rodrigo Terra.

Produtores discutem alternativas de alimentação para vacas leiteiras

Nesta quinta-feira (12) a CNA informou que, Os produtores de leite atendidos pela Assistência Técnica e Gerencial do Senar em Sergipe participaram na quarta-feira, 11, do Dia de Campo sobre manejo nutricional. Os produtores discutiram alternativas alimentares para baratear o custo da ração fornecida para as vacas leiteiras. O técnico de campo do Senar/SE, Vinícius da Silva Oliveira, destaca que um dos principais temas discutidos durante o encontro foi alternativa alimentar para o rebanho por conta do aumento do preço da soja. Vinícius apontou como alternativas o uso da gliricídia e da mandioca. “Nós temos algumas fontes de proteínas para utilizar em substituição à soja. A gliricídia tem um alto teor de proteína na folha de 22% e na folha junto com o caule em torno de 18% de proteína bruta. Utilizando essas fontes na alimentação do animal a gente consegue reduzir a quantidade de soja que o animal vai consumir. Além disso, para animais de baixa produção com no máximo 15 litros de leite por dia, só com gliricídia , leucena e moringa a gente consegue suprir a exigência nutricional desse animal sem a soja”, afirma Vinícius. Ainda segundo Vinícius, outra alternativa seria a mandioca que possui um alto teor de proteína. “A gente considera a mandioca completa. A raiz tem alto teor de energia e a parte área tem um alto teor de proteína. A raiz pode ser usada no lugar do milho e a parte área em substituição a soja. Quando o produtor tem esse alimento disponível na propriedade, ele pode utilizar para baratear o custo”. O Dia de Campo aconteceu na propriedade do produtor Carlos Augusto que destacou que vem diminuindo o uso da soja na ração das vacas, por isso não sentiu o impacto com o aumento do preço. “Já vinha usando bem menos soja, hoje uso mais milho moído e caroço. Já vinha diminuindo e agora não senti impacto, mesmo com o aumento do preço. Já cheguei a usar sete sacos de soja e foi diminuindo com a orientação do técnico. Praticamente tirei a soja. Dou pouquíssimo só para dizer que não dou”, afirma Carlos. O produtor Murilo Resende destacou a importância do Dia de Campo. “O encontro de hoje foi de grande importância, principalmente para gente que vive nessa área de poucas chuvas. A soja, que é a principal fonte proteica, está com valor elevado e a gente conheceu novas alternativas para continuar com a produção de leite na nossa região”.

NA IMPRENSA
Correio Braziliense – Veneno de jararaca pode dar origem a novos remédios contra hipertensão

O Estado de S.Paulo – China diz ter encontrado coronavírus em embalagem de carne bovina brasileira

O Estado de S.Paulo – A importância dos Cetras e do compromisso municipal para a preservação de animais silvestres

O Globo – Focinheira ‘antilatido’: MP do Rio vai investigar produto prejudicial aos animais

CNA – Produtores discutem alternativas de alimentação para vacas leiteira

CNA – Projeto Campo Futuro aponta indicadores de produção de cana-de-açúcar, pecuária de leite, aves e suínos

Embrapa – Tendências para a indústria frigorífica de carne bovina no Brasil

G1 – Cidade chinesa diz ter encontrado coronavírus em embalagens de carne bovina brasileira

G1 – Mortes de tartarugas em período reprodutivo preocupam especialistas; 150 animais já morreram em 2020

Valor Econômico – Alta do boi reduz margem de frigoríficos

AgroLink – GO: FCO aprova R$ 22,2 milhões para projetos rurais

AgroLink – Assistência Técnica e Gerencial expande alcance para novas cadeias produtivas no Acre

AgroLink – Exportações de frango se mantêm estáveis

AgroLink – Leilão de Gado Geral tem médias de fêmeas próximas a dos machos

AgroLink – Cautela no mercado do boi gordo

AgroLink – Definida a Exposição-feira de Ovinos de Verão de Livramento

SBA – Biotecnologia reprodutiva permite mula gestar jumenta

SBA – Alta nos insumos faz poder de comprar do avicultor diminuir

Canal Rural – Brasil não tem que temer governo Biden, diz presidente da Abramilho

Globo Rural – Gado no Pantanal: saiba como o animal chegou ao bioma e por que tirá-lo pode ser um problema

Noticias Agrícolas – IBGE: cai o abate de bovinos e cresce o de suínos e frangos no 3º trimestre de 2020

Noticias Agrícolas – JBS irá dobrar capacidade da Seara até 2024, diz presidente

Noticias Agrícolas – China: importações de carnes continuam em alta até o final da década

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »