Brasil se prepara para possível combate à nuvem de gafanhotos

//Brasil se prepara para possível combate à nuvem de gafanhotos
O Sindicato Nacional das Empresas de Aviação Agrícola (Sindag) informou, nesta quarta-feira (1), que entregou ao Ministério da Agricultura o texto de um plano nacional permanente contra gafanhotos no Brasil. Segundo o Valor Econômico o material vinha sendo elaborado desde a semana passada, a pedido do próprio ministério, e agora deve ser avaliado para compor uma estratégia oficial definitiva. Paralelamente, na Argentina, uma equipe do Serviço Nacional de Sanidade e Qualidade Alimentar (Senasa) localizou, no início da tarde de ontem, a nuvem de gafanhotos. Os insetos estão pousados na região de Sauce, província de Corrientes. Os técnicos argentinos tiveram que se deslocar em caminhonetes e ainda andar mais de uma hora a cavalo para chegar ao ponto onde os insetos estão desde a noite de segunda-feira (29). Com pulverizações suspensas devido ao mau tempo, a equipe mapeou a área onde gafanhotos se amontoam. As coordenadas vão servir para uma possível pulverização aérea ou por terra nesta quarta-feira (1). Enquanto a chuva mantinha os gafanhotos no chão na região de Sauce, no Brasil a prontidão na fronteira gaúcha era reforçada pela mudança de ventos em direção ao Brasil e Uruguai. Conforme o fiscal agropecuário Juliano Ritter, da Secretaria de Agricultura do Rio Grande do Sul, o vento passou a soprar no sentido sudoeste, com rajadas de 20 quilômetros por hora, justamente em direção ao Estado. Segundo ele, a sorte para argentinos e brasileiros é a temperatura mais baixa, que diminuiu a mobilidade dos gafanhotos. No entanto, segundo o professor Mauricio Paulo Batistella Pasini, doutor em Entomologia e pesquisador da Universidade de Cruz Alta (Unicruz), o mau tempo, sozinho, não elimina as pragas. “A chuva apenas impede a migração. Os gafanhotos ficam onde estão e voltam a migrar depois que a chuva passa. O que elimina os insetos é o frio. A partir de cinco graus já eliminaria alguns indivíduos”, disse, em nota. Porém, para o clima acabar com a nuvem, ressaltou serem necessárias temperaturas abaixo de zero.

Subsídios agrícolas cresceram no mundo de 2017 a 2019, diz OCDE

O apoio total oferecido por governos de 54 países a seus agricultores chegou a US$ 708 bilhões por ano de 2017 a 2019, mostrou relatório anual da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre políticas agrícolas, informou o Valor Econômico nesta quarta-feira (1). Desse montante, nada menos que US$ 536 bilhões foram transferidos pelos governos ao setor agrícola sob a forma de apoio direto que falseia a situação nos mercados, afeta a inovação e causa danos ao ambiente. São subsídios que mantêm preços internos acima das cotações internacionais, o que prejudica consumidores e aumenta o fosso de renda entre pequenos e grandes produtores agrícolas. A conclusão, claramente, é que essa injeção de subvenções só amplia as distorções do mercado e torna o setor menos competitivo. Exportador competitivo, o Brasil fornece pouco suporte e proteção à agricultura. A ajuda aos produtores no país diminuiu de 7,6% de sua renda bruta, entre 2000 e 2002, para 1,7% de 2017 a 2019. Para se ter uma ideia, os subsídios dados pelo governo asseguram 59,0% da renda dos agricultores na Noruega, 47,9% na Coreia do Sul e 41,4% no Japão. Na China, a ajuda representa 13,3% da receita bruta do agricultor. No total, apenas US$ 106 bilhões foram fornecidos pelos governos para serviços úteis na agricultura, e US$ 66 bilhões para beneficiar os consumidores. No grupo de 54 países estudados estão os membros da OCDE e da União Europeia, além de 12 emergentes. Desse universo, em seis países, entre os quais Argentina e Índia, os governos taxam implicitamente seus produtores agrícolas em US$ 89 bilhões, minorando artificialmente seus preços. Desta vez, o relatório da OCDE é publicado em meio à situação excepcional da crise de covid-19, em que alguns países estão impondo restrições às exportações e outros estão facilitando importações. Outra constatação é que, no grupo pesquisado, ganhos de produtividade das últimas décadas e algumas iniciativas para melhorar o desempenho ambiental marcam o passo. Mas as emissões de gases no setor aumentaram em vários países. Para Ken Ash, da OCDE, num momento em que os governos têm poucos recursos, no rastro da covid-19, seria propício reduzir ajudas distorcivas e fortalecer as que podem beneficiar mais o setor e a sociedade.

Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta quarta-feira

A partir desta quarta-feira (1) entra em vigor o novo Plano Safra, com o início da temporada da safra 2020-2021. Os produtores rurais já podem acessar os recursos para financiamento nos bancos que operam com crédito rural e nas cooperativas de crédito. De acordo com o Mapa o governo federal disponibilizou R$ 236,3 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional, alta de 6,1% (mais R$ 13,5 bilhões) em relação à safra anterior. O recurso, anunciado no lançamento do Plano Safra, há duas semanas, contribuirá para garantir a continuidade da produção no campo e o abastecimento de alimentos no país durante e após a pandemia do novo Coronavírus. Nos primeiros meses do ano agrícola, os produtores dão início à execução de suas decisões de plantio e de investimento, baseadas em expectativas de mercado e nas medidas de apoio anunciadas no lançamento do Plano Safra. Do total programado de R$ 236,3 bilhões do Plano Safra, R$ 179,38 bilhões estão destinados para custeio, comercialização e industrialização e R$ 56,92 bilhões para investimentos. Para o seguro rural de 2021 o governo disponibilizou R$ 1,3 bilhão. O valor deve possibilitar a contratação de 298 mil apólices, num montante segurado da ordem de R$ 52 bilhões e cobertura de 21 milhões de hectares. O orçamento para as lavouras de café conta com R$ 5,7 bilhões. Os pequenos produtores rurais terão R$ 33 bilhões para financiamento pelo Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com juros de 2,75% e 4% ao ano, para custeio e comercialização. Para os médios produtores rurais, serão destinados R$ 33,1 bilhões, por meio do Programa Nacional de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp), com taxas de juros de 5% ao ano (custeio e comercialização). Nos financiamentos para grandes produtores, a taxa anual de juros será de 6% para custeio e de 7% para investimento. Outro setor beneficiado será o da pesca comercial, que terá maior acesso ao crédito rural. Desta forma, a atividade poderá financiar a compra de equipamentos e infraestrutura para processamento, armazenamento e transporte de pescado. Os financiamentos da atual safra poderão ser contratados pelos agricultores de 1º de julho deste ano a 30 de junho de 2021. As informações do Plano Safra 2020-2021 estão  consolidadas no Manual de Crédito Rural, no Banco Central. O agronegócio é reconhecido como decisivo para o crescimento econômico brasileiro. No último boletim da Conab de junho, a estimativa da produção brasileira de grãos da atual safra (2019-2020) é de 250,5 milhões de toneladas. Apesar do surto do novo Covid-19, o PIB do setor agropecuário brasileiro deve ter alta de 2,5% em 2020, impulsionados pela soja, milho, cana de açúcar e café. A previsão é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), com base em dados do IBGE. Em 2019, a soma dos bens e serviços gerados pelo Agronegócio chegou a R$ 1,55 trilhão ou 21,4% do PIB brasileiro. O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) deste ano, de acordo com dados atualizados em maio, está estimado em R$ 703,8 bilhões, 8,5% acima do obtido em 2019 (R$ 648,4 bilhões). As exportações do Agronegócio no acumulado do ano – janeiro a maio – foram de US $ 41,9 bilhões, representando quase a metade das vendas externas do país. Os principais embarques foram o complexo soja (grãos, farelo e óleo) e as carnes (bovina, suína e de aves). O valor representa alta de 7,9% em relação ao quadrimestre no ano passado.

Russos desenvolvem 1° drone de carga agrícola

No mês passado, a empresa russa de drones Braeron anunciou o início iminente das vendas em julho do primeiro veículo aéreo não tripulado voltado para transporte de carga agrícola, destacou o portal AgroLink nesta quarta-feira (1). A empresa é especializada em drones industriais e enviou pedidos para obter o registro do drone na Rússia. Espera-se que a aprovação leve até um mês, o que, em caso de decisão positiva da Agência Federal de Transporte Aéreo, pode se tornar o primeiro UAV pesado registrado oficialmente na Federação Russa. Os desenvolvedores são voltados para as indústrias agroindustriais e de transporte e logística, sendo que é esperado que os drones transportem cargas, irriguem campos e até extingam incêndios. O objetivo da equipe Braeron é introduzir o uso de tecnologias não tripuladas em áreas onde ainda existem altos riscos de ameaças à vida humana e ao meio ambiente. “Em muitas regiões de difícil acesso ao redor do mundo, onde o trabalho do piloto é repleto de perigos, as pessoas podem ser substituídas em breve por drones. Os drones seriam excepcionais para uso em incêndios florestais e outros eventos de catástrofes em larga escala. Este não é o primeiro drone registrado na Rússia”, indicam os desenvolvedores. No entanto, todos os antecessores só podem transportar cargas leves. Em maio, a entrega de alimentos por drones foi lançada na Rússia em um pequeno segmento para começar. O drone é capaz de transportar uma caixa de 2,5 libras com comida. Além disso, houve um anúncio do “zangão esquilo voador” em maio. O novo drone também pode ser usado em operações de busca e salvamento, pode fornecer comunicação e transmitir eventos em massa. No entanto, a maioria desses drones pode lidar apenas com pequenas cargas. O peso máximo de decolagem do drone Braeron é de 1.322 libras para fins agrícolas e 1.410 libras para fins logísticos. Ele pode permanecer no ar por até 2,5 horas e acelerar até 43 milhas por hora. Ao contrário dos seus homólogos de tamanho pequeno, este drone pode voar em regiões remotas a qualquer hora do dia e em uma ampla variedade de condições climáticas. O objetivo do desenvolvedor é usar os drones em várias áreas e segmentos.

NA IMPRENSA

O Estado de S.Paulo – Investidores de startups revelam setores que podem se destacar em breve

O Estado de S.Paulo – Bolsonaro é aconselhado a substituir Salles e Ernesto Araújo

O Estado de S.Paulo – ‘Nossa imagem está muito ruim lá fora, parte de nós fala muito mal do País’, diz Guedes

G1 – PF investiga uso de notas fiscais falsas em possíveis fraudes no seguro agrícola no RS

Valor Econômico – Brasil se prepara para possível combate à nuvem de gafanhotos

Valor Econômico – Diretor-executivo da Anda, que representa empresas de fertilizantes, deixa o cargo

Valor Econômico – Alta do petróleo faz açúcar e algodão reagirem

Valor Econômico – Etanol de milho fortaleceu resultados da CerradinhoBio em 2019/20

Valor Econômico – Subsídios agrícolas cresceram no mundo de 2017 a 2019, diz OCDE

Valor Econômico – ConectarAgro se transforma em associação

Valor Econômico – Cargill mapeia todos os seus fornecedores de soja no país

Valor Econômico – União paga R$ 3 bilhões em precatórios à Copersucar

Valor Econômico – Banco do Brasil volta a disponibilizar, na safra 2020/21, R$ 103 bi em crédito rural

CNA – CNA participa de lançamento do Plano Safra Regional do Banco da Amazônia

CNA – Projeto Campo Futuro analisa custo de produção do café em Minas Gerais

CNA – Contratado por usina após o Programa Aprendizagem Rural, jovem afirma: “melhor decisão da minha vida”

Mapa – Banco do Brasil anuncia a destinação de R$ 103 bilhões para a safra que inicia hoje

Mapa – Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta quarta-feira

Embrapa – Sustentabilidade dos Cafés do Brasil tem início com a escolha correta de cultivares produtivas com resistência a doenças

Embrapa – Equipe leva temas da Embrapa Territorial para eventos on-line

Embrapa – Produtor deve estar atento à má formação dos grãos na espiga

Embrapa – Anunciado o vídeo vencedor da Campanha Nacional de Combate à Erosão

AgroLink – Epagri sofre prejuízos com ciclone

AgroLink – SP: estado é referência em pesquisa científica com mandioca

AgroLink – Agro puxa exportações do Brasil em junho

AgroLink – Pesquisadores debatem a citricultura brasileira em evento online

AgroLink – RS teve maior estiagem desde 2012

AgroLink – Variação cambial impacta em indicadores do agronegócio

AgroLink – Arroz OGM é fonte de anti-hipertensivos

AgroLink – Pesquisa sobre herbicida de arroz gera depósito de patente

AgroLink – AgroBrasília Digital atinge marca de 140 expositores

AgroLink – ANDA anuncia troca de diretor executivo

AgroLink – ConectarAGRO quer chegar a 13 milhões de hectares

AgroLink – Marca coletiva fortalece produção de banana em Delfinópolis

AgroLink – Russos desenvolvem 1° drone de carga agrícola

______________________
O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »