BOLSONARO É A FAVOR DA ANISTIA DE DÍVIDAS COM FUNRURAL, DIZ MINISTRA DA AGRICULTURA

//BOLSONARO É A FAVOR DA ANISTIA DE DÍVIDAS COM FUNRURAL, DIZ MINISTRA DA AGRICULTURA

O jornal Zero Hora destacou que uma das principais demandas do setor, o projeto que perdoa as dívidas de produtores com o Fundo de Assistência ao Trabalhador Rural (Funrural) – contribuição previdenciária de produtores e empreendimentos rurais – está em estudo pelo governo de Jair Bolsonaro. Segundo a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, o presidente “tem se posicionado a favor de fazer o perdão” dos débitos – o que teria impacto estimado em R$ 18 bilhões nas contas públicas. Existe um grupo estudando, porque tem que estar no orçamento (…) Não é uma decisão do Executivo sozinho, destaca o jornal. Precisa saber como pode ser feito, se é por medida provisória, e encaminhar ao Congresso. Aí é o congresso que precisa entender que é uma pauta importante do agronegócio brasileiro e votar a favor. E o presidente com certeza não vetará, se ele mandar a medida provisória é porque ele tem certeza que não acarretará na Lei de Responsabilidade Fiscal — disse, em entrevista ao Gaúcha Atualidade desta segunda-feira (7). De acordo com Tereza Cristina, inicialmente, a ideia é fazer uma nova prorrogação para a renegociação das dívidas para que esse estudo seja feito. O último prazo terminou em 31 de dezembro e não foi estendido pelo ex-presidente Michel Temer devido a “impedimentos legais”. No início de dezembro, a Câmara dos Deputados aprovou pedido de urgência na tramitação do projeto que trata do perdão das dívidas do Funrural. Com a decisão, o texto pode ser votado diretamente no plenário da Casa, sem passar pelas comissões permanentes.

Setor produtivo defende pacote de medidas para destravar crescimento econômico

Além das reformas macroeconômicas, que incluem as mudanças nos sistema previdenciário e tributário e a desburocratização da economia, o setor produtivo espera que o governo Jair Bolsonaro (PSL) adote outras medidas para dar mais competitividade ao país, é o que informa o jornal O Globo. O ministro da Economia, Paulo Guedes, já declarou ter como meta melhorar o ambiente de negócios brasileiro e anunciar, de forma contínua, medidas que não dependem de aprovação do Congresso para simplificar a vida de empreendedores. Consultadas pelo Globo, entidades que representam diferentes setores citaram sugestões como a criação de um grupo ou subsecretaria com foco nas exportações do agronegócio, que centralize todos os processos. Algumas dessas entidades já levaram suas bandeiras ao novo governo durante a campanha. Após a posse presidencial e a definição da equipe ministerial, essas associações estão na expectativa de que as propostas sejam analisadas e colocadas em prática.
                                                                                                                                          
Falta de chuvas no Sul já ameaça novo recorde na colheita de soja

A falta de chuvas no Sul do país poderá impedir que a produção brasileira de soja bata um novo recorde nesta safra 2018/19, destaca o jornal Valor Econômico. O maior volume colhido até agora foi o do ciclo passado (2017/18), estimado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em 119,3 milhões de toneladas. De acordo com Luiz Fernando Roque, analista da Safras & Mercado, ainda é cedo para estimar o tamanho das perdas na temporada 2018/19. “Mas uma coisa é certa: não vamos ter safra recorde”. De acordo com Roque, cerca de 10% da safra brasileira de soja está sob algum risco de perdas. “Isso seria uma redução de cerca de 2 milhões de toneladas. Mas são lavouras em risco. Não quer dizer que haverá uma perda nesse patamar”. A última projeção da consultoria Safras, que deverá ser atualizada ao fim da semana que vem, apontava para 122,2 milhões. Mas essas perdas gaúchas deverão ser compensadas em outras regiões. O clima no Matopiba – confluência entre Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia – e Minas Gerais “pode trazer boas surpresas”, disse Marco Antonio dos Santos, agrometeorologista da Rural Clima.

A volta do crescimento

Após quatro anos de crise, o horizonte da economia brasileira para 2019 se apresenta com cores mais otimistas para o setor primário. O cenário é de uma safra maior de grãos, com clima mais favorável, um crescimento de 2% no Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio e uma alta de 4,3% no Valor Bruto da Produção (VBP), que mede o faturamento da atividade agropecuária dentro da porteira, de acordo com estimativas da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). Segundo o portal Mais Soja, para 2019, os riscos e oportunidades dependerão muito da manutenção da política econômica ortodoxa e aprovação de reformas estruturais, que podem promover o reequilíbrio fiscal, abrindo espaço para recuperação mais rápida da economia, além da manutenção dos juros baixos. O otimismo que impregna o mercado está fulcrado na eleição de Jair Bolsonaro com uma agenda liberal e uma pauta de franco apoio à produção. Mas o fator decisivo serão as reformas – especialmente a da Previdência – pois somente elas asseguram a retomada da confiança e a volta dos investimentos. Qualquer procrastinação nessa área pesará sobre a economia. As expectativas para o Ano Novo são de uma safra de grãos maior que 2018, cuja colheita totalizou 228 milhões de toneladas. A produção de soja na safra 2018/2019 deve crescer 6% em relação à safra anterior, com boas condições climáticas em praticamente todos os Estados. Outros pontos importantes para 2019 são a melhoria nas condições de infraestrutura e logística, segurança no campo, introdução de marcos regulatórios e a ampliação da assistência técnica e gerencial para produtores com o objetivo de propor a melhoria da renda do setor agropecuário.
NA IMPRENSA

O Globo – Setor produtivo defende pacote de medidas para destravar crescimento econômico.

O Globo – Bolsonaro insinua irregularidades no Ibama e depois apaga post.

Embrapa – Pesquisa constata melhoria significativa da qualidade dos Cafés do Brasil.

Embrapa – Medidas simples podem ajudar a reduzir infestações por moscas-dos-chifres nos rebanhos.

Ibama – Vazamento de 4,9 mil litros de óleo na Bacia de Campos (RJ) provoca mancha de 38 km de extensão no mar.

Valor Econômico – Cultivo de cacau, trabalho para gente grande.

Valor Econômico – Falta de chuvas no Sul já ameaça novo recorde na colheita de soja.

Valor Econômico – Desigualdade impele crianças às lavouras também no Brasil.

Valor Econômico – Indígenas pedem à PGR abertura de inquérito contra medida de Bolsonaro.

Zero Hora – BB confirma renúncia de Tarcísio Hübner da vice-presidência de Agronegócios.

Zero Hora – Bolsonaro é a favor da anistia de dívidas com Funrural, diz ministra da Agricultura.

Zero Hora – Rogério Marinho é nomeado secretário especial de Previdência e Trabalho.

Zero Hora – Resíduo de agrotóxico é detectado em área urbana de Santana do Livramento.

Zero Hora – Governo Bolsonaro prepara pente-fino em todos os benefícios do INSS, diz jornal.

Mais Soja – Mosca-branca ataca plantas de eucalipto no MT.

Mais Soja – MILHO: oferta deve aumentar na safra 18/19.

Mais Soja – Caracterização da região promotora de gene OsXTH8 envolvido com o degrane em arroz daninho.

Mais Soja – A volta do crescimento.

Mais Soja – Mais que uma heresia agronômica, um crime de lesa-pátria.

Mais Soja – Potencial de armazenamento de sementes de soja com diferentes hábitos de crescimento.

Mais Soja – Efeito inibitório, inseticida e dissuasor de proteases da benzamidina inibidora de tripsina sobre a lagarta da soja em soja.
______________________________________________________

O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.