Boletim NK – Ibama publica diagnóstico inédito sobre a criação comercial de animais silvestres no país

//Boletim NK – Ibama publica diagnóstico inédito sobre a criação comercial de animais silvestres no país
Ibama publica diagnóstico inédito sobre a criação comercial de
animais silvestres no país
Diagnóstico inédito produzido pelo Ibama a partir de dados do Sistema Nacional de Gestão de Fauna Silvestre (Sisfauna) e do Sistema de Gestão do Uso da Fauna no Estado de São Paulo (Gefau/SP) traduz em números a realidade da criação comercial de animais silvestres no país. O diagnóstico, elaborado pela Coordenação de Monitoramento do Uso da Fauna e Recursos Pesqueiros e publicado no portal do Ibama, teve como objetivo compilar os dados armazenados em sistemas de gestão sobre empreendimentos comerciais, sistematizá-los e apresentá-los como informações úteis à sociedade e ao meio acadêmico. De acordo com o documento, há cerca de 432 mil animais silvestres nos planteis de empreendimentos de fauna no país. O mercado de pets representa mais de 90% do valor total comercializado, conforme dados apurados de 2016 a 2019. A criação comercial está concentrada na Região Sudeste, onde funciona a metade dos criadores comerciais cadastrados no país. Dos nascimentos declarados no SisFauna, 8,2% correspondem a animais de espécies ameaçadas de extinção (2.607 animais pertencentes a 14 espécies distintas). O diagnóstico da criação comercial de animais silvestres no Brasil está disponível para leitura no site do Ibama.
China reporta surto de gripe aviária e abate quase 18 mil animaisA China relatou, neste domingo (2), um surto de gripe aviária H5N1 na província de Hunan. Por causa disso, foram abatidos mais de 17.800 frangos, segundo o governo chinês. Segundo o G1, o vírus foi detectado pela primeira vez em 1996 em gansos na China e é letal para as aves, que sofrem com doenças respiratórias graves. Apesar de ser contagiosa entre seres humanos, a possibilidade desse tipo de transmissão é baixa, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS). A maioria das infecções humanas por H1N5 surge após contacto prolongado e próximo com aves infectadas. Segundo o Ministério de Assuntos Rurais do país, o surto ocorreu em uma propriedade rural no distrito de Shuangqing e matou 4,5 mil das 7.850 galinhas da propriedade. Após a propagação do vírus, o governo precisou abater cerca de 10 mil animais a mais. O surto surge no momento em que as autoridades chinesas tentam travar a propagação do novo coronavírus, que causou 361 mortos e mais de 17 mil infetados no país, e que foi inicialmente detectado em dezembro passado, em Wuhan, capital da província de Hubei, que faz fronteira com Hunan.

Em Wuhan, animais de estimação se tornam vítimas colaterais de coronavírus

A quarentena imposta a Wuhan, onde apareceu o novo coronavírus, está causando vítimas colaterais: os animais de estimação que vivem nesta metrópole e cujos proprietários que partiram pedem aos que ficaram para cuidar deles, uma vez que não podem voltar. “Por favor, alguém me ajude alimentando meu gato!”, diz o pedido postado em 30 de janeiro por um usuário da rede Weibo (o equivalente chinês do Facebook), e que ilustra claramente a preocupação de muitos “exilados”. Nesta segunda-feira, completamente aliviado, ele anunciou que havia encontrado um “jovem” que havia concordado em alimentar Maomao, que “miou com grande tristeza” quando o voluntário abriu a porta, “depois que ninguém esteve na casa por mais de 12 dias”. Para isso, o proprietário de Maomao usou a hashtag “salvem os animais de estimação que foram deixados em Wuhan”, tornando-se o terceiro mais comentando no Weibo, com milhões de pedidos e consultas de quem não pode ir a suas casas e solicitam voluntários bondosos. De acordo com o portal Zero Hora, neste contexto, um grupo foi criado pela Associação de Proteção de Pequenos Animais desta cidade no aplicativo QQ China, com o objetivo de mobilizar as pessoas que desejam alimentar os animais de estimação e que já tem mais de 2.000 membros. Embora seja verdade que o coronavírus tenha passado para os seres humanos de animais selvagens vivos colocados a venda no mercado de Wuhan, a Organização Mundial da Saúde (OMS) alertou em sua conta do Weibo que “não há evidências de que cães, gatos ou outros animais de estimação possam contrair o novo coronavírus”.

Infestação de carrapatos é uma ameaça ao rebanho

Criar bovinos é uma tradição de mais de 60 anos na família Soldera. Tudo começou com Laurindo Soldera, filho de um italiano que fixou residência em Porto Feliz (SP). O pecuarista toca o rebanho junto com os filhos. De acordo com o G1, são quase 400 cabeças, entre bezerros, bois e vacas. É um trabalho que requer atenção em todas as etapas, ainda mais quando aparece um conhecido pontinho escuro, que é praticamente imperceptível de longe. A presença do carrapato no meio da criação é um problema conhecido e que preocupa bastante, principalmente no verão. É que nessa época do ano o parasita se reproduz mais rápido e, para crescer, precisa passar um tempo na pele dos animais. Ele suga o sangue e prejudica o desenvolvimento do gado. No passado, para eliminar o parasita, Laurindo usava métodos mais caseiros. Com o passar dos anos, surgiram mais carrapaticidas no mercado e a estrutura para a lida com o gado ficou mais moderna. Ele usa dois métodos para acabar com o parasita: aplica um produto líquido no lombo do animal ou injeta o medicamento. Além do carrapaticida líquido e da injeção, há outras formas de combater o carrapato. O pecuarista Mário Jorge Pereira usa um pó carrapaticida para proteger as mais de 100 cabeças de gado do sítio. Ele gasta no máximo R$ 2 mil por ano comprando o pó para misturar com a ração. A cada mil quilos de ração, o criador usa um quilo do produto. O médico veterinário Danilo da Silva diz que os carrapatos acabam se acostumando com os produtos e que, por isso, é importante fazer a substituição pelo menos uma vez por ano.

NA IMPRENSA

Ibama – Ibama publica diagnóstico inédito sobre a criação comercial de animais silvestres no país

Valor Econômico – China reporta surto de gripe aviária

BBC Brasil – Coronavírus: por que os humanos estão pegando mais doenças transmitidas por animais?

G1 – Infestação de carrapatos é uma ameaça ao rebanho

G1 – Polícia conclui inquérito e aponta crime de maus-tratos em abrigo de animais de Teresina

G1 – China reporta surto de gripe aviária e abate quase 18 mil animais

G1 – Animais aproveitam o calor para se refrescar na água; veterinária em MG fala sobre cuidados e riscos ao nadar

Zero Hora – Em Wuhan, animais de estimação se tornam vítimas colaterais de coronavírus

ANDA – Animais na África do Sul correm risco de “poluição genética” irreversível

ANDA – Expedia é pressionada a parar de vender ingressos para show de golfinhos

FolhaMT – Bem estar animal: mais lucro na conta do pecuarista

Portal R10 – ‘Dormir com pet na cama faz mal para o animal’, alerta médico

Jornal MidiaMax – MS teve aumento de 9,41% na produção de carne bovina em 2019

O Pantaneiro – Agronegócio: um bom exemplo de pecuária de precisão

Canal Rural – Boi gordo: demanda maior e estoques baixos podem elevar preços

Canal Rural – Com milho em alta, produtores temem inviabilidade na criação de suínos

Canal Rural – Brexit: ‘Reino Unido pode isentar soja e carnes do Brasil’

Canal Rural – Frigoríficos cedem a pecuaristas e preços do boi gordo sobem

Diário do Comércio – Plataforma digital possibilita integração de notificações de doenças na pecuária

Diário do Nordeste – Ceará tem maior saldo de empresas do mercado pet em cinco anos

GAZ – Vídeo gravado por presidente de ONG animal gera polêmica
______________________________


O Boletim NK, produzido pela NK Consultores Relações Governamentais, é uma compilação das principais notícias publicadas em meios de comunicação do país sobre temas ligados ao setor.

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »