Boletim NK – Estudo de fase 3 no Brasil deixa de ser obrigatório para uso emergencial de vacinas contra Covid, diz Anvisa

//Boletim NK – Estudo de fase 3 no Brasil deixa de ser obrigatório para uso emergencial de vacinas contra Covid, diz Anvisa

Estudo de fase 3 no Brasil deixa de ser obrigatório para uso emergencial de vacinas contra Covid, diz Anvisa

Testes de vacinas contra a Covid-19 em voluntários brasileiros deixaram de ser item obrigatório para empresas que desejam solicitar à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) a autorização para uso emergencial do imunizante.

A decisão foi anunciada pela Anvisa nesta quarta-feira (3). Com a mudança, a agência diz que, nos casos em que isso ocorrer, o prazo de análise do pedido de uso emergencial será de até 30 dias.

Após o anúncio da Anvisa, o Ministério da Saúde afirmou que vai se reunir na próxima sexta-feira (5) com representantes do instituto russo Gamaleya, fabricante da vacina Sputnik V, e do laboratório indiano Bharat Biotech, fornecedor do imunizante Covaxin, para negociar a compra de mais 30 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19.

A expectativa do governo é ter acesso aos imunizantes (Sputnik e Covaxin) ainda em fevereiro, de acordo com o Ministério da Saúde. As informações são do G1.

A União Química, empresa que tem a autorização para a produção da Sputnik V no Brasil, chegou a entrar com um pedido de uso emergencial em janeiro deste ano, mas, como ainda eram exigidos os estudos de fase 3, a Anvisa devolveu o processo. Agora, segundo a reguladora, será necessário o envio de um novo pedido com adaptações alinhadas às novas regras.

Lira e Pacheco se comprometem com a vacinação em massa e a recuperação econômica

Os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco, assinaram nesta quarta-feira (3) um compromisso conjunto, em nome das duas Casas, de priorizar o combate ao coronavírus, a busca pela universalização das vacinas e as pautas de recuperação econômica. O documento propõe que todos os recursos estejam disponíveis para que não falte vacina para a população brasileira. Eles também se comprometeram a discutir com todos os setores da sociedade uma agenda de reativação econômica do Brasil.

Lira afirmou que a declaração conjunta demonstra que o Legislativo vai trabalhar com diálogo e harmonia, respeitando a independência das duas Casas.

“Trabalhando com muito diálogo, procurando agilizar as pautas necessárias ao nosso País. Neste momento, o foco é a união de forças no combate à maior crise econômica, sanitária e social do País e a busca pela vacina e a afirmação das pautas que destravarão a economia e beneficiarão os negócios e a geração de emprego e renda”, afirmou Lira à Agência Câmara.

Senador Randolfe Rodrigues diz já ter assinaturas para criar CPI da covid-19

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) anunciou que obteve a quantidade necessária de assinaturas para protocolar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da covid-19 no Senado. Segundo o requerimento, a CPI terá como objetivo “apurar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento da covid-19 no Brasil e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas”.

O requerimento obteve 27 assinaturas, segundo a assessoria do líder da Rede no Senado, e deve ser protocolado ainda nesta quarta-feira, 3. Depois, seguirá para a aprovação do recém-empossado presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG). A apuração é do Estadão.

Em paralelo à CPI do Senado, há uma articulação para que também seja aberta uma Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI), com participação da Câmara e do Senado. Para isso, porém, seria necessário conseguir assinaturas de 171 deputados.

O documento aponta uma atuação “sistemática” do governo na violação de direitos fundamentais básicos à vida e à saúde da população. De acordo com o requerimento, desde o início da pandemia no País, “o governo federal tentou impedir que os entes federados pudessem tomar medidas para diminuir o ritmo da propagação do vírus, como o isolamento social, o uso de máscara e álcool em gel”.

Anticorpos permanecem por seis meses após covid-19, mostra estudo

A grande maioria das pessoas que contraem covid-19 ainda tem anticorpos pelo menos seis meses após a infecção, mostrou um novo estudo envolvendo mais de 20.000 pessoas.

Cerca de 88% dos participantes com teste positivo para infecção anterior retiveram anticorpos por seis meses, de acordo com estudo do Biobank do Reino Unido, um importante banco de dados biomédico. O número foi de 99% em três meses.

Segundo o Valor Econômico, os resultados seguem outros estudos menores que indicam nível de imunidade após uma infecção natural por pelo menos 6 meses. Autoridades de saúde disseram que ainda não está claro por quanto tempo a proteção por meio de vacinas pode durar e o aumento de cepas de vírus mutantes pode significar que as vacinas podem precisar ser atualizadas periodicamente para manter sua eficácia.

O sintoma mais comum associado à presença de anticorpos contra covid foi a perda do paladar e do olfato, relatada por 43% dos participantes. Cerca de um quarto estava completamente assintomático.

 

NA IMPRENSA

 

Agência Saúde – Após tratamento em outros estados, 154 pacientes recuperados da Covid-19 já voltaram para casa

Agência Saúde – Carga com grande quantidade de oxigênio chega ao Amazonas em voo inédito

Agência Brasil – São Paulo suspende Fase Vermelha nos finais de semana

G1 – Brasil deve receber 10,6 milhões de doses de vacina contra a Covid-19 pela Covax no primeiro semestre

G1 – Estudo de fase 3 no Brasil deixa de ser obrigatório para uso emergencial de vacinas contra Covid, diz Anvisa

Agência Câmara – Lira e Pacheco se comprometem com a vacinação em massa e a recuperação econômica

Valor – Dinamarca quer lançar passaporte digital de vacinação contra covid-19

Valor – Covax planeja distribuir 337 milhões de doses de vacinas contra covid-19 no 1º semestre

Valor – PGR pede providências do governo para conter novas cepas do vírus

Valor – Equipe da OMS visita instituto de virologia de Wuhan, na China

Valor – Novo estudo justifica atraso em aplicação de reforço da vacina contra covid-19, diz Reino Unido

Valor – Vacina de Oxford diminui a transmissão do coronavírus após 1ª dose, diz pesquisa

Valor – México autoriza uso emergencial da vacina russa Sputnik V

Valor – Suíça compra vacinas suficientes para imunizar população duas vezes

Valor – Anticorpos permanecem por seis meses após covid-19, mostra estudo

Valor – Anvisa deve flexibilizar critério para vacinas que beneficia Sputnik

Folha – Vacina de Oxford reduz transmissão do coronavírus, diz estudo preliminar

Folha – Suíça nega aprovação a vacina da Astrazeneca e acirra ‘inferno astral’ da empresa

Folha – Promotor da Sputnik V no Brasil nega influência política e diz que coincidência ajudou a vacina

Folha – RR, AM e MS criam logística para vacinar indígenas e imunizam fatia maior contra Covid

Folha – Coronavírus: as medidas tomadas pelos EUA contra o ‘turismo das vacinas’

Estadão – ‘Conselhão’ nega pedido de senadores para investigar Aras por omissão na fiscalização dos atos do governo na pandemia

Estadão – Senador Randolfe Rodrigues diz já ter assinaturas para criar CPI da covid-19

O Globo – Alemanha envia médicos e ventiladores para ajudar Portugal a deter segunda onda da Covid-19

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »