Boletim NK – Agência baiana reforça alerta para proliferação da ferrugem asiática da soja

Home/Informativo/Boletim NK – Agência baiana reforça alerta para proliferação da ferrugem asiática da soja

Agência baiana reforça alerta para proliferação da ferrugem asiática da soja

Detectada mais uma vez em 2021 no início do calendário de plantação da soja, antes mesmo do período da colheita na região oeste da Bahia, a ferrugem asiática deixou em alerta os sojicultores baianos, uma vez que o fungo é responsável por incalculáveis prejuízos no campo. A produção baiana de soja deve passar de 6 milhões de toneladas em 2020 para 6,4 milhões de toneladas em 2021, totalizando um aumento de 6,3%. Por isso, a  Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (ADAB) disparou o sinal vermelho para que eventuais novas ocorrências não comprometam a safra 2020/21, com expectativa de recorde histórico na produção.

A expectativa favorável envolve o monitoramento contínuo da ADAB que fiscaliza o cumprimento do calendário do vazio sanitário (entre junho e setembro) com o objetivo de quebrar o ciclo da praga, período estabelecido em Portaria estadual embasada em critérios científicos que define as temporadas específicas de plantio, colheita e vazio, esta última para que o terreno esteja livre de plantas vivas, evitando que o Phakopsora pachyrhizi sobreviva e se reproduza.

“A soja responde com um VBP (Valor Bruto de Produção) de mais de R$10 bilhões anuais, alavancando a economia do estado, gerando empregos e renda para os baianos, por isso, temos nos empenhado cada vez mais para que as lavouras estejam sadias. Caso o fungo se instale, a lavoura é afetada de tal forma que, mesmo com a utilização do controle químico, nem sempre se torna possível reverter os estragos”, relata o diretor-geral da ADAB, Maurício Bacelar. A entrevista foi concedida para o Portal Agrolink.

Proximidade do verão reacende o alerta para os cuidados com doenças fúngicas na cafeicultura

A proximidade do verão no Brasil, estação marcada por temperaturas elevadas e maiores níveis de umidade, reacende o alerta dos produtores de café para os cuidados com as doenças fúngicas. Para se ter uma ideia dos prejuízos que elas representam para a atividade, apenas a Ferrugem-do-café, principal doença relacionada à cultura, pode causar perdas acima dos 70% de produtividade, acarretando perda de renda na safra. Além disso, outras duas doenças também precisam ser consideradas pelos seus impactos representativos para a cultura, que são a Phoma e a Cercospora. Ambas também aparecem mais fortemente em meio ao verão, principalmente, durante o primeiro quadrimestre do ano.

“Esse é o momento ideal para que o produtor de café se prepare para o período considerado favorável para o aparecimento dessas doenças fúngicas que têm reflexos importantes para a cultura no país. O cafeicultor tem que se antecipar a elas para que evite problemas futuros, não apenas nesta safra, mas na seguinte também”, afirma Renato Fenólio, gerente de território de vendas para o café da BASF.

Em entrevista para o Portal do Agronegócio, Fenólio também destaca a importância do controle preventivo para que essas doenças fúngicas sejam controladas e não impactem a safra. “A gente costuma fazer um paralelo entre o controle preventivo e o curativo com o incêndio, visto que quando você chama um bombeiro o fato já aconteceu. Os controles curativos vão controlar a doença, mas o prejuízo já está instalado, enquanto que os preventivos ocorrem ao longo da safra”, explica.

Brasil e mais 78 países se comprometem em manter oferta voltada ao Programa Mundial de Alimentos

O Brasil e outros 78 países membros da Organização Mundial do Comércio (OMC) divulgaram hoje uma declaração conjunta com o compromisso de evitar a proibição ou a restrição de exportações de produtos destinados ao Programa Mundial de Alimentos (PMA), que tem fins humanitários.

Em nota, os ministérios da Agricultura e das Relações Exteriores afirmaram que a pandemia e as medidas de proibição de exportações de produtos agrícolas adotadas ao redor do mundo em 2020 ampliaram os desafios para as operações do PMA. O texto ainda reforça a atuação do país nos órgãos internacionais e a garantia dada pelo governo brasileiro da capacidade de manter o fornecimento global de alimentos.

Segundo a nota, a estimativa é que o número de pessoas em situação de insegurança alimentar aguda nos países em que o PMA opera aumentou para 270 milhões em 2020, elevação de 82% em relação ao nível pré-pandemia. “O Brasil também tem acompanhado com atenção as discussões no âmbito da OCDE sobre o impacto da covid-19 sobre a segurança alimentar em que foi destacada a capacidade do país de manter sem interrupções seus compromissos de fornecimento global de alimentos”, diz o texto divulgado há pouco. “O engajamento do Brasil confirma o compromisso com a promoção da segurança alimentar não apenas em território nacional, mas em todo o mundo”, acrescenta. A apuração é do Valor Econômico.

Insumos para vacinas: por que a ministra da Agricultura participou de reunião com a China?

O Ministério da Agricultura, sob o comando da ministra Tereza Cristina, fez grandes avanços nos últimos dois anos. O trabalho da pasta na abertura de novos mercados e estreitamento de laços com parceiros comerciais importantes, como a China, rendeu diversos elogios a Tereza Cristina.

Desde fevereiro de 2020, o ministério mantém um grupo de trabalho chamado de “Núcleo China”. Coordenado pela assessora especial do ministério Larissa Wachholz, o grupo conta com profissionais brasileiros e chineses empenhados em aperfeiçoar e construir parcerias com o atual maior comprador de produtos agropecuários do Brasil. Graças a esse trabalho desenvolvido, o ministério possui contatos e conexões fortes com membros do país asiático. Agora, o governo brasileiro pode ter se utilizado desta figura bem quista pelos chineses para tentar resolver o impasse envolvendo o fornecimento de insumos para a fabricação de vacinas contra a Covid-19 no Brasil.

Junto aos ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e das Comunicações, Fábio Faria, a ministra da Agricultura participou de uma reunião com o embaixador do país asiático no Brasil, Yang Wanming, nesta quarta-feira, 20, por meio de videoconferência.

Em nota, a Secretaria Especial de Comunicação, vinculada ao Ministério das Comunicações, informou que o governo brasileiro vem mantendo negociações com o governo chinês para solucionar o impasse.

“O governo federal vem tratando com seriedade todas as questões referentes ao fornecimento de insumos farmacêuticos para produção de vacinas (IFA). O Ministério das Relações Exteriores, por meio da embaixada do Brasil em Pequim, tem mantido negociações com o Governo da China. Outros ministros do governo federal têm conversado com o embaixador Yang Wanming. No dia de hoje, foi realizada com o embaixador, uma conferência telefônica com participação dos ministros da Saúde, da Agricultura e das Comunicações. Ressalta-se que o Governo Federal é o único interlocutor oficial com o governo chinês”.

A Embaixada da China no Brasil também comentou, em postagem nas redes sociais, a reunião do embaixador com os ministros brasileiros. “Conversaram sobre a cooperação antiepidêmica e de vacinas entre os dois países. A China continuará unida ao Brasil no combate à pandemia para superar em conjunto os desafios colocados pela pandemia.” As informações são do Canal Rural.

 

NA IMPRENSA

 

G1 – Especialistas dizem como o novo governo Biden pode impactar o agronegócio brasileiro

Valor Econômico – Acionista reclama de desempenho da Corteva e pede troca de CEO

Valor Econômico – Cooperativas do Paraná respondem por um terço das exportações agrícolas do Estado

Valor Econômico – PIB do agronegócio subiu 16,8% nos primeiros dez meses de 2020, dizem CNA e Cepea

Valor Econômico – Brasil e mais 78 países se comprometem em manter oferta voltada ao Programa Mundial de Alimentos

Valor Econômico – Conab estima queda de até 30% na produção de café em 2021/22

Agrolink – Protesto de caminhoneiros continua na Argentina

Agrolink – Pêssegos com tecnologia da Embrapa ganham mercados no Hemisfério Norte

Agrolink – Agência baiana reforça alerta para proliferação da ferrugem asiática da soja

Agrolink – Representantes legais dos caminhoneiros descartam greve

Canal Rural – Insumos para vacinas: por que a ministra da Agricultura participou de reunião com a China?

Canal Rural – Para Fecoagro, soja remuneradora pode trazer alívio aos produtores do RS

Canal Rural – Brasil pede isenção das exportações dentro do Programa Mundial de Alimentos

Portal do Agronegócio – Proximidade do verão reacende o alerta para os cuidados com doenças fúngicas na cafeicultura

Vida Rural – Coronavírus evidencia a urgência de uma produção agrícola mais sustentável, aponta o BCG

Vida Rural – Startup curitibana cria produtos de irrigação automatizada para cultivo indoor

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »