Bem-estar começa a virar realidade na criação de suínos

Home/Informativo/Bem-estar começa a virar realidade na criação de suínos

Aos poucos o bem-estar animal avança no Brasil. Depois de redes varejistas anunciarem metas de não comprar mais ovos de galinhas criadas em gaiolas e de produtores divulgarem investimentos no mesmo rumo, é a vez dos porquinhos. As gaiolas de gestação para suínos estão com os dias contados no Brasil, destacou o Valor Econômico nesta quarta-feira (9). Trata-se de prática cruel, que aloja porcas reprodutoras separadas umas das outras em gaiolas apertadas que praticamente não permitem que elas se movam durante toda a gestação. As empresas no Brasil estão se movimentando nesta agenda internacional com compromissos voluntários em prazos mais velozes do que os propostos pelo Ministério da Agricultura. O fim das celas gestacionais é o primeiro passo da transição das granjas. Há ainda as mutilações em leitões com castração cirúrgica, corte de cauda, dentes e orelhas realizados costumeiramente sem medicação analgésica ou anestésica. “Estamos dando um passo por vez. As celas gestacionais são um dos pontos mais críticos da suinocultura”, explica Patrycia Sato, médica-veterinária dedicada ao tema do bem-estar animal e uma das fundadoras da ONG Alianima, fundada em 2019 para atuar na proteção animal. A organização criou a plataforma Observatório Animal, para monitorar a transição das empresas e fomentar novas políticas, e acaba de lançar o relatório anual Observatório Suíno. O estudo compila resultados do questionário enviado a todas as empresas com compromissos voluntários de bem-estar na suinocultura para saber em que momento estão de suas metas. Também foram consultadas redes de lanchonetes que compram a carne e possuem compromissos. O estudo indica que as empresas estão em estágios diferentes de evolução de seus compromissos voluntários e embora estejam mais atentas ao tema, há um caminho longo a percorrer até 2029.

China deve desacelerar importações de carne em 2021, diz banco

O crescimento das importações de carne pela China deverá desacelerar para um ritmo abaixo de 20% no próximo ano, disse uma importante analista nesta terça-feira (8), em meio a uma menor oferta da Austrália, importante exportadora, e com o aumento da produção doméstica de carne suína. De acordo com o G1 a China, que responde por um quatro do comércio global de carne, tem expandido rapidamente suas importações nos últimos anos, com salto de 60% nos embarques no ano passado, para 1,66 milhão de toneladas, enquanto neste ano as compras aumentaram 40% até o momento. Mas as importações da China junto a seu terceiro maior fornecedor, a Austrália, devem cair em meio a uma menor produção e às maiores tensões políticas entre os países, disse a analista Pan Chenjun, do banco holandês Rabobank, que também atua em consultoria no setor agrícola. A China suspendeu seis frigoríficos australianos de seu mercado até o momento no ano, citando motivos como questões relacionadas a embalagens. “Por esse motivo, eu acredito que o crescimento das importações da China não será tão forte como nos dois anos anteriores, e talvez fique abaixo de 20%”, afirmou ela. A oferta chinesa de carne suína também está se recuperando “muito mais rápido que o esperado” após o rebanho de suínos do país, o maior do mundo, ter sido devastado por uma epidemia de peste suína africana.

França confirma surto severo de gripe aviária em criação de patos

O Ministério da Agricultura da França disse nesta terça-feira (8) que a gripe aviária H5N8 foi encontrada em uma criação de patos no sudoeste do país, confirmando o primeiro surto do vírus em uma fazenda neste ano. Segundo o G1 o surto foi relatado pela primeira vez na segunda-feira, mas na ocasião ainda não estava claro a cepa do vírus envolvida nos casos. A gripe aviária tem se espalhado rapidamente pela Europa, o que tem colocado a indústria avícola em alerta depois que surtos anteriores levaram ao abate de dezenas de milhões de aves. “O laboratório nacional de referência (ANSES) confirmou hoje a infecção de uma fazenda de 6.000 patos pelo vírus H5N8 no município de Benesse-Maremne (região de Landes), onde foi observada alta mortalidade no dia 5 de dezembro”, disse o ministério em nota. Uma zona de segurança foi demarcada ao redor da fazenda em 7 de dezembro, implicando em monitoramento extra, proibição de movimentação de aves e medidas sanitárias adicionais, disse o ministério, acrescentando que todos os patos da unidade foram sacrificados. A França já detectou o vírus H5N8 em aves vendidas em três lojas. Investigações descobriram que as aves selvagens foram vendidas pela mesma pessoa no norte da França, disse o Ministério da Agricultura na semana passada. Além disso, três cisnes e um ganso selvagem encontrados mortos na semana passada também foram confirmados como portadores do vírus H5N8, disse o ministério. A disseminação do vírus na Europa levou a França a elevar seu alerta de segurança contra a gripe aviária para “alto” no início de novembro, o que exige manter as aves em locais fechados ou a instalação de redes de proteção para evitar o contato delas com aves selvagens que espalham a doença. O ministério enfatizou que a gripe aviária não pode ser transmitida através da ingestão de produtos avícolas. O vírus H5N8 nunca foi detectado em humanos.

Indústria de carne dos EUA pede prioridade na vacinação contra covid-19

A indústria de carne dos Estados Unidos está pedindo ao governo alta prioridade aos seus trabalhadores na vacinação contra covid-19, informou a Revista Globo Rural nesta terça-feira (8). O North American Meat Institute, a National Cattle Men’s Beef Association e o National Pork Producers Council informaram em nota que reconhecem e apoiam a recomendação do comitê consultivo do Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC, na sigla em inglês), agência de controle de doenças dos Estados Unidos, de prioridade de profissionais de saúde e outras pessoas de alto risco, mas consideram que, a seguir, a vacinação deve ser realiada em trabalhadores da indústria de carne e seus fornecedores de gado. As empresas argumentam que essa indústria “faz parte da infraestrutura crítica e necessária para garantir o funcionamento da cadeira de abastecimento e fornecimento de alimentos”, disseram os grupos. A Tyson Foods avisou em abril que “a cadeia de abastecimento de alimentos está se rompendo”, pois várias empresas fecharam instalações por causa dos casos de novo coronavírus. A JBS USA Holdings Inc. teve que mandar para casa 202 trabalhadores em Greeley, no Colorado, nesta segunda-feira (7), por risco de contágio de covid-19, mas continua a fornecer pagamento integral e benefícios para os afastados.

NA IMPRENSA

Governo Federal – Desmatamento tem queda de 45% em novembro

O Estado de S.Paulo –  BRF anuncia investimento de R$ 55 bi em 10 anos para se tornar líder de mercado

O Estado de S.Paulo –  Cuidado com cães e gatos nas festas de final do ano

O Globo – BRF vai investir R$ 55 bilhões em dez anos e quer ser líder no mercado de comida para pets

O Globo – Leões do zoológico de Barcelona testam positivo para Covid-19

G1 – França confirma surto severo de gripe aviária em criação de patos

G1 – China deve desacelerar importações de carne em 2021, diz banco

G1 – Amazônia: mapeamento inédito identifica 2,7 mil projetos de restauração

G1 – Nova meta climática do governo federal no Acordo de Paris é ‘insuficiente e imoral’, diz Observatório do Clima

G1 – Acordo de Paris: Brasil prevê ‘emissão zero’ até 2060 e quer US$ 10 bilhões anuais de países ricos para antecipar data

G1 – Número de autuações ambientais não mede eficácia de ações na Amazônia, diz Ibama ao STF

G1 – Prefeitura disponibiliza cadastro online para castração de animais em Lins

G1 – Cabeças de cavalo são encontradas perto de estação de esgoto em Cuiabá e polícia abre inquérito para apurar o caso

G1 – Mercado Solidário Pet é inaugurado pela Prefeitura de Uberaba

Valor Econômico – BRF promete elevar investimentos e vê forte alta de vendas

Valor Econômico – Volumes das exportações de carnes de frango e suína cresceram em novembro

Valor Econômico – Bem-estar começa a virar realidade na criação de suínos

AgroLink – Mercado do boi gordo: queda nos preços da arroba em 28 praças

AgroLink – Desafio de startups do leite define finalistas

AgroLink – Recuo nas exportações brasileiras de carne bovina em dezembro

Canal Rural – Fazendeiro e leiloeiro são presos por suspeita de venda de gado furtado em MS

Canal Rural – Boi e soja caem mas milho se recupera; veja notícias importantes desta quarta-feira

Canal Rural – Boi gordo: queda na demanda por carne bovina mantém arroba desvalorizada

Globo Rural – Indústria da carne não vê queda no consumo como ameaça, mas admite ajustes

Globo Rural – Indústria de carne dos EUA pede prioridade na vacinação contra covid-19

Globo Rural – Codevasf repovoa São Francisco com alevinos de espécie ameaçada

SBA – Exportações brasileiras de leite apresentaram altas

SBA – Entrevista da Semana: pesquisadora explica como estação de monta organiza o calendário da fazenda

SBA – Vacas Nelore são comercializadas em média acima de R$ 4 mil em leilão

Noticias Agrícolas – Sorgo e milheto são alternativas para aumentar a competitividade da pecuária

Portal do Agronegócio – AL: bovinocultores de leite de Major Izidoro aumentam lucro mensal em até 650%

Portal do Agronegócio – Mercado do boi gordo: queda nos preços da arroba em 28 praças

Portal do Agronegócio – Recuo nas exportações brasileiras de carne bovina em dezembro

Portal do Agronegócio – Frango, ovo, milho e inflação em novembro de 2020 e na vigência do real

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Translate »